1. Foro de São Paulo
  2. Arquivos

As FARC entrarão no Mercosul junto com Chávez

9 de novembro de 2009 - 3:00:00

Segundo o comunicado, publicado recentemente, essa organização narco-terrorista pretende
“salvar a Venezuela” porque, do contrário,
“se afundará todo o processo de emancipação latino-americano”. A nota termina com o mesmo lema que Chávez costuma usar:
“Pátria, socialismo ou morte… Venceremos!”.

Trata-se de uma nova demonstração dos estreitos vínculos que o mandatário venezuelano mantém com o narco-terrorismo colombiano, embora o próprio Chávez já tenha se encarregado de mostrar sua aliança com as FARC, guardando publicamente um minuto de silêncio pela morte do falecido líder guerrilheiro, cognome Raúl Reyes, e permitindo uma estátua do chefe das FARC, Manuel Marulanda “Tirofijo”, em um bairro populoso de Caracas.

Por outro lado, os computadores de Raúl Reyes apreendidos no marco da Operação Fênix, realizada em 1º de março de 2008, registram os intercâmbios permanentes entre Chávez e os guerrilheiros colombianos e, inclusive, o apoio financeiro e logístico do governo venezuelano às atividades terroristas das FARC.

A União de Organizações Democráticas da América, UnoAmérica, propõe aos honoráveis membros do Senado Federal do Brasil, considerar estes sensíveis aspectos na discussão que será realizada no próximo dia 11 de novembro, com motivo da possível incorporação da Venezuela ao Mercosul.

É evidente que o governo venezuelano viola os mais elementares preceitos da democracia, pelo qual não cumpre com os requisitos legais para entrar no Mercosul; porém, além de dar capacidade a Chávez nesse bloco aduaneiro, as FARC também entrarão junto com ele.

Confiamos que a sensatez e a prudência prevaleçam no plenário do próximo dia 11 de novembro, e que o honorável Senado decida adiar o ingresso da Venezuela ao Mercosul até enquanto não haja uma mudança de governo nesse país irmão.

 

Marcelo Cypriano Motta

Graça Salgueiro

Heitor De Paola

Delegados da UnoAmérica no Brasil

 

Alejandro Peña Esclusa

Presidente de UnoAmérica

 

Nota:

[1] “Patente de corso” ao imperialismo para invadir a irmã República da Venezuela”

A última canção de Ruben Blades dedicada à Colômbia, diz em um de seus estribilhos “vende-se um país portátil”, a metáfora de um país convertido em um porta-aviões do império sem que medeie nada diferente que o sequalismo da oligarquia vende-pátria colombiana, é uma realidade com a assinatura do novo tratado das bases militares.

A invasão da irmã República da Venezuela tem hoje com as 7 bases militares gringas, o posto de avançada na Colômbia, este desafio militar do império, restringem a margem de manobra da Venezuela desde o ponto de vista militar.

O reconhecimento do Status de Beligerância às FARC-EP vai mostrar com maior clareza para quê são finalmente as bases de Obama na Colômbia: roubar o hidrocarboneto venezuelano e a água do Amazonas. Ao mesmo tempo, se lhes termina o San Benito de estar chantageando constantemente os amigos da Paz da Colômbia. As montagens da Inteligência Militar nos computadores roubados do líder guerrilheiro, Raúl Reyes, assassinado no marco da Operação Fênix do 1º de março de 2008, são prova disso.

Se nos descuidamos, o império e seu peão de turno, Uribe Vélez, reeditará a Fênix com o bolivariano, Hugo Chávez Frias.

Com esta decisão histórica – o Status de Beligerância das FARC – é necessário construir um bloco político-militar para defender a irmã Venezuela. Salvamos a Venezuela ou se afunda todo o processo de emancipação latino-americano. E nessa defesa, a experiência adquirida pelas FARC-EP confrontando o Plano Colômbia, Plano Patriota e o agora chamado Plano Consolidação é imprescindível para a defesa da Pátria Grande.

As infiltrações dos organismos secretos colombianos na Venezuela se fazem mais descarados, a idéia está recopilando informação, cartografias de locais estratégicos e pontos fracos, como defender o lago Maracaibo? Como defender a faixa do Orinoco e suas reservas petroleiras? A maquinação yanqui de declarar a Venezuela como país terrorista?

O povo Venezuelano e Chávez tem a palavra.

Pela Pátria Grande, pátria socialismo ou morte… venceremos!

Em Bolívar nos encontramos todos.

Os Santanderes do regime colombiano não passarão.

 

__________________
Nota da Tradutora:
O texto das FARC publicado por ANNCOL traduzido acima, é gramatical e ortograficamente tão ruim que optei por traduzi-lo textualmente, com todos os erros constantes.

Tradução: Graça Salgueiro

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}