1. Cultura
  2. Destaques

Nos cinemas: as impactantes conclusões da pesquisa de Lee Strobel sobre a vida de Jesus Cristo

14 de setembro de 2017 - 22:37:37

Jornalista investiga ressurreição de Cristo em filme imperdível para cristãos e ateus.

Para salvar seu casamento, um ateu tenta provar se Cristo realmente era o filho de Deus na adaptação cinematográfica do bestseller “Em Defesa de Cristo” (1998). O drama cristão está enviando ondas de choque religiosas em toda parte. Mas qual é a verdadeira história por trás do filme “Em Defesa de Cristo”que estreia hoje, 14 de setembro, no Brasil? Vamos investigar.

O filme
Vale citar o parecer do Arcebispo de Washington, Donald William Wuerl: “Em Defesa de Cristo nos convida e nos envolve através de uma experiência intelectual e uma jornada de fé. Começa com a esperança de refutar a história de Jesus, a Cruz e a Ressurreição, e termina apenas por encontrar o poder redentor do amor de Deus”.

Lee Patrick Strobel, formado em jornalismo pela Universidade de Missouri e mestre em Direito pela Universidade de Yale, foi  jornalista investigativo premiado e editor do Chicago Tribune. Ateu militante, Strobel aplica suas habilidades jornalísticas e jurídicas para tentar refutar a nova fé cristã de sua esposa, Leslie, causa de problemas em seu casamento, à medida que Leslie se move cada vez mais para uma vida cristã. O relacionamento dos dois, outrora forte, enfrenta grandes obstáculos devido ao ressentimento de Lee diante da fé de Leslie. Ele passa a ver Jesus Cristo como “o outro homem” da relação, e com isso descreve o momento tumultuado que enfrenta. No entanto, perseguindo a maior história da sua carreira, ele se defronta com resultados inesperados que podem mudar o que ele acreditava ser a verdade. E a jornada investigativa de Strobel termina por alterar os rumos da sua vida. Depois de completar uma pesquisa minuciosa após quase dois anos, ele encontra as evidências históricas de Jesus, e então encontra a fé em Cristo.

“Passei toda a minha carreira como jornalista, descobrindo a verdade, até o dia em que minha esposa me apresentou a maior história da minha vida”, explicou Strobel, que também é o produtor do filme.

“Em Defesa de Cristo” (The Case for Christ, 2017), é dirigido por Jon Gunn. Mike Vogel (“Under the Dome”) interpreta Strobel e Erika Christensen (“Parenthood”) como Leslie. Faye Dunaway, vencedora do Oscar, interpreta uma psicóloga que Strobel visita durante sua investigação.

Conhecendo um pouco da obra que deu origem ao filme
“Lee Strobel faz perguntas que um cético ferrenho faria e oferece respostas convincentes a todas elas. Todo pesquisador deve ter e estudar este livro.” Phillip E. Johnson (Escritor e Professor de Direito da Universidade da Califórnia)

O autor rejeita respostas forjadas ou simplistas e apresenta apresenta o testemunho de dezenas de especialistas dentre os mais conceituados do mundo, onde analisa as seguintes evidências:

– Históricas: Temos documentos confiáveis sobre a vida, os ensinos e a ressurreição de Cristo?

– Científicas: Existe fundamentação arqueológica para os relatos sobre Cristo? Ele operou milagres?

– Psiquiátricas: Cristo realmente afirmou ser Deus? Qual a prova de que ele se enquadra no perfil de Deus?

– Digitais: O que a profecia bíblica tem a dizer a respeito de Cristo?

– E outras: A morte de Cristo, o corpo não encontrado, os relatos de testemunhas oculares sobre encontros com ele.

Sumário:

Introdução: Reabrindo a investigação de toda uma vida

Parte 1: Analisando os dados

1 – As provas das testemunhas oculares. Pode-se confiar nas biografias de Jesus? com o Dr. Craig Blomberg

2 – Avaliando o testemunho ocular: As biografias de Jesus resistem à investigação minuciosa? com o Dr. Craig Blomberg

3 – A prova documental: as biografias de Jesus foram preservadas de modo confiável? com o Dr. Bruce Metzger

4 – A prova corroborativa: Existem evidências confiáveis a favor de Jesus além de suas biografias? com o Dr. Edwin Yamauchi

5 – A prova científica: a arqueologia confirma ou contradiz as biografias de Jesus? com o Dr. John McRay

6 – A prova da contestação: O Jesus da História é o mesmo Jesus da fé? com o Dr. Gregory Boyd

Parte 2: Analisando Jesus

7 – A prova de Identidade: Jesus estava realmente convicto de que era o Filho de Deus? com o Dr. Ben Witherington

8 – A prova psicológica: Jesus estava louco quando afirmou ser o Filho de Deus? com o Dr. Gary Collins

9 – A prova do perfil: Jesus apresentou os atributos de Deus? com o Dr. D. A. Carson

10 – Prova das impressões digitais: Jesus – e só ele – enquadra-se no perfil de Messias? com Louis Lapides, Th.M.

