1. Arquivos
  2. Foro de São Paulo

Ação espetaculosa da Polícia Federal brasileira

11 de maio de 2010 - 8:03:24

As FARC só são notícia no Brasil quando acontecem aqueles shows macabros e farsescos de “acordo humanitário”, pois não mostram esses monstros como realmente são mas os coloca como pessoas justas e bondosas que desejam o bem-estar dos seus compatriotas, favorecendo suas ações criminosas em vez de combatê-las. De resto, ninguém estuda a estrutura desta organização narco-terrorista, tampouco suas alianças com governos, políticos e, principalmente, com o Foro de São Paulo.

Pois bem, não sei de quem partiu a basófia de dizer que o elemento capturado era o “número dois” das FARC: se do autor da matéria (originalmente do site Terra) ou da PF, para engrandecer seus feitos, já que há muito ela só mostra serviço quando se trata de prender empresários sonegadores de impostos ou políticos com alguma falcatrua que envolve dinheiro. Bandido, que é bom na cadeia, há anos não se tem notícia!

Para se compreender a estrutura das FARC é necessário saber, em primeiro lugar, como funciona sua hierarquia. Quando Manuel Marulanda “Tirofijo”, fundador das FARC e cabeça do Secretariado Geral do Estado-Maior das FARC morreu, em 26 de março de 2008, foi designado Alfonso Cano para ocupar seu posto. Deste Secretariado fazem parte ainda 8 membros, com funções superiores distintas, ou seja, de Comandos, e que decidem junto com o Secretário Geral as estratégias de ação. Com a morte de Raúl Reyes – este sim, o segundo homem das FARC – e de Iván Ríos, novos comandantes passaram a integrar o Secretariado. São eles: Mono Jojoy, Iván Márquez, Timochenko, Jesús Santrich, Granobles (irmão do Mono Jojoy), Joaquín Gómez, Mauricio – ou “o médico” – e Pastor Alape.

Raúl Reyes não deixou substituto como o “segundo homem” mas, se considerarmos o grau de importância dentro da organização criminosa, somente dois desses comandantes membros do Secretariado poderiam ser considerados como tais: Mono Jojoy, comandante do Bloco Oriental, que vive escondido em cavernas nas selvas colombianas e que é líder militar, e Iván Márquez, líder ideológico e responsável pelas Relações Internacionais, que vive comodamente na Venezuela.

Há, abaixo destes, outros comandantes de Blocos, Frentes, Batalhões ou Colunas (que são as unidades urbanas) que possuem grande importância, pelo número de militantes sob seu comando, ou pelas atividades que desempenham, mas com grau de importância dentro da estrutura hierárquica infinitamente menor do que os comandantes do Secretariado Geral.

Explicado isto, voltemos ao elemento preso em Manaus.

José Samuel Sánchez, “Martín Ávila Contreras”, “Daniel Rodríguez Orozco” (que os ignorantes brasileiros trataram logo de “aportuguesar” o nome), que respondia também pelas alcunhas de “Tatareto”, “Samuel” ou “Relámpago”, pertence à Frente 1 das FARC e é encarregado das finanças do bando criminoso. Além disso, é o cabeça da fronteira Brasil-Colômbia e dirige as atividades delitivas de: contatos com organizações narco-terroristas e de narcotráfico internacional; narcotráfico, inteligência, logística, tráfico de armas com narcotraficantes e traficantes de armas do Brasil. Encarregado da rota e da comercialização da coca em Pacoa (Amazonas); diretamente vinculado com o narcotráfico em aliança com narco-traficantes do Brasil, Colômbia e Paraguai; é também encarregado da aquisição de material logístico procedente do Brasil, setor limítrofe com a Colômbia via Rio Apaporis. Além disso tudo, é o cabeça encarregado dos “justiçamentos”.

Como se pôde ver, o sujeito tem um certo grau de responsabilidade e importância dentro das FARC mas atua praticamente o tempo todo desde o Brasil e não é, como jamais foi, o “segundo homem das FARC”!

