1. Desinformação
  2. Destaques
  3. Globalismo
  4. Notícias Faltantes
  5. Rússia

O recrutamento de militantes pró-Rússia nas redes sociais

24 de julho de 2017 - 5:26:36

Ladislav Kasuka (foto) redigia sua costumeira diatribe contra o ocidente para um site stalinista checo quando começou a receber mensagens oferecendo-lhe dinheiro para organizar protestos de rua.

Esse foi o ponto de partida de toda uma história objeto de reportagem do The New York Times.

A primeira mensagem, recheada de bajulações pelo seu trabalho, chegou em russo, enviada por alguém que ele desconhecia. De início, a oferta foi de 300 euros. Era para Kasuka, um stalinista checo sem um tostão, comprar bandeiras e cartazes destinados a uma manifestação pública em Praga contra a OTAN e o governo pró-ocidental da Ucrânia.

Logo depois, ofereceram-lhe mais 500 euros para comprar um videocâmara e publicar seus vídeos na internet. Ainda viriam promessas de outras quantias menores. Kasuka ficou surpreso, mas como o dinheiro “era para a boa causa” anticapitalista foi aceitando.

Pouco depois estava enleado numa estranha trama que funcionava nas redes sociais.

Seu caso foi apenas um entre muitos na Europa Oriental e Central, resultantes de uma campanha de influência frenética, por vezes grosseira, financiada por Moscou e dirigida por Alexander Usovsky, agitador nacionalista russo, sicário ideológico numa batalha para ganhar almas e mentes nos fios da Internet.

Se comparada à intromissão da Rússia nas eleições presidenciais nos EUA e na França, as atividades de Kasuka e outros como ele têm pouca relevância. Mas para Moscou servem e não pouco.

Um dia hackers ucranianos vasculharam o computador de Usovsky e fizeram vir à luz sua estratégia para ampliar a área de influência russa.

Recrutar ativistas independentes estrangeiros e irrigá-los com dinheiro fornecido por “oligarcas” e agentes do Estado putiniano.

Usovsky teve sorte instável, por vezes imprudente ou desastrada, mas procurou renovar as iniciativas à sombra do dinheiro do magnata da nomenklatura Konstantin Malofeev. Ele lhe pediu “um plano claro, concreto e realista para a chegada ao poder de forças pró-russas”.

Alexander Usovsky “é um bom caso de estudo sobre os métodos russos”, disse Daniel Milo, ex-funcionário do Ministério do Interior eslovaco, especialista em extremismo da Globsec, grupo de investigação de Bratislava. “Ele é uma pequena engrenagem de uma grande indústria. E poderia haver dúzias como ele”, opinou Milo.

Usovsky começou a agir em 2014 cavalgando a onda de fervor nacionalista russo pela invasão da Crimeia. Montou uma rede de sites em várias línguas para promover a unidade eslava, alugou um escritório em Bratislava e criou uma fundação falsa, cuja fachada era promover a cultura.

Usovsky apresentou orçamento de milhares de euros a Malofeev entre outras coisas para promover candidatos pró-russos nas eleições polonesas, mas não conseguiu fazer vencer um só. Identificou sócios na Europa Oriental e Central dispostos a receber sua ajuda. Ampliou na internet as vozes radicais, fez com que pequenas passeatas parecessem muito maiores do que eram.

Trabalhou com a mídia informativa russa para garantir que “seus” colaboradores checos, eslovacos e poloneses recebessem ampla cobertura nos órgãos moscovitas com penetração no exterior.

Por isso Kasuka, o stalinista que mora num apartamento popular de Melnik, aparece habitualmente na mídia russa como um conceituado comentarista de geopolítica e de assuntos checos.

Chegou a dizer por meio do Russia Today que os EUA poderiam jogar uma bomba atômica na Ucrânia e culpar a Rússia para assim provocar uma guerra. Era absurdo, “fake news” no duro, mas servia para a propaganda moscovita.

Suas atividades são ecoadas como grandes eventos pela TV moscovita.

“É uma loucura total”, comentou Roman Maca, analista sediado em Praga. “O Canal Um russo apresentou como notícia séria um protesto de 10 pessoas que na sua maioria candidatas à internação num hospital psiquiátrico”.

Malofeev não ficou satisfeito com Usovsky. Então, esse foi atrás de outros doadores potenciais com planos detalhados para montar uma “quinta coluna pró-russa”, canalizando dinheiro para políticos anti-OTAN e a anti-UE.

Por sua vez, Kasuka desanimou das arruaças e agora se concentra no estudo da filosofia marxista, dos logros de Stalin e da miséria causada pela exploração capitalista.

Talvez esteja lendo a encíclica ‘Laudato Si’.
Luis Dufaur edita o blog Flagelo Russo.

