1. Brasil
  2. Direito

Brutalidade criminal

14 de dezembro de 2017 - 15:55:24

É tão triste quanto espantoso o número de policiais mortos no cumprimento do seu dever, em confrontos com o crime, para proteção da sociedade e manter ainda tremeluzente a chama da supremacia da lei. Sucedem-se os fatos, passam-se os dias, e cai sobre cada óbito o soturno silêncio da banalização. Nenhum porta-voz da esquerda local vai aos microfones condenar a brutalidade criminal, solidarizar-se com familiares dos mortos. Nenhum cronista bate dedos o teclado do computador para expressar sua compaixão pelos agentes da lei. Nenhum sociólogo de plantão, nenhuma ONG promotora de direitos humanos diz algo a respeito. No entanto, com quanta freqüência se lê sobre a “brutalidade das ações policiais”!

Não passa pela cabeça de quem quer que seja – surpresa minha! – indagar quais os materialmente mais desfavorecidos nesses confrontos. Os policiais ou os bandidos? Quem tem mais dinheiro no bolso? Quem porta a arma mais sofisticada? Quem é mais “oprimido”? Quem está do lado da sociedade e quem está contra ela?

A brutalidade criminal ocorre todo dia, toda hora, com requintes de crueldade, não respeitando criança, menor, mulher, pobre, rico, juiz de direito ou policial. No entanto, quando um destes últimos, no arriscado exercício de seu dever, sob fogo dos bandidos, dispara sua arma, matando ou ferindo algum deles, logo sai para a rua o bloco dos pacifistas seletivos, pronto para condenar a “truculência” dos agentes da lei. E eu já não me surpreendo mais com isso. Portanto, chega de brutalidade criminal! Policial também é gente e tem direitos humanos!

Que fique claro. Toda pessoa é detentora de direitos inalienáveis. O criminoso decai de alguns direitos civis, mas não perde sua condição humana e não deve ser objeto de maus tratos. Mas é inaceitável demasia atribuir-lhe, no choque com as forças da lei, prerrogativas e zelos que a estas se recusa. Tal mentalidade entrega ao crime parcelas cada vez maiores de nossas cidades. Olhe à volta, leitor, e saiba: tem gente por aí que, sob motivações ideológicas, acha tudo muito conveniente e joga o jogo da tolerância para com o crime e da intolerância para com a ação policial. Use seu voto para afastá-los do poder.

http://puggina.org

 

  • Osvaldo Pereira Júnior

    A criminalidade no Brasil é fruto de três coisas;

    1- Estagnação econômica fruto de uma excessiva intervenção estatal na economia que acaba gerando uma carga tributária colossal que por sua vez leva grandes, médias e pequenas empresas a falência e que obviamente produz o desemprego e a miséria. Não que todos pobres sejam bandidos ou que ser miserável seja sinônimo de ser marginal, mas não podemos desconsiderar o fato óbvio de que uma sociedade com pleno emprego, prosperidade e um forte consumo também desempenha seu papel importante na queda da criminalidade.

    2- Leis frouxas e impunidade. Em um pais onde 95% dos crimes NÃO são solucionados, mulher de bandido recebe salário mínimo enquanto que a da vítima chupa o dedo e bandido raramente fica preso muito tempo, é óbvio que um ambiente assim acaba se tornando um convite ao crime.

    3- Desarmamento civil. A imprensa adora alardear quando um maluco mata uma pessoa com uma arma de fogo nos Estados Unidos utilizando isso como desculpa para acabar com o direito a auto-defesa. Mas essa mesma imprensa cretina e comprada não divulga os dados de quantas vidas são salvas e quantos crimes evitados pelas mesmas armas de fogo dentro do próprio Estados Unidos. Não é incrível?

    • Newton (ArkAngel)

      A história de que os bandidos caem na vida de crimes por falta de oportunidades, na maior parte das vezes é mentira. Atualmente, os bandidos agem como qualquer empresário capitalista, pesando os prós e contras das empreitadas. Obviamente, e também por não ser regulado pelo governo, o crime é um negócio altamente rentável e de retorno rápido, apesar de ser um empreendimento de alto risco.

      • Rafael

        Quem diz que a pessoa cai no crime por falta de oportunidade nunca viu ou falou com um pobre, lógico que as condições influem nas escolhas individuais, mas não são apenas elas.Há bandido pobre e bandido rico, e ponto.

