1. Estados Unidos
  2. Internacional
  3. Media Watch

EUA: Nem políticos, nem a retórica. O atirador é o culpado!

19 de junho de 2017 - 18:36:03

Quando a deputada Gabrielle Giffords foi baleada e seriamente ferida no lado de fora de um supermercado em seu distrito no Arizona há seis anos, alguns esquerdistas apontaram do dedo acusador para os conservadores. O que aconteceu teria sido por causa de nossa retórica histriônica contra o presidente Obama e seu partido. Foi porque Sarah Palin fez um mapa com alvos em alguns distritos eleitorais (http://www.cbsnews.com/news/sarah-palin-criticized-over-gabrielle-giffords-presence-on-target-list ). E foi por causa do “clima de ódio” da direita (http://www.nytimes.com/2011/01/10/opinion/10krugman.html), fomentado quase exclusivamente por um movimento político, segundo um proeminente colunista do New York Times:

“Quando você ouve as terríveis notícias vindas do Arizona, você fica completamente surpreso? Ou você está, de algum modo, esperando alguma coisa como esta atrocidade acontecer? (…) Não há muita dúvida sobre o que tem mudado (…). É a impregnação do nosso discurso político – e especialmente em nossas rádios – com retórica de aniquilação que está por trás da crescente onda de violência. De onde vem esta retórica venenosa? Não deixem fazer uma falsa pretensão de isenção: ela vem, devastadoramente, da direita. É difícil imaginar um membro democrata do congresso apelando aos seus eleitores para estarem “armados e perigosos” sem ser marginalizado. Mas a deputada Michele Bachmann, que faz exatamente isso, é uma estrela em ascensão no GOP. E esse enorme contraste estão na mídia (…) Então, o massacre de Arizona fará nosso discurso menos venenoso? Isso realmente interessa aos líderes do GOP. Eles aceitarão a realidade do que está acontecendo com a America, e tomarão medidas contra a retórica de aniquilação? Ou eles tentarão considerar o massacre como o mero ato de um indivíduo perturbado, e continuarão como antes?”

Isto era, e é, nonsense.
Ironicamente, a mesma coluna poderia ser reescrita hoje, apenas com os papeis dos partidos revertidos. Exemplos de frases (http://www.factcheck.org/2011/01/obama-guns-and-the-untouchables/) e exortações (https://www.realclearpolitics.com/video/2017/01/31/kaine_take_advantage_of_public_outcry_at_trump_to_get_outside_the_bubble.html) do lado contrário que poderiam ser consideradas “de aniquilação”, ou apoiadoras de uma onda de violência, abundam. Realmente, por ter pintado os republicanos como criadores deliberados de um ambiente perigoso, alguém poderia usar as próprias palavras de Paul Krugman para alegar que seu ensaio continha mensagens ocultas que ajudaram a criar em seus leitores mais radicais a impressão de ser preciso fazer algo por conta própria para suprimir a “ameaça”. Vê como isso pode funcionar, professor? É claro, como foi demonstrado, que toda a tese de Krugman era uma falácia. O homem que tentou matar Giffords (ela sobreviveu, ao contrário de seis outros transeuntes inocentes (http:/www.cbsnews.com/news/victims-of-the-tucson-shooting-rampage/) era realmente um muito apolítico esquizofrênico paranoico que raramente prestava atenção (https://theweek.com/articles/488016/9-things-weve-learned-about-jared-lee-loughner) ao noticiário. Ele e sua doença mental foram os culpados pela atrocidade, não a política.

Mas nos estágios iniciais da investigação, ainda eram muito obscuras que motivações o suspeito poderia ter tido. Uma não desprezível possibilidade ainda existia na ocasião que ele fosse um extremista politizado que tinha subitamente perdido a cabeça. Muitos de nós argumentamos então, e continuamos a fazê-lo, que independente das consequências que pudesse ter, não foi a retórica que matou aquelas pessoas. Jared Loughner as matou. Os esquerdistas que tinham desviado e coletivizado a culpa estavam engajados em histérica ou calculada demagogia ou demonização. O objetivo: marcar toda a centro-direita como “hidrófoba” para desencorajar seu discurso e deslegitimar seus objetivos políticos. Por muito tempo a mídia repetiu e espalhou este mantra, e quando os pressupostos falsos da versão de Krugman foram expostos, o mal já estava feito. A “verdade mais forte” tinha prevalecido. Muitos americanos ainda confundem o incidente como um atentado político. Mary Katharine Ham e eu recapitulamos estes fatos com grande frustração em nosso livro de 2015, End of Discussion (http://endofdiscussionbook.com), identificando o episódio como um exemplo paradigmático de cínica e detestável omissão.

