1. Arquivos
  2. Folha de S. Paulo

Falha de São Paulo

29 de abril de 2010 - 2:28:41

Ok, é para estas ocasiões que existe o lamentável Erramos, nos jornais. Nosso repórter, distraidamente, e sem má-fé, tomou alguns dados da pesquisa Ibope/DC de fevereiro como se fossem os apurados em abril, e os cravou na tabulação final à questão “espontânea” sobre quem será o próximo presidente, feita a 2002 entrevistados. Esses números confundidos estão longe de ser o foco e o denominador somados para antecipar o próximo presidente.

Os portais do DC e da ACSP na web não reproduziram o engano. Os dados corretos foram para o ar já no primeiro post, e lá permaneceram, e ainda continuam, numa prova de que a teoria ilustrada da conspiração não passa mesmo disso – uma teoria, ou torcida, ou distorção.

A FSP pediu, e recebeu, por e-mail, a íntegra, com 86 páginas da pesquisa Ibope/ACSP-DC, mas não a publicou. Nenhuma linha, nada! Pode ser que tenha se contentado com os resultados gerais vazados, não se sabe como, para a jornalista Renata Lo Prete, do Painel da Folha: ela furou toda a imprensa, inclusive o próprio DC, um dia antes. Também pode ser que só o Datafolha mereça crédito e espaço na FSP – até porque é sua exclusividade.

Na Veja desta semana atribui-se ao Datafolha uma crítica ao Ibope, que “faz prognósticos eleitorais em vez de diagnósticos”. Mas o Datafolha é acusado por outro instituto de pesquisa de usar as páginas da FSP para atacar os concorrentes.

Diógenes iluminou o nosso pequeno erro, e eu lhe agradeci a chance de nos corrigirmos. A retificação saiu no dia seguinte. Ao repórter, para não restarem dúvidas, mandamos a cópia em PDF da pesquisa de abril, contendo um retrospecto de fevereiro e março, embora seu jornal já a tivesse, e desprezado. Foi a forma cortês de lhe dizer: veja, aí, o erro ficou circunscrito ao DC, e numa das últimas frases de uma reportagem de página inteira.

Confesso que senti vergonha de ser jornalista – e tenho mais de 45 anos de profissão bem vividos – ao ler na Bergamo, na sexta-feira, 23, a insinuação venenosa, irresponsável, de que manipulamos os dados da pesquisa. E eis qual seria o motivo: a ACSP, “que controla o jornal, tem como vice-presidentes o prefeito Gilberto Kassab (DEM-SP), Guilherme Afif Domingos (DEM-SP) e Jorge Bornhausen (DEM-SC). Os três apoiam Serra à Presidência”.

Quanto tempo dedicado a Diógenes – e para nada! Não o convenceu o nosso repórter, arrasado pelo erro cometido, negar a suspeita de que errou premeditadamente. Ele escreveu o que bem quis – e aí, sim, com a premeditação que nos imputava: a sua denúncia tendenciosa, não comprovada e insustentável.

Incrível como a leviandade se alastrou através de blogueiros, navegando no agitado mar da internet. Atracou até em portos internacionais.

Ah!, os tempos em que Ben Bradlee ensinava no Washington Post: “O fundamento do jornalismo é buscar a verdade e contá-la”. Saudade dos manuais em que aprendíamos: “O patrimônio de um repórter é o seu nome”; e “não se deve escrever uma única palavra de que não se esteja seguro, nem divulgar uma só informação da qual não se tenha certeza absoluta”.

Hoje, aí está a Falha de S. Paulo de que somos vítimas: o objeto da notícia não é mais o fato, mas o que dele se diz. Vivamos de versões! Sigamos o mestre Lula, a metamorfose ambulante nacional. A realidade passou a interessar menos do que a sua interpretação.

O fato: a pesquisa Ibope/ACSP-DC. A notícia: o erro de redação sobre ela, sabidamente involuntário, corriqueiro em todos os jornais. A maioria da imprensa vota, em épocas eleitorais, nas páginas de Opinião. Mas alguns textos deste nosso inquisidor, a FSP, exalam o inconfundível odor de sectarismo cego. Até quando o assunto é enchente em São Paulo.

A jornalista Mônica Bergamo acha que beneficiamos o prefeito Kassab, um dos vice-presidentes da ACSP? Ora, mande Diógenes pesquisar em nossas edições. À época da campanha Cidade Limpa fomos à Justiça contra ele, em defesa de associados prejudicados e contra milhares de demissões que acabaram ocorrendo. Será que a ACSP, que se pretende uma entidade de classe apartidária, precisa da bênção do PT para manter seu distanciamento político? Além de divulgar pesquisas eleitorais, já uma tradição, sempre trouxemos, para debater com nossos associados, em reuniões abertas à imprensa, todos os candidatos políticos, TODOS.

A meus companheiros de profissão quero acrescentar: nunca trabalhei num jornal com tanta liberdade como no DC. Aqui me pedem, no máximo, o trivial, como a cobertura que todos os jornais fazem da própria ACSP, uma fonte importante de notícias econômicas. Às vezes, alguém oferece o que seria mais apropriado a um house organ, ou cobrimos alguma visita importante para um texto legenda. Qual redação não recebe pedidos assim?

Comecei no DC na presidência de Guilherme Afif Domingos, há sete anos. Demolidor de tabus, acabou com proibições de origens perdidas no tempo, ou assuntos intocáveis. Ótimo pauteiro, numa órbita que não passa pela política, criou o Impostômetro e os Feirões de Imposto, derrubou a MP 232, foi ao Conar contra propaganda enganosa do governo… Um inovador incansável. Jamais usou o jornal para fins políticos, nem quando o Datafolha lhe deu 14% dos votos contra 43% do senador Eduardo Suplicy (PT), em 27 de setembro de 2006. O resultado foi… 47,8% dos votos a 43,7%. Se o Datafolha acertasse as últimas pesquisas, os então indecisos, numa reviravolta, poderiam decidir, e Afif seria hoje senador.

A gestão do atual presidente Alencar Burti reforçou o zelo pela isenção política. Ele é extremamente cuidadoso em manter o equilíbrio centrado, como uma gangorra com dois pesos iguais em cada ponta. Com ele o DC desenvolveu o Museu da Corrupção que, em seis meses de vida, ganhou o Prêmio Esso de Melhor Contribuição à Imprensa de 2009, e completou agora um ano, com cerca de 700 mil page views/mês. Só miopia para não enxergar nada além de uma trinca do DEM na ACSP.

Feito o estrago, cometida a injustiça – e daí? A FSP, sempre preocupada com o outro lado, está se revelando lerda quando se torna, ela própria, o outro lado. A carta de esclarecimento que mandei na sexta-feira para o Painel dos Leitores não saiu no sábado. E nem no domingo. Sairá nesta segunda? A ver… Por enquanto, a Falha age como quem atropela e foge sem socorrer a vítima.

O veneno de Diógenes Campanha circula impune como viral pela internet, destruindo reputações, equiparando erro comum em qualquer jornal à manipulação criminosa de pesquisa eleitoral, numa confusão que atinge o próprio Ibope. Pena se vier a estancar um serviço cidadão que a ACSP compartilhava de boa vontade com a opinião pública. As vítimas somos os (e) leitores e ós, e a verdade, sempre a primeira a morrer.


Moisés Rabinovici é diretor do Diário do Comércio.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}