1. Brasil
  2. Destaques
  3. Media Watch
  4. Outros

Flávia Tavares, uma criminosa – Olavo comenta entrevista à Época

16 de outubro de 2017 - 19:18:41

Na matéria da Flávia Tavares, não há uma linha sequer que se aproveite, exceto como prova de crime de calúnia e difamação.

*

O problema da Flávia Tavares não é ser “esquerdista”. É ser simplesmente uma criminosa.

*

Não se deve jogar pérolas aos porcos, mas também não é certo julgar que alguém seja um porco antes de jogar-lhe umas perolinhas de amostra para ver o que faz com elas. A franqueza e a boa-vontade são um teste infalível: Diante delas, o porco, sentindo-se seguro, acaba se revelando irresistivelmente. Comparem a conversa gravada e a matéria escrita e terão uma idéia da abjeção sem fim em que esta senhora se deleita na prática daquilo que chama de “jornalismo”:

*

Flávia Tavares, da “Época”, é uma dessas pessoas que se acreditam honestas porque não têm a menor idéia do que seja honestidade.

*

Não vejo motivo para fugir de dar entrevistas a repórteres desonestos. Elas são uma excelente ocasião de DEMONSTRAR, com exemplos concretos baseados na experiência pessoal, o que digo da mídia corrupta.

*

Comentário do cartunista João Spacca:
REVISTA ÉPORCA ENTREVISTA OLAVO DE CARVALHO E FAZ PERFIL DE SI MESMA
O Dia dos Professores, que foi ontem, é a minha deixa para defender o meu contra uma aula de anti-jornalismo amador e calunioso perpetrado pela Suinews da Editora Goebbels.
Parabéns, ÉPORCA, ganhou da InVeja!

*

Trato essas pessoas conforme o lema que adotei, desde há décadas, na minha homepage: “Diga o que quer e ouça o que não quer.”

*

Não é por nada não, mas, comparada com a Flávia Tavares, a Isabel Fleck da Fôia é Madre Teresa de Calcutá.

*

1) São pensamentos em sua maioria descolados dos fatos.
2) Olavo esposou ideias divorciadas dos fatos.
3) Estudioso erudito que acredita em teorias, digamos, excêntricas e as dissemina, ao menos nas redes, sem nenhuma preocupação com fatos que as alicercem.

TRÊS VEZES a Flávia Tavares repete, como um mantra, a opinião de que minhas idéias são divorciadas dos fatos – mas não cita UM ÚNICO FATO que desminta alguma delas.

*

“Personalidades como o apresentador Danilo Gentili se declaram SEU FÃ.”

Flávia Tavares é obviamente semi-analfabeta.

*

Na entrevista gravada que fez comigo, Flávia Tavares confessa que a geração dela (a qual obviamente a inclui) me enxerga por um filtro de lugares-comuns, cacoetes e preconceitos. Ao redigir a matéria segundo esse mesmo filtro, sem questioná-lo, antes copiando-o como se fosse o retrato fiel da minha pessoa e do meu pensamento, ela demonstrou sua completa má-fé, o intuito criminoso que a moveu em cada passo do seu — digamos — trabalho.

*

Ao reproduzir a acusação da minha filha Heloísa, de que fiz a seus irmãos uma ameaça a mão armada, sem mencionar nem de longe o fato de que as próprias vítimas alegadas desmentiram com veemência que o crime houvesse acontecido, Flávia Tavares subscreve a acusação falsa e torna-se, automaticamente, ré de crime de calúnia.

*

Prometendo separar cuidadosamente os meus alunos constantes e sérios do público mais periférico que adere esporadicamente a uma idéia ou outra encontrada nos meus posts do Facebook, o que fez a engraçadinha? Fez uma entrevista de duas horas com o Filipe G. Martins, um dos meus alunos mais representativos, aproveitou dela somente uma piadinha, aliás alterando-lhe o sentido, e retratou como meu “seguidor extremo” um cidadão que não conheço, que nunca foi meu aluno e que não é SEQUER MEU SEGUIDOR NO SENTIDO FACEBOOKIANO DO TERMO.

