Graça Salgueiro


Venceu a trampa, denuncia Uribe

Passados alguns dias depois do choque com a vitória roubada do camarada Juan Manuel Santos, o Notalatina faz nova edição comentando aquele fatídico 15 de junho e denúncias feitas pelo ex-presidente Uribe dois dias antes das eleições em sua conta de Twitter. Entretanto, em vez de escrever um texto, preferi traduzir e publicar dois artigos: o primeiro, que dá nome a esta edição, da lavra do ex-presidente e senador eleito Álvaro Uribe, e o segundo do querido amigo Ricardo Puentes Melo. E o faço porque eles dizem tudo, melhor do que eu poderia fazê-lo, sobre o que aconteceu no segundo turno da eleição presidencial na Colômbia. Leiam com atenção e desfrutem, sobretudo o vídeo no final. 


Venceu a trampa, denuncia Uribe

Comunicado do ex-presidente Uribe.

Nossa gratidão à doutora Marta Lucía Ramírez e aos milhões de colombianos que acompanharam esta luta.

Em nome da paz, o governo Santos impulsionou a maior corrupção da história caracterizada por abuso de Governo, entrega de somas de dinheiro a parlamentares para compra de votos, oferta de dinheiro do Governo a Prefeitos e Governadores para forçá-los a intervir ilegalmente na campanha em favor do presidente-candidato, compra de votos, violação da Lei de Garantias, propaganda ilegal com dinheiro do Estado em pauta publicitária que coincide com a publicidade do candidato-presidente.

Com votos comprados, Santos vence as eleições na Colômbia

Notalatina informa sobre o segundo turno das eleições colombianas, e as notícias até o momento infelizmente não são boas. Às 16:00 h. (18:00 de Brasil) encerraram-se as votações e imediatamente começou a apuração, e em seu 7º boletim vai dando vitória a Santos.

Durante o dia houve denúncias do Centro Democrático, sobre compra de votos por parte do vereador Sergio Romero, de San Andrés de Sotavento a favor de Juan Manuel Santos. O vereador foi capturado e encontra-se detido na delegacia de Polícia. O Centro Democrático, partido de Uribe e Zuluaga, denuncia que houve participação de funcionários públicos na política e possível compra de votos. Por outro lado, a Procuradoria informou que recebeu 96 denúncias de possíveis delitos eleitorais. O Ministério Público recebeu informação sobre uma possível “alteração da ordem pública em cinco municípios do estado do Chocó”, onde teriam impedido o desenvolvimento normal da jornada eleitoral e que isto teria sido ocasionado por membros do ELN. 
“Em todo o país há total normalidade com exceção de cinco municípios do Chocó, onde a jornada não pôde se iniciar a tempo, por destruição de material eleitoral e por outros fatores de alteração da ordem pública, onde a medida que foi avançando as horas se foi restabelecendo a jornada eleitoral nesses cinco municípios”, disse o funcionário.

Notalatina edição extraordinária: áudio da entrevista com o hacker responsável pela fraude contra Zuluaga

Sabe-se agora, pela boca do próprio hacker que se infiltrou, que o Ministério Público não só sabia como autorizou e apoiou a infiltração!

Em fins de maio desse ano, surgiu na Colômbia um enorme escândalo que pretendia macular a honra e a campanha do candidato à presidência pelo Centro Democrático, Oscar Iván Zuluaga. Do fato eu fiz inúmeras traduções e escrevi artigos, onde pode-se ver com clareza meridiana o desespero de Juan Manuel Santos e seus acólitos, uma vez que Zuluaga fazia uma campanha limpa sem sequer tocar no seu nome e subia nas pesquisas de forma tão avassaladora, que levou as eleições para o segundo turno com maioria dos votos.

Eleições na Colômbia: fim das negociações em Havana?

Embora poucas pessoas percebam, as eleições presidenciais na Colômbia têm um peso decisório
no futuro do nosso continente.

No domingo 25 de maio ocorreram duas eleições de considerável importância no nosso continente: na Venezuela, não pelos cargos disputados mas pela resposta da oposição venezuelana ao autoritarismo do ilegal presidente Nicolás Maduro e na Colômbia, fundamental para decidir se o país se transformará em mais um satélite castro-comunista com as FARC no poder.