 

  • Robson La Luna Di Cola

    E o outro lado da moeda? A ação dos serviços de inteligência das super-potências da Europa Ocidental, e da CIA? O mundo hoje em dia é isso: territória de briga de leões…

    • Roberto Felippe Santiago

      Robson, Não sei se você já percebeu, mas informações sobre ações “ilegais” (interferência direta em outros países para citar apenas uma) da CIA e serviços de inteligência de outros países ocidentais, você encontra às pencas na internet. O conhecimento sobre as ações da FSB e de seu tempo como KGB, entre outros serviços de inteligência comuno-esquerdistas, são muito menos conhecidos e divulgados. Levando-se em conta que os serviços de inteligência tem seu lado de discrição, espionagem, ocultamento, desinformação e contra-informação, das duas uma: ou a CIA e demais serviços de inteligência ocidentais são extremamente incompetentes e cheios de “cagüetas”, ou essas toneladas de denúncias contra eles são pura cortina de fumaça, desvio de atenção, jogando os holofotes neles, enquanto os serviços de inteligência do outro lado agem nas sombras, tranquilamente, sem ter nenhuma de suas ações percebidas e muito menos questionadas. E não sei em que fontes você se baseia, mas sugiro que assista ao documentários The Soviet Story e Comunismo – a história de uma ilusão (youtube), e aos livros The Naked Communist, O Livro Negro do Comunismo, O Guia Politicamente Correto da História do Mundo, O Livro Politicamente Incorreto do Comunismo, O Eixo do Mal Latino-Americano e o Manual do Perfeito Idiota Latino-Americano, para você conhecer “o outro lado da moeda”.

      • Robson La Luna Di Cola

        Como vou saber se as informações relatadas nestes livros não são falsas, criadas pelos líderes do nosso lado das trincheiras? As informações sobre as desgraças cometidas pela CIA são, na maioria, confissão de ex-agentes que participaram destes eventos. Mas será que não foram infiltrados pela Rússia? Como saber? E como saber se a CIA e os serviços de inteligência das potências ocidentais não compraram agentes da atual FSB? Prometendo a eles uma fortuna a ser paga, uma cirurgia para modificar suas aparências? Para poderem passar o resto da vida nas Ilhas Gregas, após fugir da Rússia? O mundo da espionagem é uma terra de bandidos…

        • Roberto Felippe Santiago

          Então você tem tantos motivos para duvidar dos relatos contra a CIA quanto os que falam os podres da FSB & companhia. E também pode jogar fora seus livros de história, afinal tudo pode não passar apenas de mera propaganda ou contra-propaganda, servindo a algum interesse.

          Em 27 de julho de 2017 16:58, Disqus escreveu:

          • Robson La Luna Di Cola

            Os livros de história editados em uma época refletem a versão dos fatos daqueles que comandam. Se Hitler tivesse ganho a IIª Guerra Mundial, certamente a visão do nazismo que leríamos nos livros de História seria bem diferente da que lemos nos livros do “mundo democrático”. Outra coisa: aquilo que chega ao conhecimento público deve representar apenas uns 20% dos fatos que acontecem entre 4 paredes. E normalmente, estas informações são aquelas que interessam aos ricos e poderosos. Que nos governam. Independente do uniforme que estão usando naquele momento.

          • Roberto Felippe Santiago

            Então só te resta duvidar de tudo, e mesmo as fontes que você usa são questionáveis, devido aos interesses que possam haver por trás delas. Mas, se você passa a usar determinadas fontes como se fossem fidedignas (e podemos concluir pelo que você diz, que nenhuma é), então você está sendo intelectualmente desonesto.

          • Robson La Luna Di Cola

            Não podemos confundir o o que acontece e aconteceu com o porque as coisas aconteceram e estão acontecendo. Não adianta os marxistas fingirem que não houveram milhões de mortos nos Gulags na URSS. E os liberalzotes esconderem as tragédias provocadas pela Revolução Industrial. Dentro das fábricas, nos guetos onde moravam as famílias operárias, e nos túneis que desmoronavam e asfixiavam os mineiros na exploração do carvão. Existiram milhões de testemunhas desses acontecimentos. Que contaram para seus filhos, netos e bisnetos. Já as motivações, ficam por conta dos delírios ideológicos de cada lado que analisa estes fatos.

          • Roberto Felippe Santiago

            Acho que agora sim entramos num consenso. T+

          • Robson La Luna Di Cola

            Escreve certo! Témais! (brincadeirinha!).

  • Olivio Girelli

    Malandro só aponta o dedo pro vizinho.
    Jamais pra ele mesmo.
    Esse site é o lugar perfeito para contar mentiras…perfeito!

    • Newton (ArkAngel)

      Que sujeito burro!