*

“Olavo cita fontes proficua­mente, mas fontes que elucubram tanto quanto ele, que se baseiam tão somente no plano das ideias.”

É óbvio que essa mulherzinha não consultou UMA FONTE SEQUER dentre aquelas que cito.

Dizer que livros como o Daniel Estulin sobre o Grupo Bilderberg, o do Carrol Quigley sobre o establishment anglo-americano, o do Trevor Loudon sobre os comunistas em Washington, o do G. Edward Griffin sobre a ONU, as memórias de André Gide, o da Judith Riesman sobre Alfred Kinsey ou qualquer outro similar “se baseiam tão somente no plano das ideias” é prova cabal de que não os leu e não conhece nem os nomes dos autores.
É tudo BLEFE, da primeira à última linha.

*

Quando digo que a luta da intelectualidade esquerdista em prol da pedofilia vem de longe, a vagabunda não pede fontes e já sai grasnando que elas não existem ou “só elucubram”. Seria, de fato, excesso de credulidade esperar que essa caricatura grotesca de jornalista buscasse o jornal “Libération” de 5 de novembro de 1977, que defende abertamente a prática da pedofilia, ou o de 20 de junho 1981, onde um pedófilo se deleita na descrição das suas experiências com uma menininha de cinco anos. Ou o “Charlie Hebdo” de 1977 que, assumindo a defesa de três pedófilos presos, celebra o “céu de coxas tenras” que se abre ante o adulto pervertido quando contempla uma menor de idade nua. Ou o artigo em que o célebre líder de maio de 1968, Daniel Cohn-Bendit, confessa abertamente: “Quando uma menininha de cinco anos despe o nosso corpo, é fantástico, é um jogo absolutamente erótico-maníaco”.

E assim por diante. As fontes são inumeráveis, mas essa canalha abjeta não precisa delas.
Empina o narizinho e proclama que quem ignora os fatos sou eu.

*

A dona, metida a traçar o meu itinerário biográfico com ares de quem sabe tudo a respeito, ignora até a mais elementar cronologia. A partir de 2005, diz ela, “o filósofo foi cedendo cada vez mais espaço ao conservador”. Isso é a exata inversão da realidade. O período que se segue a 2005 é aquele em que publiquei “A Dialética Simbólica” (2006), “Maquiavel ou A Confusão Demoníaca”, (2011), “A Filosofia e Seu Inverso” (2012), e “Visões de Descartes” (2013), além dos volumes finais da “Historia Essencial da Filosofia” (2006), do debate com o Prof. Duguin (2012) e de ensaios sobre Mário Ferreira dos Santos e René Guénon, saídos respectivamente nas revistas “Dicta & Contradicta” e “Versus” – mais textos de filosofia do que publiquei em qualquer outra época. Sem contar que foi em 2009 que iniciei o mais ambicioso projeto filosófico da minha vida, o “Curso Online de Filosofia”. Obviamente, a minha pretensa biógrafa não leu nem sequer o meu “curriculum vitae”. Essa mulher não é repórter, não é jornalista, é apenas uma fofoqueira chinfrim cuja presença no jornalismo é uma desonra para a profissão.

*

Nem estranho que, nessa caricatura de perfil biográfico, a mulherzinha não cite NEM UMA SÓ idéia filosófica exposta nos meus livros e cursos. É claro: ela nem leu os primeiros nem frequentou os segundos. Não é preciso dizer que não leu também NENHUM dos autores que me influenciaram e que ela não tem a menor idéia de quem sejam.

*

Nem políticos petistas, psolistas ou pecedobistas tiveram a suprema sem-vergonhice de tentar tirar proveito das historinhas caluniosas postas em circulação pela aliança dos Veadascos com a minha filha Heloísa. A Flávia Tavares é que catou e lambeu com gosto o que todos jogaram no lixo.

*

Graças a pessoas como Flávia Tavares, cada órgão brasileiro de mídia tornou-se um “house organ” da própria redação, lendo o qual os coleguinhas tocam punheta no banheiro enquanto os leitores os ignoram solenemente.

