1. América Latina
  2. Arquivos

Por que Honduras pôde e a Venezuela não?

8 de outubro de 2009 - 21:08:30

Outra explicação, também válida, é que Zelaya não controlava o Congresso, nem a Corte, à diferença de Chávez que mantém seqüestrados todos os poderes públicos.

Entretanto, em minha opinião, há outro motivo mais importante, relacionado com a humildade e com a religiosidade do povo hondurenho.

Em julho deste ano, quando visitei Tegucigalpa, fiquei impressionado com a simplicidade e clareza dos hondurenhos. Creio que vários fatores influíram para formar esse caráter nacional, entre eles, a consciência de suas próprias limitações econômicas, a necessidade de trabalhar muito duro para sobreviver e o empenho em preservar seus valores familiares e crenças religiosas. Parece, além disso, que o relativismo e o materialismo não permearam tanto em Honduras, como ocorreu na Venezuela e em outros países sul-americanos.

Os hondurenhos mostram uma grande firmeza e inteireza moral na hora de defender seus princípios. Por isso, foram capazes de tomar decisões sem titubear e de suportar enormes pressões, inclusive dos setores internacionais mais poderosos.

Durante minha permanência em Honduras me atrevi a comentar que lá me sentia como na Venezuela rural de meu pai, onde prevalecia a cortesia, a simplicidade e a retidão.

Sem dúvida, décadas de bonança petroleira mal administrada tem prejudicado os venezuelanos. O materialismo e o consumismo afetaram negativamente o caráter nacional, diluindo da memória coletiva os princípios que nossos antepassados compartilhavam. Dez anos de governo Chávez – carregados de cinismo, mentiras e frustrações – debilitaram ainda mais nossos valores, embora tudo isto não signifique que estejamos derrotados.

O testemunho dos hondurenhos deve suscitar uma profunda reflexão nos venezuelanos. A hora é de analisar nossos paradigmas e crenças, para recobrar o caminho que perdemos em algum momento da bonança petroleira. O exemplo desse pequeno país centro-americano pode nos servir de inspiração.

Hoje, mais do que nunca, é necessário recorrer aos ensinamentos e recomendações de nosso grande guia espiritual, o Cardeal Rosalio Castillo Lara, que disse, em 14 de janeiro de 2006, por motivo do Dia da Divina Pastora:

“Nos encontramos em uma situação de extrema gravidade como em muito poucas de nossa história. Um governo eleito democraticamente perdeu seu rumo democrático e apresenta lampejos de ditadura, onde todos os poderes estão praticamente nas mãos de uma só pessoa que os exerce arbitrária e despoticamente, não para o maior bem da nação, senão para um torcido e anacrônico projeto político: o de implantar na Venezuela uma regime desastroso como o que Fidel Castro impôs a Cuba”.

Castillo Lara depois acrescentou: “Nosso Senhor Jesus Cristo quis, talvez, dar-nos uma dura lição por nossas infidelidades, por não ter sabido aproveitar os dons que nos deu de uma natureza tão fértil e rica, de uma população inteligente, trabalhadora e generosa, e por não ter ajudado devidamente aos mais necessitados e não ter vivido limpamente nossa fé cristã”.

A solução para a nossa crise não sairá, pois, de uma receita política, ou de um acontecimento eleitoral, senão de uma mudança interna, baseada na recuperação de nossos valores mais caros uma mudança que nos proporcione a força e a determinação para enfrentar uma ditadura tão perversa e destruidora, como a que hoje domina a Venezeula.

Tradução: Graça Salgueiro

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}