1. Arquivos
  2. Perseguição Anticristã

Parlamentar afegão pede execução de cristãos

5 de junho de 2010 - 10:25:21

Na terça-feira, a Associated Free Press informou que Abdul Sattar Khawasi, vice-secretário da casa mais baixa do parlamento afegão, pediu a execução de cristãos convertidos do Islã.

Falando sobre um vídeo transmitido pela rede de televisão afegã Noorin TV mostrando imagens de homens cristãos sendo batizados e rezando em persa, Khawasi disse: “Aqueles afegãos que apareceram neste filme de vídeo devem ser executados em público. A Casa deve ordenar o procurador-geral e a NDS (agência de inteligência) para prender estes afegãos e executá-los”.

Um porta-voz da ICC disse: “A transmissão provocou um protesto de centenas de estudantes da Universidade de Cabul na segunda-feira, que gritavam ameaças de morte e exigiam a expulsão de estrangeiros acusados de evangelismo cristão”.

“Como resultado, as operações da Norwegian Church Aid (NCA) e a norte-americana Church World Service (CWS) foram suspensas por acusações de proselitismo. O governo afegão está atualmente a realizar uma intensa investigação sobre o assunto.

“Segundo a lei afegã, o proselitismo é ilegal e conversão do islamismo para qualquer outra religião é punível com a morte”.

Fontes da ICC no Afeganistão relataram que muitos cristãos nacionais estão escondidos, com medo de execução. Sob pressão do governo durante as investigações, alguns afegãos relataram nomes e localizações de cristãos convertidos.

Aidan Clay, gerente regional da ICC para o Oriente Médio, disse: “É absolutamente lamentável que a execução de cristãos seja promovida no chão do parlamento afegão. A declaração de Khawasi declaração soou como o manifesto tirânico do Talibã, e não de um aliado dos Estados Unidos. Vidas americanas estão sendo perdidas na luta contra o terrorismo e defesa da liberdade no Afeganistão – ainda cristãos estão a ser oprimidos dentro das fronteiras afegãs.

“Isto vem depois de bilhões de dólares dos Estados Unidos serem investidos no esforço de guerra, e milhões mais foram dados em ajuda. O governo dos Estados Unidos deve intervir para proteger a liberdade religiosa e os direitos humanos de todos os afegãos. Os EUA não são um mero espectador de fora – mas está estreitamente ligado no âmbito da política do Afeganistão”.

Clay acrescentou: “A intervenção não é uma escolha, mas uma responsabilidade, assim como as políticas afegãs refletem a habilidade e compromisso do governo americano de garantir um governo estável no Afeganistão”.

Fonte: Christian Telegraph

Tradução: Júlio Lins, editor do blog Mente Conservadora.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}