1. Arquivos
  2. Foro de São Paulo

Desmontando a farsa

16 de julho de 2010 - 18:22:21

Ontem a mídia brasileira decidiu tocar no assunto Peña Esclusa mas, mesmo assim, limitaram-se os jornalecos a simplesmente repetir a versão oficial da ditadura chavista, em notas secas, sem qualquer análise critica ou, quando muito, ajudando a difamá-lo um pouco mais. Mesmo para quem não conhece Alejandro – nem de perto nem de longe -, procurar ler o que ele já escreveu em livros e artigos, ou mesmo assistir aos incontáveis vídeos de sua autoria, era o mínimo que se poderia esperar da classe jornalística para ser de fato isenta e fazer uma análise imparcial. Mas não; ninguém quer conhecer a verdade porque isso poria em cheque algumas mentiras plantadas pelo Planalto, como que na Venezuela o problema é “excesso de democracia” ou ainda que “Chávez é o melhor presidente dos últimos cem anos”.

Pois bem, a edição de hoje do Notalatina vai ser praticamente reportada através de alguns vídeos muito reveladores que insisto para que vejam, caso estejam interessados em saber mais sobre esta trama sórdida, criminosa e grosseira que armaram para Alejandro, uma das pessoas mais pacíficas e anti-violência que eu conheço na vida. Aliás, esta minha afirmação pode ser comprovada através dos vídeos que ele semanalmente lançava chamando as pessoas a defender a liberdade e a democracia no nosso continente. Em nenhum deles Alejandro fala em “tomada de poder”, “golpe de estado”, “revolução armada”, etc. Seu discurso é SEMPRE pela via pacífica e pela legalidade constitucional.

O blog do meu amigo Arlindo Montenegro, o “ViVerdeNovo“, apresenta em sua edição de hoje quatro vídeos da entrevista que Indira, esposa do Alejandro, concedeu ao programa “Buenas Noches” do canal “Globovisión”, relatando os pormenores da invasão ao apartamento da família e a prisão de Alejandro. Não deixem de assistir!

No dia 7 de julho, a esposa do suposto terrorista Francisco Chávez Abarca, Karla Trigueiros, concedeu uma entrevista a Ernesto López no programa “Resumen Diálogo”, que vai ao ar pelo canal Megavisión de El Salvador. Nesta entrevista, cujo vídeo segue abaixo, Karla fala logo no início que a prisão de seu marido é arbitrária e forjada, principalmente pela acusação de que ele teria vindo da Guatemala para a Venezuela e lá havia sido preso por suas supostas intenções terroristas. Ela afirma que, se seu marido veio da Guatemala, por que em seu passaporte não recebeu o carimbo da aduana, nem de entrada nem de saída de lá? Se ele veio mesmo da Guatemala, onde está o bilhete do vôo desse país rumo à Venezuela? Nenhuma destas provas existem! Ademais, “supondo” que ele tenha vindo por terra, por que iria parar no aeroporto e não numa rodoviária?

São perguntas que, a meu juízo, se não provam a farsa urdida pelo G2 cubano, devem ao menos ser investigadas a fundo pois, nesse caso, já comprometem de antemão tudo o mais que se seguiu à sua prisão e suas supostas declarações a respeito de Peña Esclusa ser seu “cúmplice”. Ainda nesta entrevista Karla afirma que “conheceu” Posada Carriles mas que nem de longe poderia considerá-lo um amigo ou pessoa das relações de intimidade do casal. Mas, para os que montaram a farsa, Abarca é um terrorista que veio cumprir uma missão a mando de Posada.

{youtube}dGvJozHxziM{/youtube}

Bem, me parecem pertinentes as preocupações desta senhora, sobretudo quando fala de seus medos em relação ao futuro, pois deu a entender que conhece bem os métodos utilizados pelo G2 cubano.

Agora vamos ao vídeo-circo do momento em que Chávez Abarca é deportado. No aeroporto estão o terrorista ministro El Aissami, Nicolas Maduro e robôs falantes do canal estatal “TeleSur” que, numa sessão solene, com direito a púlpito para pronunciamento oficial de Aissami, é anunciada a extradição de Abarca

Minutos depois este sai de um carro, escoltado por dois homens do SEBIN, algemado, usando colete a prova de balas e um capacete. Todos entram num avião King, com as siglas YV 1497, do aeroporto Internacional Simón Bolívar, rampa 4, em Maiquetía. Assistam este vídeo com muita atenção!

