1. Arquivos
  2. Governo do PT

“Desconstrução transversal”: um plano por trás do Plano?

11 de fevereiro de 2010 - 7:39:06

2. O que chamou a atenção dos analistas foi que o Sr. Lula da Silva fizesse essa investida geral na última hora de seu mandato, lançando essa “psi-bomba de fragmentação” que afetou de uma só vez tantos setores. Com isso, arrisca seu prestígio de “moderado” com o qual ganhou a confiança de amplos setores privados brasileiros, em especial, do setor financeiro e dos grandes grupos empresariais.

3. O anúncio do PNDH, terá sido um escorregão de um experimentado lobo da política brasileira que teria se deixado empurrar pelos círculos concêntricos radicais que o apóiam, e que agora estariam cobrando-lhe o pagamento da fatura política? Será parte de algum plano estratégico, de hegemonia gramsciana da sociedade brasileira? Constituirá uma sondagem para ver até onde se poderia chegar em matéria de esquerdização sem provocar grandes sobressaltos das elites e da opinião pública? Ou, talvez, um pouco de cada coisa, tudo de uma vez, caoticamente, como uma característica do sinal dos tempos?

4. Em 21 de dezembro de 2009, o ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, lançou em Brasília o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH III) na presença do presidente Lula da Silva, de sua candidata presidencial, a ex-guerrilheira e atual ministra Dilma Rousseff, e de figuras representativas das velhas e novas esquerdas brasileiras.

Pouco depois de lançada a “psi-bomba de fragmentação múltipla”, levantou-se desde os meios de comunicação um clamor contra o Plano, e foram publicados brilhantes artigos dissecando os aspectos totalitários e intervencionistas do referido projeto. Diante desse mal-estar, o presidente Lula da Silva e vários de seus ministros simplesmente foram baixando o perfil do Plano, dizendo que tinha o mero caráter de uma proposta para ser debatida e que de nenhuma maneira se tratava de uma imposição. Chegou-se a anunciar a retirada de tópicos mais polêmicos, como o do aborto, depois que o presidente Lula da Silva fosse acusado de novo Herodes nos meios eclesiais.

5. Na realidade, tratou-se de retrocessos governamentais ziguezagueantes, muito ao estilo do Sr. Lula da Silva, de caráter meramente estratégico, sem que os autores e patrocinadores do PNHD se retratassem em nada das propostas formuladas. Não obstante, esses retrocessos resultaram suficientes para desativar as reações e para fazê-las diminuir paulatinamente até que tudo caísse em uma nova modorra. Com isso, o PNDH foi ficando relegado a um segundo plano e inclusive caindo em um quase esquecimento.

Em que pesem a modorra e o esquecimento, um primeiro passo fundamental foi dado pelos propulsores do Plano. Depois de um primeiro momento de aturdimento dos tímpanos psicológicos dos opositores, causado por esse tipo de “psi-bombas de fragmentação” política, deixa-se passar certo tempo e depois volta-se à carga.

Com esse vai-e-vem, não somente se dessensibilizam os tímpanos psicológicos, senão que se vão desconstruindo as próprias estruturas mentais que constituem os suportes das próprias consciências. Eis que entra aqui aquilo que o próprio ministro Vannuchi considera como a chave para entender o PNDH. Trata-se da denominada “transversalidade”.

6. Na ação política das novas esquerdas e na revolução cultural gramsciana, a “transversalidade” e a horizontalidade, em contra-posição à “verticalidade” substituem a ação ideológica direta, vertical, hierárquica e, a seu modo, racionalista, própria das velhas esquerdas. E passa-se a aplicar um estilo de desconstrução mental transversal-horizontal, não só das inteligências, como sobretudo das mentalidades e das sensibilidades, para posições que aproximem as vitimas o máximo possível do sonho de uma sociedade anárquica, quase se diria “tribal” do ponto de vista psicológico e também de certos hábitos de vida. Paulatinamente, com a ajuda de diversos líderes de opinião e de meios de comunicação, vão se impondo todo tipo de descriminalizações e “desdiscriminalizações”, a não ser a implacável criminalização e discriminação dos que ousem opor-se a esse plano, em nome do senso comum, da moral saudável e da civilização cristã. Não se descarta, segundo reconhecem os promotores dessa nova modalidade revolucionária, a utilização de instrumentos legais, policiais e até psiquiátricos contra os opositores.

