1. Arquivos
  2. Religião

Subsídios para entender o Islam (e as bases de sua diplomacia) III

22 de julho de 2010 - 4:45:53

A enorme importância de Maomé levou alguns círculos Ocidentais a denominar a religião de maometana. Nada mais errado. É necessário distinguir entre a relação dos muçulmanos com Maomé e a dos cristãos com Jesus: Maomé não é considerado divino, apenas um ser mortal destinado por Deus para ensinar Sua palavra e levar uma vida exemplar, ser o principal modelo para os homens em sua piedade e perfeição, uma prova viva de como o homem pode ser e realizar como excelência e virtude ([ii]). Os muçulmanos não acreditam que Maomé fundou o Islam, o último estágio da evolução religiosa. O fundador do Islam é o Deus de Adão, existiu desde o início dos tempos e continuará a existir até o fim dos tempos (Abdalati, op.cit.).

‘É aceito por todos os muçulmanos que, no fim dos tempos, um homem da família do Profeta (para os xi’itas necessariamente um descendente pela linha de Fátima e Ali) aparecerá para reforçar o Islam e fazer com que a justiça triunfe. Ele será chamado Mahdî e, junto com seu aparecimento surgirá o Anticristo. Após o Mahdî, Jesus Cristo descerá do Céu para matar o Anticristo. Outros acreditam que o Mahdî e Jesus virão juntos (ibn Khaldun, op.cit., PP. 257-8). (Para os xi’itas dos 12 Imans, o Mahdî já está entre nós como o Iman Oculto [ver Parte II]).

Parece-me uma mistura estranha da crença Judaica na vinda do Messiach com a crença Cristã da próxima vinda de Cristo para julgar os homens.

Outro ponto a destacar é em relação à existência de santos. O Islam é uma religião rigorosamente monoteísta, proibindo estritamente qualquer intermediário entre o fiel e Deus. O conceito de santidade é expressamente rejeitado. Não obstante, por pressão popular existe uma variedade de crenças em homens ‘santos’, kar?m?t, com poderes carismáticos e mágicos, como o de prever o futuro. Mas isto não implica em poder de intervir junto a Deus para nenhum propósito. Um Profeta é alguém ‘capaz de trocar totalmente sua natureza humana, tanto corporal quanto espiritual, pela angelical, tornando-se realmente um anjo por um átimo, durante o qual vislumbra e escuta o discurso divino e o comunica aos homens. Este é o estado da revelação cuja capacidade é implantada por Deus (ibn Khaldun, op.cit., pp. 77-8). As maravilhas realizadas pelos Profetas são de caráter muito elevado: ascender ao céu, atravessar corpos sólidos, ressuscitar os mortos, voar e conversar com anjos (ibn Khaldun, op.cit., p. 73). ‘Um Profeta pode produzir as maravilhas dos santos, mas um santo não é capaz de produzir nada comparado às maravilhas dos Profetas’ (id., ibid.). Admitem-se ainda adivinhos, videntes, mágicos, interpretadores de sonhos e de vísceras animais, etc.

É preciso levar em consideração que na época de Maomé a Península Arábica era habitada principalmente por beduínos, crentes há séculos numa religião politeísta com numerosos deuses – dos quais Allah era apenas um dos menores – e djins (gênios) com poderes extraordinários. Meca já era considerada cidade sagrada por ter a Caaba, que, segundo a tradição, teria sido construída por Ibrahim (Abraão) onde se encontra a pedra negra sagrada, provavelmente de origem meteórica, já adorada pelos Árabes pagãos, fossem beduínos ou citadinos ([iii]). ibn Khaldun (op. cit.) faz uma comparação extensa entre beduínos e povos sedentários, mostrando que os primeiros estão mais próximos da bondade do que os últimos (as citações em itálico a seguir são todas deste autor, mas não obedecem a nenhuma ordem, são extratos colhidos por mim aleatoriamente):

‘A razão para isto é que os povos sedentários acostumaram-se ao ócio e à vida fácil, vivem para todas as formas de prazer. Vivem no bem estar e no luxo. Deixam a defesa de suas propriedades e de suas vidas aos governantes e à milícia que tem a tarefa de assegurar sua segurança. Tornam-se como crianças e mulheres que dependem do dono da casa. Os beduínos vivem longe das leis de governantes, da instrução e da educação (formais) andam sempre armados e cuidam de sua própria segurança.’