 

Em meados de fevereiro deste ano, Maduro, sob as ordens dos ditadores Castro, depôs e fez colocar na cadeia com uma condenação de 12 meses de prisão, dois prefeitos que se opuseram a combater os manifestantes que armavam barricadas para se defender dos ataques da Polícia e Guarda Nacional que atacavam os estudantes sob as ordens de Maduro. Depostos os prefeitos Daniel Ceballos, de San Cristóbal, estado Táchira, e Enzo Scarano, de San Diego, estado Carabobo, Maduro decretou os cargos vacantes e convocou eleições para 25 de maio. O que ele não contava é que as esposas dos prefeitos encarcerados iriam concorrer aos cargos para dar continuidade ao trabalho de seus maridos.

Eleições na Colômbia vão para o segundo turno

Essa foi, como disse Dr. Fernando Londoño, a quarta vitória de Uribe.

As eleições mais importantes do nosso continente ocorreram hoje, na Colômbia, que elegia um novo presidente. Desejávamos todos, colombianos e eu, que a contenda fosse resolvida no primeiro turno mas apesar de não ter havido fraudes do tipo das venezuelanas, Santos, acolitado pela imprensa, tentou de todas as formas até impedir a candidatura de Oscar Iván Zuluaga do Centro Democrático, partido fundado pelo atual senador e ex-presidente Uribe.

Faltando uma semana para as eleições, a revista Semana, de propriedade da família Santos, armou uma montagem fraudulenta de um vídeo onde aparece o candidato Zuluaga “tramando” um golpe de Estado contra Santos, conforme denunciei na edição anterior a essa. Experts de várias empresas fizeram a perícia e apontaram entre 17 e 30 edições, o que caracterizava o crime. O advogado de Zuluaga, Dr Jaime Granados, fez uma denúncia no Ministério Público com essas provas, porém, para espanto de todos tal ministério não analisou o vídeo fraudado mas o original, afirmando no final que “o vídeo é autêntico”. E foi assim, com essa espada de Damocles sobre a cabeça que Zuluaga partiu para enfrentar os eleitores.

As FARC e os ditadores Castro montam fraude a favor de Santos

Faltando por volta de uma semana para as eleições presidenciais na Colômbia, que se realizam no próximo domingo 25 de maio, um escândalo sem precedentes sacudiu o país. A revista Semana, de propriedade da família do presidente Juan Manuel Santos e dirigida por um sobrinho seu, publicou um vídeo escandaloso onde o candidato do Centro Democrático (partido do ex-presidente Uribe), Oscar Iván Zuluaga, aparece fazendo conchavos com o suposto hacker, Andrés Sepúlveda, no qual combinam um “golpe de Estado” contra Santos.

Tão logo foi divulgado o vídeo, Zuluaga e Uribe deram declarações públicas afirmando a falsidade e a montagem do mesmo. Ato contínuo, o advogado de Zuluaga, Dr. Jaime Granados (que também defende o Coronel Plazas e o próprio ex-presidente Uribe) deu entrada no Ministério Público de uma denúncia acerca do vídeo, junto com um laudo forense onde fica comprovada uma montagem grosseira para afastar o candidato Zuluaga da corrida eleitoral.

Fim das Polícias e Forças Armadas nacionais?

Conforme venho denunciando há anos, o primeiro passo para a invasão castro-comunista num país é o envio de “médicos”. Depois virão outros “profissionais” e quando abrirmos os olhos, eles já terão ocupado todos os espaços do território nacional, inclusive as Forças Armadas.

 

Polícia moçambicana, a mais violenta da África, fará segurança na Copa do Mundo.
Quem estará seguro em suas mãos?

 
Há anos, desde o governo FHC, que a esquerda trabalha para desmoralizar, achincalhar e punir os militares até destruir completamente as Polícias e Forças Armadas nacionais. Entrou o senhor Luiz Inácio e, enquanto por um lado acelerava o processo da revisão da Lei de Anistia para retirar dela os agentes da ordem, pelo outro fazia mil e uma promessas para apaziguar os ânimos dos militares. De melhoria nos soldos à construção de submarino ouviu-se de tudo, mas sempre empurrando com a barriga, numa ilusão semelhante à do burro com a cenoura.

