1. Destaques
  2. Media Watch

Caco Barcellos e o aborto

25 de agosto de 2017 - 10:39:10

Ontem, na Rede Globo de Televisão, foi ao ar o programa ‘Profissão Repórter’, sob comando do Caco Barcellos. Se você não conhece o Caco, saiba que, em 1992, ele escreveu o livro “Rota 66”, que criminaliza a ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), e que, durante toda sua carreira, Caco desmoraliza a polícia, fazendo uma glamorização das favelas e tratando os “menores infratores” como intocáveis vítimas da sociedade. Caco também ganhou dois prêmios de jornalismo por uma reportagem que foi denunciada pelo professor Olavo de Carvalho como sendo mentirosa e fraudulenta, que contava uma versão totalmente impossível sobre a morte de um casal de terroristas durante o regime militar (vejam o artigo ‘A Vaca Louca da História Nacional’, de 2001).

Não é a primeira vez que Caco coloca o tema aborto em seu programa, e o tom é sempre o de que o aborto é um direito inalienável da mulher, que elas precisam de mais hospitais para realizar o procedimento e que o feto é apenas um amontoado de células que pode ser removido como se remove uma pinta ou uma verruga. Ontem o programa fez questão de trazer uma técnica especialista do Ministério da Saúde para dizer que, de acordo com a lei, as mulheres têm direito a realizar o procedimento do aborto de forma gratuita, caso tenham sido estupradas, e os hospitais não podem exigir nenhuma autorização judicial, boletim de ocorrência ou laudo do IML para realizar aborto em caso de estupro. Dessa vez, Caco não mentiu, porque a lei diz isso mesmo.

O Decreto Lei nº 2.848, de 07 de Dezembro de 1940, estabelece que não seja punível o aborto praticado por médico, “se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante”. O que significa que basta apenas a palavra da suposta vítima para que o procedimento seja realizado. Vocês acham isso um absurdo? Pois é, eu também. Ou lutamos para que seja mudada a lei ou continuaremos a ver, todos os dias, inocentes serem assassinados nos ventres de suas mães.

Agora vou trazer algumas informações que podem ajudar vocês nesse esclarecimento e no combate à Cultura da Morte.

Vamos começar com a biologia e a ciência:

Espermatozóide (gameta masculino com 23 cromossomos) + óvulo (gameta feminino com 23 cromossomos) = zigoto.

Os cromossomos se unem no zigoto e formam o embrião.

O embrião possui um material genético distinto e exclusivo, fruto da união do DNA do pai com o DNA da mãe, fornecidos pelos gametas. Ou seja, é um novo ser, e não uma simples extensão do corpo da mulher, como uma verruga, uma pinta ou um tumor.

Tanto é que, dependendo do tipo sanguíneo gerado a partir dessa fusão, o sangue da mãe não é compatível com o do filho, o que na medicina se chama eritroblastose.

Interromper uma gravidez é o mesmo que retirar uma sonda de alimento ou remover a máscara de oxigênio de um paciente na UTI; é o mesmo que desligar uma incubadora da tomada, cortando o calor que mantém o bebê aquecido. Ou seja: é assassinato.

Dizer que fetos não sentem dor e que, por isto, podem ser destruídos no útero e retirados em pedaços é o mesmo que dizer que podemos anestesiar alguém e cortar-lhe igualmente.

“A vida do novo ser humano começa com a fusão dos pronúcleos masculino e feminino, isto é, com a fecundação do óvulo. O óvulo fecundado tem já toda a carga genética e cromossômica necessária, isto é, toda a capacidade para alcançar o seu pleno desenvolvimento. Pode dizer-se que, nesse momento, o óvulo fecundado não é uma possibilidade de vida humana, mas uma vida humana cheia de possibilidades. Ele mesmo dirigirá o seu próprio desenvolvimento. É um ser independente e autônomo que necessita unicamente de ser alimentado e de ter um ambiente adequado – ambiente que a mãe lhe fornece.”

(Trecho retirado do livro “La Reprodución Humana y su Regulación”, de Justo Aznar Lucea e Javier Martínez de Marigorta) Justo Aznar Lucea possui Doutorado em Medicina com Prêmio Extraordinário, é chefe do Departamento de Biopatologia Clínica e coordenador da Universidade de Investigação Bioquímica do Hospital La Fé de Valência (Espanha).

Outras citações:
“Zigoto. Esta célula resulta da fertilização de um oócito por um espermatozóide e é o início de um ser humano (…) Cada um de nós iniciou a sua vida como uma célula chamada zigoto.”
(K. L Moore. The Developing Human: Clinically Oriented Embryology, 2nd Ed., 1977, Philadelphia: W. B. Saunders Publishers.)