O que nos traz à manhã do dia 14 de junho, quando um progressista de esquerda – que trabalhou para Bernie Sanders e detestava amargamente (https://townhall.com/tipsheet/christinerousselle/2017/06/14/shooter-identified-n2341086) tanto o presidente Trump quanto os republicanos em geral – atirou em cinco pessoas em um campo de beisebol onde o time dos congressistas do GOP estava treinando. Entre os feridos está o Whip (https://pt.wikipedia.org/wiki/Whip_(pol%C3%ADtica) ) da bancada majoritária, Steve Scalise. Mas graças a Deus, e à imensurável coragem do segurança (https://twitter.com/jhseher/status/874977497598889984), evitou-se o que poderia ter sido um massacre. Os jogadores, funcionários e familiares estavam desarmados e presos dentro de um campo fechado. Se não fosse a polícia do Capitólio trocar tiros com o atirador e assim eliminá-lo, os alvos estariam indefesos contra um fanático com um rifle, que comprovadamente tinha um grande estoque de munição a disposição. (Caso você se espante com isso, este indivíduo tinha uma licença para portar armas legalmente obtida e emitida (https://www.washingtonpost.com/local/2017/live-updates/public-safety/updates-shooting-at-congressional-baseball-practice-in-virginia/police-neighbors-report-suspect-recently-was-shooting-outside-his-illinois-home/?utm_term=.bd40aeb92245) pelo estado onde vivia, Illinois, conhecido por suas leis restringindo o porte de armas). Com a situação invertida, alguns da direita têm sido rápidos em apontar o dedo acusador para a esquerda. Mas não foi a retórica que deu os tiros. Foi James Hodgkinson. E como isto tem acontecido na esteira de outros ataques violentes, esta afirmação (https://twitter.com/DouthatNYT/status/875022488404717569) permanece válida:

“Você é responsável por incitar violência se você realmente incita ou organiza ou abençoa a violência. De outro modo, não. Era verdade com Obama, é verdade agora.”

Eu admito que é enlouquecedor assistir tantos elementos da esquerda rotineiramente atribuir atos horríveis aos conservadores como um todo, mesmo quando acaba sendo descoberto que seus reais autores não têm qualquer ligação com a direita política. Isso não é incomum (https://nypost.com/2012/07/24/of-massacres-media-myths). É também profundamente frustrante testemunhar muitos na mídia minimizando e subestimando atos de terrorismo político ou desprezíveis banhos de sangue que são confirmados terem sido causados por esquerdistas (https://townhall.com/tipsheet/guybenson/2017/05/31/surprise-portland-killings-blamed-on-trump-perpetrated-by-bernie-supporter-n2333217), algumas vezes por razões assumidamente políticas (http://hotair.com/archives/2013/04/24/frc-shooter-i-targeted-them-because-splc-list-said-they-were-anti-gay). Não há dúvidas que há um padrão de duas medidas em ação, então eu até simpatizo com a tendência de pensar que alguns esquerdistas radicais devem ser responsabilizados segundo seus próprios e feios padrões e táticas se isso servir para que eles aprendam alguma lição ou mudem seus hábitos. Mas eu não acredito que uma escalada de injusta demagogia modificará a conduta de alguém para melhor. Essa injusta demagogia será depois institucionalizada como normal, e será inevitavelmente devolvida mais adiante. E para deter essa queda de padrão – racionalizada e justificada como retaliação contra prévias calúnias – os conservadores devem começar a abandonar essa tática para objetar de forma crível e moralmente correta da próxima vez que nossos oponentes usarem esse golpe baixo. Nesse sentido, eu rejeito este tipo de atitude:

(Tradução do post no Twitter: Isso não é errado. Exceto se nós combatermos fogo com fogo, nós perdermos. Eu sou pelo que está disposto a ganhar. Foda-se a civilidade. Isso é uma guerra).

O debate político e as instituições são os meios através do qual uma sociedade civilizada resolve suas diferenças, para evitar violência e “guerra”. O castigo coletivo inerente em toma lá da cá e nas batalhas baseadas em culpado-por-associação não pode ser uma “vitória”. A América perde quando métodos terríveis são adotados e banalizados. Dito isso, vocês acham que eu acredito que os prestativos esquerdistas deveriam considerar as consequências potenciais de argumentos inaceitáveis (https://www.google.com/#q=republicans+want+to+kill+people), como a repetida acusação que republicanos na verdade querem matar pessoas através de seus policias? Sim, eu acredito.