‘Enquanto nos povos sedentários as restrições são produto da lei, entre os Beduínos ela vem dos sheiks e líderes espirituais. Sua subsistência depende da criação de camelos e estes se alimentam dos arbustos do deserto que, pelas características naturais, se esgotam periodicamente, obrigando a constantes movimentações (nomadismo). Como a vida no deserto é muito dura os vínculos de grupo são necessariamente muito mais fortes. A vida no deserto é, sem dúvida, a fonte da bravura, os povos selvagens são mais bravos que os demais. São, portanto, mais capazes de conseguir superioridade e de se apossar do que está nas mãos de outras nações’ (op.cit.).

Ressaltei o último trecho porque é de fundamental importância para a tendência ao expansionismo do Islam.

O expansionismo islâmico

Antes de discutir as principais estratégias e táticas da jihad é preciso esclarecer um ponto crucial que divide os historiadores e analistas políticos: existem dois Islams, um ‘radical’, terrorista, fanático, fundamentalista e intransigente, e outro pacífico, benigno, tolerante, ‘a religião do amor’? Creio que a questão está mal colocada. O Islam aceita que o Mal e o Bem existem simultaneamente na natureza humana e a guerra como um fato consumado na história da humanidade, não considerando a paz como eticamente superior à guerra, como fazem os cristãos. A morte é encarada também com maior fatalismo, sendo até desejável se servir para glorificar Allah e para a conversão dos dhimmi. Estes são elementos geralmente desconhecidos pelos negociadores Ocidentais: o que para eles representa um valor ético a alcançar, muitas vezes utilizado de forma hipócrita, não corresponde a nada que os negociadores muçulmanos pretendem. Quando os Ocidentais admitem, por exemplo, a atitude islâmica fatalista frente à morte, o fazem apenas superficialmente, como cultura de almanaque de lendas árabes, tão apreciados no Ocidente. Mas não acreditam que realmente é assim mesmo!

Não se pode dizer que o Islam seja uma religião da paz ou guerreira: é ambas, simultaneamente. Quando debatem tratados o fazem levando ambas em consideração igualmente. O projeto expansionista da ummah pode ser realizado das duas maneiras ao mesmo tempo. O projeto de dominação é fundamental, os meios não importam. Os dois projetos essencialmente bélicos – logo após a morte de Maomé com a rápida expansão para o Oriente Médio, África e Europa e o levado a efeito pelo Império Otomano – resultaram em morte e sacrifícios inúteis, aos olhos Ocidentais, de fiéis. O estabelecimento do califado e dos sultanatos levou os dirigentes a abandonar a vida simples de beduínos e paralisou as conquistas. O Islã entrou em decadência desde o início deste abandono. A crítica de ibn Khaldun ao sedentarismo e ao gosto pelo luxo se referia em grande parte ao Al Andaluz no qual morou e às dinastias Abássida e Omíada, em comparação com os guerreiros beduínos de vida simples e em constante movimento.

Hoje a expansão islâmica se dá em quatro frentes:

1- a guerra declarada e convencional, mais recentemente com ameaças atômicas: pontual no Oriente Médio, principalmente ameaçando Israel, e no Afeganistão.

2- o terrorismo, através de várias organizações (Al Qaeda, Hamas, Hezbollah, Jihad Islâmica, etc.). A última novidade é nova revista da Al Qaeda, Inspire, que vai circular pela web e entrar em todos os sites que nasceram para contatos sociais e logo viraram poderes políticos: Facebook, Twitter e outros. Visa a atrair e a ensinar terrorismo e inspirar indivíduos e grupos a se dedicar à jihad ([iv]). Já no primeiro número ensina como fazer uma bomba em casa e publica entrevistas com fanáticos religiosos sumamente inteligentes.Quanto a estas duas primeiras frentes comentarei adiante as táticas utilizadas: hudna e taqiyya.

3- o avanço populacional: a estratégia é ocupar sistemática, contínua e progressivamente o Dar al-Harb (ver Parte II). Ao invés dos exércitos mouros ou Otomanos, as sucessivas e crescentes vagas de invasão aparentemente pacífica. A estratégia é simples: enquanto são muito poucos nada exigem e parecem se submeter pacificamente às leis do país. Quando atingem uma minoria significativa começam as exigências, sendo a mais comum a de não se submeterem às leis do país, apelando para uma das grandes fraquezas do mundo Ocidental: o relativismo cultural que o Islam não respeita em seu próprio território, o Dar al-Islam. Paulatinamente vão ganhando nos tribunais o direito de serem regidos pela shari’a e com o aumento do número de nascidos e registrados no país hospedeiro, cresce sua densidade eleitoral.