Parte 3: Pesquisando a ressurreição

11- A prova Médica: A morte de Jesus foi uma fraude e sua ressurreição, um logro? com o Dr. Alexander Metherell

12 – A prova do corpo desaparecido: o corpo de Jesus realmente desapareceu do túmulo? com o Dr. William Lane Craig

13 – A prova das aparições: Jesus foi visto vivo depois de sua morte na cruz? com o Dr. Gary Habermas

14 – A prova circunstancial: existem fatos secundários que apontam para a ressurreição? com o Dr. J. P. Moreland

Conclusão: O veredicto da História : O que as provas indicam – e o que elas significam hoje?

Referência:
Strobel, Lee. Em Defesa de Cristo: um jornalista ex-ateu investiga as provas da existência de Cristo. São Paulo: Vida, 2017.

 

Rodney Eloy, bibliotecário, é aluno do Seminário de Filosofia de Olavo de Carvalho e colaborador do Mídia Sem Máscara na redes sociais.

 

  • Vavá

    Graças à Deus, a hegemonia esquerdista em Hollywood ainda não se transformou num totalitarismo que não deixa passar obras como essas. Primeira vez que ouço falar no livro também, vou encomendá-lo. Argumentos científicos pra ajudar os cristofóbicos a virarem gente.

  • Luiz F Moran

    Somente a fé em Deus dará sentido à sua vida e te fortalecerá diante das dificuldades.

    Para os céticos a morte é o desespero, é o fim de tudo.

    Para quem tem fé a morte é o início de uma plena, sublime e eterna comunhão com Deus.

  • marcelo almeida

    O Senhor Jesus não precisa da nossa defesa. Nós é que precisamos da dele. Ele reivindicará sua própria honra e ai dos que afrontam o seu Nome.

  • Alexandre Ávila

    tá na agenda, deve ser bem interessante este filme.

  • Marcos Pereira

    Me emociona presenciar em vida o início da grande mudança de rumo de nossa civilização, exaurida, massacrada, deformada pelas rebeliões ateístas. Sim meus caros, não vejo nada destas lamentáveis tentativas desastrosas de buscar um Paraíso na terra como revolução, mas sim como rebeliões. Rebeliões descaradamente ao cumprimento básico consequente da Vida e Ensinamentos de Jesus Ben Josef: A PATERNIDADE DE DEUS E A IRMANDADE ENTRE OS HOMENS.
    Todo ser humano de mente normal tem em sua mente, desde Pentecostes, uma presença divina, um guia que sem interferir em nossas escolhas, apresenta-nos o caminho para o Pai do Paraíso. Voltemos a Jesus. Sim tivemos uma história real, desse Filho de Deus, ocorrida a 2000 anos. Do Nascimento em Belém, das pregações públicas, dos momentos grandiosos – O Batismo com a Presença do Pai, no Monte da Transfiguração, com o reconhecimento da completude de sua missão na Terra por parte do Filho Eterno e do Espírito Infinito, por parte do Pai, na Cruz, que apenas desejada que Seu Filho tivesse uma morte natural (acelerada pela loucura dos homens: um traidor< judas, um covarde, Pilatos, e um bando de psicopatas, os sacerdotes do sinédrio e um bando de idiotas úteis, o povão delirante. Não resta mais dúvidas que Jesus esteve na Terra. Vive agora como Soberano absoluto, com plenos poderes sobre o Universo de Sua Criação. Jesus foi um Filho do Homem perfeito, um Filho de Deus mais que perfeito. Negar a sua realidade, bem com a de Seu Pai é o caminho para a insanidade, para a loucura e, no limite para a inviabilidade da Vida Eterna do sujeito rebelde.

    • Alemoon

      Também não tenho dúvidas que Jesus teve sua passagem pelo mundo. Depois de muito ceticismo fui estudar e pesquisar documentos históricos que me fizeram pensar assim. Fui muito ignorante, mas encontrei uma resposta para minha estupidez. Hoje peço a Deus que dê esta luz para pessoas iguais a Jean Willys, diretor de um filme que satiriza Jesus e seus discípulos. “Corpus Christi”, faz apologia ao homossexualismo e desmoraliza o cristianismo. Os homossexuais nunca aceitarão o cristianismo, mas eu tenho certeza, Jesus perdoará as pessoas que se arrependerem do que disseram contra ele. Pobres ignorantes.

  • Aramis DeBarros

    Recomendo a leitura do livro original que inspirou o filme: “The Case for Christ”. Mais do que uma leitura agradável e interessante, é um verdadeiro documento para consultas frequentes sobre temas ligados à fé cristã e a guerra cultural.

  • NIl Junior

    Se eu fosse depender desse Lee Strobel ou de ateus convertidos para ter fé… Comprar esses livros ou ir ao cinema… Eu que não vou ver,

  • Danilo Dalla Vecchia

    Mesmo não tendo ”provas materiais” de Jesus Cristo quando há de Pitágoras, com certeza e obvio que suas ”escolas” quanto suas presenças físicas existiram .

  • marcelo almeida

    Um coração desejoso e sincero diante de Deus é o único requisito para se encontrar a verdade.