        • Newton (ArkAngel)

          A falta de oportunidades influencia, mas o preponderante mesmo é a personalidade da pessoa, daí existirem bandidos ricos e pobres.É muito diferente roubar para alimentar a família e roubar para ir na balada usando Rolex de ouro. Enquanto existirem pobres que são trabalhadores, essa história de falta de oportunidades fica como lenda.

      • Osvaldo Pereira Júnior

        Sim, as condições econômicas é a menos importante quando o assunto é causa da violência mas mesmo assim não pode ser ignorado.

        Pessoas com emprego e prosperidade dificilmente vão resolver bater carteira por ai.

        Mas é claro que o desarmamento civil e a impunidade são as principais causas da violência em qualquer país.

    • Gerhard Böhme

      Nada disso! A principal causa é a discriminação espacial, até por ser ela a principal incubadora.

      • Newton (ArkAngel)

        O que seria “discriminação espacial”? Seria a discriminação entre os habitantes dos diversos planetas e mundos do universo?

    • Rodrigo Taira

      Discordo da primeira. O Brasil já foi muito mais pobre poucas décadas atrás e no entanto a criminalidade era e, principalmente, a violência dos criminosos era muito menor.
      .
      O que mudou foi que: ficamos menos pobres, as leis se afrouxaram, e teve o desarmamento civil. A estagnação econômica não se encaixa nesse cenário.
      .
      Se não engano, o próprio Bené Barbosa diz que o NE é a região mais violenta (homicida) do Brasil e, no entanto, é a que teve maior crescimento econômico nas últimas décadas.
      .
      Se existe algo que não tem relação direta é essa: criminalidade e pobreza.

      • Osvaldo Pereira Júnior

        O Brasil continua um país pobre e atrasado mesmo que tenha melhorado nas últimas décadas graças ao controle da inflação.

        Claro que pobreza não é sinônimo de criminalidade, mas quando você une pobreza, desarmamento civil e leis frouxas com impunidade ai sim a receita do genocídio está na mesa.

        O combate a violência é a união dessas três coisas juntas trabalhando em conjunto. Pessoas prosperando, bem armadas e punidas caso façam alguma merda.

        • Rodrigo Taira

          Veja que o próprio artigo fala da brutalidade criminal, não da criminalidade simplesmente. Hoje o bandido não “se contenta” em roubar (algo que resolveria momentaneamente seu problema de dinheiro); ele rouba e aterroriza, isso quando não mata. Se o motivador é o dinheiro, e o meio é o roubo, como explicar a violência brutal – e muitas vezes homicida?
          .
          O grande promotor da brutalidade criminal é a cultura da bandidagem violenta. A impunidade e o desarmamento civil, bem como a prévia condenação moral, judicial e criminal das polícias, são facilitadores.

          • Newton (ArkAngel)

            Hoje em dia, andar com bandidos é símbolo de status e poder em certas camadas. O vagabundo que anda de carro novo e com roupas legais é perseguido pelas meninas e idolatrado pelos mais jovens, essa é a inversão de valores promovida atualmente, onde os valores materiais estão acima dos espirituais e morais.
            Não basta roubar, tem de ser cruel pra poder mostrar poder, então, além do roubo ser a solução pros problemas financeiros do sujeito, torna-se também a solução dos problemas sociais.
            No meu tempo, qualquer pessoa tinha vergonha de admitir que conhecia algum criminoso, hoje em dia é motivo de orgulho.

          • Osvaldo Pereira Júnior

            Perfeito, essa é a chamada cultura do crime ao qual estamos vivendo no Brasil hoje. Isso acontece quando o crime deixa de ser algo marginal e passa a fazer parte da própria “cultura” de uma sociedade decadente. Ou seja, além do criminoso dificilmente ser punidos, ele começa também a ser visto primeiro como uma vítima e logo em seguida podendo até mesmo ser cultuado e endeusado.

            O que fez com que nós-chegassemos a esse ponto foram as leis frouxas com impunidade, a infiltração esquerdista nas universidades e na mídia primeiro dizendo que bandido era uma vítima social e depois não somente vítima mas também podendo ser até mesmo um potencial artista ou galã.

            Outro fator importante também é o desarmamento civil onde apenas os bonzinhos e trouxas cumpridores de lei acabam respeitando-a e ficando assim desarmados levando chumbo no meio de bandidos e policiais.

