1. Arquivos
  2. Outros

Extraordinária intervenção divina

22 de setembro de 2009 - 6:50:04

Nos dias seguintes, li uma variedade de relatos sobre o evento. Eis uma pesquisa rápida da cobertura, desde a direita (certeza da ação justa de Deus) até a esquerda (qualquer menção de furacão tem de ser omitida, pois é certo que qualquer deus que exista não agiria dessa forma):

* John Piper, pastor e escritor de Minneapolis, fez uma análise da notícia com base na Bíblia, no padrão do jornalismo do século XVII. (Em 1681 uma reunião geral de pastores de Massachusetts exortou cuidadosa cobertura de “conhecidas providências [ou eventos]”, inclusive “juízos divinos, tempestades, inundações, terremotos e raios como incomuns…”) Citando a análise que Cristo fez da queda fatal da torre de Siloé (Lucas 13), Piper escreveu que “o furacão em Minneapolis foi um aviso gentil mas firme para a ELCA e todos nós: Arrependam-se da aprovação ao pecado. Arrependam-se da promoção de condutas que levam à destruição… Regozijem-se no perdão da cruz de Cristo e seu poder para transformar pecadores esquerdistas e direitistas”.

* Uwe Siemon-Netto, blogueiro e ex-editor de assuntos religiosos da UPI, disse que a assembléia da ELCA foi “vergonhosa”, mas não concluiu de forma absoluta que Deus enviou o furacão. Ele escreveu: “Não consegui deixar de sorrir: Isso foi realmente algo do estilo do Antigo Testamento: Deus às vezes usa a natureza para falar diretamente sobre um assunto. É claro que teremos de crer nessas coisas a fim de entender suas conseqüências. Se por outro lado aceitarmos as verdades da Bíblia só seletivamente, como fez a maior parte dos líderes luteranos em Minneapolis, então esse incidente poderia ter sido apenas uma ocorrência casual – sabe: tão casual quanto o início do universo”.

* O jornal The Philadelphia Inquirer noticiou o evento e fez uma interpretação, com um toque negativo com a palavra “até”: “Alguns conservadores até viram sinais de ira divina quando um furacão atingiu o Centro de Convenções de Minneapolis horas antes da votação”. A Associated Press também noticiou o incidente, mas de um modo mordaz: “Era inevitável que se fizessem algumas piadas sobre a ira de Deus. ‘Estamos confiantes de que o quadro meteorológico não seja indício de que Alguém esteja querendo dizer algo sobre o que estamos fazendo’, disse o Rev. Steven Loy, que estava ajudando a supervisionar a assembléia”.

* O jornal Minneapolis Star Tribune noticiou o furacão, mas fez pouco caso: “De forma geral, a tempestade passou despercebida dos 2.000 luteranos envolvidos”. (Humm… Julia Duin do jornal Washington Times comentou que “dentro do centro, o Bispo Mark Hanson, presidente da ELCA, leu o Salmo 121 – que fala sobre o cuidado e amor de Deus – para a tensa assembléia”.) O jornal The New York Times deu a opinião da extrema esquerda: Omitiu completamente toda menção do furacão, muito embora tenha publicado dois artigos totalizando 1.462 palavras e concluído o segundo com palavras de um pastor luterano a favor ordenação de pastores gays: “Vamos parar de deixar as pessoas para trás e vamos ser a família que Deus está nos chamando para ser”.

Em que posição você estaria nessa variedade de opiniões? Onde é que estou? Piper está certo: Deus controla os ventos. Portanto, qualquer furacão é um aviso para todos nós de que não controlamos nem mesmo a hora seguinte de nossas vidas. Mas precisamos ser cautelosos antes de citar ataques ou ausências de furacões como provas de que Deus está de forma específica favorecendo o não. Os pastores episcopais que aprovam o pecado não deveriam descansar tranqüilos só porque suas assembléias não estão sendo atingidas por furacões. Na revista World evitamos declarar como fato aquilo que não pode ser provado a partir da Bíblia ou de observação cuidadosa, mas não seguimos o New York Times, que ignora as extraordinárias intervenções divinas.

O fato de que o furacão que atingiu Minneapolis não tenha matado ou ferido seriamente ninguém é mais um exemplo da miraculosa misericórdia e persistente paciência de Deus. A Bíblia avisa a todos nós, de modo que não precisamos de furacões – mas às vezes precisamos. Obrigado, Deus, por não nos dar o que merecemos. Ajude mais de nós a nos apegarmos a Cristo de forma que não colhamos furacões, nesta vida ou na próxima.


Traduzido e adaptado por Julio Severo

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}