1. Destaques
  2. Movimento Revolucionário
  3. Religião

O ataque final à Criação: o fim da dualidade homem/mulher

2 de outubro de 2017 - 2:19:18

Nota de Heitor De Paola:
Eis o texto do cardeal Carlo Caffarra (foto) ao qual fiz referências no programa O Outro Lado da Notícia do dia 22 de setembro, gentilmente traduzido por Ageu Marinho e publicado originalmente pelo LifeSiteNews.

 

A “última barreira” para Satã de destruir a humanidade é a dualidade masculino/feminino, afirma cardeal dubia
Por Claire Chretien

Uma ideologia global alimentada por uma liberdade “insana” e “literalmente louca” agora está tentando destruir a “última barreira” que preserva a humanidade de perder o significado de ser “humano”, a saber, a “natureza sexual da pessoa humana na sua dualidade de homem e mulher”, escreveu o cardeal Carlo Caffarra, um cardeal “dubia” recentemente falecido, em um manuscrito publicado pela primeira vez no LifeSiteNews. [“Dubia cardinals” é como são designados os cardeais signatários das dúvidas levantadas ao Papa Francisco por ocasião da publicação da encíclica Amoris Laetitia].

Caffarra escreveu o manuscrito como um prefácio ao livro da socióloga Gabriele Kuby intitulado A Revolução Sexual Global: A Destruição da Liberdade em nome da Liberdade [no original: The Global Sexual Revolution: Destruction of Freedom in the Name of Freedom]. Porém o livro seguiu para impressão antes que as palavras do cardeal fossem recebidas. O manuscrito foi obtido pelo LifeSiteNews.

* * *

Texto completo do prefácio não publicado do cardeal Carlo Caffarra para o livro de Gabriele Kuby “A Revolução Sexual Global – A Destruição da Liberdade em Nome da Liberdade”.
Traduzido para o inglês por Diane Montagna.

O estudo de Gabriele Kuby sobre o panorama cultural no presente livro é um clamor de trombeta para despertar-nos do torpor da razão que nos está arrastando para a perda de liberdade consequentemente de nós mesmos. E Jesus já nos advertira que isso, a perda de nós mesmos, seria a mais trágica perda de todas, ainda que ganhássemos todo o mundo.

A cada página que lia, ouvia dentro de mim mesmo as palavras do enganador do mundo todo: “Você será como Deus, conhecendo o bem e o mal” (Gn 3:5).

A pessoa humana elevou-se a si mesmo a uma posição de autoridade moral soberana na qual “Eu” sozinho determino o que é bom e o que é mal. Essa é uma liberdade que é literalmente louca: é uma liberdade sem logos (isto é, razão ou princípio ordenador).

Mas se esse é o contexto teórico (se posso colocar desta forma) do livro inteiro, a obra examina especificamente a destruição da última realidade que permanece de pé no seu caminho. Como irei explicar, o livro também aponta como a liberdade que enlouquece gradualmente engendra as mais devastadoras tiranias.

David Hume escreveu que fatos são coisas teimosas: eles teimosamente desafiam qualquer ideologia. A autora demonstra, e eu considero que acertadamente, que a última barreira a qual essa liberdade insana deve demolir é a natureza sexual da pessoa humana na sua dualidade de homem e mulher, e na sua instituição racional estabilizada pelo casamento monogâmico e pela família. Atualmente essa causa insana está destruindo a sexualidade natural humana e por conseguinte também o casamento e a família. Estas páginas, dedicadas a examinar essa destruição, contêm uma rara profundidade de percepção.

Mas há um outro tema que corre através das páginas deste livro: a obra dessa insana liberdade tem uma estratégia precisa, pois está sendo dirigida, guiada e governada em nível global. Qual é essa estratégia? É aquela d’O Grande Inquisidor, de Dostoyevsky, que diz a Cristo: “Você dá a eles liberdade eu dou-lhes pão. Eles me seguirão.” A estratégia é clara: dominar o homem formando um pacto com um de seus instintos básicos. O novo Grande Inquisidor não mudou a estratégia. Ele diz a Cristo: “Você promete regozijo no prudente, íntegro e casto exercício da sexualidade; eu prometo o gozo desregrado. Você verá que eles me seguirão.” O novo Inquisidor escraviza através da ilusão do prazer sexual completamente livre de regras.