            Como as armas fazem parte da própria característica do sexo masculino desde a pré-história e quando você tira esse direito milenar dos homens fazendo com que eles sejam incapazes de defender a si próprio e a sua família, eles automaticamente perdem uma grande parte do seu sex appel tornando-se assim desinteressantes para grande parte do sexo feminino.

            Sobram então apenas os bandidos e os policiais com armas e esse é um dos motivos que fazem com que mulheres se atraiam por bandidos e policiais só que mais ainda pelos bandidos pois além das armas os bandidos ainda oferecem as fortes emoções das drogas e da vida irresponsável com dinheiro fácil a todo instante.

            Para finalizar o governo quando consegue prender o bandido que é uma coisa rara de acontecer ainda oferece uma bolsa de um salário mínimo para a mulher do bandido fora as regalias de visita íntima, saídas frequentes em datas comemorativas e etc.

            É óbvio que o resultado de uma subcultura completamente doente e suicida como essa só poderia ser o caos e o genocídio anunciado em que estamos vivendo além de claro fazer com que as pessoas tenham mais orgulho de possuírem amigos e parceiros bandidos do que honestos.

          • Newton (ArkAngel)

            Existe ainda um fator que faz com que muitas mulheres se sintam atraídas por bandidos.
            Além dos motivos mencionados por você, geralmente os criminosos têm muito tempo livre, gastando boa parte desse tempo com a prática do sexo. Sem hipocrisia, ainda existem muitas mulheres com fetiches de dominação, e estas encontram nos bandidos as condições ideais de satisfazerem suas carências. O trabalhador gasta quase o dia todo entre o trabalho e o deslocamento até a empresa, e quando chega em casa, geralmente está exausto e muitas vezes não está disposto a fazer sexo; se sua esposa ou companheira for alguém com tal fetiche, ou então alguém com apetite sexual muito forte, é somente questão de tempo para o marido ser traído. Ainda mais quando a esposa não trabalha, e tem tanto tempo livre quanto o criminoso.

          • Osvaldo Pereira Júnior

            O problema não é nem a questão do sexo em si, mas sim a atenção e as futilidades da vida moderna que um bandido pode proporcionar muito mais do que a esmagadora maioria dos trabalhadores honestos.

            O bandido por exemplo fica o dia inteiro vadiando e cometendo crimes e portanto não sofre o cansaço psicológico ou o stress emocional de um trabalho de 12 horas por dia cheio de obrigações legais e burocracia de um trabalhador honesto realiza.

            Outro fator é a questão financeira. O marginal ganha por dia o que um trabalhador honesto levaria a semana inteira para ganhar. Isso quando não ganha mais ainda.

            Tem também o fator cultural (funk por exemplo) que enaltece a imagem do criminoso fazendo ele parecer mais sedutor que o honesto o que infelizmente nas circunstâncias atuais do nosso país não deixa de ser uma verdade.

            Você une isso com a impunidade e a não prisão dos marginais com desarmamento civil e as benesses estatais para a mulherada que namorar bandido e pronto. O cenário do caos está montado.

            Para desmontar isso será preciso um presidente com pulso firme e claro um trabalho de restauração cultural se formiguinha para décadas a frente.

          • Newton (ArkAngel)

            Trabalhei em uma empresa onde um dos funcionários, rapaz de seus 16 anos, já foi para a Fundação Casa, antiga Febem, quando tinha uns 13 anos de idade. Felizmente, resolveu deixar a vida criminosa. Na época, segundo ele, arrombava veículos estacionados e levava os acessórios, juntamente com o irmão mais velho, que o levou a praticar crimes. Esse irmão continua até hoje roubando, e em média, consegue faturar cerca de 2 a 3 mil reais POR DIA, obviamente livres de impostos. Ou seja, o cara dá prejuízo para a sociedade, não contribui com impostos, ganha uma grana alta e ainda é endeusado pela mídia e pelos artistas. Realmente é preciso muita estrutura psicológica, ou então uma formação moral muito sólida para resistir a essas tentações.

          • Osvaldo Pereira Júnior

            Exato. O Brasil de hoje praticamente convida as pessoas a praticarem crimes. E é óbvio que isso foi feito de propósito para gerar o caos social e fomentar assim o processo revolucionário.

