1. Arquivos
  2. Foro de São Paulo

UnoAmérica cria comissão para investigar assassinato de ativistas

21 de dezembro de 2009 - 7:03:24

Moya Lara e Blandón fizeram parte do grupo de afro-descendentes que denunciou na Procuradoria 14 de DDHH (Processo nº 2022) os vínculos existentes entre as FARC e a ONG
Comissão Inter-eclesial de Justiça e Paz, liderada pelo sacerdote marxista Javier Giraldo. Além disso, denunciaram o deslocamento forçado e sangrento do qual foi vítima a população afro-descendente da bacia do rio Atrato em 1997 pelas mãos das FARC.

Em 4 de fevereiro de 2008, Moya Lara e Graciano viajaram à Costa Rica, para denunciar ante a Corte Interamericana de Direitos Humanos a ação das FARC e da mencionada ONG Comissão Inter-eclesial de Justiça e Paz, por suas ações criminosas contra as comunidades afro-descendentes de Curbaradó e Jiguamiandó.

Na mesma audiência, Moya Lara e Graciano solicitaram medidas provisórias para conseguir a proteção do Estado da Colômbia frente às múltiplas ameaças que desde muito tempo atrás se crivavam sobre suas vidas, as de suas famílias e as de seus representantes em Puerto Lleras e Pueblo Nuevo.

Ironicamente, em 17 de dezembro de 2009, justo no mesmo dia em que Moya Lara e Graciano foram torturados e assassinados, a Corte Interamericana de Direitos Humanos emitiu uma resolução negando as medidas provisórias solicitadas 22 meses antes pelos defensores de direitos humanos.

Frente a estes fatos tão deploráveis, UnoAmérica declara o seguinte:

Primeiro, manifestamos nossa condenação mais enérgica pelo cruel assassinato antecedido de tortura dos defensores de direitos humanos, Manuel Moya Lara e Graciano Blandón, pelas mãos da Frente 34 das FARC.

Segundo, instamos a Procuradoria Geral da Nação da Colômbia a investigar os fatos, assim como os possíveis vínculos do sacerdote Javier Giraldo com este massacre.

Terceiro, denunciamos a omissão cúmplice da Corte Interamericana de Direitos Humanos e a negligência do Estado Colombiano ao não outorgar as medidas provisórias solicitadas oportunamente pelos hoje mártires afro-descendentes, Manuel Moya Lara e Graciano Blandón.

Quarto, solicitamos outorgar o status de Alerta Prematuro, com medidas provisórias e de proteção efetiva a favor dos representados por Moya Lara e Blandón, entre eles as 231 famílias pertencentes aos Conselhos Menores de Puerto Lleras e de Pueblo Nuevo, a ao Conselho Menor de Bocas de Curbaradó, assim como as 450 famílias deslocadas representadas pelo “Comitê de Gestão para o Retorno”.

Quinto, anunciamos a criação de uma Comissão Internacional para investigar os fatos acima mencionados, a fim de determinar as responsabilidades a que tenham lugar e executar as ações internacionais correspondentes.

Sexto, instituímos o dia 17 de Dezembro de cada ano, dia de luto humanitário em memória dos mártires afro-descendentes defensores dos direitos humanos, Manuel Moya Lara e Graciano Blandón.

Tradução: Graça Salgueiro

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}