1. Arquivos
  2. Europa

Um dia histórico

16 de novembro de 2009 - 11:23:45

O martelo, ferramenta símbolo do comunismo, foi usando para quebrar seus próprios grilhões. As fotografias e, depois, as imagens que ganharam o mundo foram o que mais marcou: o martelo destruindo a prisão da alma que é uma sociedade construída dentro do coletivismo, seja a comunista, a socialista ou de qualquer outra denominação. A experiência sofrida da Alemanha deu-nos uma prova, por assim dizer, laboratorial, do que significa as duas formas de sociedade, a coletivista e o mundo livre. Um muro maldito, um muro da vergonha, um insidioso monumento erigido pela estupidez humana deu-nos a prova definitiva que nada pode substituir as instituições da democracia representativa, do livre mercado e do império da lei por qualquer sucedâneo artificial. A então Alemanha Oriental vivia submergida no atraso econômico por culpa de suas más instituições políticas.

É preciso aqui lembrar que há muros de concreto e há muros mentais também. Muita gente que usufrui das facilidades e do bem-estar gerados pela economia de mercado alimenta a ilusão de construir sociedades coletivistas, a despeitos dos reiterados fracassos históricos. Estamos vendo isso em toda parte, na América de Obama, na Venezuela de Chávez, no Brasil de Lula, para termos aqui alguns exemplos. Lembrar desse Nove de Novembro é lembrar a tragédia política que o coletivismo pode produzir. Se para algo serve a história é para isso, para nos fazer refletir sobre aquilo que está de acordo com a natureza humana e aquilo que não passa de delírio perigoso, no âmbito da organização política.

Sugiro a você, meu caro leitor, que leia o magnífico relato dos acontecimentos feito pelo jornalista Daniel Johnson, filho do historiador Paul Johnson (publicado na revista Standpoint), em texto bastante minucioso feito por alguém que acompanhou o passo a passo dos acontecimentos. Como bem previu Eric Voegelin, filósofo alemão, no livro de 1952 A Nova Ciência Da Política, no espaço de três gerações o comunismo totalitário iria ruir porque estava em desacordo com as necessidades da alma. O dito de feito. Daniel Johnson conseguiu passar no texto a emoção que foi viver aqueles momentos decisivos. Nomes de heróis – de meus heróis – como Ronald Reagan, Margareth Thatcher e João Paulo II agiram como heróis precisam agir, com coragem, determinação e inteligência, no intuito de debelar o mal do mundo.

O mesmo faço para o texto do Roger Kimball, da revista New Criterion. Ele lembra que o totalitarismo é apoiar-se na arbitrariedade e no controle das pessoas, em suma, abolindo a liberdade. Porém, ao fim e ao cabo de um certo período, sobrevém o caos e o povo marcha sobre os tiranos reafirmando sempre os valores da liberdade. O mal da tirania não tem como se perpetuar.

O contraponto a esses elogios à liberdade eu encontrei no texto de José Arbex, o único jornalista brasileiro presente à queda do Muro de Berlin, a serviço da Folha de S. Paulo. Ele é um exemplo de que muros físicos podem ser destruídos, mas o muro das ideologias nocivas é doença incurável. Testemunha ocular da história e dispondo de todas as informações, o infeliz jornalista ainda recita o bordão dos militantes comunistas dizendo que o que havia na Alemanha Oriental e na ex-União Soviética não era o socialismo (ver entrevista). Essa gente é escrava da cegueira ideológica e não se rende nem mesmo quando um muro desaba sobre eles. É preciso que gente assim seja desmascarada, pois são mentirosos na acepção mais profunda do termo: mentem para si mesmos.

Comemoremos o triunfo da liberdade, mas não nos descuidemos. Como se vê, os inimigos da sociedade aberta estão sempre de prontidão para subjugar a nós todos às garras sangrentas do totalitarismo.

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}