1. Arquivos
  2. Movimento Revolucionário

Consciência negra: um produto da Fundação Ford

22 de novembro de 2009 - 22:20:32

Nesses dias de promoção da negritude militante li queixas dos racialistas contra um tal
racismo institucional. Sou um jornalista fora de moda e ainda tento usar as palavras conforme o seu significado. “Institucional” refere-se a procedimentos oficiais, a práticas adotadas como lei pelo Estado. Instituir cotas e políticas exclusivas a um grupo com base na cor da pele de seus integrantes não seria justamente o racismo institucional?

Os esforços para estabelecer o apartheid politicamente correto no Brasil são oriundos da Fundação Ford, que banca a operação. No recém-lançado livro Uma Gota de Sangue, o sociólogo Demétrio Magnoli expõe a relação direta entre a Fundação Ford e o florescimento de movimentos de reivindicação, em vários países, baseados em noções raciais, étnicas e mesmo sexuais. É o caso do movimento negro no Brasil. Devo ressaltar que o patrocínio da Fundação Ford a esses grupos de pressão já vem sendo analisado e denunciado há pelo menos uma década pelo professor Olavo de Carvalho.

Em 2001, a Fundação Ford gastou 280 milhões de dólares na formação de “lideranças emergentes de comunidades marginalizadas fora dos EUA”. Segundo Magnoli, “as subvenções da Fundação replicaram nas universidades brasileiras os modelos de estudos étnicos e de ‘relações raciais’ aplicados nos EUA e consolidaram uma rede de organizações racialistas que começaram a produzir os discursos e demandas dos similares norte-americanos”. Isso inclui a doação de dinheiro a universidades que tenham implantado o sistema de cotas.

Nos últimos dez anos, as ONGs racialistas proliferaram em nosso país como fungos na umidade, e ganham mais poder a cada dia. É claro que não é por acaso. Existe uma agenda e existe um financiador. Os acadêmicos e militantes que trabalham dia e noite para provocar a luta de brasileiros contra brasileiros estão na folha de pagamento da Fundação Ford.

* * *

Os artigos que escrevo para O Estado são, infelizmente para mim e felizmente para outros, bem curtos devido à diagramação da página. Este aí em cima serve só para criar curiosidade sobre o assunto. Sugiro aos interessados que leiam Movimento Negro: A Fabricação do Racismo, do jornalista e sociólogo José Maria e Silva, publicado no Jornal Opção, de Goiânia. O post A Fundação Ford e o multiculturalismo, do blog “Acarajé Conservador”, é uma transcrição de Uma Gota de Sangue a respeito dos serviços prestados pela Fundação Ford na fabricação da militância racialista no Brasil.

Artigo publicado no jornal O Estado, em 19 de novembro.

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}