1. Arquivos
  2. Movimento Revolucionário

Repressão chavista

14 de julho de 2010 - 13:19:04

Alejandro Peña, que por sua militância antichavista foi recentemente alvo de homenagem por parte da Assembléia Estadual do Alabama (v. http://www.youtube.com/watch?v=VGhwsRbR0Y8), é bem conhecido do público brasileiro como conferencista sério e equilibrado, que descreve a situação política de seu país com tristeza, mas com serenidade e nem o mais mínimo sinal de ódio.

Os membros da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) tiveram a oportunidade de ouvi-lo explicar a estratégia revolucionária do Foro de São Paulo durante o simpósio “Democracia, Liberdade e o Império das Leis”, realizado em maio de 2006.

Não tenho a menor dúvida de que a prisão de Alejandro Peña é uma retaliação ao processo que ele move no Tribunal Penal Internacional contra o governo Hugo Chávez. A melhor cobertura do assunto, até agora, está no blog http://notalatina.blogspot.com.

***

O jornal O Tempo, de Belo Horizonte, publica em editorial estas linhas onde a malícia e a estupidez se fundem numa mistura indecomponível:

“O governo dá motivos. Entre outros, o PNDH-3 e, agora, o primeiro programa de governo da candidata Dilma Rousseff, depois substituído por um conteúdo mais digerível. O fato é que essas trapalhadas acabam por estimular a disseminação de um discurso de direita, claramente anticomunista, afirmando que o País caminha para uma ditadura. A fonte talvez esteja em alguns articulistas – como o filósofo Olavo de Carvalho – que dão curso hoje a teorias da conspiração… Não há dúvidas de que a denúncia de golpe tem muito de paranoia…”

Não há possibilidade de golpe, prossegue o jornal, porque o Brasil está sob o domínio daquilo “que o jornalista Fernando de Barros e Silva chama de condomínio ou consórcio de poder: a reunião de forças interessadas na atual estrutura do governo. Desse condomínio participam partidos, políticos, empresários, sindicalistas e funcionários do Estado, todos beneficiários de favores distribuídos pelo governo. O poder está distribuído entre tantos beneficiários que ninguém pode pretender ter a hegemonia. O condomínio é a maior garantia de que a legalidade não será desrespeitada”.

1) A surpresa atemorizada que o editorialista revela ante “a disseminação de um discurso de direita, claramente anticomunista” mostra que, na democracia como ele a concebe, todo anticomunismo é proibido. Você pode ser muito comunista, meio comunista ou um pouquinho comunista. Tudo o que esteja à direita disso é crime, e seu eventual ressurgimento, mesmo em doses mínimas, deve ser denunciado para que se possa cortar o mal pela raiz antes que cresça ao ponto de querer formar – oh, horror! – um partido direitista.

2) Na verdade, não é só O Tempo que pensa assim. Praticamente toda a “grande mídia” brasileira se empenha em fazer o público aceitar uma caricatura leninista de democracia – o “centralismo democrático” – como se fosse não só uma democracia genuína, mas o único tipo de democracia que já existiu no mundo.

3) A prática da democracia leninista é exemplificada pela coexistência de eleições regulares com a total supressão do livre acesso popular a informações que o governo considere politicamente inconvenientes, como por exemplo o pacto de solidariedade PT-Farc assinado em 2001 e, de modo geral, as atividades do Foro de São Paulo em favor de organizações terroristas. Tudo o que se pode ler na mídia se resume ao esquerdismo oficial e à sua crítica de esquerda. E esta, num arremedo grotesco de independência, acusa-o do mais hediondo dos pecados: fomentar, por inabilidade, o ressurgimento da direita.

4) Se a opinião pública tem seu acesso a informações eficazmente racionado, os partidos políticos só têm espaço para fazer oposição de esquerda e, nos altos escalões, o poder está sob o domínio total de um “consórcio de beneficiados”, não existe, evidentemente, nenhuma necessidade de golpe ou ditadura, porque o golpe já foi dado e a ditadura já está em pleno funcionamento, controlando magistralmente a situação, sendo exatamente isto o que O Tempo chama de democracia.

5) Por saber disso, e por ter escrito a respeito algumas centenas de vezes, foi que, exatamente ao contrário do que diz O Tempo, não denunciei nenhum plano golpista, não sendo besta de denunciar a preparação de crimes já perpetrados.

6) O Tempo, se não é um beneficiário, é pelo menos um bajulador do consórcio. Está no poder, ou pelo menos é um penetra que se finge de convidado.

***

Um partido que, em vez de declarar sinceramente a que veio, sempre entra em campo com duas alas, uma “radical” para assustar o público, outra “moderada” para acalmá-lo e recolher os lucros eleitorais do alívio (recompensando em seguida os serviços da primeira com uma pletora de verbas públicas), não é, com toda a evidência, um partido como os outros, um partido normal e legítimo: é uma máquina de engenharia social montada para ludibriar, manipular e controlar. Mas o Brasil já se acostumou tanto à alternância pavloviano-petista de choques e queijos (ou pauladas e cenouras, como dizia Bismarck), que já nem repara na diferença entre a política eleitoral sadia e a “estratégia das tesouras” – invenção de Lênin, como o centralismo democrático.

***

Não acredito de maneira alguma nas estatísticas com que o MST justifica sua reivindicação de um plebiscito para limitar o tamanho das propriedades rurais, mas, só ad argumentandum, vou aceitá-las por uns minutos e ver a que consequências levam. Se é verdade, como alega o MST, que as pequenas propriedades produzem quase toda a comida que se consome no Brasil, aumentar o número delas será, com toda a evidência, catastrófico: só servirá para gerar um excedente de produção que não poderá ser consumido no mercado interno. Para contornar a hipótese medonha de baixar os preços até tornar inviável toda atividade agrícola, esse excedente terá de ser exportado. Mas, como os pequenos produtores não têm a mínima condição de competir sozinhos no mercado externo, eles cairão nas mãos de grandes companhias exportadoras que, com a maior facilidade, farão deles gato e sapato.

Não duvido que o sonho do MST, e a motivação última da sua proposta, seja tornar-se ele próprio uma dessas companhias e controlar tudo o que os agricultores podem e não podem plantar, quanto podem cobrar pelos seus produtos, que implementos têm de usar, etc. etc. Como sempre acontece nessas ocasiões, a mais despudorada ambição de poder se oculta sob um véu de generosidade humanitária.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}