Algo da vilificação e desumanização que envolve nossa política está fora de controle, e talvez os que estão fora dos partidos sejam mais vulneráveis a estas insanas palavras de ordem. Cada lado deve se policiar, e trabalhar para controlar seus piores excessos de retórica, mesmo – ou principalmente – quando a tensão se eleva em torno de difíceis debates. Eu também acredito firmemente que a esquerda tem forçosamente o dever de erradicar a crescente crença entre alguns de seus membros que palavras ou votos “odiosos” são similares à violência, e portanto a violência é uma resposta aceitável. Este conceito está criando raízes em campi universitários e entre as várias categorias dos assim chamados “guerreiros da justiça social”. Isto banaliza a ideia de que força ou coerção física (https://townhall.com/tipsheet/guybenson/2017/02/14/berkeley-protester-fascists-shouldnt-be-allowed-to-speak-n2285784) é uma resposta aceitável para ofensa ou reclamação. Os esquerdistas têm o dever de lidar com seu problema.

E finalmente, usar as perversas ações de um perturbado mental como um porrete contra milhões de cidadãos cumpridores da lei que podem compartilhar algumas opiniões politicas com ele é, de qualquer maneira, desleal e errado. Se o campo de batalha ideológico “exige” um  tolo, demagógico pelotão de fuzilamento americano, não contem comigo. Numa nota mais edificante, eu os deixarei com duas poderosas imagens de humanidade e bons valores compartilhadas em um dia sombrio em Washington. Primeiro, uma fotografia do time de beisebol dos democratas juntos numa oração (http://thehill.com/blogs/blog-briefing-room/news/337719-dem-baseball-team-praying-for-colleagues-after-shooting) em nome de seus colegas republicanos, seguida pelo senador Sanders (que tem sido muito bom (https://townhall.com/tipsheet/guybenson/2017/04/26/enough-with-these-speechsuppressing-disruptions-from-campus-leftists-sayselizabeth-warren-n2318061) em algumas questões sobre a livre expressão, mesmo se sua retórica às vezes se aproxima (https://twitter.com/redsteeze/status/875036850565632001) do terreno “aniquilador”) denunciando e repudiando de forma clara todas as formas de violência política:

(Tradução do post no Twitter: Time de beisebol dos democratas reza por seus colegas republicanos depois do tiroteio: http://hill.cm/0ur73mP)

(Tradução do post no Twitter: Senador Sanders diz que suposto atirador é suspeito de também ter sido um voluntário em sua campanha: “Eu estou enojado com esse execrável ato (…) Eu condeno essa ação.” )

Amanhã a noite o jogo de beisebol para fins de beneficência do congresso acontecerá como planejado. Esta é exatamente a decisão certa, e eu espero que os washingtonianos proporcionem um público recorde – tanto por solidariedade quanto por grandes causas (https://www.congressionalbaseball.org). Um momento de unidade e visão pode ainda surgir desta terrível provação. Bola pra frente, pessoal!

 

Publicado no Townhall.

Tradução: Flamarion Daia

 

  • Franklin William

    Mentira todo mundo sabe que a culpa foi da arma que se atirou-se hahaha.

  • Luiz Santiago

    Eu discordo devido a um fator, vários esquerdistas notórios na mídia tem pregado abertamente a violência física (e o homicídio, inclusive) como forma de combater o “ódio” vindo de Trump e da direita. Não há como não recair culpa sobre eles por incitação à violência, uma vez que até mesmo encenações do assassinato de Trump tem acontecido promovidas por artistas da esquerda. É um caso muito diferente do uso que a esquerda fez para culpar os republicanos pelo ato de um lunático.

  • Phillip Garrard

    Acho que vcs nao tem ideia do que esta acontecendo nos USA. A esquerda americana esta cada dia mais violenta e descontrolada. O odio a Trump vem de todos os liberais e nao ha liberais moderados, apenas radicais. A ,midia todo dia INVENTA um novo processo contra Trump, mesmo sabendo que e insistentavel. Mesmo o caso Russia, que foi desmentido pelo proprio ex-diretor da CIA, continua em pauta como se nada pudesse ser verdade a nao ser a culpa de Trump em algo que nunca existiu…

  • gustavo druziki

    Só discordo do título “o atirador é o culpado”. O correto seria “o assassino é o culpado”. Atirador é quem pratica tiro, quem atira em outras pessoas sem a prerrogativa de legítima defesa não é atirador, é assassino.

  • Osvaldo Pereira Júnior

    Ai está a dita “filósofa”.

  • Alexandre Sampaio Cardozo de A

    O único alento que tenho com essa corja de vagabundos, comunistas (desculpem a redundância), é saber que tão logo o comunismo se instala no poder, essa corja é enviada para trabalhos forçados o resto da vida. Cretinos como Tiburra et caterva, merecem passar o resto da vida, com uma enxada na mão, abrindo valas. Essa pseudo-intelectual, que nunca deve ter tomado uma condução, nem utilizado marmita em sua porca vida, acha que sabe tudo. Nojo dessa putada.

    • Rafael

      Já parou para refletir sobre o que ela escreve? Já leu alguma coisa dela ou está apenas repetindo o Olavo?Pensar com a própria cabeça não é doloroso depois que acostuma.