7. Como já foi mostrado por Destaque Internacional em diversos editoriais, a “transversalidade” é um novo conceito das novas esquerdas, com um conteúdo ao mesmo tempo sociológico, estratégico, publicitário e psicológico, que foi debatido e lançado desde os primeiros Fórum Social Mundial de Porto Alegre, e a aplicação desse conceito neo-revolucionário constitui um dos principais ganhos dos referidos fóruns. A “transversalidade”, aplicada em conjunto com a “diversidade” e com as técnicas de “dessensibilização” social, vai se transformando em um instrumento para ir implantando, gradualmente, tipos de controle mental e psicológico que, por sua radicalidade, talvez pudessem causar rubor a um Lênin, um Stalin, um Gramsci ou um Orwell.

8. O tema é delicado e é difícil de tratar exaustivamente em poucas linhas. Para atenuar, ao menos em parte, essa limitação natural de espaço, colocam-se à disposição de nossos leitores, gratuitamente, links selecionados para acessar alguns desses artigos sobre a “transversalidade” e a novas formas de totalitarismos, assim como outros que comentam criticamente o PNDH.

9. De qualquer maneira, concorde-se ou não com a importância à “transversalidade” que se atribui neste Editorial, e discorde-se ou não com a interrogação da eventual existência de um plano por trás do Plano, vai ficando cada vez mais claro que já não é suficiente analisar o que dizem ou fazem setores influentes do Governo brasileiro e de outros Governos latino-americanos, no sentido de esquerdizações graduais e indolores do país, senão de que maneira dizem e/ou fazem para não despertar reações ou sequer suspeitas. No que diz respeito ao gigante brasileiro, essas hipóteses cobram importância na perspectiva das próximas eleições nacionais, nas quais a candidata do governo, Srª Dilma Rousseff, está claramente identificada com esses setores esquerdistas de vanguarda.

10. Esperemos que não se negue ou coíba o direito de analistas políticos e de outras pessoas que desejem difundir este tipo de análise, dentro de um sistema que se proclama democrático, para levantar este tipo de hipótese a respeito de “planos por detrás dos Planos”. Por fim, teria utilidade, sem dúvida, verificar se as referidas hipóteses levantadas acerca do Brasil não se aplicarão, com as devidas adaptações, a casos mais delicados na região como os de Chávez na Venezuela, Morales na Bolívia, Kirchner na Argentina, Lugo no Paraguai, etc.

Referências sobre o PNDH III:

Denis Lerrer Rosenfield, “Direitos Humanos”, O Estado de S. Paulo, 18-01-2010
http://arquivoetc.blogspot.com/2010/01/direitos-humanos-denis-lerrer.html

Editorial, “Lula e os estragos do Decreto”, O Estado de S. Paulo, 12-01-2010
http://arquivoetc.blogspot.com/2010/01/lula-e-os-estragos-do-decreto-estadao.html

Ives Gandra Martins, “Guerrilha e redemocratização”, Folha de S. Paulo, 22-01-2010
http://arquivoetc.blogspot.com/2010/01/guerrilha-e-redemocratizacao-ives.html

Referencias sobre “transversalidade” e “desconstrução”:

Destaque Internacional, “World Social Forum, ‘transversality’ and chaos”, 15-02-2003
http://www.cubdest.org/0306/gfsm03ce.html

Destaque Internacional, “Foro Social Mundial, ‘transversalidad’ y caos”, 15-02-2003
http://www.cubdest.org/0306/gfsm03c.html

Destaque Internacional, “Foro Social Brasileño: la meta de ‘desconstrucción’ y ‘reinvención’ del hombre y la sociedad”, 15-11-2003
http://www.cubdest.org/0312/c0311fsbjurem5.html

Destaque Internacional, “Foro Social, ‘diversidad’ y nuevos totalitarismos” 14-02-2003
http://www.cubdest.org/0306/gfsm03div.html

Tradução: Graça Salgueiro

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}