1. Arquivos
  2. Cultura

Voltando de férias III

13 de maio de 2010 - 21:34:10

Por falha minha ficou parecendo que eu considerava abalizadas,
tout-court, as posições de Joseph Stiglitz. Mas não é este o caso. Citei Stiglitz em relação ao euro exatamente porque é um globalista,
neo-marxista e um entusiasta da moeda única européia. Quando o criador se desilude com sua criatura é por que as coisas vão muito mal. Guy Sorman, em
The Invention of Pop Economics, diz que ‘
Stiglitz deveria ganhar um segundo Prêmio Nobel, desta vez por obra de ficção’ pelo que considerou ‘
pop economy’. Citando seu último livro
Freefall Sorman mostra que para Stiglitz a economia é uma questão entre o bem e o mal: Wall Street, seu ‘deus’ Milton Friedman e seu principal propagandista, George W. Bush. A economia de livre mercado o enfurece por ser incapaz de prever crises. ‘
Mas economistas não tendem a fazer previsões, isto é do ramo dos profetas e dos intelectuais da mídia. A maioria dos economistas leva em consideração a advertência da “arrogância fatal”, de Hayek. (…) Stiglitz paira acima dos debates (econômicos) vulgares, que incluem dados, estatísticas, etc. Guia-se exclusivamente por suas fortes opiniões e experiências pessoais’. Este artigo de Sorman é de 26 de março e diz textualmente: ‘
Para os que temem o preconceito anti mercado da administração Obama, pensem que poderia ser muito pior: Stiglitz poderia estar trabalhando lá! É melhor deixá-lo escrevendo ficção e se deleitando com aplausos das audiências gregas às quais ele recomenda que seu país não pague suas dívidas.’ Pois é, seu Stiglitz, e agora? O profeta falhou redondamente!

 

LIBERDADE DE IMPRENSA

Na última conferência sobre liberdade de imprensa realizada no plenário da Câmara dos Deputados, foi elaborada uma extensa lista de censores de imprensa em todo mundo, mas parece que esqueceram as famílias Marinho, Frias, Sirotsky, Civita e outros menos cotados, responsáveis pela mais escandalosa ocultação dos últimos vinte anos, sem equivalente no mundo moderno: a da existência do Foro de São Paulo. Como disse Olavo de Carvalho, a maior vítima desta ocultação, tendo sido demitido de todos os seus postos jornalísticos porque ousava denunciar a conspiração, hoje no poder em 15 países: ‘A dedicação dos grandes do jornalismo atual à ocultação de notícias politicamente indesejáveis não é um capricho de momento, uma frescura, uma leviandade: é um compromisso sério, profundo, inflexível. É uma missão de vida.’ (As cabeças e a missão).

Ah, ia me esquecendo, eles estavam lá na tal ‘conferência’ e este é apenas mais um capítulo da ocultação: a ocultação da ocultação! Eles ocultam e vão lá acusar os óbvios Ahmadinejad, Castros, Chávez e até as Forças de Defesa de Israel – presumivelmente porque uma oficial vazou informações militares altamente classificadas para o jornal esquerdista Haaretz. Em denunciando os outros se mostram extremamente virtuosos ao cumprir seu compromisso sério, profundo, inflexível e sua missão de vida.

 

AS ELEIÇÕES BRITÂNICAS

Grande alarde foi feito em todo o mundo sobre o ‘fim do bipartidarismo’ no Reino Unido. Para quem não conhece a história e espera que a mídia a informe com conhecimento e honestidade fica acreditando que a história partidária daquele país resumia-se numa disputa entre Conservadores e Trabalhistas e que o Partido Liberal- Democrático é uma grande novidade e que iria ganhar tantas cadeiras que passaria a ser o fiel da balança. Além disto, há uma total ignorância a respeito de como funciona um regime parlamentarista e, especificamente o britânico. Até mesmo as questões geográficas são desconhecidas. Eu ouvi na CBN a Lúcia Hipólito, que ainda é das melhores analistas, dizer que esta era uma situação rara por lá.

O que dirão os ‘grandes especialistas’ agora do fiasco do LD que caiu de 62 cadeiras em 2005 para prováveis 57 agora? Cadê o fim do bipartidarismo?

