1. Arquivos
  2. Movimento Revolucionário

A “companheira” Kátia Abreu

26 de junho de 2010 - 1:57:16

O artigo é basicamente um encômio ao deputado do PCdoB, Aldo Rebelo, que é o principal dirigente de sua agremiação, aliado de primeira hora do PT e declaradamente compõe a extrema esquerda política no Brasil. A senadora parece ignorar que o PCdoB é um partido marxista-leninista, hoje alinhado com o comunismo chinês, e suas intenções políticas estão publicadas no seu site. Eu recomendaria à senadora uma leitura, por exemplo, dos Estatutos do partido, que dizem, entre outras coisas:

Artigo 1º
O Partido Comunista do Brasil, fundado em 25 de março de 1922, reorganizado em 18 de fevereiro de 1962 e legalizado, na fase atual, em 27 de maio de 1985, é o partido político da classe operária e do conjunto dos trabalhadores brasileiros, fiel representante dos interesses do povo trabalhador e da nação. Organização política de vanguarda consciente do proletariado, guia-se pela teoria científica e revolucionária elaborada por Marx e Engels, desenvolvida por Lênin e outros revolucionários marxistas.

O Partido Comunista do Brasil luta contra a exploração e opressão capitalista e imperialista. Visa a conquista do poder político pelo proletariado e seus aliados, propugnando o socialismo científico. Tem como objetivo superior o comunismo. Afirmando a superioridade do socialismo sobre o capitalismo, almeja retomar um novo ciclo de luta pelos ideais socialistas, renovados com os ensinamentos da experiência socialista do século XX, e desenvolvidos para atender à realidade do nosso tempo e às exigências de nosso país e nossa gente. Ao mesmo tempo, no espírito do internacionalismo proletário, apóia a luta antiimperialista de todos os povos por sua emancipação nacional e social, soberania nacional e pela paz mundial.

Ou seja, qualquer ação parlamentar de aliança que um dirigente partidário revolucionário faça nunca perderá de vista seu objetivo estratégico, que é a implantação da ditadura do proletariado. Quando o PTdoP assumir plenos poderes por aqui gente como Kátia Abreu, se escapar do fuzilamento, será devidamente “matriculada” em algum campo de concentração para reeducação de burgueses malvados, como os comunistas fizeram em toda parte onde chegaram ao poder.

De forma inocente a senadora atribuiu ao deputado uma grandeza moral de que ele está desprovido. Nenhum comunista, por definição, possui qualquer grandeza moral. Tudo neles, todas as suas ações, estará sempre subordinado à sua lógica da luta de classe, nos termos marxista-leninistas. Quem se enganar quanto a isso será um simples companheiro de viagem desavisado de gente como Aldo Rebelo, implacável na perseguição dos seus objetivos. Não passa de um arrematado idiota.

Podemos ler no Programa do PCdoB:

17) O desafio, na atualidade, é conduzir o processo político a um patamar mais promissor. O Brasil precisa e tem condições de efetivar um Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento (NPND) com realizações arrojadas. Este projeto é chamado a suplantar os impasses e deformações resultantes das vicissitudes da sua história política e socioeconômica. A remoção dos obstáculos acumulados exige soluções relacionadas à elaboração do NPND.

Dona Kátia não sabe que ela própria encarna precisamente o que os comunistas chamam de obstáculos: ela própria é a encarnação da burguesia supostamente exploradora. Podemos continuar a ler no Programa:

20) O objetivo essencial deste Programa é a transição do capitalismo ao socialismo nas condições do Brasil e do mundo contemporâneo. O socialismo tem como propósito primordial resolver a contradição essencial do capitalismo: produção cada vez mais social em conflito crescente com a forma de apropriação privada da renda e da riqueza. Como sociedade superior, deve distribuir os bens e a riqueza conforme o resultado da quantidade e qualidade do trabalho realizado. É uma sociedade de alta produtividade social do trabalho, superior à do capitalismo. Não é uma exigência voluntarista, decorre do avanço da consciência social.

Traduzindo em linguagem corrente, os comunistas do PCdoB farão qualquer tipo de aliança, mesmo com aqueles que consideram como inimigos de classe, a fim de tomar o poder. Veja-se que o programa destina-se apenas a orientar a “transição do capitalismo para o socialismo”. E por que? Porque o programa final já está feito e escrito nas páginas de Marx e Engels e no legado dos idealistas como Lênin, Stalin, Fidel, Mao Tse Tung e Carlos Marighella. Não pairam dúvidas ao ler o Programa:

24) O presente Programa do PCdoB não trata da construção geral do socialismo, mas da transição preliminar do capitalismo para o socialismo. Traça o caminho, segundo a realidade atual, para reunir as condições políticas e orgânicas da transição. A questão essencial, e o ponto de partida para a transição, é a conquista do poder político estatal pelos trabalhadores da cidade e do campo. Este triunfo exige o protagonismo da classe trabalhadora. Papel que requer elevação de sua unidade e de sua consciência no plano político e social e apoio de seus aliados. O leque de alianças abarca os demais setores das massas populares urbanas e rurais, as camadas médias, a intelectualidade progressista, os empresários pequenos e médios, e aqueles que se dedicam à produção e defendem a soberania da Nação. A participação da juventude e das mulheres é fator destacado para a vitória deste objetivo.

E mais:

31) A conquista da hegemonia pelas forças interessadas na transição ao socialismo exige acumulação de forças de caráter revolucionário via reformas estruturais e rupturas. Tal processo tem dois eixos básicos: o político e o prático. O primeiro é o movimento pela aplicação deste Programa, pelo crescimento e fortalecimento partidário e de demais forças progressistas. O segundo, a interrelação de três tarefas fundamentais imprescindíveis que, conjugadas na evolução do pensamento do PCdoB, adquiriram um fundamento que orienta sua ação prática. Tais tarefas são: relacionar a atuação na esfera institucional – governos democráticos e parlamentos e a construção de frentes amplas – com a intervenção política que tem por fim a mobilização e a organização das massas trabalhadoras e do povo, fonte principal de crescimento do Partido e força-motriz fundamental das mudanças; e a participação criadora e permanente na luta de ideias, com a finalidade de responder aos desafios da luta presente e futura.

34) A vitória das forças democráticas, progressistas e populares em eleições presidenciais impulsionará a luta pela aplicação do NPND. A derrota, ou o êxito, eleitoral da tendência política avançada, ou circunstâncias políticas imprevisíveis, podem influir na trajetória e no nível das batalhas, na correlação de forças e nas condições de luta. Todavia, em qualquer situação, a transição ao socialismo deve ser o norte constante do PCdoB.

É inevitável concluir que a direita política no Brasil é intelectualmente cega frente à maré montante do comunismo, que se espalha por toda parte sem qualquer resistência. Kátia Abreu é a nova companheira de viagem dos revolucionários. Merece mesmo ser eleita vice-presidente da República. Deve ter recebido de Aldo Rebello o distintivo com a Foice e o Martelo pelos serviços prestados.

O PCdoB jamais renunciou à luta armada e jamais fez auto-crítica por seu envolvimento nas tentativas sangrentas de tomada do poder, protagonizadas por seus quadros desde 1935.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}