Saída de Chávez Abarca da Venezuela:

{youtube}28RtfkDeWrg{/youtube}

E neste outro vídeo, Chávez Abarca desembarca no aeroporto de Havana num Jet sem identificação alguma, apenas com duas listas vermelha e amarela, sem o colete, as algemas e o capacete, mais parecendo um turista feliz. Como pode em pleno vôo trocar de avião? E não me digam que é o mesmo porque não é! Observem também quando ele é recebido por um militar cubano que parece sorrir, enquanto lhe fala alguma coisa inaudível. Ora, se esse sujeito foi deportado para Cuba por ter supostamente cometido atentados na Ilha, não seria mais lógico que neste país a segurança estivesse reforçada? Lembrem-se (e/ou revejam) o vídeo da edição anterior sobre sua detenção no aeroporto de Maiquetía, onde logo nos primeiros momentos ele aparece num “interrogatório” com um agente do G2 cubano e que termina em plena camaradagem. Juntem todos esses dados e digam se não parece claramente que Abarca está a serviço das ditaduras castro-chavista para “montar” um esquema – grosseiríssimo, diga-se de passagem – que incrimine os opositores venezuelanos? Assistam.

Chegada a Cuba:

{youtube}BtpWZEpJ9D0{/youtube}

Bem, e este outro vídeo publicado por Elio Aponte, diretor da organização ORVEX, mostra uma conversa havida entre ele e Alejandro através do Skype, no dia 9 de julho, onde Alejandro relata fatos estranhos ocorridos com ele que eram, agora não há mais dúvidas, de falsas provas incriminatórias que depois seriam utilizadas como se fossem correspondências trocadas entre ele e supostos cúmplices no planejamento dos atentados. Não esqueçam que dentre as apreensões feitas no apartamento levaram um computador, onde se encontrariam as “provas” materiais do crime que vinha sendo planejado.

Grabación que desmonta operación G2 cubano contra Peña Esclusa

{ustream}8271081{/ustream}

Penso que este material apresentado nesta edição não deixa dúvida para quem, de boa-fé – queira analisar os fatos como eles de fato são. É difícil ter alguma esperança de que se faça justiça dentro da legalidade, pois sabemos que TODOS os poderes na Venezuela estão nas mãos de Chávez, sobretudo o Judiciário que, no início deste ano, teve o desplante de destituir e encarcerar a juíza Afiuni por ter cumprido a lei e mandar soltar um condenado inocente. Como o réu era vítima desta perseguição insana de Chávez, ele deu ordens para que os outros magistrados a prendessem, onde ela permanece até hoje junto com marginais que ela mesma havia condenado. A Procuradoria negou o pedido dos advogados de Alejandro de anular este processo, por absoluta inconstitucionalidade, mas foi, como era de se esperar, negado.

E esta “testemunha” dos “crimes” que Alejandro planejava me lembra outra, da Colômbia, aquela misteriosa criatura que ninguém jamais viu ao vivo e que jamais presenciou os fatos, mas serviu como peça-chave para condenar à prisão o Coronel Luis Alfonso Plazas Vega a 30 anos de privação da liberdade. Nos dois casos, em vez das testemunhas serem levadas a julgamento para depor, são levadas para bem longe onde não possam ser incomodadas!

Este caso do Alejandro está mexendo muito forte com meus sentimentos, pois ele é um amigo queridíssimo de mais de 10 anos de convivência e lutas em comum, e que nunca deixou de sê-lo por ter-me afastado do cargo de Delegada de UnoAmérica no Brasil. Dói, igualmente, ter sido forçada e entregar o cargo, sobretudo quando vejo que todas as delegações de UnoAmérica no continente enviaram suas notas de repúdio, enquanto no Brasil apenas eu e o Heitor, como amigos pessoais e membros de UnoAmérica, estamos divulgando esta situação macabra com todos os detalhes possíveis que nos chegam às mãos. O Brasil ficou com um delegado em São Paulo mas a nota de repúdio nunca apareceu. Por isso segue, incondicionalmente, nosso repúdio, nosso asco e nossa solidariedade a Alejandro e sua família.

Eu estava para fechar esta edição quando recebi de uma amiga venezuelana a informação publicada no site de Nelson Bocaranda, o “Run Runes”, de que havia uma câmera escondida no apartamento de Alejandro onde mostra o agente do SEBIN “plantando” os explosivos. Diz ainda a nota: “O advogado Alfredo Romero já recebeu o vídeo e lá fica demonstrado a MONTAGEM deste Giovani Vásquez 2, com Peña Esclusa. Por isso não queriam testemunhas. No vídeo vê-se claramente quando David Colmenares tira a ‘evidência’ que levava a monta e depois aparece com ela”. Bem, espero conseguir este vídeo logo para apresentá-lo ao mundo todo como prova de mais uma farsa criminosa desta ditadura miserável. Os vídeos sobre a deportação de Abarca foram do site de Ismael García. Estarei alerta ao desenrolar desta farsa macabra e poderei atualizar o blog a qualquer momento. Fiquem com Deus e até a próxima!

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}