María Corina Machado no Senado brasileiro: quanto desrespeito a uma mulher digna e valente!

María Corina Machado: “Hoje em dia, o que está em jogo é a democracia. Alguns dizem que na Venezuela há uma guerra civil, mas o que existe é uma guerra contra os civis,
promovida pelo Estado.”

Na quarta-feira (2), a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado brasileiro, promoveu uma audiência pública para supostamente debater a crise política na Venezuela e trouxe a deputada María Corina Machado para que ela pudesse relatar o que estava acontecendo em seu país. A decisão foi tomada no dia 28 de março, por iniciativa do presidente da comissão, Ricardo Ferraço do PMDB-ES. A  senadora do PCdoB, Vanessa Grazziotin não aceitou a idéia de se ouvir María Corina sem que também viesse alguém do governo. O senador pelo PSBD, o terrorista Aloysio Nunes, alegou que isso era uma desculpa para que María Corina não denunciasse o que estava ocorrendo DE FATO em seu país, mas que aceitava a proposta desde que não houvesse vândalos do PCdoB agredindo a deputada.

Anonymous Venezuela: verdade aterradora ou desinformação cubana?

As transcrições estão aí. Verdade aterradora ou desinformação cubana plantada de propósito? Que os Castro são frios o bastante para mandar matar mesmo o melhor amigo se este começar a atrapalhar seus planos, não é novidade.

Recebi há pouco um vídeo de “Anonymous Venezuela” onde, ao que tudo indica, os hackers dessa organização invadiram o site do PSUV e entraram na conta de Diosdado Cabello, pois é assim que o vídeo começa. Digo “ao que tudo indica” porque não confio 100% nesse grupo, pelo menos nos do Brasil, que já demonstrou muita “informação” plantada e que depois mostrou-se ser falsa. Entretanto, considerando o teor do que é dito, que está em absoluta consonância com a praxis cubana e chavista, resolvi transcrever todas as mensagens apresentadas no vídeo e publico-as aqui já traduzidas.

 

O original pode ser visto através do próprio vídeo que é apenas um “passeio” pela conta de Cabello, onde as mensagens enviadas a ele vão sendo apresentadas, uma a uma. As pessoas que se dirigem a ele falam como se ao verdadeiro chefe e não assinam, exceto uma mulher chamada “Delcy Rodríguez”.

A Venezuela clama no deserto

A crise parece insustentável pois, por uma lado a resistência arrisca diariamente sua vida – desarmada – contra um repressão cada vez mais sofisticada, considerando a presença de cubanos enviados desde Havana para manter o poder de Maduro a qualquer preço, sua galinha dos ovos de ouro. 

Desde o dia 12 de fevereiro os estudantes venezuelanos estão nas ruas de todo o país protestando por mais segurança, pela deposição do ilegítimo e usurpador presidente Nicolas Maduro mas, sobretudo, pela expulsão das hordas cubanas que invadiram a Venezuela sob o comando do falecido Hugo Chávez e agora fortalecidos por Maduro.

É necessário, antes de tudo, que se faça uma distinção entre os manifestantes e protestos na Venezuela e os que saíram às ruas no Brasil. Lá, os estudantes comprovadamente estudam nas universidades e sofrem com a violência dentro dos campus, onde bandos armados invadem o recinto para roubar, agredir e provocar desordens. Outro fator determinante dessas manifestações que só pretendem acabar quando os objetivos forem alcançados, é que participam junto aos estudantes, professores, profissionais liberais, empresários, comerciantes, políticos, jornalistas, gente do povo, sem distinção de classe social, credo ou idade. O mais marcante dessa resistência, e que contrasta flagrantemente com o que se vê no Brasil, é que não há depredação do patrimônio público ou privado e os manifestantes não possuem qualquer tipo de arma. Suas armas são a bandeira nacional, cartazes e sua voz.