      E mais, historicamente os movimentos de esquerda são formados por gente que trabalha sim, não vagabundos.

      • RaSa

        Sindicalista detectado!

        • Israel M Z

          Cuidado RaSa! Talvez no mundo politicamente correto dele ele gostaria de ser referido como “sindicalista detectadA”. Isso pode ofender os mais genuínos sentimentos trans-sexuais dele…

        • Rafael

          kkkkkkkkk

          • Israel M Z

            Como diz um grande amigo, risada sarcástica é argumento de puta barata.

            Não quero com isso te ofender, caro Pastel. Porque acho que você não cobra de ninguém pra te enrabar, mais provável que seja o contrário.

      • Alexandre Sampaio Cardozo de A

        Conheço o “pensamento de Márcia Tiburra a tempos. Desde antes dela fazer parte do elenco do Saia Justa da GNT. A mulher é esquerdista até a medula. Quanto aos movimentos de esquerda, somente os crédulos trabalham. Os “cabeças” vivem” sugando aqueles que laboram de fato. Você pensa que esse site é um encontro de “fãs” de Olavo de Carvalho? Está errado. O Mídia Sem Máscara, é o único site confiável, onde conservadores e liberais podem expor suas opiniões sem sofrer patrulhas de filhos da puta, comunistas. Veja você, por exemplo: Vira e mexe, emite suas opiniões por aqui, sem censura. Inclusive criticando Olavo de Carvalho, um dos criadores desse espaço. Ademais, perguntar não ofende: Quando essa cretina lhe outorgou procuração para defende-la?

        • Rafael

          E dai que é de esquerda?Preconceito intelectual bobo

          • Israel M Z

            Não tão bobo como escrever “preconceito intelectual”. Juro que quando eu entender o que você quis dizer provavelmente vou mijar nas calças de tanto rir de sua imbecilidade.

            Agora quanto a você ser afeminado, confesso que me causa um pouco de preconceito. Não tenho nada contra viado, mas independente do que faça com o pau e o cu, um homem que não sabe ser viril acaba me desconcertando.

          • Alexandre Sampaio Cardozo de A

            Pergunte para um descolado esquerdista, o quê ele pensa sobre os conservadores conservadores. Melhor, assista novamente o vídeo daquela vagabunda da Marilena Chauí à respeito da classe média. Depois, conversamos novamente.

          • Felipe Toget

            “E daí que é de esquerda”? Qualquer cidadão que, minimamente, estude sobre movimentos de esquerda e sua essência, pode concluir claramente que se trata da aplicação do famigerado “Golpe do Paraíso”. Sempre!
            Acorda, jovem! Acorda!

      • Newton (ArkAngel)

        Aqui em SP o horário comercial é das 8 às 18h. Não me consta que nenhum trabalhador (que realmente trabalhe) tenha feito manifestações nestes horários durante os dias úteis. Já os esquerdalhas…

  • Robson La Luna Di Cola

    Caetano Veloso: “É Proibido Proibir!”. Meio contraditório, não?

  • Rafael

    Secularmente,negros, gays e mulheres foram deixados à margem, com o avanço da sociedade esses grupos começaram a ganhar voz, e logicamente a incomodar alguns que sempre se viram livres para falar o que bem entender, a fazer piada, discriminar, sem muita consequencia. O que ocorre é que um lado não está sabendo usar as novas liberdades que conquistaram até exagerando e classificando erroneamente algumas atitudes como facistas, mas ai é questão de tempo até as coisas se ajustarem.

    • Renato Passero

      Eles não classificam “algumas atitudes” como facistas, eles classificam qualquer atitude que vá contra ao que acreditam desta maneira.
      A queda de Roma se iniciou com a decadência moral e é isso que está acontecendo no ocidente agora e os bárbaros já estão invadindo.

      • Rafael

        Não seria os conservadores que dão xiliquinho a cada reclamação que encontram?

        • Israel M Z

          Xiliquinho? É esse seu repertório de ofensas?

          Teu namorado não te comeu ontem? Você tava com diarréia?

          • Rafael

            Não falei com vc babaca

          • Israel M Z

            Nossa, agora você foi longe Rafael! Babaca!? Note que até voltei a te chamar pelo nome, visto que teus microtestículos cresceram alguns micras.

            E desculpe por ter acertado onde dói. Pelo visto teu namorado não te comeu mesmo, meu tiro no escuro acabou acertando o alvo.

        • Renato Passero

          Bom, eles tem o direito de reclamar de agressões como: pessoas defecando em praça publica (dizendo que é protesto), cometendo atos libidinosos, fazendo vandalismo, etc, mas nunca você vai ver um conservador sendo violento como esses grupos que os chamam de facistas ao serem contrariados. Xiliquinho é coisa de criança, pedir respeito e expressar sua opinião sem violência aos demais é o mínimo que se espera.

