1. Foro de São Paulo
  2. Arquivos

O vergonhoso papel da OEA

11 de julho de 2009 - 18:45:19

Uno-me  e aplaudo a mensagem da União das Organizações Democráticas da América (Unoamérica), que pede a destituição de José Miguel Insulza como secretário da OEA, por sua “desastrosa gestão à frente deste organismo multilateral”.

A Unoamérica criticou duramente o comportamento de Isulza durante a crise hondurenha, alegando que este era um conflito que podia ser evitado, pois estava em gestação há cerca de três meses. “Sem dúvida, Insulza se omitiu ante os numerosos sinais de alerta”.

A Unoamérica, plataforma que agrupa várias Ong’s de toda a América Latina, afirma que: “Durante o mandato de Insulza, a OEA tem se pervertido e desfigurado, convertendo-se em uma ferramenta para apoiar ditadores e debilitar os fatores democráticos da região, contrariando sua razão de ser e de existir”.

Juntamente com a Unoamérica, a Human Rights Foundation (HRF) classificou de nefasto o papel desempenhado por Insulza, especialmente por não ter aplicado a Carta Democrática Interamericana à Venezuela.

A organização, entre cujos diretores figuram o escritor peruano Álvaro Vargas Llosa, acusou o governo do presidente Hugo Chávez de violar o princípio de separação entre os poderes públicos ao referendar a Lei Orgânica do Supremo Tribunal de Justiça, em maio de 2004.

A HRF acusou o STJ de ser “uma entidade que escandalosamente avaliza todas as decisões arbitrárias do presidente Chávez, por exemplo, no fechamento do maior e mais antigo canal de televisão da Venezuela (RCTV) os poderes legislativos do presidente (através de uma Lei Habilitante) os 26 decretos de lei que incorporam a reforma constitucional rechaçada por referendo a inabilitação dos candidatos da oposição para as próximas eleições, entre outras.

A Unoamérica também aponta: em março de 2008, ao invés de felicitar coletivamente o presidente Álvaro Uribe, por dar baixa ao pior criminoso do continente americano, Raúl Reyes, a OEA reclamou da incursão em território equatoriano.

Posteriormente, em abril de 2008, em audiência no Congresso estadunidense, Insulza negou que Chávez tivesse vínculos com grupos terroristas, apesar das evidentes conexões com as FARC e com o governo discutível de Ahmadinejad.

Porém, a gota que fez o cálice derramar foi a recente decisão da OEA, que permitiria ao regime totalitário cubano incorporar-se ao seio da organização. A medida contrasta com a enorme pressão que a OEA exerce sobre o povo hondurenho, por haver se livrado de um presidente golpista.

Inexplicavelmente, a OEA não se pronuncia sobre a grosseira ingerência de Chávez nem sobre as suas ameaças de enviar tropas a Honduras.

Segundo a Unoamérica, “a metamorfose que a OEA sofreu se deve a que os 15 presidentes latino-americanos pertencem ao Foro São Paulo, organização criada por Lula da Silva e Fidel Castro em 1990, para reagrupar os setores de esquerda que ficaram órfãos, logo após a queda do muro de Berlim, e à qual pertencem as FARC e o ELN. Pelo menos outros 7 países – localizados no Caribe – dependem do petróleo que a Venezuela lhes envia. O próprio Insulza pertence ao Partido Socialista do Chile, membro fundador do Foro São Paulo”. São tantas e tão graves as atuais condenações que pesam sobre Insulza, que o mais conveniente para a paz e a estabilidade da região é que seja demitido do cargo.


Tradução:
Beth C.Costa

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}