Políticos de todos os espectros, principalmente os de esquerda, passam a bajulá-los criando leis de ‘respeito e proteção

cultural’ estendo seus direitos sem perceber que estão cometendo suicídio por não entenderem que o objetivo final é a conquista e a obrigação de todos os dhimmi viverem também sob a shari’a. Devo deixar claro também que nem todos os muçulmanos estão conscientes disto, muitos até tentam se adaptar aos costumes do país e sinceramente admiram e aspiram à liberdade de que gozam no Ocidente.

As débeis medidas tomadas por alguns países europeus para impedir o uso dos diversos véus islâmicos são imediatamente atacadas por políticos de esquerda e ONGs dos ‘direitos humanos’ acusando os governos de racismo e da mais nova concepção politicamente correta: a islamofobia ([v]). Como já vimos antes, o próprio Arcebispo de Canterbury já propôs publicamente a adoção da shari’a para as populações islâmicas na Inglaterra e não estamos muito longe do dia em que a Rainha terá que usar o ch?dor.

4- Finalmente, a disseminação de grupos esotéricos ??fis, as tar?qahs.

Tar?qahs

A ‘estrada’ ou ‘caminho’ para o conhecimento direto, ma’rifah, de Deus ou da realidade. Nos séculos IX e X tar?qah significava o caminho espiritual místico individual de determinados ??fis. A partir do século XII passou a designar comunidades que se reuniam em torno de sheiks, as ordens ??fis. O termo também veio a designar a própria ordem. Cada ordem mística invoca uma descendência espiritual (silsilah) do Profeta ([vi]) e estabelece seus próprios métodos de iniciação e as regras disciplinares dos seus membros: os murid (comprometidos), os ikhwan (beduínos que constituíram a milícia religiosa que ajudou a colocar ibn Saud no poder. Em 1929 a dinastia Saudita acabou com a milícia e de seu núcleo fiel formou a Guarda Nacional Saudita), os dervixes, os faquires, etc.

Lemos em ibn Khaldun (op.cit., pp. 358 ss.) que o Sufismo pertence às ciências da lei religiosa originada no Islam. Baseia-se na crença de que as práticas ascéticas de seus seguidores foram iniciadas por importantes muçulmanos que cercavam Maomé pelos da segunda geração. Os ??fis desenvolveram uma forma particular de percepção através da experiência ascética. A progressão dos membros se dá por ‘estações’, formando uma ordem ascendente. O noviço deve progredir de estação em estação até atingir o reconhecimento da unidade com Deus e a gnose, ma’rifah, o máximo objetivo para atingir a felicidade. Os requisitos básicos para a progressão são a sinceridade, honestidade e a obediência.

Os ??fis têm uma forma peculiar de comportamento e usam uma terminologia lingüística especial durante as instruções.

O treinamento especial visa a levantar o véu da percepção sensorial: quando o espírito se volta das percepções sensoriais externas para a percepção interior, os sentidos comuns enfraquecem e o espírito se fortalece: o que era conhecimento se torna visão.

ibn Khaldun nos diz que vários juristas e muftis refutaram as afirmações dos ??fis, reprovando tudo que veio do caminho s?fi e muitos do Islam tradicional reprovam as práticas s?fi como heréticas.

Hoje em dia as ordens são contadas às centenas com milhões de membros em todo o mundo, seja no Dar al-Islam, seja no Dar al-Harb. Como o segredo é fator fundamental não se conhecem seus membros, mas pode-se ter como certa a participação de personagens de grande importância e relevância na condução dos países Ocidentais.

O Príncipe Charles, herdeiro do trono britânico, tem sido constantemente citado como secretamente convertido ao Islam, particularmente a uma ordem s?fi da Turquia. Em fevereiro deste ano o Príncipe foi convidado de honra numa comemoração s?fi – Spirituality in Action – na sede do clube Manchester United, em Old Trafford, quando houve inclusive um recital musical do Corão acompanhado de uma dança de dervixes ‘rodopiantes’ ([vii]) in vestes tradicionais. O Sheik Mohammed Hisham Kabbani foi o anfitrião. Nesta ocasião foi fundado o Centre for Spirituality and Cultural Advancement para exaltar as contribuições das tradições s?fis na recuperação de criminosos através de estudo do Corão, meditações e danças. Em junho deste mesmo ano Charles sugeriu aos ambientalistas ‘seguirem o caminho do Islam’, num discurso no Oxford Centre for Islamic Studies. ‘A atual “divisão” entre o homem e a natureza foi causada não somente pela industrialização, mas também por nossa atitude em relação ao meio ambiente, que contraria as “tradições sagradas”, particularmente as do Islam’. Em 1993 ele já havia declarado ([viii]): ‘A civilização ocidental tornou-se cada vez mais aquisitiva e exploradora em desafio a nossas responsabilidades com o meio ambiente’ para, a seguir, glorificar a ‘renascença islâmica’ como a salvação da Grã-Bretanha:

