1. Arquivos
  2. Globalismo

Prêmio Nobel da P… peraí!

14 de outubro de 2009 - 17:00:12

Continuo eu. Barack Hussein, o Obaminável (copyright Heitor de Paola), é o primeiro ganhador do Prêmio Nobel da Esperança, versão mais glamourizada do Prêmio Mundo Melhor, hoje banalizado por fóruns globalizados pacifistas mundo afora. Faz sentido. Em vez de inventar o Prêmio do Mundo Melhor da Paz, que renderia mais dinheiro para os vencedores, os empregados parlamentares e cartolas da Nova Ordem Mundial (NOM) inventaram esse Prêmio. Barack Hussein é o primeiro “Bandido Esperança” da NOM. E Barack Hussein repetiu o discurso mais emblemático de Lula, o Cara. Como não achar a premiação plenamente justificada? Não sei como se diz em inglês “nunca antes se fez tanto neste país como nóis ainda vamo fazê”. Não exagero, está nos anais. Nos nossos anais, pelo menos! Agora está na boca do pseudo-americano Barack Hussein.

O Pacificador do Futuro, Prêmio Nobel Pré-Datado da Paz, Barack Hussein, acordou um milhão e tanto mais rico fingindo que nada sabia. Fico imaginando que, como ainda há tempo até o discurso de aceitação e recebimento da grana, ele pensará em fazer uma caridade com esse dinheiro. Terrível dilema: dará a grana para a ACORN, para as FARC ou o MST? Convidará Lula, o Cara (o maior invejoso do momento), para um barbacue milionário, tão torrado como um assado texano? Ele é capaz de qualquer dessas coisas. Mas, por favor, eu não estou criticando a escolha do Obaminável Barack Hussein. Pelo contrário, acho-a terrivelmente justa, inacreditavelmente meritória e absolutamente legítima. Afinal, nunca ninguém antes naquele país prometeu tanto e desejou tanto baixar as calças para o terrorismo internacionalista antiamericano, para o Talibã, Al Qaida, Irã, e todos os evil-doers de Bush.

Agora falando sério, sem ironias. O Prêmio Nobel mostrou hoje toda a sua face criminosa, a sua desavergonhada servidão à Nova Ordem Mundial. Mas isso não é de hoje. De fato, a lista de ganhadores suspeitos desse prêmio é longa, embora não seja contínua para não despertar suspeitas. Uma das manobras favoritas dos membros parlamentares do comitê de Oslo é premiar em conjunto e até, às vezes, soi disant inimigos. Assim, Yasser Arafat recebeu o prêmio em 1994 juntamente com Yitzhak Rabin e Shimon Perez; Henri Kissinger dividiu o prêmio com o vietnamita Le Duc To. O fato de Yasser Arafat mandar para o cemitério milhares de pessoas em atentados terroristas nada diz ao instituto do Prêmio Nobel da Paz, ou à NOM.

Desde a sua criação a instituição do Prêmio Nobel foi um instrumento da Nova Ordem Mundial. É só conferir os seus ganhadores, e em todas as categorias. Por exemplo, o Dr. James Watson, um dos descobridores do DNA, foi também premiado pelo Instituto Karolinska de Stockholm em 1962. Na década seguinte teria participado de experiências criminosas em uma prisão em Huntsville, Texas. A experiência de vacinas (?) em presidiários redundou na criação da AIDS e do monstrengo biológico Mycoplasm infectans incognitus, também conhecido como HIV1, e cuja patente (US Patent 5,242,820) requisitada posteriormente pelo cientista chinês Dr. Shyh-Ching Lo, está em nome do Exército Americano, como se lê em http://www.whale.to/m/mycoplasma5.html e http://freepatentsonline.com/5242820.

Esse pesquisador chinês durante anos tentou provar ao mundo que o vírus da AIDS, o HIV 1, sozinho, não era capaz de fazer tanto estrago. Evidências, testemunhos, e uma série de inexplicáveis coincidências apontam que a AIDS nasceu dessas experiências em Hunstville, ou continuou em Cold Spring Harbor, New York, local onde ocorreu a epidemia misteriosa do West Nile Virus, o mesmo instituto de pesquisas onde James Watson foi presidente até deixá-lo depois de suas declarações eugenistas e racistas em 2007. É fato notório que os Rockfeller e os assassinos da Carnegie foram os principais patrocinadores deste instituto. Não há que duvidar que eles eram e continuam sendo entusiastas da eugenia, da esterilização de mulheres, do aborto, e toda forma de genocídio. A revista Veja na edição de 21 de janeiro de 2004, comentou o livro “O lado obscuro da América”, e como cientistas dos Estados Unidos foram pioneiros nas práticas de “limpeza racial” (http://veja.abril.com.br/210104/p_108.html).

