1. China
  2. Comunismo
  3. Destaques
  4. Globalismo
  5. Internacional
  6. Movimento Revolucionário
  7. Rússia

A estratégia econômica da China e as relações da Rússia com os partidos eurocéticos

29 de novembro de 2017 - 5:09:07

Heitor De Paola reflete sobre o amadorismo reinante quando o assunto é a China, as confusões de Marx sobre o quis descrever como “modo de produção asiático” e as comprovadas falsificações presentes em sua obra.

Destacando a grande vocação que o povo chinês tem para o comércio, Heitor de Paola explica porque os comunistas chineses chamaram o teórico economista liberal Milton Friedman para resolver o problema da inflação no país, e o que de fato se pode descrever como a falsa “abertura” da economia chinesa, que agora, sob Xi Jinping, dá os primeiros sinais de seu fim, após a conquista da tecnologia ocidental.

O analista político dá seu parecer sobre a influência russa em partidos europeus, alertando: “Nenhum partido eurocético conseguirá dinheiro da União Européia”, “a Rússia tem a torneira (do gás) do qual dependa a Europa”, e “o poder da KGB continua intacto”.

Ouça também outras das últimas edições do programa de Heitor de Paola na Rádio Vox, “O Outro Lado da Notícia”:

http://www.heitordepaola.com/
http://radiovox.org/

 

  • James Masi

    O Ocidente não precisa se preocupar. Como o comunismo não cria nada, por não estimular a ambição das pessoas, assim que se fecharem, os chineses vão parar no tempo e ficarão obsoletos. Ou terão que se manter abertos, e talvez cada vez mais abertos, ou então terão que abandonar a lógica comunista. Este gato vai acabar se dando “mal”, meu palpite. Entre aspas porque não vejo alternativa para eles a não ser não se fecharem.

    • Osvaldo Pereira Júnior

      Essa sua estratégia poderia até funcionar se no ocidente hoje ainda existi-se a verdadeira liberdade de mercado.

      Como no ocidente os governos estão cada vez mais se metendo na atividade privada e cada vez mais controlando a economia, os chineses quando aqui chegam, não vêem um ambiente muito diferente do que eles já estão acostumados.

      No Brasil por exemplo, o governo se mete mais na atividade privada do que o próprio partido comunista chinês. O tempo para se abrir uma empresa no Brasil é maior do que na China para você ter uma ideia.

      A ameaça não é a China, a ameaça maior e real para o ocidente é os próprios governos ocidentais.

      Um ocidente livre e com valores morais é simplesmente imbatível. O problema é que nós já não temos nenhuma das duas coisas a algum tempo.

    • Daniel De Paula

      Duvido muito. O que pode derrubar a China é uma eventual bolha de ativos. Nunca ouviu falar daquele Nada se cria, tudo se copia? E no caso deles, copiam barato ainda.