Se, como acredito, a análise de Gabriele Kuby é algo que é compartilhado, há apenas uma conclusão. O que Platão previu acontecerá: liberdade extrema conduzirá à mais grave e feroz tirania. Não é coincidência que a autora fez dessa reflexão platônica a epígrafe do primeiro capítulo: um tipo de chave interpretativa de todo o livro.

E os clérigos? Não é incomum que eles se contentem em ser facilitadores dessa eutanásia da liberdade. E ainda, como Paulo nos instruiu, Cristo morreu para nos tornar verdadeiramente livres.

Eu espero que este grande livro seja lido por aqueles que têm responsabilidades públicas, por aqueles que têm responsabilidades educacionais, e pelos jovens, as primeiras vítimas do novo Grande Inquisidor.

Cardeal Carlo Caffarra, Arcebispo Emérito de Bolonha.

(1) Em inglês, intensifying verb. Essa expressão foi um problema tanto para o tradutor como para o editor (Heitor). Esta solução é do editor.

http://www.heitordepaola.com

 

 

  • Osvaldo Pereira Júnior

    Vocês querem tirania maior do que aquela que proíbe você de chamar algo pelo seu próprio nome?

    Vejamos a chamada transexualidade. Uma pessoa que nasce em um corpo, mas não aceita isso é o quê a não ser um louco ou um possesso?

    Se um homem tem o “direito” de se considerar uma mulher ou vice-versa, por quê um sujeito é visto como louco por se considerar um astronauta, um locutor esportivo ou um índio tupi-guarani mesmo não o sendo?

    O que mais existe no hospício são pessoas assim, que não se sentem bem sendo elas próprias e portanto, foram corretamente diagnosticadas como loucas pela psiquiatria. Então por quê deixar os tais “transgêneros” e homosexuais em geral de fora?

    Mesmo para aqueles que não querem “mudar” de gênero,mas simplesmente sentem atração pelo mesmo sexo é óbvio que também não são casos que possam ser considerados normais, mesmo que óbviamente menos graves que nos casos transgêneros. Orgãos sexuais existem com um propósito claro de procriação e não para enfeite ou puramente deleite sexual, exceto nos casos onde a pessoa abre mão da procriação em nome de um sacrifício espiritual no caso dos santos para serem exemplos para o resto da sociedade, o objetivo do seu orgão é procriar e portanto ter relações sexuais com um parceiro do sexo oposto e não o contrário.

    Sendo assim, uma mulher deixar de procriar naturalmente para simplesmente lamber vagina, assim como homens deixarem de se procriarem naturalmente para terem o ânus penetrado por outro pênis ou para penetrar outros ânus, se observa claramente nesses casos uma situação óbvia de deformidade mental e em casos mais raros, graves e extraordinários de possessão demoníaca.

    Então novamente,por quê um homem barbado que jura ser uma mulher ou uma mulher que jura de pés juntos ser um homem,não são tratados igualmente como loucos varridos assim como o falso locutor esportivo, o falso astronauta ou o falso índio tupi-guarani de hospício?

    Por quê somos orientados a chamar loucos varridos ou endemoniados de “transexuais” e “homoafetivos” e não por aquilo que eles realmente são. Loucos!

    Isso acontece porque existe uma agenda global de destruição do cristianismo e da heteronormalidade, assim como do próprio casamento. Tiranias para que consigam prosperar precisam que as pessoas fiquem isoladas, fragilizadas, sem espiritualidade, dependentes do estado e sem senso nenhum do que é certo ou errado. Sempre foi assim e sempre será.

    Não podemos esquecer que homosexualismo foi considerado transtorno mental pela OMS até o início da década de 70 e no Brasil até 1999. Só foi retirado dessa lista por pressão do lobby gay e para agradar a agenda globalista. Não ouve nenhum estudo sério que chega-se a essa conclusão.

    Foi pura pressão ideológica!

    Assim sendo, enquanto não houver estudos sérios realizados por pessoas sérias,capacitadas e sem apegos ideológicos, toda e qualquer opinião a respeito do homosexualismo deve ser respeitada e discutida. Tanto a opinião de quem a considera doença mental (no meu caso) como a daqueles que não a consideram. O que existe são opiniões e eu estou aqui dando a minha opinião a respeito.

