1. Arquivos
  2. Religião

A ilusão de Willow Creek com a “justiça social”

18 de maio de 2010 - 5:40:45

Acho preocupante que o governo de Obama esteja tentando usar as igrejas, inclusive as igrejas evangélicas, para seus próprios propósitos políticos.

A edição de 3 de maio de 2010 da revista The Weekly Standard traz um artigo escrito por Meghan Clyne intitulado “The Green Shepherd”, descrevendo como a Secretaria de Parcerias de Religião e Vizinhança da Casa Branca está buscando inscrever igrejas cristãs ingênuas em seus esforços para controlar o clima – sob a fachada de lutar contra a pobreza e a injustiça.

Um dos “Pastores Verdes” escolhido pelo governo de Obama para enganar os evangélicos é nada menos do que o Rev. Jim Wallis!

O subtítulo do artigo de Clyne resume a meta política fundamental do governo: “A Casa Branca quer que as igrejas avancem a agenda estatal de mudança climática”. Ela aponta para o fato de que embora Wallis tenha escrito em dezembro de 2006 que os “republicanos desavergonhadamente tenham politizado a iniciativa de parceria com as religiões”, o próprio Wallis é agora “membro do conselho de parcerias religiosas de Obama e tem também se encontrado com parlamentares do Partido Democrático para ajudá-los a elaborar suas políticas em termos moralmente mais atraentes”. Esses democratas treinados por Wallis por sua vez farão “grandes avanços no meio de eleitores cristãos”. Parece semelhante a Hitler fazendo avanço no meio dos luteranos da época dele?

Eis um Jim Wallis, da entidade esquerdista radical Estudantes em prol de uma Sociedade Democrática e defensor de Fidel Castro e de um partido que apóia a propagação de revoluções comunistas em toda a América Central, andando entre os evangélicos e enganando-os. Wallis tem sido radical desde que se formou da Universidade Estadual de Michigan. (Se estiver interessado em mais comentários sobre Wallis e a revista dele Sojourners, veja o artigo “Barack Obama’s ‘Red’ Spiritual Advisor” no site do Summit Ministries.)

A capacidade de Wallis de enganar chega a alturas elevadas nos círculos evangélicos. Por exemplo, um artigo postado no blog Sojourners intitulado “Além da Clareza: Vivendo uma Vida de Compaixão e Justiça”, escrito pela esposa do Pr. Bill Hybels, da Igreja Willow Creek, diz o seguinte: “A batalha contra a injustiça é uma guerra dura e feia. Embora eu esteja orgulhosa de que a Willow Creek tenha entrado nessa guerra, a verdade é que só começamos a lutar… Aguardo o dia em que como igreja seremos conhecidos por sermos a igreja mais verde do planeta, não só porque gozamos a beleza da criação de Deus, mas também porque sabemos que a mudança climática é uma questão de justiça”. Em sua lista de livros para leitura, ela sugeriu Jim Wallis e sua revista Sojourners.

Essa ideia de que uma mudança climática é uma questão de justiça/injustiça está 100 por cento em harmonia com o Conselho Consultivo de Parcerias para Religiões e Fé, que “prevê a ‘parceria’ entre governo e instituições religiosas como meio de propagar os avisos ambientais do governo, em vez de só um modo de ajudar as igrejas a alimentar os famintos e vestir os pobres”. Não é de admirar que Clyne tenha finalizado seu artigo comentando: “Talvez seja simplesmente lógico que os ativistas do aquecimento global recorram a argumentos religiosos em busca de ajuda já que os argumentos científicos a favor de sua posição estão se desmoronando”.

Mas permita-me ser curto e grosso e sugerir que a sra. Hybels ficaria mais bem informada se lesse os livros “Life at the Bottom” de Theodore Dalrymple, “Equality, the Third World, and Economic Delusion” de Peter Bauer e “Intellectuals and Society” de Thomas Sowell.

Aliás, se ela lesse a obra de Sowell, ela descobriria pelo menos um segredo para tirar os pobres da pobreza, que podemos presumir é o desejo dela para alcançar a “justiça social”, já que ela nunca expressa com nitidez o que ela quer dizer com esse termo. Sowell escreve: “Sob as novas políticas econômicas que começaram na década de 1990, dezenas de milhões de pessoas na Índia saíram do nível de pobreza nesse país. Na China, sob políticas semelhantes iniciadas antes, um milhão de pessoas por mês está saindo da pobreza”.

Infelizmente a esquerda radical não recebe com alegria tais notícias, pois essas políticas econômicas são capitalistas e daí politicamente incorretas. Sowell cita o escritor francês Raymond Aron que admite que os intelectuais querem ver prosperidade somente “por meio de intervenção estatal” e do “código revolucionário” e daí sentem rancor contra tais vitórias capitalistas. O lema deles parece ser melhor sermos pobres sob o socialismo do que prósperos sob o capitalismo!

Aliás, um colega conferencista me contou sobre sua recente viagem a Cuba, onde a “justiça social” reina de forma suprema. Todo o mundo em Cuba trabalha para o governo e recebe 15 dólares por mês (os médicos recebem 18) que mal dá para comprar arroz e feijão e um pouco de óleo de cozinha. Os 500 pastores que ele treinou durante uma semana disseram que Cuba hoje é uma ilha prisão e ninguém pode escapar. As pessoas estão passando fome, muito embora seus mares estejam cheios de peixes, mas barcos pesqueiros são proibidos porque seriam usados para escapar do paraíso. Os cubanos querem fugir para os EUA, que o governo cubano acusa de “malignos”.

Essa é a Cuba que o Rev. Jim Wallis e sua turma de Sojourners usam como exemplo de “justiça social”. Pergunta: É desse jeito que Hybels entende “justiça social”? Por que ela não faz uma viagem missionária de curto prazo para resgatar algumas daquelas 500 esposas daqueles 500 pregadores que estavam implorando socorro para escapar de sua prisão de pobreza e desesperança?

De acordo com Olavo de Carvalho, aproximadamente uma dúzia de países latino-americanos estão atualmente sendo governados por partidos comunistas ou pró-comunismo. Será que os evangélicos estão tão ignorantes ou desinformados do que as políticas da tão chamada “justiça social” envolvem que eles estão dispostos a sacrificar os pobres por uma ideia que não funcionou em quase 5.000 anos de história registrada?

Olha, eu ainda estou pensando! O que penso é que a sra. Hybels e seu marido precisam ler o livro “Quando uma nação se esquece de Deus” de Erwin Lutzer e então comparecer a uma sessão de duas semanas de Summit neste verão!

 

David A. Noebel é presidente do Summit Ministries.

Traduzido e adaptado por Julio Severo.
Fonte: WND

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}