1. Globalismo

Resultados de uma investigação: A conexão Soros-Islã-Obama

16 de outubro de 2016 - 20:27:18

Registros internos, divulgados pelo grupo de hackers DC Leaks, mostram que as OSF gastaram 40 milhões de dólares entre 2008 e 2010 em programas que visam enfraquecer a política de contra-terrorismo dos EUA.

farhanaA diretora executiva da Muslim Advocates (Defensores dos Muçulmanos), Farhana Khera (foto), desempenhou um papel fundamental na definição dos gastos das fundações. Um documento das OSF de 14 de setembro de 2010 discutindo a re-autorização de programas, mostra que Khera foi co-autora de um memorando de 2007 que “informava” a decisão da Diretoria de Programas para os EUA das fundações de criar a Campanha de Segurança Nacional e Direitos Humano (NSHRC da sigla em inglês).

Os objetivos da NSHRC incluíram:

• Fechamento de Guantánamo Bay, eliminando a tortura e métodos tais como a rendição extraordinária de prisioneiros (1) e o fim do uso de prisões secretas
• Fim do monitoramento sem mandado e vigilância “sem controle”
• Assegurar que as leis contra o terrorismo e as atividades da polícia não tenham como alvo a liberdade de expressão, associação ou expressão religiosa
• Redução da caracterização étnica e religiosa de pessoas muçulmanas, de origem árabe ou do Sul da Ásia
• Diminuição do sigilo e aumento da supervisão de ações executivas, e exposição do governo dos EUA ou particulares que abusem ou violem a lei.

Algumas dessas políticas, tais como fechamento de Guantanamo e o fim das técnicas avançadas de interrogatório, já foram também defendidas pela administração Obama. As OSF reivindicaram que seu trabalho lançou as bases para a implementação dessas políticas. Os vazamentos de Edward Snowden evidenciaram a profundidade da atividade de monitoramento sem mandado do governo. As outras metas são mais difíceis de avaliar.

A Muslim Advocates foi fundada em 2005 como um desdobramento da Associação Nacional de Advogados Muçulmanos. Frequentemente critica como discriminatórias as estratégias de contra-terrorismo dos EUA, que usam operações sigilosas e informantes.

Documentos divulgados pelo grupo anônimo de hackers DC Leaks mostram que as OSF orçaram 21 milhões para a NSHRC de 2008 a 2010. As OSF gastaram um adicional de 1,5 milhões de dólares em 2010. A NSHRC também recebeu uma contribuição correspondente a $ 20 milhões da Atlantic Philanthropies, uma fundação privada criada em 1982 pelo irlandês-americano Chuck Feeney empresário bilionário.

As OSF fizeram 105 doações, totalizando 20.052.784 dólares a 63 organizações no âmbito do programa da NSHRC. Um registro do Projeto  Investigativo sobre o Terrorismo mostra que a Muslim Advocates recebeu pelo menos 1,84 milhões em doações das OSF entre 2008 e 2015.

A mesa redonda de financiadores criada pelas OSF em 2008 ajudou a coordenar a realização de doações entre várias bases de esquerda, “a fim de “desmantelar o equivocado paradigma da guerra ao terror em que a política de segurança nacional está baseada agora.” Pelo menos “duas dúzias” de fundações participaram das sessões de estratégia da mesa redonda a partir do final de 2008.

Zuhdi Jasser, presidente do American Islamic Forum for Democracy (Fórum Americano Islâmico para a Democracia), chamou o programa de $ 40 milhões das fundações de Soros tanto de hipócrita como de irônico. Ele observou que o relatório Fear, Inc (“Medo, Inc.”) de 2011 do Centro para o Progresso Americano financiado pelas OSF  reclamava que sete fundações conservadoras doaram 42,6 milhões para os chamados “grupos de reflexão (think tanks) sobre a islamofobia entre 2001 e 2009.” O Conselho de Relações Islâmico-Americanas (CAIR) e outros grandes grupos islâmicos usam rotineiramente o valor do financiamento de 42,6 milhões para retratar seus adversários como peões de forças obscuras.

“É incrível que uma fundação tenha doado uma quantia que o CAIR e a [Muslim] Advocates dizem ser a enorme quantia de dinheiro que financia toda a campanha anti-jihad”, disse Jasser.”… Isso não foi de uma fundação. Foi uma soma do [dinheiro dado a] todo mundo que eles atiraram aos leões.”

Por outro lado, as OSF e a Atlantic Philanthropies gastaram 41,5 milhões em apenas três anos. As OSF dedicaram mais 26 milhões para o programa NSHRC de 2011 a 2014.

