1. Foro de São Paulo
  2. Arquivos

Novas ameaças contra membro da UnoAmérica

21 de dezembro de 2009 - 6:51:01

Os fatos ocorreram por motivo de uma audiência de julgamento de militares em Medellín, onde estava presente Gloria Cuartas. O Dr. Restrepo distribuía fotocópias de um artigo intitulado
As ONGs amigas das FARC, escrito pela conhecida jornalista americana Mary Anastásia O’Grady. Tal artigo reproduz extratos de uma entrevista realizada com o guerrilheiro desmobilizado de cognome “Samir”, no qual compromete o nome de Gloria Cuartas por sua relação com o grupo narco-terrorista FARC.

Gloria Cuartas e o advogado Jorge Molano Rodríguez, que estavam fora da sala de audiências, se aproximaram de Restrepo, nitidamente alterados, e solicitaram sua detenção a funcionários policiais. Molano agrediu verbalmente o diretor jurídico da UnoAmérica com palavras que claramente constituíam uma ameaça.

Não se trata de uma ameaça qualquer porque as testemunhas que se atreveram a depor sobre os vínculos de Gloria Cuartas com as FARC foram “misteriosamente” assassinadas, entre elas: Alejandro Segundo Milanés Correa, Eucaris Ariza de López, Jorge Alberto Mejía Bedoya, Roger Iván Castaño Giraldo, Jhon José Uriel Uribe, Jairo de Jesús Gutiérrez, Ever de Jesús Manco Varela, Jhon Jairo Celada Areiza, William Vinsco Alcázar e Ovilson de Jesús Sepúlveda Manco.

Em 26 de junho de 2009, o diretor jurídico da UnoAmérica viajou até Washington para encaminhar uma acusação na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), onde assinalou textualmente Gloria Cuartas pelo “cometimento de prováveis condutas ilícitas relacionadas com o grupo narco-terrorista FARC”.

Em 22 de novembro passado, a Unidade Anti-explosivos da Polícia Metropolitana de Medellín desmantelou uma série de explosivos colocados nos arredores da residência do Dr. Restrepo, depois que o profissional do direito teve duas intervenções de grande repercussão midiática: a primeira foi conseqüência da audiência preparatória no julgamento de Miguel Ángel Beltrán, cognome “Cienfuegos”, na qual representou as vítimas das FARC; e a segunda, em um debate televisivo com o dirigente esquerdista Iván Cepeda, quando Restrepo desmascarou vários integrantes de ONG’s investigados por sua relação com as FARC, e evidenciou os vasos comunicantes existentes entre o pai de Cepeda com Alfonso Cano, atual chefe das FARC.

Tradução: Graça Salgueiro

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}