    O que estamos assistindo hoje é uma clara tentativa de voltarmos aos períodos pré-cristãos onde só existiam a elite e os servos.

    Na antiguidade, enquanto escravos romanos nasciam, cresciam e morriam sem família as elites os dominavam através de laços familiares fortes e inabaláveis.

    Somente com a destruição do cristianismo e da hétero-normalidade, assim como a dissolução de noção do que é certo ou errado, poderemos voltar aos tempos pré-cristãos onde não existiam regras jurídicas claras e onde fortes mandavam e os fracos obedeciam.

    Para isso é necessário também legalizar as drogas pois viciados são incapazes de tomar decisões corretas para eles próprios. Será é o estado que irá tomar essas decisões por ele.

    Política do desarmamento a mesma coisa. Como o estado irá bater o pé na porta de seus inimigos políticos para prendê-los, se esses inimigos políticos possuem armas em casa?

    Voltando a respeito da transexualidade, nós na condição de cristãos (penso que a maioria aqui o são) também não podemos ignorar a questão espiritual da coisa, afinal, nós acreditamos também na ação demoníaca de espíritos malignos que podem inclusive gerar o vicio homosexual em muitas pessoas.

    Claro que homosexualismo por ação demoníaca é a esmagadora minoria dos casos, mas que não devem ser ignorados pelos cristãos. Se você é cristão não poderá ignorar isso.

    Outro problema que também não pode ser ignorado e considero de vital importância nesse assunto é que muitos transtornos podem ser contagiosos em caso de convívio contínuo, principalmente para crianças. Se colocarmos crianças que ainda não desenvolveram completamente suas personalidades perto de doentes mentais durante muito tempo, essas crianças muito provavelmente irão acabar aprendendo ou copiando alguns desses comportamentos nocivos. Isso não é apenas para os casos de transtornos homosexuais mas para qualquer ou transtorno mental.

    Mesmo as que não acabarem copiando, no mínimo acabarão experimentando ou tendo algum tipo de experiência homosexual.

    Mulheres também por serem mais emotivas, comunicativas e abertas ao contato social, acabam sendo também mais susceptíveis a se tornarem homosexuais ainda mais em uma sociedade que ao invés de combater um mal milenar não só o trata como algo positivo mas também o promove.

    Estamos assistindo não somente a apologia da loucura, mas também a um verdadeiro escancaramento dos portões do inferno.

    Ou criamos condições plenas para um contra-ofensiva cultural na próximas décadas ou então iremos afundar em uma das piores senão a pior era que a humanidade já experimentou em todos os tempos. E acreditem não creio que conseguiremos mais sair exceto pagando o preço da extinção.

  • Osvaldo Pereira Júnior

    Muitos dos meus comentários estão sendo excluídos como spam.

    • Luiz F Moran

      idem

  • NewLife Suzi

    Coisas absurdas que jamais se imaginou antes. Ridiculo, em nome das libertinagens, ofendem todos os outros individuos e autoridades que não concordam. Querem tirar todo tipo de referencia de nossos jovens, logo eles estarão se suicidando em massa. A legalização da pedofilia, já é algo que vem embutido nos novos ”pacotes do MEC que promovem a ”ideologia de gêneros””. Não dá vontade mais de viver nesse mundo perdido de horrores.

  • Heleniel da Nanda

    O estado de estupor do ser humano estar em níveis catastróficos, e este foi inserido com sensibilidade anestésica em nosso meio. Como escapar disso? só muita, muita informação de qualidade, e eis o problema em nossa sociedade essa informação é rara. Vejam que tais horrores apesentados nos últimos dias são mais e mais gotas anestésicas para propósitos monstruosos.

  • Marcos Menezes

    É um ataque ininterrupto a família.Se a família cair caírá o ultimo bastião da civilização humana.Satanás com certeza está por trás do globalismo que quer nos destruir.Interesses de grandes poderes transnacionais estão em jogo nesse ataque a família,mas acima desses interesses meramente humanos está o infernal desejo de ROUBAR,MATAR E DESTRUIR do Diabo.