1. Artigos
  2. Destaques
  3. Internacional
  4. Rússia

Rússia: “epidemia” de mortes misteriosas atinge diplomatas

11 de dezembro de 2017 - 20:05:05

Uma estranha “epidemia” atinge o corpo diplomático russo, escreveu Alain Rodier, diretor do Centro Francês de Pesquisa e Informação (CF2R), especialista em terrorismo islâmico e criminalidade organizada, em artigo para a revista Atlantico.

Em menos de um ano, sete diplomatas russos perderam a vida em circunstâncias pelo menos estranhas. A morte mais conhecida aconteceu em 19 de dezembro de 2016: Andrei Karlov, embaixad

or russo na Turquia foi assassinado por um fanático islâmico que fingia ser policial.

A ocorrência foi testemunhada e registrada pela imprensa em um museu da capital turca. O matador alegava querer vingar-se de colegas mortos em Alepo, Síria.

Foi o único caso explicável e esclarecido. Nos outros paira a sombra da contraespionagem e da polícia secreta russa FSB, também encarregada de livrar o amo do Kremlin de adversários reais ou potenciais.

No mesmo dia, Petr Polshikov, responsável pelo Departamento Latino-americano do Ministério de Relações Exteriores, foi encontrado morto em seu departamento moscovita com uma arma na mão. A FSB falou de suicídio, mas nunca se conheceram os pormenores. No silêncio, todas as hipóteses ficaram em aberto.

No dia 9 janeiro 2017, Andrei Malanin, cônsul da Rússia em Atenas, foi achado morto por arma de fogo no toalete de seu apartamento em circunstâncias misteriosas. Nenhum sinal foi registrado, apesar de a rua ser habitada por numerosos diplomatas e estreitamente vigiada pela polícia grega.

No caso dos diplomatas, os investigadores locais estão limitados e as averiguações deveriam ter sido feitas pelos responsáveis russos que, entretanto, guardaram silêncio.

Em 27 de janeiro de 2017, Alexander Kadakin, embaixador da Rússia na Índia, morreu vítima de uma doença fulminante, segundo o serviço diplomático moscovita, que não forneceu circunstâncias exatas do drama.

Em 20 de fevereiro de 2017, Vitaly Tchurkin, embaixador extraordinário de Moscou na ONU, caiu desmaiado em seu escritório de New York e faleceu após ingressar num pronto socorro.

Estreito colaborador de Vladimir Putin, ele era considerado da linha dura do Kremlin e sucessor potencial do atual ministro de Relações Exteriores, Serguei Lavrov.

Mais recentemente, Mirgayas Shirinsky, embaixador da Rússia no Sudão, foi achado morto na piscina de sua residência.

Quase todos os falecidos estavam na faixa etária em que se extingue a esperança de vida dos homens russos – 64,37 anos, em 2014 –, nível baixo atribuído ao generalizado alcoolismo, o mais alto do mundo. O único fator comum nas ocorrências provém da relação das vítimas com os serviços russos de espionagem.

E essas não foram as únicas mortes estranhas.

No dia 8 novembro de 2016, Sergei Krivov foi morto no consulado da Rússia em New York. Segundo a primeira versão, ele teria caído do teto; na segunda, a morte teria sido por causa “natural”. Krikov era “oficial de segurança” do consulado. A função é vaga e esconde muitas vezes atividades ligadas à espionagem.

O corpo sem vida de Oleg Erovinkin apareceu em Moscou no dia 26 de dezembro 2016, no bagageiro de um carro da estatal Rosneft. Ele foi general e serviu na KGB e na FSB antes de tornar-se chefe de gabinete de Igor Sechin, estreito conselheiro do presidente Putin e oligarca chefe da Rosneft.

As autoridades sugeriram uma crise cardíaca, mas suspeita-se seriamente que ele teria sido informante das relações de Putin com Donald Trump.

No dia 5 novembro de 2015, Mikhail Lesinne, ex-conselheiro de Putin, ex-regulador da imprensa russa e fundador do Russia Today, uma joia da desinformação no exterior, apareceu morto por overdose de álcool em seu quarto de hotel em New York. Ele exibia numerosos hematomas. A imprensa americana focou o presidente Putin e seus serviços, mas nada foi apurado.

Ainda está viva a lembrança do envenenamento com polônio de Alexandre Litvinenko, opositor de Vladimir Putin, no ano de 2006 em Londres; da morte de Alexander Perepilichny, refugiado na Grã-Bretanha, em 2012, bem como a de Boris Berezovsky, estrangulado em sua casa de Berkshire em 2013.

Londres concluiu que Litvinenko foi assassinado, mas não quis correr riscos pronunciando-se sobre os outros dois casos. O alcoolismo é uma das grandes causas das mortes prematuras na Rússia. Há um segundo fator muito importante: o crime organizado das “máfias vermelhas”, também chamadas Bratva, onipresentes desde o tempo da URSS.

Tais máfias – escreve Alain Rodier – penetraram profundamente nas engrenagens da economia russa e são conhecidas como os Vory v Zakone (ladrões na lei).

Numerosos agentes dos serviços secretos trabalham nelas devido às suas “qualificações técnicas”, e são largamente pagos pela Nomenklatura putinista formada nos mesmos ambientes.

Desde o início do ano, dezenas de diplomatas americanos e canadenses tiveram que abandonar seus postos em Cuba, com estranhos problemas de audição, e outros relacionados à saúde, atribuídos aos serviços secretos cubanos alimentados pela Rússia.

A Rússia de Putin não abandonou os métodos criminosos desenvolvidos pela falida URSS. Continua a aplicá-los com a mesma frieza assassina.

Se existe alguma diferença entre os tempos da antiga e da “nova URSS”, ela deve ser procurada na ingenuidade tola dos ocidentais que acreditaram que o “comunismo morreu”.

http://flagelorusso.blogspot.com

 

  • Francisco Carlos Siqueira Mour

    Perfeito, sem mais nada acrescentar. A Rússia, ainda, continua a espalhar o mal na Terra.

  • MRBlack Takitos

    Nunca vou me esquecer de uma aula de sociologia no ensino médio, a professora (depois descobri ser membro da CUT) clamava com plena certeza que o comunismo acabara junto com o socialismo em 1991. Na época já acompanhava os trabalhos do professor Olavo e após alguns bons minutos de discussão e quebra pau em sala de aula, expus a verdade para meus colegas de classe e acabei (sem intenção) ridicularizando-a em frente à todos. Daquele dia em diante ela arrumava desculpas para faltar às aulas nos dias de aula da minha classe. Comunismo só morreu na cabeça de pessoas ingenuamente inocentes e nas cabeças de membros do partido.

  • Márcio Machado da Silva

    O país de Dostoievsk, Mendeleev e tantas outras mentes brilhantes não merecia ser subjugado pela chaga comunista, que lá se instalou desde 1917. Que o povo Russo consiga um dia livrar-se desse mal, é o que desejo sinceramente.

    • Osvaldo Pereira Júnior

      Nenhum país merece tamanha desgraça.

  • Osvaldo Pereira Júnior

    Quando você lê o livro do Pacepa “Desinformação”, você finalmente compreende o que realmente é o serviço secreto russo e do que aqueles caras são capazes de fazer para conseguir seus objetivos.

  • Caio Cavalcanti

    Direitistas fãs de Putin, acordem.