Graça Salgueiro


Projeto “Mais Médicos”: sorria, você está sendo assaltado pelos ditadores Castro!

 

Fica evidente que o interesse não é na condição de vida e saúde dos pobres e marginalizados dos confins do mundo, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste onde a carência é de tudo, mas um projeto eleitoreiro  demagógico, ideológico, desumano e criminoso.

 

Muitos de nós ainda não conseguimos digerir a entrada de 400 “médicos” cubanos no Brasil, uma vez que ninguém, absolutamente ninguém foi consultado para opinar se apoiava esta derrama: nem a sociedade, nem o Congresso Nacional, nem as associações médicas, nem mesmo aqueles a quem o Governo diz querer “assistir”. E eles serão 4.000 no total.

Dois pesos e duas medidas

Os cubanos exilados alertaram os venezuelanos de que depois dos médicos viriam os educadores, depois os desportistas e quando eles abrissem os olhos Cuba já teria invadido e dominado o país.

Os venezuelanos debocharam e afirmaram ser exagero.

Esse assunto já está desgastado antes mesmo de os médicos estrangeiros começarem a exercer as funções para as quais foram contratados, mas a histeria da mídia e dos esquerdistas circulantes pelas redes sociais, blogs e sites é tão grande, que não dá para deixar passar em branco certas afetações que revelam os dois pesos e duas medidas tão comuns na praxis comunista.

Não tenho qualquer intenção de defender quem quer que seja, muito menos os médicos cubanos, pois as denúncias feitas por aqueles que conseguiram escapar da Venezuela, Bolívia e aqui mesmo do Brasil (ver meu artigo Contratação dos médicos cubanos: o que há por trás disso?) são demasiadamente claras para quem analisa os fatos sem paixão, sobretudo para aqueles que têm algum respeito pela vida, liberdade e dignidade da pessoa humana.

A insustentável “leveza” do Foro de São Paulo

Há pouco mais de uma semana encerrava-se em São Paulo o XIX Encontro do Foro de São Paulo (FSP) na cidade que lhe emprestou o nome. Em vídeos publicados antes do evento, Valter Pomar, Secretário Executivo da organização, afirmava para o mundo que a entidade era aberta, que qualquer pessoa poderia assistir aos encontros e que “tudo” que era “discutido” encontrava-se publicado no site para quem quisesse ver, acessível, inclusive, à imprensa. 

Entretanto, isto não corresponde à realidade como já estamos fartos de saber e denunciar, e o próprio Lula afirmou, no aniversário de 15 anos da organização, que foi necessário manter esses encontros longe do público pois, se assim não fosse, não teriam conseguido eleger tantos presidentes nos países membros e fazer as reformas que necessitavam. A grande imprensa brilhou por sua ausência no local e silêncio sepulcral nos noticiários. Chama a atenção que, mesmo já tendo sido liberado para comentários, a mídia ainda guarda respeitoso silêncio sobre esta organização criminosa que conspira contra a liberdade e a democracia nos nossos países. Tive o cuidado de acompanhar, durante os dias do evento, todos os canais da televisão nacional e não vi nenhum dar sequer uma notinha daquelas que passam despercebidas no mar de informações inúteis anunciadas com o peso de um terremoto. Única e louvável exceção cabe ao SBT e ao jornalista Paulo Eduardo Martins que vem falando corajosamente do FSP, mas cujo programa tem edição local no Paraná, limitando a abrangência do público.

O gosto pela clandestinidade

Há poucos dias de se iniciar o XIX Encontro do Foro de São Paulo, na cidade que deu nome a esta organização, coisas obscuras e silenciadas pela mídia nacional ocorreram bem debaixo dos narizes do povo e das autoridades mas merecem uma investigação séria.

No início do mês de julho tomamos conhecimento de que aviões da Força Aérea Venezuelana (FAV) estiveram em várias partes do país, desembarcando grupos de aproximadamente 200 militares, a maioria em trajes civis e alguns poucos fardados. Depois do desembarque formavam-se grupos de 40 deles que, sob as vistas discretas dos fardados, embarcavam em vôos comerciais junto com outros passageiros. O primeiro grupo seguiu do aeroporto de Campo Grande e alguns desceram em São Paulo, enquanto o restante seguia – não se sabe para onde -, pois o vôo ainda faria escalas em Maringá, Curitiba e Porto Alegre.

Consultadas, as autoridades da Força Aérea Brasileira informaram o que segue:

Uma nota sobre o Foro de São Paulo

Eu havia decidido não me meter nessa questão mas fatos novos surgiram e me vejo no dever de fazer este esclarecimento. Com a proximidade do encontro anual do Foro de São Paulo (FSP) a ser realizado no Brasil entre 31 de julho e 4 de agosto em São Paulo, evidentemente que o tema foi abordado por Olavo de Carvalho em seus artigos e notas que tiveram ampla divulgação pela rede e FaceBook (FB) e também por mim.

Olavo sugeriu uma auditoria no FSP e logo a idéia ganhou a adesão de muitas pessoas. Com a “moda” de manifestações públicas e de se falar do FSP mesmo sem conhecer nada, um grupo de pessoas no FB pensou em fazer cartazes exigindo a auditoria ao Ministério Público e se postar na frente do hotel onde vão acontecer os eventos do Foro. Fui convidada a participar mas, desde o início, fui contra a manifestação, principalmente porque os membros dessa organização não são pessoas comuns e sabemos que há entre eles muitos terroristas perigosos e com extensa ficha criminal. Achei imprudente e inócuo, sobretudo porque não é possível controlar a adesão e nesse meio poderia aparecer pessoas infiltradas, com más intenções, estragando o objetivo primeiro que era a auditoria.

