1. Arquivos
  2. Conservadorismo

A “direita” que a esquerda adora

28 de fevereiro de 2010 - 6:57:18

Será que ainda não entenderam que o encontro de Lula com Fidel foi o encontro entre os dois fundadores do Foro de São Paulo, a maior organização comunista que já existiu na Iberoamérica? Será que ainda não entenderam que Lula
É comunista? Continuam achando que Lula é apenas “populista” e pertence a uma fantasiosa “esquerda vegetariana” e é um aliado da direita para enfrentar Chávez e a ficção chamada “bolivarianonismo”? Será que realmente acreditam que Lula queria protestar e não o fez por pusilanimidade (ao menos como entendo o termo: covardia, fraqueza, timidez)? Será que ainda não entenderam que Lula
apóia incondicionalmente tudo o que acontece em Cuba e quer implantar aqui e, se ainda não o fez é porque temos instituições que o impedem, principalmente as Forças Armadas que seu governo tudo faz para sucatear e destruir, principalmente o Exército? Será que ainda não entenderam que se Lula falasse algo seria
a favor, o que quase fez ao condenar a greve de fome como instrumento de luta (com o que concordo!) e deve ter sido objeto de vários brindes de excelente rum e baforadas de charuto entre Lula, Fidel e Raúl? O único depoimento sincero é o do
Granma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano (vejam o título e as fotos no
site).

Retorno agora à epígrafe cuja autoria reivindico: enquanto o comunismo avança celeremente sobre nós, financiado por banqueiros e empresários corruptos que já estão sentindo e gostando do bafo no cangote, o que faz a “direita”? Eventos e conclaves – financiados pelos ditos – para debater populismo, liberdade de expressão e qualquer coisa que imaginem que, se discutirem bem, vai resultar alguma coisa. É a direita seguindo as diretrizes do PT: “precisamos discutir com toda a sociedade!”. Só que aprenderam mal: o PT discute somente entre as esquerdas, a “direita” burra convida comunistas para discutir sobre liberdade de expressão!

Sugiro que sigam outras diretrizes também, como discutir o orçamento dos grandes bancos na forma do “orçamento participativo”- e me convidem, de preferência para a “democratização” do capital!

Este bando que tem a desfaçatez de se dizer defensor das liberdades, da democracia, do estado de direito, ao mesmo tempo precisa sempre condenar a “ditadura”, pois tem vergonha de reconhecer que foi a Contra-Revolução de 64 que os (nos) salvou de já estarmos há 46 anos sob um regime castrista que ainda teremos, se depender destes idiotas cujo único interesse é amealhar fortunas ou conseguir um empreguinho nos grandes grupos de comunicação enquanto o Brasil afunda! Jamais reconhecem que o desenvolvimento de nosso País foi obra dos “milicos” que odeiam tanto quanto a esquerda.

Quando eu militava na esquerda a maioria destes falsos conservadores sequer tinha nascido ou ainda usavam fraldas. Enquanto eles ainda não sabiam falar ou controlar os esfíncteres, eu já estava nas ruas tentando conseguir armas para a campanha da “Legalidade” de Leonel Brizola, fazendo pichações contra a “ditadura” da qual só ouviram falar e nem sabem o que foi, pois acreditam no discurso esquerdista como sua bíblia. Enquanto eles começavam a balbuciar, eu estava preso em Fortaleza.

Mas naqueles tempos existia uma direita de verdade que nos derrotou. A Ação Católica, os militares honrados que assumiram o poder e morreram pobres (Castelo Branco, Emílio Medici), políticos com ideologia definida – Carlos Lacerda, Adhemar de Barros, Magalhães Pinto, Mem de Sá, Britto Velho, Daniel Krieger – e não como hoje, interessados apenas em guardar dinheiro nas meias – só se distinguindo do PT pela peça do vestuário preferida como cofrinho! Aquela direita já teria expulsado a quadrilha que tomou conta de Brasília desde 1994. Combatia, não debatia!

Lula já disse: no Brasil a direita acabou! E o burro é ele? Com esta “direita” a esquerda está feita na vida!

 

RECADO AO IMBECIL COLETIVO DA PSEUDO-DIREITA (Instituto Millenium – cuja grana é administrada pelo Armínio Fraga, office-boy de George Soros , Reinaldo Azevedo, Demétrio Magnoli, et caterva): sou, sim, radical! Radical no sentido de que só se extermina a erva daninha matando a raiz, radical no sentido do Tea Party Express, movimento tipicamente grassroot (raiz de grama) significando gente arraigada aos princípios fundadores da única Nação onde impera a liberdade e o rule of law, radical no sentido de defender os princípios Judaico-Greco-Cristãos da Civilização Ocidental.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}