*

Os repórteres brasileiros deveriam ter a sua presença rechaçada aonde quer que fossem — espetáculos, jogos, comícios, comemorações, o diabo. Para que presenciar os acontecimentos, se é para escrever só a merda que já trazem pronta na cabeça antecipadamente?

*

Uma das frases mais reveladoras na matéria da Flávia Tavares é aquela em que, tentando explicar a força atrativa do meu estilo de escrever e falar, ela arrisca a hipótese: “Talvez sejam as tais técnicas de lavagem cerebral aprendidas com a neurolinguística”.

Nessas poucas palavras condensa-se aquela mistura de ignorância abissal e malícia peçonhenta que constitui toda a fórmula mental dessa criatura.

A ignorância, em primeiro lugar. Aprender “lavagem cerebral com a neurolingüística” é um “flatus vocis”, uma expressão totalmente desprovida de significado. Designa uma impossibilidade pura e simples.

A lavagem cerebral, como o sabe qualquer estudioso da matéria, é um conjunto de procedimentos cruéis, assustadores e traumáticos destinados a destruir, na vítima, o respeito por si mesma e o senso da identidade pessoal, substituindo a personalidade existente por uma construção artificial duradoura, imposta de fora por um instrutor.

A técnica empregada para isso é de tipo integralmente behaviorista, fundada na visão redutiva do ser humano como um mero sistema de reflexos condicionados, não diferente, em substância, de um coelho ou de um cachorro.
Originada nos estudos do psicólogo russo Ivan Pavlov, a lavagem cerebral foi abundantemente usada por psicólogos chineses e norte-vietnamitas em soldados americanos, e posteriormente aperfeiçoada, com o nome de “mind control”, pelo programa da CIA que se celebrizou com o nome de MK-Ultra e acabou sendo proibido pelo Congresso americano.

A programação neurolingüística, em contrapartida, é uma técnica sutil de comunicação gestual criada pelo psicólogo americano Milton Erickson para o tratamento de doentes psicóticos inacessíveis à comunicação verbal. Em essência, consiste em criar um diálogo mudo por baixo do fluxo de palavras, dando a estas um poder sugestivo incomparavelmente maior do que têm numa conversação normal. Erickson obteve grandes sucessos terapêuticos com o uso dessa técnica, que depois passou a ser usada por equipes de vendedores e publicitários para várias finalidades comerciais e políticas, muitas delas não muito honestas mas nenhuma violenta ou traumática.

Em determinadas seitas pseudo-religiosas, a programação neurolínguística chegou a ser usada como isca inicial para predispor os discípulos a submeter-se a autênticos procedimentos de lavagem cerebral, que implicavam privação de sono e alimentos, isolamento forçado em algum “ashram” ou colônia, ruptura dos laços familiares e prática de exercícios físicos e psicológicos extenuantes, alcançando-se com isso mutações de personalidade comparáveis às obtidas nos campos de prisioneiros da China e do Vietnã – tudo isso, é claro, totalmente alheio à comunicação ericksoniana.

Em todos os casos, os dois procedimentos técnicos permanecem distintos e separados. Fazer ou aprender lavagem cerebral com a programação neurolínguística equivale mais ou menos a aprender alpinismo com uma batadeira de bolo ou a pescar tubarões com uma cola de bastão.

A expressão usada pela dona revela total ignorância do assunto.

Mas a ignorância em nada de opõe à malícia, e com freqüência uma linguagem inadequada ou desprovida de sentido é um instrumento perfeito para a prática da intriga, da difamação e da calúnia.

Justamente aos ouvidos de um público que ignora o sentido científico e objetivo das expressões, os termos “lavagem cerebral” e “programação neurolinguística” evocam a idéia nebulosa de procedimentos vagamente sinistros cuja própria indistinção faz da sua soma a imagem sugestiva de um paroxismo de crueldade psicológica, dominação mental tirânica e desrespeito à integridade humana, sem que esse público tenha a menor idéia de que a imagem que assim o assombra e hororriza é a de um fenômeno que não existe nem pode existir.

