1. Arquivos
  2. Foro de São Paulo

As veias abertas da América Latina

1 de setembro de 2009 - 23:46:39

Segundo ela, a reunião “aprofundou o impasse entre os 12 países da região”. De imediato, deduzo que não aconteceu absolutamente nada. Para o continente (à exceção da despesa que ocasionou para os contribuintes latino-americanos), a reunião não teve nenhum significado e não aprofundou impasse nenhum, até porque não há nenhum impasse.

Haveria impasse se a Unasul tivesse autoridade e consenso, e condenasse com veemência o acordo militar entre a Colômbia e os Estados Unidos, deixando-o em suspenso. Não foi o que aconteceu. Portanto, o acordo se manteve, o presidente Uribe deixou mais uma vez clara a sua razão de ser e defendeu-o dos argumentos falaciosos do eixo bolivariano.

Epa! Espera aí. Mas isso é um fato positivo. Essa é uma vitória de Uribe, da Colômbia e de todos aqueles que se opõem ao eixo bolivariano, não é não? Apesar de toda a pressão de Hugo Chavez et caterva, o acordo se manteve. Por sinal, Uribe nem sequer apresentou as tais “garantias jurídicas” que o ministro Nelson Jobin Laden garantiu que ele apresentaria…

Epa! Espera aí. Se Uribe venceu, ficou provado que a entidade Unasul não serve para muita coisa e, como se trata de uma entidade criada sob inspiração chavista, o escancaramento de sua ineficiência também pode ser encarado com uma vitória, não é não? A reunião foi de tal modo inócua que o próprio Lula ficou irritado e bateu com o sapato na mesa, perguntando: isso aqui é ou não é uma reunião de chefes de Estado? (não foi esse, no fundo, no fundo, o teor de seu pronunciamento?). Ainda bem que ninguém respondeu…

Não sei se é muito otimismo da minha parte, mas eu ainda encontro outros saldos positivos na reunião. O principal vem da intervenção irônica de Alan García que foi, com perdão do trocadilho, do peru! 

García refutou insofismavelmente o discurso chavista ao dizer ao gorila que ele é um militar profissional – fato que o coronel Hugo Chavez tem escamoteado com muita facilidade -, mas também ao questionar o seu termos de um suposto expansionismo norte-americano: 

“Homem, para que os EUA precisam dominar o petróleo [da Venezuela] se você já lhes vende todo o petróleo de que eles precisam?”

Melhor do que isso só se o Evo Imoralez tirasse um bumbo debaixo do poncho e saísse cantando, que nem a Mercedes Soza: “Volver a los dezassiete, después de vivir un siglo”…

 

http://observatoriodepiratininga.blogspot.com

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}