As OSF, adicionalmente, financiaram um estudo, realizado pela New America Foundation, igualando a ameaça terrorista representada por extremistas de direita à Al-Qaeda. Um 17 de outubro de 2011 memorando discutindo as doações para a NSHRC observa que a New America recebeu 250 mil dólares em parte por escrever dois relatórios. O primeiro visa a criação de um “’espaço seguro’ em que os muçulmanos na América sintam-se livres para manter diálogos políticos controversos, se organizar sem medo de vigilância injustificada do governo.” O segundo tinha como objetivo “corrigir crenças públicas equivocadas de que a marca de terrorismo da Al-Qaeda é exclusiva do Islã e que a maioria dos terroristas são muçulmanos.”

O documento prometia “mostrar como adeptos de cada ideologia extremista usa uma linguagem diferente para justificar meios políticos muito semelhantes e objetivos. Ao demonstrar paralelos entre grupos militantes, este trabalho terá como objetivo separar o terrorismo politicamente focado da religião do Islam.”

Os argumentos deste relatório continuam a colaborar na formulação de como os democratas e seus aliados falam sobre a ameaça jihadista. As estatísticas e argumentos da New America recentemente surgiram numa audiência da Câmara sobre a ameaça de terroristas islâmicos domésticos.

“De acordo com a New America Foundation, houve mais incidentes de ataques extremistas de direita nos Estados Unidos do que ataques jihadistas violentos desde 11/9. Eu não estou minimizando os ataques jihadistas. Nesse contexto, você pode explicar o que o seu escritório pretende fazer com relação ao extremismo doméstico de direita?”, perguntou o deputado Bill Pascrell, D-N.J., ao Diretor do Gabinete do Departamento de Segurança Interna de Parcerias Comunitárias, George Selim, feitas durante uma audiência de subcomissão da Câmara no mês passado.

O esforço da New America para confundir os extremistas de direita com a Al-Qaeda encobria uma grande diferença – ou seja, a dependência da al-Qaeda de ataques com vítimas em massa e ataques suicidas.

Os últimos dados da New America mostram que os jihadistas mataram mais pessoas desde 11/9 do que extremistas de direita.

“O que você descobriu é o fato… de que a fundação Soros trabalha para ofuscar a segurança nacional”, disse Jasser. “Muslim Advocates claramente é um excelente exemplo da forma doentia como Washington trata as reformas centrais necessárias a serem feitas dentro da Casa do Islã.

“Você verá que a fundação Soros está gastando dinheiro em organizações que negam os próprios princípios dos quais são defensores, que são o feminismo, direitos dos homossexuais, direitos individuais. Todo o empenho da Muslim Advocates é gasto para atacar o governo e bloquear todos os esforços no contraterrorismo “.

A Muslim Advocates também se opõe à discussão sobre a reforma no seio da comunidade muçulmana e apóia aqueles que têm tendências teocráticas, disse Jasser.

“Você tem provas aqui que a fundação Soros é parte integrante da razão para a asfixia de vozes de moderação – vozes reformistas – no Islam”, disse Jasser. “A Muslim Advocates (Defensores Muçulmanos) realmente deveria mudar seu nome para Islamic Advocates (Defensores Islâmicos), e o que a fundação Soros realmente está fazendo é apenas defendendo os islâmicos.”

As OSF também contribuíram com 150 mil em 2011 e 185 mil dólares em 2012 para um fundo de doações direcionadas administrado pela Rockefeller Philanthropy Advisors. Este usou esse dinheiro para pagar Hattaway Communications, uma empresa de consultoria dirigida pelo ex-assessor de Hillary Clinton, Doug Hattaway, para desenvolver uma estratégia de mensagens para defensores muçulmanos e organizações semelhantes. A estratégia de mensagens de Hattaway pintava os muçulmanos como vítimas das políticas de segurança nacional americanas.

Khera usou a estratégia de Hattaway para descrever a estratégia de monitoramento de mesquitas do Departamento de Polícia de New York como “discriminatória”.

“Seu único crime é o de serem muçulmanos na América”, escreveu Khera em 06 de junho de 2012 num artigo de opinião postado na CNN.com.

Os grupos financiados pelas OSF, incluindo a Muslim Advocates, a ACLU e o Centro de Direitos Constitucionais, entraram com ações judiciais questionando o programa de vigilância da NYPD como sendo inconstitucional. O Chefe do Departamento de Polícia William Bratton encerrou a política em 2014.