  • A CIA,o Mossad e tantos outros serviços de inteligência ocidentais comparados com a ex-KGB (atual FSB) são brincadeirinhas de criança.

    Só a KGB nos anos oitenta chegou a ter mais de 1 milhão de agentes espalhados pelo mundo, fora os 5 milhões de informantes. Não existe nada no mundo que possa ser comparado a isso e hoje sabe-se que os números aumentaram ainda mais. Além do fato do orçamento ser ilimitado e nem mesmo a Duma (Parlamento soviético) tinha acesso a isso. Ou seja, um estado dentro do estado.

    O modus operandi também era e continua sendo diferente do utilizado pelos serviços de inteligência ocidentais. No ocidente, os serviços secretos visam a espionagem como principal ferramenta enquanto que na KGB e seus serviços irmãos eurasianos eles utilizam a desinformação como principal arma.

    Enquanto o ocidente está preocupado em descobrir informações os serviços secretos eurasianos estão moldando o passado e a cultura do ocidente e utilizando os meios de comunicação e os organismos ocidentais para isso. Ou seja, agem como um parasita em um hospedeiro.

    O que eu acho incrível é que se até um Zé ninguém como eu já sabe disso como é possível que os agentes da CIA ou o presidente americano não saiba ou faça vista grossa para um problema tão grave?

    Ou eles tem uma carta embaixo da manga ou simplesmente já aceitaram a derrota ou o nível de infiltração eurasiano já é tamanho que a maioria dos agentes chaves da CIA e dos serviços ocidentais já são informantes russos-chineses.

    • Robson La Luna Di Cola

      É, tem razão… enquanto os agentes da CIA estão sentados na frente do computador, vendo sites de mulher pelada, a ex-KGB está infiltrando agentes até na cozinha da padaria da esquina da minha cidade… Eu vi em uma página da internet, a lista gigantesca de assassinatos cometidos pelos agentes da CIA,e a lista de revoluções sangrentas que provocaram, para colocar no poder ditadores que atendessem aos interesses dos EUA. A CIA, com certeza, faz o que quer. assim como as Forças Armadas americanas. Vejam as encrencas do Trump com a CIA. Alguém acha que o Obama autorizou a ‘prisão’ seguida de morte do Bin Laden, antes que acontecesse? Deve ter sido informado, do assassinato, depois de ocorrido. Parem com esta visão Poliana do mundo, pôrra!

      • Esse ódio cego e descabido que vocês sentem pelos Estados Unidos, um país que salvou o mundo do nazismo e do comunismo sacrificando mais de 500 mil soldados americanos já mostra claramente o trabalho formidável que a KGB fez no ocidente para moldar o passado e a cabeça das pessoas.

        Do dia para a noite o país que libertou os judeus, a europa e o mundo e não só isso ajudou na reconstrução de tudo isso é visto como um país imperialista, fascista e racista. Não é uma coisa impressionante?

        Pessoas como você já são os frutos da KGB e nem se dão conta disso tamanha lavagem que sofreram. Parem de ser massa de manobra de psicopatas comunistas.

        • Gleydson Gomes

          Esse pessoal tem memória seletiva.

        • Robson La Luna Di Cola

          Quem venceu a Segunda Guerra foi a URSS. Hitler se ferrou na Batalha de Stalingrado. Mais um otário derrotado pelo General Inverno. O outro, foi Napoleão Bonaparte. Quando os aliados desembarcaram na Normandia, o Exército Nazista já estava destroçado. Foi o Capeta quem venceu o Demônio… Sobre os EUA, Jardim do Éden, veja a questão da escravidão, da KKK, do extermínio de milhões de índios durante a Marcha para o Oeste. Veja quanto do território Espanhol tiraram na bala para incorporarem ao seu território. Veja os estragos que fizeram na América Latina, movidos pelo princípio da Predestinação Divina. que os autorizava a conquistar o Continente inteiro… Quem filtra a realidade são os americanófilos. Ah! Mas inventaram o celular! Legal! Estão perdoados… E parem com TC, Teorias da Conspiração. Qualquer pessoa com cultura histórica como eu, que já leu dezenas de livros de História e conhece metade do mundo, ao citar fatos que os contrariem, imediatamente é acusado de ser vítima de um projeto de revolução cultural! Estou falando de fatos. A realidade dos fatos históricos está disponível para quem quiser buscá-las. E não se esqueça: TC, hoje em dia, virou mercadoria. Para vender livros, e inscrições em sites pagos no youtube. É impressionante a quantidade dessas desgraças…Uma piada.

  • Iason Souto

    No Brasil, a esquerda faz algo semelhante, e não é mera coincidência. Por aqui as redes sociais estão fartas desses tipos, que posam de “intelectuais” com uma linguagem carregada de engajamento em “causas sociais” direitos humanos, ecofascismo…