          • Rafael

            Sim, o jus esperneandi é livre, como eu disse, há exagero de lado a lado. Agora nenhum discurso é apenas palavra jogada ao vento, sempre gera consequencia, ajudam a formar uma cultura, e ai sim, e a história prova, que podem ser trágicas.

          • Israel M Z

            Sinceramente, não vi sequer um “exagero” entre os conservadores nas manifestações. Pelo contrário, só vi radical de esquerda cagar na cabeça de pessoas de família e se eles retrucam são imediatamente taxados de nazistas, fascistas, etc. Como se esses dois movimentos (nazismo e fascismo) não estivessem do lado esquerdo do espectro político.

            Rafinha o reizinho da retórica imbecilizante.

            E a única história trágica recente parece ser sua vida. Papai não te deu amor na infância?

          • Felipe Toget

            De história você não entende nada, jovem!
            O camarada, em plena defesa das insanidades comunistas, falando sobre história?
            Mostre-nos os países que obtiveram êxito e sucesso com esse engodo chamado socialismo/comunismo/esquerdismo/demonismo!
            Daqui a pouco você vai verbalizar aquela famigerada idiotice: … mas Cuba é excelência em saúde pública…
            hehehe sai dessa, hipócrita!

    • Oannes Adapa

      Rafael, em parte você está certo. Meu pai e minha avó já sofreram nas mãos de meu avô e não havia nem direito da criança nem direito da mulher nos anos 70… Então, sim. O socialismo serviu para alguma coisa. Agora dizer que negros, homossexuais e mulheres não tinham voz é um discurso falacioso. Tudo se resume ao nível de poder. Existiram muitos negros ricos neste país, que eram descendentes de muçulmanos que exploravam outros negros; fora o fato de que os próprios negros africanos exploravam tanto o trabalho escravo quanto seu comércio. Nem podemos esquecer dos mouros, que dominaram a Europa… Quanto às mulheres, já houveram muitas rainhas com poder absoluto para provar que havia voz feminina sim! E também já houveram muitos reis homossexuais também; desde calígula e Nero até Dom João VI (fora os Papas que eram chegados à “coisa”).
      O que nem um direitista nem um esquerdista é capaz de entender é que todas as formas políticas sempre tendem à ditadura. Nisto entra o “liberalismo”, que se julga uma política messiânica quando é, na realidade, um clube de psicopatas. Psicopatas são indivíduos parasitários que acreditam estarem acima do bem e do mal. O que é diferente de um direitista, que basicamente enxerga o rosto de Sócrates quando se olha no espelho; e é diferente também de um esquerdista, que enxerga o rosto de Jesus Cristo/Che Guevara quando se olha no espelho. As regras morais aplicáveis à turminha de esquizofrênicos, limítrofes, narcisistas e histriônicos não é aplicável a tipos antissociais…
      A nossa sorte é ainda não ter aparecido nem um Alexandre Magno da política, e apenas isso. Devemos usufruir o máximo das pinimas entre tipos como Bolsonaro e Maria do Rosário (que são opostos políticos do mesmo tipo psicológico)… O que não podemos fazer é transformar esse negócio de “direita” e “esquerda” em religiões. Se assim for, Olavo de Carvalho é o Papa dos direitistas e Márcia Tiburi é a Alta Sacerdotisa dos esquerdistas (patriarcado x matriarcado / Alien x Predador / Batman x Superman…)… Daí se idolatram essas figuras e se recebe em troca um monte de palavrões com sotaque de um lado e nulidades morais do outro, fora o fato de que ambos masturbem o ego dos seus respectivos seguidores ao falar o que lhes convêm…
      Ainda há a questão das brigas sexuais que movem as mentes desses direitistas e esquerdistas jovens… Basicamente tal se resume ao seguinte:
      1 – O fracassado sexual que se julga muito inteligente, honesto e trabalhador tem que, automaticamente, ser um “direitista” para se afirmar no mundo;
      2 – O fanfarrão pegador que julga a vida como uma diversão e acredita que vai viver para sempre, ao se frustrar com o fracasso econômico se afirma como “esquerdista”.
      Em ambos os casos, um sempre culpa o outro dos próprios fracassos e não conseguem lidar com o fato de que vivem em um país democrático, daí ficam sonhando com intervenção militar ou com ditadura do proletariado pois, no fundo, ambos sabem que nada vai mudar para eles se tais sistemas se instalarem, mas gostariam de levar as pobrezas deles para os outros (e creem que se sentirão melhores com isso)…

      • Rafael

        Oannes, o direito da mulher e da criança tangencia alguns tópicos da esquerda, mas os vejo mais como um avanço coletivo, sei que a escravidão foi vantajosa para escravagistas dos dois lados do atlântico, mas veja bem, no Brasil escravidão é um fundamento da sociedade, após a escravidão os negros libertos foram largados ao relento, e até legalmente foram banidos do direito de ter propriedade, das escolas, e não é sem motivo o estado em que se encontram hoje, onde são maioria nas prisões, nas periferias, nos empregos menos qualificados, portanto, na nossa história eles foram calados.
        Quanto aos homosexuais, não dá para negar o peso do preconceito, em posição de poder isso é mitigado, vê se um desses ai citados se admitiam publicamente assim, propuseram leis para se casar por exemplo. Então sim, são grupos que sempre estiveram a marge.

