1. Estados Unidos

Um país dividido

10 de abril de 2010 - 13:46:55

É fato que na era obâmica, os EUA estão mais divididos do que nunca. De um lado, o pessoal de esquerda quer cada vez mais controle estatal sobre saúde, economia, direitos individuais. Também querem casamento gay, aborto ilimitado, imigração ilimitada, luta contra aquecimento global e divisão equitativa das riquezas entre todos os membros a sociedade. Do outro lado, os conservadores tradicionais que desejam um estado menor e fiscalmente responsável, com menos poder. Não querem forçar casamento gay, aborto e nem “justiça social”, e acreditam que o “aquecimento global” seja uma mera trapaça para conseguir dinheiro e poder. Como separar esses dois grupos, que pouco ou nada tem a ver um com o outro, que não parecem se ver mais como concidadãos? O autor da idéia propõe um divórcio. Conservadores de um lado, progressistas do outro. Cada um com seu país. A idéia é divertida, e, em princípio, lógica. Os conservadores poderiam viver em seu mundinho de sociedade tradicional e estado mínimo, e os progressistas se livrariam desses capitalistas cristãos, caretas, atrasados, chatos e racistas, podendo perseguir suas utopias apenas entre pessoas de mesma índole. (Os libertários poderiam escolher em qual dos dois paises ficar). A divisão, que na mente de um esquerdista mais exaltado incluiria até mesmo o Canadá, seria assim:

jesuslandmap

A idéia poderia ser adaptada a vários outros países. Por que não separar o Brasil de Direita do Brasil de Esquerda, por exemplo? Petistas para um lado, o resto do outro. O problema é que a idéia, fascinante na teoria, jamais funcionaria na prática. Em primeiro lugar, a esquerda é universalista e totalitária. Enquanto os conservadores ficariam felizes de poderem se livrar dos progressistas e viver a seu modo sem interferências,
os esquerdistas têm a necessidade de impor o seu modelo a todos,
por bem ou por mal. Não lhes basta o isolamento entre seus semelhantes, como os
amish: querem forçar os cristãos a aceitar o casamento gay, obrigar as minorias a lutar contra o racismo, exigir aos recalcados conservadores a aceitação dos direitos dos transexuais, e assim por diante. Seu projeto transformador não exclui ninguém. (Para sermos justos, devemos observar que também os conservadores pretendem em alguns casos impor normas de comportamento aos esquerdistas, como proibir o consumo de maconha, ou impedir desagravos à religião, e isso é vivenciado pelos progressistas como uma tirania; mas, ainda assim, raramente os conservadores impõe idéias radicais de transformação social.) Mas é claro que o principal problema é outro. Embora os demonize constantemente,
a esquerda precisa dos conservadores — ou ao menos dos seus impostos. Sem o dinheiro dos conservadores, a esquerda não consegue fazer “redistribuição de renda” nem nenhum de seus projetos megalomaníacos de transformação social. Assim, se a separação física e demográfica de fato ocorresse, poderíamos antecipar um de dois prováveis resultados: um, o fracasso econômico e posterior conflito social no País de Esquerda, que devido às idéias econômicas de jerico e ao gasto exorbitante de dinheiro público, em poucos anos entraria em colapso. Milhões de refugiados emigrariam para o País de Direita, e o ciclo se repetiria. Ou, então, dois: o ditador esquerdista – esquerda, cedo ou tarde, sempre termina em ditadura – poderia tentar invadir o País de Direita para saquear seus recursos, ou sabotá-lo internamente. Assim sendo, parece claro que tal divisão física é impossível. O problema é que, cada vez mais, tampouco parece possível que Esquerda e Direita, conservadores e progressistas, cheguem a um consenso sobre o rumo a seguir. Como um casal que se odeia mas é obrigado a conviver, conservadores e progressistas deverão continuar sob o mesmo teto. Ao menos até que a casa caia.

divorce-sml

Red State, Blue State.

http://www.blogdomrx.blogspot.com/ {slide=Artigos Relacionados}{loadposition insidecontent}{/slide} {slide=Artigos do Mesmo Autor}{loadposition insidecontent2}{/slide}