“Da união de duas dessas células [espermatozóide e oócito] resulta o zigoto e inicia-se a vida de um novo indivíduo. Cada um dos animais superiores começou a sua vida como uma única célula.”
(Bradley M. Palten, M. D., Foundations of Embryology (3rd Edition, 1968), New York City: McGraw-Hill.)

“A formação, maturação e encontro de uma célula sexual feminina com uma masculina, são tudo preliminares da sua união numa única célula chamada zigoto e que definitivamente marca o início de um novo indivíduo”.
(Leslie Arey, Developmental Anatomy (7th Edition, 1974). Philadelphia: W. B. Saunders Publishers)

“O zigoto é a célula inicial de um novo indivíduo.”
(Salvadore E. Luria, M. D., 36 Lectures in Biology. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology (MIT) Press)

“Sempre que um espermatozóide e um oócito se unem, cria-se um novo ser que está vivo e assim continuará a menos que alguma condição específica o faça morrer:”
(E. L. Potter, M. D., and J. M. Craig, M. D Pathology of lhe Fetus and lhe Infant, 3rd Edition. Chicago: Year Book MedicaI Publishers, 1975.)

“O zigoto (…) representa o início de uma nova vida.”
(Greenhill and Freidman’s, Biological Principies and Modern Practice of Obstetrics)

 

Pedro Henrique Medeiros é aluno de Olavo de Carvalho no Seminário de Filosofia.

 

 

  • Thiago

    Ótimo artigo. Fazem muitos anos que a Globo vem doutrinando os brasileiros.
    De organizações globalistas devem fluir milhões de dólares anuais para esta emissora, que domina a cabeça do nosso povo.
    Já passou da hora de fazermos um verdadeiro boicote nacional às midias mainstream: Globo, Band, Veja, Folha, Estadão, UOL, … etc.

    • Renato

      Permita-me corrigi-lo, amigo. O verbo fazer com sentido de tempo transcorrido permanece no singular, portanto, “faz muitos anos que a Globo vem doutrinando os brasileiros”, o que eu concordo plenamente. Abraço.

  • Daniel Robert

    Aborto é assassinato!

  • Iason Souto

    Não assisto TV há tempos, o que é exibido nela é somente a agenda da esquerda, dos globalistas, não assisto TV por dois motivos; energia elétrica tá muito cara, e eu não tenho vocação pra OTÁRIO. TV é um aparelho que você assiste pra ouvir mentiras, ser manipulado…

  • Alemoon

    Tentar explicar essas coisas para quem não acredita em nada além do materialismo é o mesmo que conversar com uma pedra, eu ainda tenho minhas dúvidas se a pedra tem maior capacidade de compreensão.

  • jorge santos

    Basta dizer que esse “Caco” nunca fez uma só matéria sobre o Mensalão, Petrolão, Celso Daniel, Toninho do PT, entre tantos assuntos de suma importância na vida política atual. O foco dele é demonizar a “ditadura militar” e enaltecer os terroristas do período. É um lixo como profissional!

  • Luiz F Moran

    Aborto é assassinato de indefeso, trata-se do crime mais covarde e hediondo que existe.
    O que poderia ser pior do que uma mãe assassinar o próprio filho ?

  • Vavá

    Não é o caso de explicar o óbvio. Fora os casos de burrice endêmica, quem sustenta que feto não tem vida é filho da puta mesmo, e tem que ser tratado como o babaca egoísta e imoral que é.

  • Luiz Otavio Almeida

    Caco ê um cocô.

  • Rafael Nascimento

    Incrível como o jornalismo da Rede Globo tem o dom de atrair toda escória da profissão na mesma empresa, são como urubus atraídos pelo cheiro da carniça. Se exigissem explicitamente dos candidatos a uma vaga de reporter que fossem caras de pau, não daria tão certo.

  • Márcio Machado da Silva

    Esse “CACA” Bostelos é um imoral justiceiro social que vive no mundo paralelo da esquerda festiva. As mulheres têm direito sobre seu corpo, mas o feto/vida (bênção de Deus) tem a sua autonomia e a mulher não tem direito de matá-lo.

