1. Arquivos
  2. Outros

O suposto

1 de março de 2010 - 5:21:31

Suposto que. 1. Na suposição ou hipótese de que; dado o caso que; dado que; admitido que. 2. Suposto (6).

Das diversas definições aurelianas de SUPOSTO, seguramente Supositício, seja a palavra menos conhecida do dia-a-dia da língua “brasileira”, portanto, aí vai seu significado aurélico:

[Do lat. suppositiciu.] Adjetivo.1. Atribuído falsamente a alguém; suposto. Fingido, falso. [Sin. ger.: supositivo.]

Atualmente, na imprensa brasileira, a palavra SUPOSTO e suas derivações são das mais utilizadas no vocabulário jornalístico, chegando ao ponto de, no segundo dia do ano, em pleno Jornal Nacional, o apresentador Márcio Gomes ler uma notícia sobre um fato ocorrido na Colômbia em que “um ataque das Forças Armadas matou 22 supostos guerrilheiros das Forças Revolucionárias da Colômbia”.

Passa-se a impressão de que no país vizinho não existe um movimento guerrilheiro e que, supostamente, as FA colombianas realizaram uma mortandade contra pessoas indefesas, de boa índole e que não se sabia quem eram. Tem razão o JN, não são somente guerrilheiros, são também narcotraficantes.

Para verificarmos a imparcialidade da mídia, vejamos algumas notícias do último dia de 2009:

Correio Braziliense – 31 Dez 2009

No Senado, a alardeada CPI da Petrobras, instalada para apurar supostas irregularidades na gestão da estatal, terminou melancolicamente.

O relatório final da comissão pede ao Ministério Público Federal uma apuração sobre suposto ato de prevaricação por parte de integrantes da Aneel e solicita ao órgão a criação de um mecanismo para compensar o consumidor pelos valores indevidos.

Jornal de Brasília – 31 Dez 2009

O governador Arruda, emocionado, considerou que as denúncias do suposto esquema de caixa dois foram combinadas para impedi-lo de continuar na política – que atualmente o “enoja”.

O Estado de São Paulo – 31 Dez 2009

A Justiça argentina fechou formalmente o caso de suposto enriquecimento ilícito contra a presidente do país, Cristina Kirchner, e seu marido e antecessor, Néstor Kirchner.

O padrasto da criança afirmou ter inserido as agulhas no corpo do enteado em um suposto ritual de magia negra.

Já quando o assunto é sobre as FORÇAS ARMADAS não se supõe nada, afirma-se tudo, pois a certeza existe.

Vejamos no mesmo Correio Braziliense, de 31 de dezembro de 2009, parte do artigo intitulado “Desconforto na Caserna”, de autoria de Danille Santos, no qual coloquei alguns supostos:

“O suposto desconforto criado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, dentro do governo após questionar o Programa Nacional de Direitos Humanos intrigou supostos especialistas, que classificaram o episódio como um suposto retrocesso para a democracia. No último dia 22, Jobim se encontrou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e colocou o cargo à disposição. O mesmo fizeram os comandantes das três forças nacionais, Marinha, Exército e Aeronáutica.

Os trechos que contrariaram o bloco militar referem-se à apuração de supostos crimes e supostas violações de direitos humanos no período da suposta ditadura, entre 1964 e 1985. O principal deles trata da criação de uma comissão que terá amplos poderes para apurar supostos casos de violação dos direitos humanos durante a suposta ditadura e, se preciso, punir. Outro pede a revogação de leis remanescentes do período do regime. Na visão dos militares, a medida abre uma brecha para mudanças na Lei da Anistia. Por último, o documento sugere uma lei que proíba o nome de pessoas que supostamente tenham praticado crimes de lesa-humanidade em prédios públicos e ruas, além da alteração de nomes já atribuídos”.

Aliás, existem várias suposições sobre o episódio supostamente acima descrito:

– será que o apedeuta-mór, por falta de saco ou deficiência de leitura, assinou, mais uma vez, um documento sem ler?

– será que Luís Ignácio ignorava os termos da negociação entre os Ministérios da Defesa, Justiça e Secretaria Nacional de DH?

– será que Luís Ignácio ignorou, por livre e espontânea vontade, os termos da negociação entre os Ministérios da Defesa, Justiça e Secretaria Nacional de DH?

– será que “o cara” foi enganado pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff?

– será que não é mais uma manobra do beócio na tentativa de se passar por bonzinho diante do “bando de generais“?

– será que não se trata de mais outra ação desencadeada com a finalidade de elevar, midiaticamente, ainda mais, os “franklinados” (1) índices de popularidade do Superlulla, ornando-lhe com o cognome de “O Vingador dos Torturados”?

– será uma jogada para que Jobim seja instado à vice da Dilma?

– ou será uma tentativa do Noço Guia para tornar-se imortal, pois, ajudando a reescrever a história, tem tudo para ganhar um assento na Academia Brasileira de Letras?

Eu suponho que, na verdade, o apedeuta-mor é um grande supositício!

Notas:

(1) – O mesmo que fabricado.

(*) Jacornélio é um suposto articulista, que usa dentes supostos, que não é supositício (falso ou fingido) e, ainda, supõe ser o Diretor-Geral do Fundo Nacional de Pensão dos Anistiados Políticos (FUNPAPOL).

Revisão: Paul Word Spin Houaiss

Brasília, 06 de janeiro de 2010.

E-mail: jacornelio@bol.com.br e jacorneliomg@gmail.com

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}