        Ps.: Sobre os negros mulçumanos no Brasil, onde aprendeu sobre eles?

        • Oannes Adapa

          Muito boa a sua colocação. Realmente é muito difícil encontrar alguém que possua tal nível de argumentação, a maioria se propõe só a ficar apontando o dedo e xingando. Enfim, para isso não se tornar o programa do Faustão, os elogios acabam aqui.
          Os negros não foram só largados, foram substituídos por mão de obra italiana assalariada que, por mágica que os livros não contam, tomaram as terras dos portugueses.
          O motivo de libertarem os escravos se deveu às pressões burguesas (protestantes), que queriam mais gente para consumir. Por outro lado, os aristocratas (católicos) tinham que dar um jeito de manter a burguesia como uma segunda classe e não como uma forma de aristocracia. Tal explica parte do problema da criminalidade, embora seja um discurso falacioso usar “maioria negra” de criminosos, sendo que na criminalidade a cor é irrelevante; sendo relevante apenas nas acusações.
          Outra falácia a respeito dos negros se dá ao argumento de não possuírem propriedades, o que é uma grande inverdade. Capitães do mato eram, geralmente, livres e tinham alguma terra, e negros reprodutores também ganhavam a liberdade e uma pequena área de terra. Mesmo algumas concubinas negras eram livres e ganhavam propriedades. Acredito que foi Auguste de Saint-Hilaire quem descreveu o grande número de esposas negras que os portugueses possuíam em Minas Gerais (entenda bem, são esposas não concubinas)… Nem é preciso dizer que os mulatos herdavam as propriedades e etc (inclusive tal autor sugere que os mulatos eram mais inteligentes e mais fortes, enquanto que os caboclos seriam menos inteligentes). Também não podemos esquecer que o líder negro Zumbi foi dono de escravos em seu quilombo… Tal era o costume da época, quem tinha escravos tinha poder.
          De qualquer forma, o escravagismo não foi lucrativo para os africanos pois, sem querer, acabaram servindo para dar embasamento aos movimentos supremacistas brancos que nem é preciso comentar o quanto deu problemas (e ainda dá) ao mundo…
          Quanto à questão muçulmana, creio que qualquer livro de história que fale na “revolta dos malês” dirá que eles eram de origem muçulmana. Inclusive, tal revolta se deu por causa de negros muçulmanos livres que queriam impor as leis islâmicas e extirpar brancos e mulatos… Ou seja, era um grupo supremacista racial negro no século XIX! Há quem diga (não posso confirmar), que o patuá seria de origem islâmica e conteria versos do Alcorão. Conforme os descendentes dos muçulmanos foram perdendo a cultura, tal artefato foi se mesclando aos elementos da religião iorubá e assumiu um caráter mágico…
          Não é que escravidão seja um fundamento da sociedade, é a supremacia quem é o fundamento. É o poder que importa. Veja que ainda podem ser observados conceitos sociais como “branca para casar, mulata para trepar e negra para trabalhar”. A mulher branca se torna um objeto de desejo do próprio homem negro de modo que as mulheres negras são as que menos se casam. Tudo se resume ao poder, quem fornica mais, quem engana mais, quem rouba mais… Nessa busca por poder, não há sentimentos fora os que são voltados a si mesmo. E quanto mais egoístas as pessoas são, mais elas objetificam alguma pessoa como troféu ou símbolo de poder. E tal ocorre tanto na cultura machista quanto na feminista, ambos formados por rancorosos incapazes de amar e que só são capazes de usar os outros.