  • Robson La Luna Di Cola

    A defesa do aborto normalmente tem um fundamento PC. Não estou falando do Partido Comunista. Falo do Politicamente Correto. A mais trágica doença que acomete nossa civilização. Defender o aborto, significa defender uma MAIORIA oprimida: as mulheres. Que segundo os PC’s, foi dominada e escravizada durante milênios por uma sociedade patriarcal E finalmente, foi liberada pelo movimento feminista! E assumiu o controle de seu corpo! Inclusive aquela ‘verruga” no útero, chamada feto… É assim que eles pensam..

  • Michel Ferreira

    excelente materia parabens !!!!

  • Mauricinho

    Cocô Barcellos e a mídia não são causas e sim consequências.
    Essas anomalias só existem por causa da audiência.
    A mentalidade da maioria é responsável pela existência desta mídia repugnante.
    Não fosse a grande audiência, a programação seria como é e “pessoas” do nível deste “jornalista” morreriam de fome.

  • Leior Magri

    Ainda bem que televisão é coisa de velho… Velho mesmo, no sentido de algo que tem muito anos e perdeu a sua vitalidade. Não podemos permitir que a internet deixe de ser livre!!!

  • Mauricinho
  • Berlatto

    E a questão espiritual, como fica?
    “A partir do momento que o espermatozoide penetrou óvulo, surgiu o zigoto, JÁ O SER ESPIRITUAL passa a gerenciar esse cosmo orgânico que começa dessa célula grande, macroscópica e que vai se multiplicando gradativamente, através dos campos eletromagnéticos que esse ser espiritual leva consigo leva consigo. E, a partir daí, é que a levarmos a mulher grávida a um aparelho para que possa ser observada, já identificamos esse ser espiritual que pulsa em sua intimidade, que canta as belezas da vida em sua intimidade”.
    “Abortamento é tisnar as mãos com o sangue de um inocente. Numa sociedade cristã, deveríamos ter fé e consciência, e ajudar as mulheres a ter seus filhos e dirigi-los a outras mãos caso não os quisessem”. (R. Teixeira)

  • Márcio Machado da Silva

    O que o Brasil precisa é abrir o mercado para mais TVs abertas, já que essas quatro que atuam no mercado hoje só pensam em abocanhar verbas oficiais de publicidade (nosso dinheiro). Jamais vou pregar o fim da emissora A ou B, mas uma concorrência semelhante a dos Estados Unidos faria muito bem ao cidadão brasileiro.

  • Jovert LG

    Há uma “polêmica” entre o momento da fecundação quando o novo DNA é formado e a sua fixação no útero. Ha ainda abortistas que dizem que o bebê adquire o direito à vida só depois do parto. A melhor analogia escutei do Nando Moura: “se você não sabe se atrás da moita é um veado ou uma pessoa, NÃO ATIRE”!

  • João M. Araújo

    Gostei das explicações, isto faz-me lembrar quando eu estudei biologia,onde aprendia a realidade da vida (bio) dava-se biologia no ensino do 2° grau (científico) atual ensino médio.

  • Evandro Silva

    EU JÁ DEIXEI DE ASSISTIR ESTE CRETINO, HÁ MUITO TEMPO!

  • Robson Ramos

    Esse Caco é um animal. Idiota por completo.

  • Rafael

    Um dos melhores repórteres do país, mas ao invés de refletir sobre os pontos da matéria o povo dá chilique porque é contrariado.

  • Alexandre Sampaio Cardozo de A

    Caco Barcellos só engana otários! É o típico “jornalista investigativo”: Só “investiga” pautas que interessam a causa que defende. Faz muita falta canais de mídia como Fox News, The Midia Rebel, Breibart, entre outros por aqui.

  • Marcos Pereira

    Fica difícil avaliar a Rede Globo: Simplesmente não assisto mais a essa porcaria. Porém em todos os casos que a dita rede está envolvida, salta ao olhos e ouvidos uma realidade: Só defendem o que não presta. Mesmo aqueles que porventura tenham dúvidas sobre qualquer tema discutido na rede, para onde balança a rede, lá está a porcaria. De desarmamento, passando pelo tal de gênero, até o aborto, podemos ficar seguros: as escolhas da globo são via de regra perversas para a sociedade. Às vezes até eles tem que mudar, penalizados pela perda de audiência. Foi o que aconteceu com a glamorizarão de favelas em seus seus folhetins. Tem uma hora que a hipocrisia satura. Quanto ao aborto, cai-se na mesma esparrela: Falam do que não entendem. Simplesmente pervertem: É o mesmo que discutir pena de morte para um inocente – Não dá!

  • The Question

    senti isso na pele,quando um professor de psicologia,há mais ou menos uns dez anos,dizia pra todo mundo que até mesmo um recém-nascido não era considerado um ser humano,e sim uma “bola de carne”