Muito menos o leitor ludibriado perceberá que, se é impossível obter de uma dessas técnicas os resultados da outra, ou mais ainda aprender uma por meio da outra, mais impossível ainda seria aplicá-las juntas, à distância, sobre uma platéia invisível de milhares de pessoas – o que é precisamente o poder supra-humano que a senhorita calhorda tenta me atribuir por meio de uma linguagem em se mesclam e se fundem, isto sim, a estupidez e a malícia.

*

É assim que se dão às virtudes literárias de um escritor, tão louvadas por autores do porte de um Herberto Sales, de um Jorge Amado, de um Josué Montello, de um Carlos Heitor Cony, de um Bruno Tolentino e tantos outros, os ares de um crime hediondo.

*

A Flávia Tavares diz que tenho obsessão com cus. Se pessoas como ela parassem de me mostrar os conteúdos do seu espírito, talvez eu me curasse.

*

Não é por nada não, muiezinha, mas obsessão com cu é a puta que a pariu. Sou eu que dou ao meu cu as dimensões de um valor civilizacional superior a tradições milenares? Sou eu que acho o meu cu grande o bastante para conter a imagem do próprio Cristo crucificado? Sou eu que recebo dinheiro público para brincar de dedo no cu? Sou eu que enfio velas acesas no meu cu para mostrar o meu ardor revolucionário? Sou eu que idolatro os cus ao ponto de gravar nas hóstias o seu nome sacrossanto?

*

Link para o texto de Flávia Tavares:

http://epoca.globo.com/sociedade/noticia/2017/10/olavo-de-carvalho-o-guru-da-direita-que-rejeita-o-que-dizem-seus-fas.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=post

Cópia:
https://archive.is/J1Sit

 

 

  • Gdo Camolezi

    Professor olavo destrói , kcta , se eu fosse essa mulherzinha pedia pra sair kkkkk
    Parabéns Olavo pelo seu trabalho em nos ensinar mtas coisas nesse mar de imundice de Paulo freire e companhia.

  • Newton (ArkAngel)

    Quando penso que a imprensa já chegou ao fundo do poço, eis que surge alguém vindo de mais fundo ainda do que o próprio inferno.
    O pior é que nem adianta xingar e ficar indignado, na mente desses boçais isso seria como uma prova de que “a imprensa tem razão, tocamos no ponto fraco dele”. Disputam sozinhos o Grand Prix da estupidez e ainda conseguem chegar em segundo lugar.

  • Elton Lennon de Souza Zub

    Mas que mulherzinha capciosa. Ser humano desgraçado.

  • Júnior Souza

    A esquerda, que sempre dominou a retórica e os meios de comunicação, agora tá perdida e desesperada.
    O jornalista deveria ser imparcial ao dar uma notícia. E na hora de dar sua opinião, aí sim, ele toma partido. Sem dó nem receio de magoar. Na prática todos ficam posando de isentões mas distorcem tudo.
    Isso ė no mínimo, falta de ética.

  • Jorge Dal Salve Moro

    Uma sugestão, professor:- Contrate o Danilo Gentilli como seu assessor de imprensa… rsrsrs

  • marcelo almeida

    Essa mulher pode ser absolutamente inconsciente e leprosa do ponto de vista de sua desonestidade, mas inocente ela não é.
    Não é inocente por que ela escolheu rejeitar a verdade dos fatos, cuspindo na sua profissão e na ingenuidade dos seus leitores.

  • marcelo almeida

    Olavinho, quando você fala muito palavrão você acaba por prestar um desserviço à causa que tão nobremente defende e seus inimigos ficam dando gargalhadas.
    Quando você apenas expõe publicamente a cretinice e a fraude ideológica deles, aí sim; você arrebenta com todos eles…

  • Luiz Adams

    Não é necessário ser terapeuta para notar que ela implora por aceitação e elogios já na abertura da entrevista. Não satisfeita em receber elogios apenas por sua voz, força a barra para ser elogiada também pela aparência física. Consumada a entrevista, voltou a implorar por aceitação de seus pares na redação da revista publicada pela #GloboLixo.