          Entenda que este país já começou avacalhado. Os reis não sabiam o que queriam, faziam aliança tanto com padres quanto com maçons (que eram inimigos abertos da Igreja Católica)… Daí, de repente, um sujeito aparece com uma carta para Dom Pedro II e diz “o senhor foi deposto”. Parece até uma coisa ridícula um imperador aceitar isso e ir se esconder na França. Deve-se levar em conta que a “religião” nessa época não se desvinculava do poder político e que um rei ou imperador que fazia parte do catolicismo e se unia com um grupo de humanistas mistos como os maçons era, no mínimo, um retardado mental. Os maçons (formados por maioria judaica no Brasil) foram cruciais para derrubar o império através do Partido Liberal… Quanto à questão católica, haviam muitas dissenções dentro da igreja de Roma. A mais conhecida foi sobre os jesuítas, um grupo que era considerado uma sociedade secreta pelas outras ordens católicas! Como eles se mostraram úteis na chamada “contra-reforma”, mandaram esses sujeitos para cá com o intuito de catequizarem os índios. O problema é que tanto a monarquia quanto o papado se mostraram muito desconfiados com a ordem. Ao que parece, a ordem dos jesuítas era um tipo de sistema comunista. Seja como for, coisa boa não era, pois até os índios, quando cresciam, decidiam largar as roupas e irem embora para as florestas e se safarem dos jesuítas… De qualquer forma, o medo do poder deles levou tanto o governo de Portugal quanto o papado a darem um grande “chega pra lá” neles…
          Nosso país é muito complexo, muita coisa aconteceu e continua acontecendo com muita intensidade. Aqui é um país muito rico, possui muitos recursos naturais, então não falta gente aqui que quer ser rei.
          Sobre o homossexualismo você está um pouco certo. Uma vez que nós herdamos o conceito de “virilidade” dos romanos, apesar dos poderosos praticarem, não se assumiam. Quanto ao casamento homossexual, leve em consideração que herdamos a noção patriarcal de casamento dos romanos camuflado como casamento cristão. E nem pela hipocrisia romana nem pela moral cristã, tal prática de casamento entre pessoas do mesmo sexo pode ser aceito. Um pelo fato de ferir os valores de “virilidade”, o outro por considerar ofensa a Deus…

          • Newton (ArkAngel)

            Os italianos e demais imigrantes receberam incentivos para imigrar devido à escassez de mão de obra gerada pela abolição da escravatura. Recebiam salários porque, ao contrário dos africanos, a maioria possuía algum ofício ou formação, e não aceitariam trabalhar a troco de comida ou moradia (o que não impediu que muitos não fossem praticamente escravizados, principalmente nas fazendas de café…)

          • Oannes Adapa

            Sim, e como esses italianos ficaram no lugar dos portugueses? Lâmpada mágica, esferas do dragão…? Aliás, italianas bonitas eram mandadas para o bordel (ou seja, uma escravidão de brancos)… Muitos negros tinham ocupação, sim. Mas não houve interesse em dar-lhes incentivo; e, partindo da ideia de que os negros eram um bando de primitivos e doentes mentais, poder-se-ia ser criado algum órgão para profissionalizá-los… A grande verdade que muitos não querem aceitar é que quem está no poder (seja lá quem for), pode, de uma hora para outra, substituir uma determinada população.
            Um exemplo de sistema de desapropriação moderna:
            O político ladrão entra com o dinheiro roubado para patrocinar testas de ferro que servirão para lavar dinheiro e criar redes de lojas que sufocarão os pequenos comerciantes. Os pequenos comerciantes que resistirem vão ser atazanados por mendigos, bandidos, policiais corruptos e os invejosos/preguiçosos conhecidos como “socialistas”. Tendo o monopólio do comércio, o político ladrão investe na área imobiliária. Basicamente ele cria invasões e se usa dos “colonos” para fazer bagunça nas áreas que ele quer… Deve-se entender que já estão fazendo isso há pelo menos uns vinte anos, pois já tem muito vagabundo por aí se valendo do usucapião… Uma vez que os “colonos” cumprem com seu papel e conseguem expulsar os moradores legítimos de outras áreas, são transferidos para outra cidade ou estado para servirem com o mesmo propósito… Tanto a área dos invasores quanto a dos expulsos é destinada ao político ladrão, que investirá em condomínios para abrigar gente rica…
            Você realmente acredita que antigamente era diferente? Maquiavel diz que não… Seja como for, os narcisistas podem sonhar que seus antepassados eram seres sublimes e heróis civilizadores enquanto que máfias do oriente médio, Rússia e China podem estar “de olho” nas terras deles e bem dispostas a pôr os delírios de grandeza desses sujeitos à prova… Sem contar que os desvios da previdência, o aumento do combustível, a difamação da qualidade da terra amazônica, o escândalo da “carne fraca” estão todos conectados ao plano de substituir os velhos brasileiros por novos brasileiros… Acredito até que a parte mais inteligente desse plano seja desvalorizar os recursos naturais do Brasil.
            Espero que você me responda, pois estou me sentindo muito solitário e meu amigo Rafael desapareceu…

          • Newton (ArkAngel)

            O homem é, em sua essência, um ser altamente predatório, e não vejo os italianos, espanhóis, etc., que migraram para cá entre meados do século XIX e o início do século XX como “heróis”. Vieram simplesmente porque havia demanda de mão de obra mais qualificada, e os negros simplesmente foram descartados. Quer dizer, a abolição da escravatura foi boa historicamente, mas na prática, foi mais um “obrigado por ter nos servido, agora que são livres, se virem”.
            Ou seja, tudo simplesmente um jogo de interesses e conveniência, como é até hoje.
            O monopólio comercial que você cita nada mais é do que consequência do excesso de regulações e do protecionismo estatal, que fecha o mercado e mata a livre concorrência, que beneficiaria os consumidores, mas estrangularia a mina de ouro das propinas e arranjos estatais que favorecem determinados grupos.
            Como já disse Raul Seixas: “O negócio é alugar o Brasil”.