          • Rodrigo Taira

            O assunto é extenso e por vezes foge um pouco do foco. Mas, vamos lá…
            .
            Falou-se da “imagem sedutora” que o bandido exerce sobre as mulheres. Isso é real mas não foi o bandido que criou nas mulheres uma imagem sedutora de si. É toda uma cultura (na verdade nem é cultura, mas, um subconsciente – psicologia) que criou nas mulheres a busca pelo cafajeste e, por fim, pelo bandido. É a glamourização da bandidagem. Algo pré-concebido justamente para subverter os valores (Filmes, novelas, etc)
            .
            Muito moleque SEM ser marginal passa a se comportar (mimetizar, digamos assim) como marginal: jeito de se vestir, jeito de falar, etc, para, talvez, inconscientemente, “fazer bonito” (atrair) as meninas. Ao comportar-se assim, várias potencialidades destrutivas surgem.
            .
            A primeira e mais óbvia delas é o que Roger Scruton no documentário Why Beauty Matters (Por que a Beleza Importa) diz ser a perda da Beleza. Nas palavras dele: “We are loosing beauty” (Estamos perdendo a [noção de] beleza”. Se você admira o que é feio você já perdeu algo que deveria natural e instintivo. E passa a colaborar com a disseminação de anti-valores.
            .
            A segunda e imediata é que existem comunicações não-verbais as quais, de repente, o sujeito não sabe que as está transmitindo. Veja, dificilmente um grupo de delinqüentes vai se aproximar de um sujeito que se vista, se porte e se comporte decentemente. Por exemplo, um estudante que mimetiza um marginalzinho tem muito mais chance ser abordado, convencido e cooptado a se juntar aos marginais de verdade.
            .
            Mas enfim, voltando… certa vez acompanhei no Youtube seminário de um sujeito… o título era algo como “seminário de guerra psicológica”. Uma coisa que ele falava era que “quem controla as mulheres, controla a sociedade”. Se você “controla” as meninas, no sentido de que elas procurem se relacionar sexualmente com tipos marginais, você cria no imaginário (subconsciente) da molecada o tipo marginal como o modelo (comportamental) a ser perseguido.
            .
            Lembro que antes disso eu tinha assistido um documentário que falava sobre a islamização da Europa (se não engano). Nesse documentário falava algo como “a civilização que controlou (regrou) o comportamento sexual manteve-se estável”. Quando surgiu instabilidade nesse tipo de regramento, a civilização desmoronou. Os muçulmanos controlam o comportamento sexual das mulheres mais que qualquer outra civilização…
            .
            A sexualização, o comportamento sexual desregrado, a erotização exacerbada é uma importante ferramenta para minar as base da civilização.

          • Osvaldo Pereira Júnior

            Pelo que eu entendi você está dizendo que mulheres em todas as épocas e em todas as civilizações sempre se atraíram e preferiram cafajestes e isso não condiz com a realidade dos fatos quando analisamos a história. Mesmo que obviamente em todas as épocas ou em todas as civilizações existissem sim algumas que tivessem esse tipo de atração isso era a minoria da minoria.

            Imagine por exemplo na idade média onde a igreja tinha um papel fundamental na vida das pessoas se uma jovem e bela menina iria preferir um bandidinho ao invés de um trabalhador honesto por exemplo?

            Mais longe ainda na história como por exemplo na idade da pedra, você acha que uma jovem iria preferir um vagabundo que apenas rouba-se ao invés de um homem caçador nato que tive-se ótimas habilidades de caça e plenas condições de sustentá-la ao invés de ficar procurando roubar outros homens da caverna?

            Mesmo recentemente durante o século passado quando a pena de morte era aplicada e bandido era tratado como lixo você acha que uma jovem iria preferir um lixo de um bandido do que um trabalhador ou um soldado herói de guerra por exemplo?

            Claro que sempre existiram algumas mulheres psicopatas, mas essas terminavam a vida em bordéis e sempre foram uma exceção.

            Essa explosão atual de meninas jovens correndo atrás de cafajestes e marginaizinhos é fruto de uma glamorização do crime que é exatamente o reflexo da própria cultura do crime atual que estamos discutindo aqui.

            Se o governo não fosse omisso no seu dever de combate ao crime, se o direito da auto-defesa fosse respeitado garantido, se os bandidos fossem punidos severamente e não existi-se essas benesses cretinas para mulheres de malandro, você acha mesmo que mulheres ainda iriam preferir bandidos? É óbvio que não.

