1. Arquivos
  2. Desinformação

Negação do direito natural à defesa

21 de dezembro de 2009 - 7:17:33

A lei a que se refere Cícero é comum a todos os seres vivos, mas só o Homem tem a capacidade de usá-la de acordo com sua consciência. Freud deu a ela o nome de instinto de vida e atribuiu sua existência à herança genética. Embora a Lei Mosaica inclua o não matarás, a Torah admite a supremacia da defesa da própria vida, dos seus, e dos bens de sua propriedade. Este impulso está tão arraigado em nós que até a lei positiva admite a legítima defesa como fator de absolvição. Esta lei, que vale para todos, parece ter sido revogada para o Estado de Israel e, por extensão, a todo o povo judeu. A revogação não se deu inicialmente em nenhuma instância específica e identificável, como o Partido Nazista, mas através da fórmula I. I. D. I. N., sigla em inglês de Infiltração, (in)Doutrinação, Desmoralização, Intimidação e, finalmente, Normalização (apud Marion Valentine).

O furor anti-judaico, presente em grande parte da história conhecida, refluiu dramaticamente após o conhecimento dos horrores do Holocausto. Mas foi um refluxo do tipo ondas do mar: a ele se segue novo fluxo, geralmente mais forte. Durante o refluxo o furor não mais que permaneceu latente, conseqüentemente mais perigoso ainda. Se a fonte não era identificável o alvo agora sim: não é necessário atacar os Judeus, mas o Estado de Israel [[*]]. Inicialmente foi-se infiltrando na mídia a idéia de que havia um povo ocupando o território e que Israel era um invasor de terra alheia. Criando-se a ficção do ‘povo palestino’ e infiltrando-a de forma subliminar, mas contínua e maciça, passou-se à fase da doutrinação utilizando-se a idéia mágica da paz. Não se pergunta quem iniciou alguma hostilidade, pois a infiltração da idéia de invasão basta para estabelecer que fosse o invasor. O argumento de que Israel foi desde sua fundação e diversas vezes depois invadido já está estabelecido como somente campanhas de retomada de território ocupado. O obstáculo à ‘paz’, como bem maior da humanidade’, é sempre o invasor, Israel.

Mas Israel se defende, seguindo aquela lei que está ‘em nossos corações’. Então é preciso seguir para a fase de desmoralização: toda ação defensiva de Israel passa a ser, por princípio, imoral por ser ‘desproporcional’, contra um povo faminto, pobre, maltrapilho e verdadeiro dono do território. Episódios lamentáveis ocorrem em qualquer guerra, mas assimetricamente aqueles perpetrados pelos ‘palestinos’ estão desculpados in limine, enquanto os que ocorrem por tropas da Tzahal são genocidas. Sabra e Chatila foi um prato cheio. A mais cruel campanha de desmoralização mostra os soldados de Israel com a suástica e compara a guerra contra um povo pesadamente armado pelos ‘irmãos’ árabes e pelos países ocidentais com o Holocausto.

Preparado o terreno parte-se para a intimidação: resoluções da ONU, condenações da ‘comunidade internacional’, investigações e relatórios falsos tentam acuar o Estado Judeu do qual se exigem concessões covardes e indignas em nome da ‘paz’, subserviência a ‘obrigações internacionais’ abjetas, e conseguem eco dentro da própria comunidade judaica, como o movimento Paz Agora.

Após décadas submetida a este processo a população mundial – e até mesmo dentro de Israel – já não consegue assimilar informações realísticas sobre a situação na região: é o estágio final, a normalização: a condenação a Israel, prévia a qualquer julgamento da consciência e exame da situação, tornou-se a norma.

As ameaças iranianas de provocar um novo Holocausto pareciam que podia reverter o quadro, mas não: existe o horror, sim, mas por trás há uma frasezinha não falada: se Israel não existisse…! Além do que, as ameaças são atribuídas à ‘loucura’ de um líder e não à própria natureza do Islam xi’ita. Os protestos contra Ahmadinejad são baseados na crença que se ele cair e o governo iraniano for outro, as coisas se passarão diferentemente, pois outro seria mais confiável. Há um desconhecimento total do sistema de crenças xi’ita baseado fundamentalmente na doutrina da taqiyya, um dos principais elementos da fé, a lógica religiosa que obriga os fiéis à dissimulação e a esconder suas reais intenções no trato com os infiéis.

Não dá mais para esperar, ou Israel ataca as instalações nucleares iranianas imediatamente ou há grandes chances de que as ameaças se concretizem.

_________________
Nota:
[*] Estou me referindo ao Ocidente, momentaneamente deixando de lado o Islam, pois minha idéia aqui é mostrar o fenômeno da hipocrisia e não a condenação aberta.

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}