1. Spaccadas
  2. Humor

O ritmo moroso da Justiça

18 de maio de 2017 - 8:32:41

  • Ezequiel Martinez

    Comecei a ler, por curiosidade, livros do Rajnesh, aos 13 anos. Depois de mais de dez anos, horas o achando um gênio, horas sofrendo da “síndrome do piu-piu”, percebendo que era um plágio de jiddu krishnamurti. E que formava uma colcha de retalhos com Gurdjeff, Sufismo, induismo, budismo e até cristianismo “reinterpretado”. Deixei de ler quando já era tarde e já tinha me feito mal. Hoje em dia tenho noção do que significou esses movimentos e suas reais intenções.E apesar de não ter participado de nenhuma seita, fiz o trabalho de destruição de personalidade “auto didaticamente ” no silêncio do meu quarto.
    A minha pergunta para o professor Olavo, que não é meu professor mas ainda pretendo ser seu aluno, é sobre a filosofia do krishnamurti. É puro experimento de religião globalista ou existe alguma
    sinceridade no que ele falava? Já imagino a primeira opção, já que foi criação da Blavatsky.
    Nunca ouvi o professor falar sobre essa pessoa, se pudesse, seria no mínimo interessante pra mim.

  • Ezequiel Martinez

    Gostaria de saber o que o professor pensa sobre a filosofia de Jiddu Krishnamurti. Foi mais um experimento de religião globalista ou existe alguma sinceridade ali?
    Apesar de ter, supostamente, rompido com o plano inicial, foi criação da madame Blavatsky.