O que diriam se estudassem um pouquinho para saber que até 1899 não existia o Labour Party, fundado em 1900 por iniciativa de Thomas R. Steels, da Amalgamated Society of Railway Servants, no Congresso Sindical no Memorial Hall na Farringdon Street em 27 de fevereiro e concorreu à sua primeira eleição em outubro, elegendo dois de seus 15 candidatos? E que a mais tradicional divisão que durou séculos foi entre os Conservatives (tories) e exatamente os Liberals (whigs)? Os Labours ultrapassaram os whigs somente na década de 20 e constituíram governos minoritários – é isto existe, sim! – em 1924 e entre 29 e 31 com Ramsay MacDonald. (ATENÇÃO: eu conhecia, genericamente, a história, das que mais estudo, mas obviamente não tenho todos estes dados na cabeça, bastou consultar a Wikipedia. Será que nossos ‘especialistas’ não sabem fazer isto ou se desacostumaram de pesquisar para informar bem, já que um povo ignorante aceita qualquer idiotice que lhe enfiem goela abaixo?).

O sistema parlamentar britânico, já abordado por mim nada sofrerá com um hung parliament (no qual nenhum partido obtém maioria absoluta e deve fazer coligações com outros): a experiência deles é de mais de mais de 400 anos, não é coisa de tupiniquim que precisa de juízes, procuradores (de quê, bolas?) e desembargadores para dizer o que deve ser feito: o povo votou e o Parlamento decide. Além disto, a Rainha está em estado de alerta recebendo todas as informações, inclusive inside informations, para intervir constitucionalmente caso seja necessário. Meus leitores sabem que sou republicano e presidencialista, mas admiro o povo britânico pelo valor de seu processo político, o primeiro processo democrático submetido ao rule of Law da história deste planeta.

 

PEDOFILIA, IGREJA, CELIBATO

Don Dadeus Grings, Arcebispo de Porto Alegre, atirou no que viu e acertou…….exatamente no que viu: a sociedade é pedófila! E prosseguiu criticando ‘a liberalização da sexualidade por “gerar desvios de comportamento”, entre os quais a pedofilia. Para ele, assim como homossexuais conquistaram mais espaço e direitos, o mesmo poderá ocorrer com pedófilos. – Quando a sexualidade é banalizada, é claro que isso vai atingir todos os casos. O homossexualismo é um caso. Antigamente não se falava em homossexual. E era discriminado. Quando começa a (dizer) que eles têm direitos, direitos de se manifestar publicamente, daqui a pouco vão achar os direitos dos pedófilos – disse.

Note-se que esta é a segunda vez que ouço falar deste Prelado, na primeira ele fez uma afirmação equivocada: ‘O arcebispo de Porto Alegre, Dom Dadeus Grings, fez uma afirmação polêmica em entrevista à revista Press. Segundo ele, “morreram mais católicos do que judeus no Holocausto, mas isso não aparece porque os judeus têm a propaganda do mundo”, que mereceu uma adequada nota de protesto da Federação Israelita do RS. Se Don Dadeus queria dizer a verdade que no século XX morreram mais cristãos dizimados por governos totalitários – principalmente comunistas e islâmicos – ele não deveria ter usado o termo Holocausto (shoah), exclusivo do morticínio sistemático e em escala industrial de judeus sob o regime nazista.

Discordo de Don Dadeus no caso em questão em dois pontos: a liberalização sexual não gera desvios, apenas permite que eles apareçam e os verdadeiros direitos dos homossexuais não são problema algum: são cidadãos e cidadãs como quaisquer outros. Trata-se, isto sim, da exigência de super-direitos do movimento gay, absolutamente inaceitáveis.

Infelizmente Don Orani Tempesta recuou e relativizou a afirmação de Don Dadeus. Como assim? Enquanto o marginal Luiz Mott defende os ‘direitos sexuais das crianças’ e suas barbaridades são aceitas como ‘normais’, estamos ou não vivendo numa sociedade pedófila? Enquanto a corte do 5° Distrito Federal da California já tem sob julgamento o pedido de oficialização de um Partido de Pedófilos e outro de Sado-Masoquistas, estamos vivendo em que sociedade, Don Orani?

Por que os judeus têm a ‘propaganda do mundo’, Don Dadeus? Não será porque resolveram que BASTA!, NUNCA MAIS!? Quando haverá um NUNCA MAIS cristão para as atrocidades contra eles?

A defesa do Judaísmo e do Cristianismo é uma tarefa que incumbe a todos os defensores da liberdade e da civilização ocidental, mas enquanto a Igreja Católica vive pedindo perdão por seus pecados sem lutar pelo que fez de bom nestes 2.000 anos, fica difícil!

 

{slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide}

{slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}