Entretanto, apesar de ter um sítio, duas casas e um barco – todos de sua propriedade -, além de uma rádio que se comunicava diretamente com as FARC, a PF não acredita que isto seja uma “célula terrorista”. Não posso crer que seja ingenuidade da PF, pois para o elemento adquirir todos esses bens e viver tranqüilamente passeando do Brasil para a Colômbia quando bem entendeu, sem levantar suspeitas, é necessário que tenha se estabelecido no lugar há, pelo menos, dois anos. E as comunicações via rádio, nunca foram interceptadas? Já há um histórico mais antigo em que este elemento foi preso com posse de droga mas em seguida solto, uma vez que o motorista assumiu a responsabilidade inocentando-o. Se calhar, esse motorista já está solto a atuando no aparelho de “Tatareto” em Manaus…

Não necessito lembrar que estamos em ano eleitoral e a ficha da terrorista Dilma, candidata presidencial, vem sendo divulgada há meses em jornais e pela internet na Colômbia, no Chile e na Venezuela. Lá fora todo mundo sabe muito bem o que é o Foro de São Paulo, quem são seus fundadores e sobretudo seus membros. Todo mundo, dos países vizinhos, sabe que as FARC pertencem ao Foro de São Paulo e que os países membros se recusaram a rotulá-los de bando terrorista, sobretudo o Brasil.

E o que é que tem a ver isto com a prisão de “Tatareto”? Tudo, se considerarmos o alarde feito na prisão como sendo o “segundo homem das FARC”. Agora vocês já sabem que ele não é o segundo, nem o terceiro nem o quarto, e é “cabeça” apenas do próprio corpo. Penso que todo mundo percebeu que esta captura é mais uma ação “saneadora” da campanha da candidata presidencial, do que uma perseguição e combate real ao crime organizado do narco-terrorismo no nosso país. A prova dos nove sobre o combate ao narcotráfico e narco-terrorismo por parte do Brasil, será quando a Colômbia pedir a extradição do bandido “Tatareto” – que muito provavelmente o fará, pois ele é acusado de incontáveis crimes em seu país de origem – e o Brasil o entregar. As provas apresentadas em sua ficha, que vocês podem ver abaixo – uma exclusividade do Notalatina -, não dão margem para tergiversações, como são os casos dos “refugiados políticos” Oliverio Medina (das FARC), e Arrom, Martí e Colmán (do PPL/EPP) paraguaios. Observem, ainda, que “Tatareto” tinha – ou tem – relações com narco-traficantes no Paraguai.

Coincidência?

Slide1

Slide2

O jornal El País da Colômbia traduziu a nota publicada pelo site do Terra mas acrescentou alguns dados que a censura brasileira não permitiu publicar – embora a maioria tenha traduzido a nota do jornal El Tiempo porque pesquisei e comparei todas as publicações a respeito -; vale a pena ler o que eles escreveram. Em um parágrafo está dito assim:

Segundo o portal ‘Terra’, o primeiro em dar a notícia, a detenção do cabeça das FARC poderia ter repercussão política no governo brasileiro, já que a guerrilha figura oficialmente no Foro de São Paulo, uma instituição que reúne todos os movimentos de esquerda da América Latina.

E mais adiante: “Em mais de uma ocasião, o governo brasileiro se ofereceu para mediar entre as FARC e o governo da Colômbia, já que existem contatos entre tal movimento e alguns políticos da esquerda do Partido dos Trabalhadores”.

Comparem o que disse o site do Terra, fonte de informação do jornal colombiano, e observem que estes dois parágrafos não foram mencionados. Do mesmo que o publicado pelos jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo, além de uma infinidade de blogs que repetiram, como papagaios de bordel, sem conferir a veracidade da informação e com acréscimos de montanhas de bobagens, a notícia espetaculosa do jornal O Dia.

Sinto vergonha dessa mídia brasileira. Sinto vergonha daqueles que se dizem jornalistas e escrevem tanto lixo desinformativo como o que vi a respeito deste assunto. Sinto vergonha também, e muito grande, dos órgãos de inteligência brasileiros que DEVERIAM estar a serviço da Nação brasileira mas servem rastejantes ao Partido-Estado. Vou ficar de olho neste assunto e estejam certos de que, se “Tatareto” não for extraditado à Colômbia, como deve, e em lugar disso lhe concederem “habeas corpus”, “asilo político” ou mesmo status de “refugiado político”, o Notalatina vai denunciar, doa a quem doer! Fiquem com Deus a até a próxima!

 

OBS: Não deixem de ler os comentários da edição anterior, porque há informações muito importantes!

Comentários e traduções: G. Salgueiro

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}