O NYPD monitorava quase todos os aspectos da vida muçulmana desde mesquitas a associações de estudantes, a açougues halal e restaurantes para cidadãos privados. Um tribunal distrital federal rejeitou a ação, mas o Terceiro Tribunal Itinerante de Apelações o reviveu em outubro de 2015. New York resolveu a ação em janeiro, colocando o NYPD sob a supervisão de um observador independente nomeado pela prefeitura.

Minimização da radicalização e da ameaça jihadista
As OSF acusaram os oponentes conservadores de “tomarem emprestado frequentemente de Joe McCarthy as táticas de culpa por associação.” Queixaram-se em um memorando de 14 de setembro de 2010 à sua Diretoria de Programas para os EUA que a “narrativa do terrorismo criada no país” resultou em ataques “discriminatórios” de muçulmanos pelo Departamento de Segurança Interna (DHS) e pelo FBI.

Khera, frequentemente expressa sentimentos semelhantes. Ela acusou o FBI de engajar-se em “operações de detenções” para atingir “inocentes” muçulmanos depois que o antigo procurador-geral Eric chamou as operações sigilosas de “ferramenta essencial para a polícia na detecção e prevenção de ataques terroristas.”

Khera da mesma forma caracterizou os materiais de treinamento da polícia para discussão da ideologia extremista islâmica como “preconceituosos, falsos e inflamatórios” em seu depoimento de 28 de junho perante o Subcomitê para Supervisão, Ação da Agência, Direitos Federais, Tribunais Federais do Comitê Judiciário do Senado.

Ela e sua organização desempenharam um papel central no final de 2011, quando grupos muçulmanos pediram ao governo Obama para expurgar materiais de treinamento do FBI que eles consideravam ofensivos. Os materiais de treinamento de contra-terrorismo sobre o Islã do FBI continham “declarações lamentavelmente mal informadas sobre o Islã e estereótipos preconceituosos sobre os muçulmanos”, ela queixou-se em uma carta de 15 de setembro de 2011. Ela se opunha a que o zakat (esmola obrigatória, um dos cinco pilares do Islã) fosse descrita como um “mecanismo de financiamento de combate.”

No entanto, numerosos comentadores muçulmanos descrevem o zakat como um mecanismo de financiamento para a jihad. Uma nota de rodapé para a Sura 9:60 encontrada em “O Significado do Sagrado Alcorão”, diz que o zakat pode ser usado para ajudar “aqueles que estão lutando e lutando pela causa de Allah através do ensino ou de luta ou de deveres que lhes são atribuídos pelo justo Imã, os quais estão, portanto, impossibilitados de ganhar a vida comum”.

A Assembleia de Juristas Muçulmanos na América emitiu uma fatwa de 2011 dizendo que o zakat poderia ser usado para “apoiar atividades legítimas da Jihad.”

Seguindo-se à carta de Khera, o então conselheiro para contra-terrorismo, John Brennan, da Casa Branca, anunciou uma revisão das “instruções relacionadas com a CVE (2) em todos os níveis de governo.” Esta avaliação resultou em uma remoção de 700 páginas de material de 300 apresentações. Isto incluiu PowerPoints e artigos que descrevem a jihad como “guerra santa” e retratam a Irmandade Muçulmana como grupo com inclinação para dominar o mundo.

O estatuto social da Irmandade Muçulmana descreve essas ambições finais e implicam a necessidade de violência: “A nação islâmica deve estar totalmente preparada para lutar contra os tiranos e os inimigos de Allah como um prelúdio para o estabelecimento de um estado islâmico.”

A influência de Khera na administração Obama
Khera goza de ligações estreitas com a Casa Branca de Obama. Registros de visitantes mostram que Khera foi à Casa Branca, pelo menos, 11 vezes.

Khera desempenhou um papel central para persuadir a administração Obama a purgar o Departamento de Segurança Interna de registros relacionados a indivíduos e grupos com laços terroristas, disse Phil Haney, ex-agente do Patrulhamento de Fronteiras (CPB) ao Projeto Investigativo do Terrorismo.

Seus superiores lhe ordenaram que “modificasse” 820 registros CPB TECS sobre a rede da Irmandade Muçulmana na América, disse Haney. Evidências irrefutáveis do julgamento de 2008 sobre o financiamento do Hamas pela Holy Land Foundation (HLF) provaram que muitos desses grupos e indivíduos ajudaram o Hamas, disse Haney.

O julgamento da HLF fundamentou as conexões profundas entre grupos islâmicos americanos, como a Sociedade Islâmica da América do Norte, do Conselho de Relações Islâmico-Americanas (CAIR) e uma rede de apoio ao Hamas criada pela Irmandade Muçulmana nos Estados Unidos.