  • tabajara_music

    A surra que ela tomou no próprio site onde publicaram a “entrevista” foi inominável…

    • Rafael

      que surra? Manda o link pra eu ver.

      • tabajara_music

        É esse link da Época que está no fim da matéria.

        • Rafael

          não tem comentário nenhum lá.
          A matéria não tem comentários habilitados.
          Fiquei curioso pra ver os comentários q vc falou…

          • tabajara_music

            Só consegui ver na versão da página para pc.

  • Luiz F Moran

    Dar a entrevista, gravá-la, compará-la com a publicação, constatar o crime de falsidade, desmascarar o(a) jornalista e depois entrar com um processo crime.
    Nada como uma boa lei na fuça de um criminoso.

    • Osvaldo Pereira Júnior

      Fiquei sabendo na Radio Vox que o Soros vai partir com força total na guerra cultural o ano que vem doando 18 bilhões para a Open Society e outras ONG`s ao redor do mundo.

      Eles estão percebendo que está surgindo uma fora conservadora no mundo e precisam fazer algo.

      • Cláudio Sousa

        Só um detalhe: Até agora eu ainda não vi nenhuma ligação dos eurasianos com a promoção dessa política da promiscuidade generalizada como a tal “ideologia de gênero”, pedofilia, etc. Isso é coisa dos globalistas fabianos, que são adversários deles e, infelizmente, estão muito melhor representados no Brasil do que quaisquer outros grupos.
        Cuidado para não generalizar. Tem muita gente na esquerda clássica anti-gramscista e também entre os eurasianos que também é contra tudo isso e gostaria de ajudar vocês em muitos pontos de convergência.

      • Carlos Granja

        show, to dentro!!!

  • KC7reality .

    Provavelmente essa ‘jornalista’ não fez isso sozinha, tem que ser expostos também os covardes que não põe a cara, e tramam contra os outros pelas costas.

  • Ricardo

    Olavo 2018!

  • Adelson

    Quem quiser entender o que está por trás da Globo e das grandes corporações, leia o artigo do economista Alan Ghani (mestre e doutor em finanças pela USP), com título: “Por que George Soros financia movimentos de esquerda? Entenda” …
    http://www.infomoney.com.br/blogs/economia-e-politica/economia-e-politica-direto-ao-ponto/post/5476997/por-que-george-soros-financia-movimentos-esquerda-entenda

  • Vilma Quintela

    Exemplo perfeito de como funciona o método maquiavélico segundo Alinsky. O texto da reportagem é nauseante. O que mais indigna é a criatura chamar de reportagem jornalística um texto descaradamente panfletário, puro comentário opinativo sem nenhuma fundamentação em fatos ou em depoimentos minimamente confiáveis… É um triste exemplo da total decadência da grande mídia no Brasil. Um acinte.

  • Phillip Garrard

    Foi tolice ter acreditado que essa moleca levaria a serio essa entrevista. Obviamente, ela fez a carinha de virgem para enganar o professor Olavo, que boa pessoa que e, acreditou na pose da mentirosa compulsiva.

  • Desativaram os comentários por lá.
    A imprensa brasileira esqueceu que o brasileiro – mesmo os mais simples entre a população brasileira, cansou de ser guiada como um ventríloquo e questiona tudo o que lê. A Flávia Tavares demonstrou ter ido além de seu dever profissional.
    Por este motivo que o Brasil está mal – é enganado o tempo todo, e se deixa enganar pelos ditos “jornalistas”, que nada mais são que condutores de boi.

  • Silvio Pinheiro

    Qualquer ser humano minimamente decente que ler essa matéria e vir a entrevista na íntegra certamente ficará enojado com a enorme canalhice dessa jornalista. You are fake news!

  • G. Indep

    “Não se deve jogar pérolas aos porcos”… Desconfio de quem acha que suas próprias palavras são “pérolas”.