O Mercosul e o Foro de São Paulo

Nota de Graça Salgueiro: Escrevi esse artigo em 2 de agosto de 2006, e acho que vale a pena relê-lo porque estão falando que “o MERCOSUL é uma filial do Foro de São Paulo” como se fosse uma grande novidade, mas já em 2006 eu dizia (e denunciava) isso. O MSM sempre sai na frente, com anos de antecedência.


Após o final da Cúpula do Mercosul, todas as análises feitas na grande mídia sobre o evento evitaram tocar numa questão chave: a relação direta do “novo” Mercosul com o Foro de São Paulo.

© 2006 MidiaSemMascara.org

Uma semana após o encerramento da XXX Cúpula do Mercosul muitas análises, críticas e opiniões ainda circulam pela mídia, entretanto, nenhuma delas vai ao fulcro da questão que é a relação direta e indelével do “novo” Mercosul com o Foro de São Paulo, organização da qual nenhum jornal brasileiro ousa sequer admitir a existência, obedecendo religiosamente ao patrulhamento ideológico a serviço do comunismo internacional.

Movimento Passe Livre, Foro de São Paulo e Constituinte


Uma nova Constituição é o desejo mais caro do Foro de São Paulo há décadas, tendo sido implantado primeiro na Venezuela, seguido por Equador, Bolívia e Nicarágua, e que está na pauta de exigências das FARC para a Colômbia.

Membros do bando terrorista EZLN recebem membro do MPL Brasília no México, em 2007, e exibem bandeira do movimento. (Crédito da foto: Terceiro/Divulgação)

O mundo está apreciando as manifestações que estão ocorrendo no Brasil como um movimento surgido espontaneamente no seio de uma sociedade farta de tanta corrupção. Nós sabemos, porém, que não existe “geração espontânea” e que em todos esses movimentos surgidos no mundo atual, há alguém por trás comandando-os, ditando as palavras de ordem e financiando-os.

As FARC já têm representante legal no Brasil

Entre os dias 24 e 26 de maio, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre-RS serviu de palco para mais uma manifestação pró-FARC no “Foro pela paz na Colômbia”, promovido pela “Marcha Patriótica-Capítulo Brasil”, uma ONG das FARC que realiza o trabalho de massas. Enquanto isso, no mesmo período o presidente colombiano Juan Manuel Santos reunia-se na cidade de Cali com os presidentes do México, Peru e Chile, no encontro da “Aliança do Pacífico”, mais um desses organismos inúteis que só servem para seus membros fazerem turismo às custas do contribuinte, e estabelecer projetos que jamais serão cumpridos e menos ainda cobrados por quem quer que seja.

No evento em Cali houve festa e apresentações culturais, nos quais o irresponsável presidente ria, dançava e festejava, enquanto nesse mesmo dia – e em dias anteriores – as FARC, que estão em “negociações de paz” com o governo colombiano em Havana, assassinavam 10 soldados e o ELN, que pretende participar desta farsa, assassinava 13 policiais. 

As FARC já têm representante legal no Brasil

Entre os dias 24 e 26 de maio, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre, RS, serviu de palco para mais uma manifestação pró-FARC no “Foro pela paz na Colômbia”, promovido pela “Marcha Patriótica-Capítulo Brasil”, uma ONG das FARC que realiza o trabalho de massas. Enquanto isso, no mesmo período o presidente colombiano Juan Manuel Santos reunia-se na cidade de Cali com os presidentes do México, Peru e Chile, no encontro da “Aliança do Pacífico”, mais um desses organismos inúteis que só servem para seus membros fazerem turismo às custas do contribuinte, e estabelecer projetos que jamais serão cumpridos e menos ainda cobrados por quem quer que seja.

No evento em Cali houve festa e apresentações culturais, nos quais o irresponsável presidente ria, dançava e festejava, enquanto nesse mesmo dia – e em dias anteriores – as FARC, que estão em “negociações de paz” com o governo colombiano em Havana, assassinavam 10 soldados e o ELN, que pretende participar desta farsa, assassinava 13 policiais. 

As FARC já têm representante legal no Brasil

Entre os dias 24 e 26 de maio, a Câmara de Vereadores de Porto Alegre, RS, serviu de palco para mais uma manifestação pró-FARC no “Foro pela paz na Colômbia”, promovido pela “Marcha Patriótica-Capítulo Brasil”, uma ONG das FARC que realiza o trabalho de massas. Enquanto isso, no mesmo período o presidente colombiano Juan Manuel Santos reunia-se na cidade de Cali com os presidentes do México, Peru e Chile, no encontro da “Aliança do Pacífico”, mais um desses organismos inúteis que só servem para seus membros fazerem turismo às custas do contribuinte, e estabelecer projetos que jamais serão cumpridos e menos ainda cobrados por quem quer que seja.

No evento em Cali houve festa e apresentações culturais, nos quais o irresponsável presidente ria, dançava e festejava, enquanto nesse mesmo dia – e em dias anteriores – as FARC, que estão em “negociações de paz” com o governo colombiano em Havana, assassinavam 10 soldados e o ELN, que pretende participar desta farsa, assassinava 13 policiais.