            Mulheres são muito mais receptivas a novos comportamentos e muito mais curiosas ao “novo” do que os homens. Então se elas vêem a mídia inteira glamorizando o bizarro e o bandido elas vão começar a sentir atração por aquilo pois elas se atraem pelo mais forte e o que a mídia está dizendo é simplesmente isso “o bandido é o mais forte que o honesto”, “o bandido está na moda e o honesto está obsoleto”,”o cruel é o esperto e o bonzinho é o bobão”.Mais ou menos essa é a mensagem que o funk por exemplo passa.

            Antigamente a cultura ao contrário enaltecia o bom, o honesto, o trabalhador e o religioso. Por isso que elas se sentiam atraídas por eles afinal como eu disse antes mulheres se atraem pelos mais fortes e bandidos naquela época eram tratados como páreas e a escória da sociedade então ninguém queria ficar perto deles, muito menos as mulheres.

            Portanto as mulheres também estão sendo vítimas desse processo afinal elas também recebem essa lavagem cerebral 24 horas por dia da mídia. As mais fortes ainda conseguem resistir e preferem homens honestos mais a maioria que tem a cabecinha mais fraca acaba se entregando para bandidos mesmo que depois acabem pagando o preço e se fodendo na vida que é o destino da maioria delas.

            Essa é a total inversão de valores que vemos hoje e é claro foi algo feito de propósito para atingir certos fins como por exemplo a destruição da família facilitando assim o processo revolucionário.

      • Felipe Toget

        Hehehehe a ordem cultural? Meu jovem, o colega já falou ali acima. A falta de punição é o MAIOR motivador para a prática de crimes. Quaisquer deles, jovem.
        E outra: o Brasil foi muito mais pobre anteriormente, porém a proporção da pobreza é severamente maior hoje em dia. Antigamente a polícia trabalhava com relativa autonomia. Aí veio a Constituição socialista de 88, que deu ao MP (propositalmente) a competência para fiscalizar as polícias. A polícia, na sua essência, é o próprio Estado. Deveria ter autonomia, escolher seus diretores, comandantes etc. Isso que temos hoje se chama: cultura centralizadora de manipulação estatal. Bem dizer um sisteminha socialista prestes a comunizar tudo. Um país atolado em tributos, gerido por corruptos, onde o Estado se imiscui em quase todos os aspectos da vida do cidadão. Mais uma vez, propositalmente. E o povo? Só observando!

        • Rodrigo Taira

          Se a falta de punição é o MAIOR motivador, porque eu ou você não estamos cometendo crime (exceto, talvez, “crimidéia” – 1984 – George Orwell) agora ao invés de estarmos discutindo? Roubar seria financeiramente mais “produtivo” para nós, não é verdade?
          .
          Oras, a mesma lei que não pude quem comete crime violento não nos puniria caso também cometêssemos os mesmos crimes.
          .
          A diferença é que nós não fomos cooptado pela cultura/psicologia da criminalidade violenta que é endêmica, hoje, no Brasil. Temos valores morais que nos guia a fazer o que é justo e correto.
          .
          Antes que ache que sou contrário a punição já adianto que não é nada disso; pelo contrário. Acho que o endurecimento da pena, a redução da maioridade penal, garantias jurídicas para ação policial (excludente de ilicitude) e armas na mão do cidadão são ferramentas que ajudariam a reduzir a criminalidade.

          • Felipe Toget

            Se você não concorda com o que eu disse, então você está querendo dizer o quê, cidadão? Se a CERTEZA da punição não diminui proporcionalmente a taxa de criminalidade, então mostre-nos o que diminuiria! Num país onde uma prisão por porte ilegal de armas, muitas vezes, dura apenas 48h, você acredita que alguém vá se sentir dissuadido a não portá-la?
            Queria saber sua opinião!