  • Emerson

    A Época deveria ter vergonha de uma jornalista dessas.Se eu fosse assinante dessa revista, depois de ver tanta incoerência, burrice e tendenciosidade, eu cancelaria na hora a assinatura, pq não há como acreditar nas matérias depois disso. Eu vi o vídeo completo e a “matéria” dela e é no mínimo deprimente. Pra comentar só sobre a pedofilia, eu já tinha visto uma matéria sobre isso há um certo tempo. E na semana passada teve outra matéria sobre isso que até rodou no facebook (não lí), mas sei que em alguns países baixos existem movimentos e associações que defendem a pedofilia de forma aberta. Qualquer leitor é capaz de encontrar fatos só pela internet. Basta dar um google e procurar “movimentos pedófilos” ou coisas do gênero para aparecer pelo menos umas 30 associações e movimentos pró-pedofilia no mundo. E ela fala como se fosse delírio de Olavo de Carvalho. Só esse fato já tira qualquer credibilidade dessa mulher que se intitula “jornalista”.

  • ABC

    Não li, não vi, não verei e não lerei…mas já percebi que essa entrevistadora é uma cocoróca profissional e que, assim, deva ela também ser reputada !

  • Elias Machado

    Tenho um dom: O de perceber certos tipos. Essa jornalista, desde o início da entrevista, mostrou uma espécie de cinismo tímido. escorregadia e venenosa. ela sabe que é peçonhenta, mas não conseguir livrar-se do veneno, tão natural nem sua psique, quanto seu DNA em seu corpo.. Equivale ao invejoso, em que muitos, até sentem-se desconfortáveis com e neurose, mas que preferem a desgraça alheia à sentimentos nobres de felicidade com o sucesso dos outros. Deve ser uma sensação estranha conviver com a inveja ou perversão.Pior, é quando não deseja mudança comportamental. É algo parecido com os “possuídos por drogas”: em que uns, sabem do mal e lutam, mas o vício é maior. Outros, acho que é o caso dessa jornalista, ao menos tenta. Tem consciência do veneno, sabe que faz mal e elá própria, mas não não consegue, tampouco, deseja liberar o tal veneno, que infesta e cola em seu espírito tal qual o DNA forma a pessoa..

  • Henrique Ferreira

    Flávia sifu…, o véio não vai deixar barato, ele tem a prova do crime. Flávia vai ter que fazer uma reciclagem no SEBRAE.

  • Danilo Dalla Vecchia

    Essa jornalista usa máscara de sanidade , porém não passa de uma psicopata com analfabetismo funcional , e ainda nivela por baixo a sua geração como se todos fossem burros como ela !

  • Laís Arias

    Analisando tudo junto, a conclusão é esta:

    Flávia Tavares = mau-caráter = que ou quem tem um caráter mau; que ou quem é capaz de atos traiçoeiros; que ou quem não é pessoa confiável.

    Desnecessário aprofundar.

    • Alan

      Apoiada !

  • Alan

    Muito bom o que o professor fez ! Gravar a entrevista e desmascarar uma pessoa com más intenções. Coisa similar que o jornalista da “Fôia” fez com o Gentili…. Temos que usar todos os recursos para desmascarar essa gente e dar clareza a tudo que é pronunciado, uma vez que não podemos confiar na “mídia” Gramsciana !

  • Fabio Reis

    Olavo arrebentou, como sempre.

  • Roberto Felippe Santiago

    “Mas a ignorância em nada de opõe à malícia,…” Exultai, ó inimigos declarados do Olavo de Carvalho! Ele cometeu um mísero errinho neste texto todo!!! Escreveu “em nada DE opõe à malícia”! Acusai-o sem dó!!! 😛 (kkkkkk)

    • Roberto Felippe Santiago

      Agora, falando sério, se essa pseudo-jornalista tivesse a humildade de ler este texto sem ficar bravinha e revoltadinha, nem sentir-se injustiçadinha, teria uma oportunidade de ouro de repensar seus conceitos, e como ela vem tratando as informações repassadas por seus entrevistados, e as notícias que escreve.