          • Oannes Adapa

            Então você sabe que foi beneficiado e sabe que pode ser descartado. Muito bom, pois a maioria das pessoas se vê como “justos e sábios aos próprios olhos”…
            Mas eu realmente estou sentindo falta do Rafael…

          • Newton (ArkAngel)

            Ninguém é insubstituível, meu caro, a não ser para si mesmo. 99,99% do que acontece no planeta é por razões econômicas, as quais são consequências do medo inerente ao ser humano da miséria, o qual poderia ser minimizado se realmente houvesse colaboração real entre os homens. Ou seja, valores cristãos são válidos até hoje.

          • Oannes Adapa

            Verdade. Se os recursos fossem bem distribuídos e as maiorias fossem disciplinadas, não haveriam grandes problemas… Mas acredito que tal só funcione no mundo de Cristo pois, tendo ele por rei e havendo súditos bem selecionados com recompensas de acordo com os méritos, o sistema de Deus só pode ser perfeito… De qualquer forma, estando nós aqui, no mundo do Diabo, convenhamos, é muita imbecilidade haverem sujeitinhos que não entendem de política, acreditam realmente que política seja uma luta entre o bem e o mal, e fazem o jogo do Capeta com um sorrisinho no rosto crendo que estão fazendo o trabalho de Deus… Vivermos em uma democracia é uma bênção e já temos valores úteis para a nossa vida, como os que estão na Bíblia. E para aqueles que não se cansam de demonstrar o quanto leram e são sabedores de história, filosofia, sociologia e psicologia, torno minhas as seguintes palavras:
            “E, demais disto, filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne.
            De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem.”
            Eclesiastes 12:12,13

  • Alexandre Ávila

    putz, a Márcia até q não é feia( apesar de fazer o estilo feiosa feminista nesta foto) mas é tri-burra, mesmo!!! q lástima! enfim, é uma terra decaída pelo mal dos decaídos. Vou rezar por ela, afinal o inferno é uma m…

    • Israel M Z

      Sim, meu amigo! Reze, que eu rezo também. Esperança de cristão só tem fim na eternidade.

  • Luiz F Moran

    O Brasil foi transformado numa latrina socialista.

    • Rafael

      Relaxa Luiz, está longe disso (ao menos na parte socialista).

      • Israel M Z

        Sim, claro.

        Para o Rafael enquanto as forças armadas não forem totalmente dominadas, todas as empresas estatizadas, as prisões políticas não estiverem acontecendo a luz do dia, a censura for total e basicamente extinta a propriedade privada, o Brasil não está perto de ser socialista.

        E de relaxar ele entende. Quando fuma um baseado com os as amigos descolados dele. Quando relaxa o brioco para o pau do namorado entrar. Quando o pai mandar arrumar um emprego e ele responde “relaxa véio”, etc.

        Um poço de sabedoria nosso rapazote micro-dotado.

        • Luiz F Moran

          Israel, eu bloqueei este asno comunista, faça o mesmo, assim vc não precisa mais ler as bostas que ele defeca nos teclados.

      • Felipe Toget

        Longe disso? Uma constituição claramente socialista, que protege a casta brasileira e você nessa ingenuidade?

  • Evandro Silva

    É IMPRESSIONANTE COMO A RETÓRICA DESTA DOUTRINADORA É PÉSSIMA! #BRASILSEMCOMUNISMO

  • Francisco A. Lobo

    Márcia Ti-Burra fica melhor..

  • Gustavo Silva

    Como conviver com eles!? Vamos ter que os matar!? Pois já virou questão de autodefesa.

  • Felipe Toget

    Há alguma possibilidade de censurar esse tal Rafael (esquerdista hipócrita)?
    O cara é claramente um militante esquerdista. Ou seja, um pequeno demônio!

  • Odilon Rocha

    O sobrenome dessa senhora tem algo que faz sentido.

  • Diego Ingracio

    Ler os comentários é só mais uma justificativa do que esta escrito nesse Diário Filosófico. Nada contra esquerda, alias somos humanos, se uns não entendem de politica nosso dever seria ajudá-los. O real problema sobre acusações fascistas é que os dois querem ser. Rsrs… Basta ler os comentários. Ninguém ouve ninguém, e ainda pedem respeito… Como levar a sério? Cautela para ambos. De nada adianta apontar falhas se estamos falhando também