‘O Islam pode nos ensinar uma forma de entender e viver no mundo que a própria Cristandade empobreceu-se por perder. No coração do Islam está a preservação de uma visão integral do Universo. Tanto quanto o Budismo e o Induísmo o Islam recusa-se a separar homem e natureza, religião e ciência, mente e matéria e preservou uma visão metafísica unificada de nós mesmos e do mundo que nos cerca. (…) O Ocidente gradualmente perdeu esta visão integrada com Copérnico e Descartes e com a revolução científica. Uma filosofia abrangente da natureza não mais faz parte de nossas crenças mundanas’.

Em novembro de 2007, na comemoração dos 800 anos do inspirador dos dervixes ‘rodopiantes’, Mevlana Rumi, Charles visitou seu santuário em Kona, Turquia e revelou que já em 1992 fizera uma visita privada ao santuário. Fez então, uma de suas mais controversas declarações: ‘Seja o que for, parece-me que o Ocidente encontra-se desconstruído e parcial. O Leste, por outro lado, tem-nos presenteado com “parábolas da alma”‘.

Freqüentemente Charles defende o aprofundamento dos estudos islâmicos em escolas inglesas de todos os níveis. Sua dedicação ao Islam já encontrou até resistência à possibilidade de tornar-se Rei, pois como tal seu dever se confunde com o de Guardião da Fé (Anglicana) e seus discursos favoráveis aos Islam sugerem que preferiria ser Guardião de todas as religiões. Em 1997 Ronni L. Gordon and David M. Stillman publicaram um artigo – Prince Charles of Arabia – no The Middle East Quarterly no qual citam o Grande Mufti de Chipre declarando: ‘Vocês sabiam que o Príncipe Charles se converteu ao Islam? Sim, ele é muçulmano. Não posso revelar mais nada. Mas ele se converteu na Turquia. (…) Verifiquem quantas vezes ele foi à Turquia. Verão que seu futuro Rei é muçulmano’. Estes rumores podem ser falsos, mas a negativa enfática por parte de Lord St. John of Fawsley (‘o Príncipe de Gales é um membro leal da Igreja Anglicana’) seguida do ‘vazamento’ da notícia de que Charles desejava ter um papel maior na Igreja da Inglaterra, só serviram para acirrar as desconfianças.

Será o Príncipe realmente um muçulmano pertencente a alguma tariqah s?fi? Ou apenas estará compreendendo melhor as desgraças que, sem a menor dúvida, assolam o pensamento Ocidental? Daniel Pipes faz um estudo bastante extenso destas notícias e possíveis boatos. Veja-se também um discurso integral do Príncipe (vídeo) e outro das manifestações islâmicas cada vez mais comuns na velha Albion.

A seguir: Hudna, taqiyya, e a conclusão.


Notas:

[i] Ras?l, como Maomé preferia ser conhecido, significa o último dos Mensageiros numa cadeia que começou com Noé e foi até Jesus, sendo Maomé o último e definitivo, com a principal missão de advertir o povo Árabe, e através dele a todos os povos, da iminência do Dia do Juízo Final.

[ii] O Islam rejeita a Santíssima Trindade e a morte sacrifical de Jesus. A gravidez virginal de Maria é aceita e reverenciada. O único ser aceito como de criação exclusivamente divina é Adão. Ver em Abdalati, op.cit., Jesus, Son of Mary.

[iii] Hoje a Caaba fica no centro de uma mesquita, Masjid al-Haram, onde os fiéis, durante a Hajj (peregrinação obrigatória) fazem a Tawaf, a circumambulação (ato de circundar um objeto sagrado) da Caaba.

[iv] As primeiras informações chegaram aqui por intermédio de Nahum Sirotsky, correspondente de Zero Hora no Oriente Médio e colunista do portal ‘Último Segundo’.

[v] Uma característica essencial do ‘politicamente correto’ é considerar tudo o que opõe como distúrbio mental: islamofobia, homofobia, etc.

[vi] Para ter uma idéia de uma silsilah visite o site do Sheik Al Alawi.

[vii] Nestas danças o corpo gira o mais rapidamente sobre si mesmo num movimento de pião que atordoa destinado, segundo a crença, a atingir um estado de êxtase propício à meditação e prece que condizem à ma’rifah.

[viii] Num discurso no Sheldonian Theatre em Oxford.

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}