1. Arquivos
  2. Oriente Médio

O futuro de Israel e o nosso

26 de maio de 2010 - 5:33:59

As palavras da epígrafe fecham um pequeno artigo –
The Unusual State of Israel – escrito para o Los Angeles Times em 26 de maio de 1968, há exatos 42 anos. Era o ano da futura eleição de Richard Nixon, da crise das universidades americanas pela campanha contra a guerra do Vietnam – a revolta na Universidade de Berkeley ocorrera há um mês – da luta pelos direitos civis e menos de dois meses após a morte de Martin Luther King. Um ano antes Israel ganhara a Guerra dos Seis Dias e anexara a Faixa de Gaza, o Sinai, a Judéia e Samária, as Colinas de Golan e Jerusalém Oriental.

Da leitura deste texto ficou-me uma sensação ambivalente: por um lado, tornou claro que o que venho tentando dizer em sucessivos artigos sobre Israel, não é nada novo entre goym. Por outro, foi bom ver minhas preocupações confirmadas. Pois é exatamente assim que eu penso: Israel é a cabeça-de-ponte da Civilização no mundo bárbaro do Islã. Cabeça de ponte sui generis, já que são os próprios fundadores desta.

Hopper diz que ‘os judeus são um povo fora de série: o que está permitido a outras nações, lhes está proibido. Outras nações expulsam milhões e inexiste o problema de refugiados. Assim o fizeram Rússia, Polônia, Checoslováquia, (…) Argélia, China, (…) etc. No caso de Israel os árabes, que saíram por vontade própria, se tornaram refugiados eternos’. ‘Arnold Toynbee diz que a expulsão dos árabes foi um desastre maior do que o feito pelos nazistas. (…) Quando outros países derrotam o inimigo no campo de batalha, ditam os termos da paz. Quando Israel ganha, deve suplicar para conseguir a paz.’ É isto que Israel vem tentando desde então, mas as exigências árabes e da ONU são sempre de devolução dos territórios conquistados naquela guerra (retorno ao status quo ante 4 de junho de 1967). A retirada da Faixa de Gaza, a meu ver, foi um erro terrível pelo qual os civis estão pagando um preço altíssimo.

Tendo morrido no início dos anos 80, Hopper não pôde confirmar como suas palavras continuam sábias: ‘Outros países, quando são derrotados, ressurgem e se reabilitam, porém se Israel perder uma única guerra, desaparecerá do mapa. Se Nasser tivesse ganhado a “Guerra dos Seis Dias” Israel seria varrido do mapa e ninguém levantaria um dedo para salvar os Judeus’.

De 67 para cá quantas ameaças ocorreram, até a atual dos Aiatolás do Irã? A Tzahal atua sempre sobre o fio de uma navalha. Não só não pode perder uma guerra como todas as batalhas são importantes em si. Cercado por milhões de inimigos, ‘ajudado’ por outro tanto de falsos amigos que querem mais é vender suas armas e adquirir a superior tecnologia israelense ou investir seus fundos num país de baixos riscos econômicos, confiando que à superioridade numérica dos inimigos, Israel antepõe a melhor força militar do mundo.

Dentro de poucos dias, depois deste artigo sair publicado, no dia 16 de maio, completam-se 43 anos da ordem de evacuação das tropas da ONU da Península do Sinai e do bloqueio de Eilat por parte de Nasser, data que Charles Krauthammer considera o verdadeiro aniversário da guerra. Nasser moveu-se por conta de uma desinformação soviética de que Israel estava montando um ataque maciço ao Egito e à Síria, países que compravam seus tanques e Migs com dólares de que precisava desesperadamente para se manter de pé. A imediata concordância da ONU foi fundamental para o Egito começar a guerra. Agora o perigo é muito maior, pois vem pelas costas. Não, não estou me referindo ao Irã, inimigo aberto com o qual não tenho dúvidas de que Israel pode se virar. Refiro-me aos EUA desde a posse de Obama, perigo que cresce cada vez mais. Como nos conta Daniel Greenfield a Casa Branca, seguindo os passos de Jimmy Carter, busca um acordo com o Irã que poderá transformá-lo ‘no melhor amigo e Israel no melhor inimigo’.

Como já antevia Hopper ‘Podemos confiar muito mais nos judeus do que Israel pode confiar em nós. (…) Se Israel sobreviver, será somente pelo esforço e pelos recursos dos próprios judeus’. E de sua sobrevivência depende a da Civilização fundada por eles.

 

Publicado no Jornal Visão Judaica, Curitiba, PR em 12/05/2010.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}