1. Arquivos
  2. Desinformação

Desinformação: falsos católicos pedem fim do celibato

15 de abril de 2010 - 22:52:29

A reportagem a
seguir, de autoria de Ana Bela Ferreira é um primor. O título da matéria é “Movimentos católicos pedem fim do celibato”.

Pelo seu título imagina-se movimentos católicos típicos – aqueles já enraizados e tradicionais dentro da Igreja, como famílias, associações de caridade et caterva – é que estão pedindo o fim do celibato, por acreditarem (mesmo erroneamente ) que o “celibato” seja a causa dos casos de pedofilia.

Ao ler a reportagem no entanto, deparamo-nos, logo em seguida com a frase : “O grupo de homossexuais católicos Novos Rumos e o Movimento Nós Somos Igreja pedem o fim do celibato dos padres”.

Então é o seguinte, se um grupo de pedófilos gays auto-entitular-se como “católico” e pedir o fim da proibição de manter relações sexuais com jovens, teremos uma notícia com a manchete “Católicos Pedem a Liberalização da Pedofilia”??

É de rir.

Ainda mais sabendo que a “notícia” é uma pretensa refutação de uma afirmação do Cardeal Bertone – completamente verdadeira – que reproduzo:

Demonstraram muitos sociólogos, muitos psiquiatras, que não há uma relação entre celibato e pedofilia, mas muitos outros demonstraram, e disseram-mo recentemente, que há uma relação entre homossexualidade e pedofilia“.

É claro, nada do que os pregadores da destruição da Igreja engolem.

A associação entre pedofilia e homossexualismo é notória. Não é o celibato que faz um pedófilo convicto. O celibato, junto com a moral verdadeiramente cristã, podem impedir mais casos. E não o contrário.

Para os que não acreditam que homossexuais possam ser pedófilos, aqui um relato chocante, mostrando que o maior ativista homossexual brasileiro, Luiz Mott, é também um apologista da pedofilia:

No artigo O Ativismo Pedófilo do Professor Luiz Mott, podemos ler:

Descobri que os pedófilos identificam a si mesmos comohomens que amam meninos“. À repulsa que experimentamos diante de tal idéia, eles chamam depreciativamente de ‘pânico moral’ ou de ‘histeria da opinião pública’.

O desembargador Luiz Mott descreve com detalhes chocantes a verdadeira natureza desse “amor” que domina a mente perversa dos pedófilos.”

Mott conta aspectos também de sua transformação de seminarista em homossexual assumido:

Como sentia atração homoerótica … fui vendo como o cristianismo era intolerante, repressor e equivocado em relação a isso. Neste sentido, o materialismo histórico poderiaresolver as minhas angústias existenciais“.

Com o tempo deixei de acreditar em Deus“. “Portanto, deixei de ter qualquer tipo de consciência pesada, no que refere a essa forma de relação”.

Mott ainda escreveu um artigo apologista da pedofilia “Meu Moleque Ideal” (já indisponível na net depois de denúnicia) onde descaradamente declarava:Adoraria encontrar um moleque maior de idade, mas aparentando 15-16 anos”.

Olavo de Carvalho também comentou outro aspecto terrível: como o movimento gay é encorajado à práticas pedófilas no artigo Cem Anos de Pedofilia do qual reproduzo um trecho:

A pretexto de combater a discriminação, representantes do movimento gay são autorizados a ensinar nas escolas infantis os benefícios da prática homossexual. Quem quer que se oponha a eles é estigmatizado, perseguido, demitido. Num livro elogiado por J. Elders, ex-ministro da Saúde dos EUA (surgeon general – aquele mesmo que faz advertências apocalípticas contra os cigarros), a jornalista Judith Levine afirma que os pedófilos são inofensivos e que a relação sexual de um menino com um sacerdote pode ser até uma coisa benéfica. Perigosos mesmo, diz Levine, são os pais, que projetam “seus medos e seu próprio desejo de carne infantil no mítico molestador de crianças”.

Estes psicólogos que acusam a Igreja são os mesmos que dão declarações como esta e que tentam salvar a pele de um Roman Polanski ou mesmo de um Danny “o Vermelho” (Daniel Conh Bendit, famoso por suas memórias pedófilas). Como se pode entender?