          • Rodrigo Taira

            Meu Deus do céu, quanta burrice vejo mesmo entre as gentes aqui no MSM!!!
            .
            Vocês não percebe que ao dizer que o que MOTIVA o crime é a certeza de impunidade (ou a pobreza) vocês estão retirando do feitor (relativizando) a responsabilidade dos próprios atos e atribuindo ao estado (ou à economia) o poder divino da solução do problema? Qual problema com o pessoal que, teoricamente, deveria ser “de direita”?
            .
            É claro que o cara tem que ser punido pelo que faz, mas isso não explica a motivação por trás da ação. Muito menos quando o assunto é a BRUTALIDADE criminal (assunto principal da matéria). Novamente pergunto: se o problema do criminoso é a falta de dinheiro e o roubo é o meio que ele encontra para suprir essa falta, como então explicar a brutalidade criminal? Roubar ou mesmo furtar, já resolveria o problema do desgraçado, fosse esse o caso.
            .
            A ação criminosa é falta de virtudes e valores morais. Oras, não fosse assim, eu te pergunto: o que diabos está você fazendo que ainda não praticou um crime hoje? Vá em frente. Você não será punido! De duas uma: Ou você tem freios morais que o impede de fazer o que é errado, ou você é incoerente com o que você mesmo diz.

      • Albanez

        NE com maior crescimento economico das últimas décadas? Depois ter sido abandonada por quase 500 anos? Isso é suficiente para desenvolver uma região? Venha para cá (morar e não como turista) e voce verá como é desenvolvida. Sem falar que o crescimento dos homicídios se deu em ENORME parte pela vinda de facção criminosa do sudeste e que está promovendo guerra, tráfico, desordem, etc. Da forma como voce colocou parece que o nordeste está desenvolvido e aqui a a violencia é grande por causa da má índole das pessoas.

        • fbl

          Esse disputa regional pra ver quem não é o pai desse problema nacional chega a ser infantil. Mas se é pra ver as raízes do crime organizado mesmo, é preciso estudar suas origens e de onde vinham seus primeiros membros.

  • fbl

    O socialismo é realmente um desvio de caráter

  • Felipe Toget

    Eu quero é novidaaaaade! Isso já passou de ser considerado tolerância. Isso, agora, faz parte da cultura brasileira. Faz parte do discurso flutuante da esquerda e da direita canhota do Brasil. Um genocida conhecido nosso, um tal de Lenin, disse algo sobre a teoria da Vara.
    Eu espero que essa Vara se desprenda o mais rápido possível, porque, em 2018, o nosso sistema eleitoral já definiu nosso futuro presidente: qualquer um, menos Jair Bolsonaro será eleito.
    Anotem o que eu digo! Estamos, literalmente, fudidos!

  • Lia Bueno Moretti

    É nítido que o lado da lei e da lógica sempre será bombardeado. O que importa para a mídia, em grande parte doutrinada pela esquerda, é ir contra tudo o que faz sentido. Por que não se ouvem mais vozes como a sua para gritar sobre essa inversão é algo que não consigo entender.

  • graziele

    O direito do criminoso é não ter direitos,roubou,matou,estuprou,traficou é cadeia e ponto final…e a pena para tais crimes deveria ser de no minimo 50 anos de cadeia…eu disse no MINIMO….dependendo de como foi praticado tais atos prisão perpétua a pena de morte é altamente aceitável.

    • Albanez

      “Direitos humanos para humanos direitos.”

  • Inti

    Excelente texto. Faz parte das táticas da esquerda demonizar as forças policiais e militares, para que não haja apoio da sociedade e da população, enfraquecendo-as para que não possam interceder junto ao povo em situação revolucionária.

  • fbl

    E aí vemos a globo e a band transmistirem cada notícia da morte de um PM parecendo que narram uma gincana de sadismo. Vão contando um a um enquanto do outro lado dão voz a aberrações de seus comentaristas intelectuais defendendo desencarceramento, defendendo a manutenção da maioridade penal e outros alívios para a bandidagem. Muito fácil pra quem não está no campo de guerra, seja ao lado da lei, seja como morador ou passante. Vivendo nas ilhas de segurança e andando escoltado de carro blindado é mole ser intectualóide da esquerda caviar.

  • Luiz F Moran

    Uma sociedade prospera quando conserva suas tradições e valores desfrutando de uma liberdade vigiada por todos, com respeito à ordem e ao bom convívio. Num ambiente assim, a economia liberal é tida como uma consequência natural e age como uma espécie de motor desta prosperidade, criando as condições para o desenvolvimento das pessoas em todas as áreas do interesse humando: artes, música, filosofia, ciência, religião, dentre outras. É óbvio que num ambiente assim, sem impunidade, o crime não prospera.