Anos após o cientista chinês ter tentado denunciar ao mundo que o vírus HIV não passava de uma combinação de um inofensivo parvovírus B19 com o Mycoplasma infectans incognitus, o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina foi dado ao francês Luc Montagnier, que nada mais fez do que copiar o trabalho do cientista chinês. Mas por que o Dr. Shyh-Ching Lo ficou quieto? Ele estava fazendo algo mais do que apresentar seu laudo de patologista-chefe do Exército Americano na autópsia de centenas de pessoas mortas pelo micoplasma, ou tentava esconder a técnica de criação do causador da AIDS? Como se sabe, quase uma centena de casos de Esclerose Lateral Amiotrófica, Esclerose Múltipla, paralisias terríveis, entre outras doenças, irromperam na época, todas elas com traços da presença do micoplasma, o agente bacteriano com gens transplantados de vírus. De qualquer forma o prêmio foi dado de novo.

Assim trabalha a instituição que premiou o Obaminável Barack Hussein em favor, não da humanidade, mas da Nova Ordem Mundial. Abaixo refiro alguns nomes de pessoas e instituições merecedoras do mesmo galardão da infâmia entre 2009 e 1977. Ganharam o dinheiro e a fama de humanistas e pacificadores por abominações e, afinal, por uma paz que nunca veio. Destaco em especial a premiação de Joseph Rotblat e a Pugwash Conference on Sciences and World Affairs em http://zombietime.com/john_holdren_and_harrison_brown/, e a história da engenharia social ou bioética, ou o racismo mais descarado financiado pela Rockfeller Foundation e Carnegie Institution, que estão em http://www.thecuttingedgenews.com/index.php?article=11536&pageid=37&pagename=Page+One.

– 2007 – Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática – Al Gore, mentiroso internacional com o seu fajuto man made global warming. O crime ambiental verdadeiro que está sendo feito para “esquentar” a fraude, eu comento em outro momento.

– 2006 – Muhammad Yunus, de Bangla Desh – fez um banco (!)

– 2005 – Agência Internacional de Energia Atômica, Mohamed El Baradei, por afrontar George Bush (o filho) e favorecer o programa atômico do Irã.

– 2002 – Jimmy Carter, pelo seu trabalho internacional pelo comunismo.

– 2001 – Nações Unidas e Koffi Anan; prêmio redundante e favorecimento de um ladrão.

– 1997 – Campanha Internacional para banimento das minas terrestres; homenagem à queridinha do beautiful people, Lady Diana.

– 1995 – Joseph Roblat e a Pugwash Conference on Sciences and World Affairs (cujo parceiro, John Holdren, hoje Secretário de Obama, preconizava o aborto forçado e o genocídio de 1/3 dos habitantes do planeta).

– 1994 – Yasser Arafat (terrorista, agente da KGB); Shimon Peres, e Yitzak Rabin.

– 1993 – Nelson Mandela e Frederick de Klerk, respectivamente prisioneiro comunista e carcereiro racista.

– 1992 – Rigoberta Menchú Tum, guerrilheira comunista indígena. Acusada de falsidade ideológica.

– 1990 – Mikhail Gorbachev, líder comunista, KGB, fundador do Club de Roma e da Cruz Verde Internacional. Aquisição recente da NOM.

– 1988 – Forças de Manutenção da Paz da ONU (?) Sem comentários.

– 1987 – Oscar Árias Sánchez, ainda trabalha pelas FARC.

– 1984 – Bispo anglicano Desmond Tutu, agitador comunista.

– 1981 – Alto Comissariado das Nações Unidas pelos refugiados (das guerras que a ONU patrocina).

– 1980 – Adolfo Esquivel, comunista argentino; defensor dos direitos humanos dos montoneros.

– 1979 – Madre Tereza de Calcutá, ex-prostituta, guerrilheira comunista na Albânia, santificada na Índia.

– 1978 – Anwar el Sadat e Menachen Begin. O primeiro, ex-parceiro do comunista Gamal Abdel Nasser; o outro, terrorista na juventude quando matou soldados ingleses.

– 1977 – Henry Kissinger (um dos fundadores do Club Bilderberg); Le Duc To, ministro norte-vietnamita. Este último, como bom comunista, recusou o dinheiro.

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}