Como diz o colunista português Henrique Raposo:

Para os media, há duas pedofilias: a pedofilia não muito grave, cometida por gente boazinha como Roman Polanski ou por malta (pessoal) do Maio de 68 (Cohn Bendit). E depois há a pedofilia mesmo má, a dos padres.

Com isso demonstro que realmente o movimento homossexual tem uma forte vertente de pedofilia, apoiada por muitos “educadores” e outros engenheiros sociais. Resta saber se os casos de pedofilia são mais numerosos dentro da Igreja Católica do que em outros grupos sociais.

Estranho, para já, a falta de comparações percentuais entre os casos de pedofilia na Igreja Católica e de outros grupos sociais.

Aliás, não estranho. Como Olavo de Carvalho já comentou em seus programas, se viessem ao público, ficaria claro que a maior parte dos casos envolvem, não a Igreja, mas outra instituição muito mais prosaica: a escola, este santuário sagrado da políticas de experimentação relativista do nosso tempo.

Pois é na escola onde nossos filhos sofrerão os maiores riscos de assédio sexual, seja na relação aluno-professor como na de funcionários de escola e alunos.

Como exemplo, cito um estudo da American Associatin of University Women (EUA) com 2064 estudantes da 8ª a 11ª série:

  • 83% das meninas já foram assediadas sexualmente
  • 78% dos meninos já foram assediados sexualmente
  • 38% dos estudantes foram assediados sexualmente por professores ou funcionários da escola
  • 36% dos funcionários de escola foram assediados sexualmente por estudantes
  • 42% dos professores ou funcionários de escola já foram mutuamente assediados sexualmente.

Você confiaria o seu filho à uma instituição na qual o seu filho/filha fatalmente será assediado sexualmente, para dizer o mínimo?

O caso do apologista pedófilo Luiz Mott é emblemático, pois foi seminarista e tornou-se homossexual assumido (não por consequência de ser seminarista, mas apesar disso) , faz apologia do amor de homens e meninos e é professor.

Você deixaria o seu filho nas mãos desta pessoa?

Então, o caso da Igreja, é exceção e não regra. E é usado pela mídia, ao lado de outros relativistas ateus, para atacar a Igreja num de seus dogmas principais.

Eu mesmo sou contra o celibato, mas a Igreja é livre para poder exigí-lo. Quem não gosta, vá para outra igreja protestante, por exemplo, nas quais não há este dogma. O celibato é uma regra a cumprir-se a quem verdadeiramente queira seguir a vocação.

Eu me pergunto por que há tantos pedófilos entrando na Igreja, sabendo destas regras “opressivas”? Para mim só há uma explicação: para que casos como estes apareçam e sirvam para desmoralizar ainda mais a Igreja Católica, a única das instituições religiosas que se dispôs a enfrentar comunistas e socialistas. Veja o artigo sobre os anti-padres.

Concluindo, se psicólogos, jornalistas, e outros grupos, querem o bem de nossas crianças e sabendo que a escola é o lugar onde há mais casos, poderiam começar por ali.

Fica claro que a escola virou um antro de iniciação sexual precoce. Por que transformou-se em campo de provas de políticas relativistas, tais como sexo seguro, distribuição de camisinhas, além do palavreado sexualmente estimulante.

Ora, se conteúdos como este não estimulam a precoce sexualidade das crianças, não sei o que não poderia. Onde andam as aulas de moral e cívica e religião?

Devo dizer que estas “aulas” é que jogam as crianças sobre temas que elas não conseguem defender-se. É muito fácil um adulto (professor ou funcionário) aproveitar-se da situação e a posição para assediar estas crianças e adolescentes.

Mas é isso o que acontece: quanto mais transformam as escolas em quase casas de tolerância, mais acusam a Igreja de o sê-lo. O esforço concertado para desacreditar a Igreja é bem maior do que o de informar ao público.

Em resumo: outra peça de propaganda lamentável.

 

Título original: Desinformação e Influência Vendida como Notícia: Movimentos “Católicos” Pedem o Fim do Celibato

Luís Afonso Assumpção edita o blog Nadando Conta a Maré Vermelhahttp://la3.blogspot.com

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}