Um documento de financiamento das OSF de 2009 reivindica crédito por ajudar a convencer a então secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano, a pedir uma revisão dos procedimentos de triagem de fronteira. Também revela que a Muslim Advocates trabalhou com “funcionários do Departamento de Segurança Interna (DHS) para desenvolver uma política revisada de fronteiras.”

O relatório da Muslim Advocates recomendava a “revisão e reforma de… [políticas e práticas que visam muçulmanos, árabes e sul-americanos asiáticos por suas atividades, crenças e associações protegidas pela Primeira Emenda e… Alfândega e Patrulha de Fronteira, e… atividades da polícia e da inteligência que impõem impactos prejudiciais sobre as comunidades muçulmanas, árabes e do sul da Ásia”. Também pedia que o DHS impedisse que agentes da CPB investigassem a partir crenças políticas, práticas religiosas, e contribuições para organizações “lícitas” de caridade.

A Muslim Advocates reivindicou um papel fundamental em fazer com que a Transportation Security Administration (TSA) revertesse uma nova política de 2010 de reforço da triagem em viajantes de 14 países, muitos deles predominantemente muçulmanos. O regulamento foi proposto após a tentativa do homem-bomba Umar Farouk Abdulmutallab de explodir um avião com destino a Detroit semanas antes.

A Muslim Advocates e vários beneficiários das OSF se reuniram com Napolitano e outros altos funcionários do DHS, e a política foi cancelada três meses depois. A Muslim Advocates afirmou que a administração Obama “fez menção especial” ao seu papel para reverter a política da TSA.

“Isto abriu caminho para o grande expurgo de 2011 e 2012”, disse Haney, recordando a carta de Brennan para Khera anunciando que os materiais dos quais ela se queixara seriam removidos.

Ao expurgo seguiu-se uma prática de reuniões com grupos islâmicos como parceiros da comunidade, disse Haney.

Além da remoção de material de treinamento, documentos relacionados com as pessoas e grupos com laços com o terrorismo, como líder canadense da Irmandade Muçulmana Jamal Badawi e o movimento Tablighi Jamaat com base no Paquistão, também desapareceram dos registros da CPB. (Tablighi Jamaat muitas vezes serve como condutor de recrutamento de facto para grupos como a Al-Qaeda e os talibãs.)

Os investigadores poderiam ter tido uma melhor chance de frustrar os massacres de San Bernardino e os tiroteios de junho em Orlando se os registros de Tablighi Jamaat tivessem permanecido disponíveis, disse Haney, porque as respectivas mesquitas dos atiradores apareceram no relatório apagado do caso Tablighi Jamaat de 2012.

A “recusa absoluta da administração de Obama de reconhecer que os indivíduos que estejam associados a redes que operam aqui nos Estados Unidos, e sua supressão deliberada de quaisquer peças de prova de informações no sistema, nos deixaram cegos e algemados”, disse Haney. “A prova disso é San Bernardino e Orlando.

“Eles obliteraram todo o caso [Tablighi Jamaat], como se nunca tivesse existido.”

As afirmações de Haney foram recebidas com algum ceticismo. Haney mantém suas afirmações e diz que os críticos “cometeram um monte de erros factuais”.

Ainda assim, o sucesso da Muslim Advocates em reverter a política da TSA estava entre as realizações mostrando que a MA “provou ser uma defensora eficaz no cenário nacional”, disse um documento das OSF de 25 de abril de 2011. Esta recomendou renovar uma doação de 440 mil dólares para “apoiar os principais custos operacionais da Muslim Advocates.”

Ao fazê-lo, as OSF financiadas por Soros enfraqueceram a segurança nacional dos EUA e, potencialmente, deixou-a vulnerável aos ataques jihadistas que temos assistido no país desde o atentado a bomba da Maratona de Boston de 2013.


Notas do tradutor
:
(1) As rendições extraordinárias consistem basicamente na prisão de terroristas em território estrangeiro por forças-tarefas americanas ou por agentes do Estado nacional onde eles se encontram, havendo em seguida a sua entrega aos agentes americanos.

(2) CVE – Lista de vulnerabilidades de segurança de informação e exposições do Departamento de Segurança Interna dos EUA, que visa fornecer nomes comuns para problemas conhecidos publicamente de segurança cibernética.

Tradução: William Uchoa

Publicado no site do IPT.

Divulgação: Papéis Avulsoshttp://heitordepaola.com