Guerra é paz, paz é guerra

Enquanto no Brasil o assunto na mídia, nas redes sociais e conversas de botequim gira em torno dos mega-escândalos exibidos na “Operação Lava Jato”, a Venezuela arde e sangra, em meio a um mar de miséria, fome, repressão e assassinatos de gente inocente e desarmada, sem que no Brasil as pessoas se dêem conta. Poucos […]

Não haverá mais oportunidade que agora

Fabulosa, a manifestação do 1 de abril na Colômbia! Milhões saíram às ruas e, apesar de que os grande meios de comunicação invisibilizaram o gigantesco protesto contra Santos e seus acordos com as FARC, foi impossível para este governo corrupto esconder a vergonha do desprezo e a fúria que o povo sente por ele e […]

Santos: a acatar o que o país disse neste 1º de abril

A segunda fase do combate do povo colombiano em defesa de suas liberdades e contra o regime ilegítimo de Juan Manuel Santos, e de seu comparsa, as FARC, começou. As marchas e manifestações pacíficas de ontem em 20 cidades da Colômbia e em algumas do exterior, foram um êxito indiscutível e abriram, queira Santos ou […]

A situação crítica da ditadura Chavista-Madurista na Venezuela

Graça Salgueiro comenta a situação da Venezuela e denuncia as mentiras do regime chavista-madurista para incriminar a oposição pelos seus atos, e ainda mais informações sobre as eleições do Equador e os “médicos” cubanos na missão “Mais Médicos” no Brasil.​

FARC: Nova farsa para controlar a vida das crianças libertas

Nem o ICBF, nem a ONU, nem a UE, nem o governo Santos, parecem querer abrir os olhos sobre o processo das crianças em poder das FARC, e sobre os perigos que se encerram sobre os escolares em geral. As FARC querem perpetuar o controle das crianças recrutadas e dos meninos seqüestrados que consigam sair […]

Sobre o narcoterror comunista: tópicos inamovíveis

A Colômbia joga sua sorte em sua política de luta contra as drogas. Este governo nos converteu de fato em um Narco-Estado. Não é tolerável que semelhante assunto se resolva com o maior cartel de droga do mundo e de costas para a Nação.

Alguns amigos muito queridos nos pediram a lista de temas que não podem ser motivo de discussão e quanto menos de aprovação com as FARC. Para eles vão estes pontos que consideramos, como o título diz, INAMOVÍVEIS.

 

Foro de SP apóia Maduro sem suporte na Venezuela

Numa situação na qual imperam violência, fome, miséria e afrontas constantes, da parte do governo, aos direitos civis mais elementares, o povo e as oposições protestam na Venezuela.

Venezuela: Acordo para o resgate da democracia

CONSIDERANDO

Que não há democracia sem a vigência efetiva de um texto constitucional que ordene de acordo com a justiça, o exercício dos poderes públicos, assim como as relações do poder público com os cidadãos,

CONSIDERANDO

Que não há democracia sem respeito dos direitos humanos, que o exercício dos direitos humanos é irrenunciável e que os órgãos do Poder Público estão obrigados a velar por sua efetiva vigência,

Derrota comunista

A mídia esquerdista mostrou-se frustrada com a vitória indiscutível do “não”.
Diante do fato, foi de um cinismo colossal.

Os comunistas foram fragorosamente derrotados no plebiscito costurado na Ilha Cárcere para livrar a cara das Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia (Farc), bando narcoterrorista que há mais de cinco décadas vem detonando a vida da Colômbia e da América Latina. Para quem ignora os fatos, as Farc atuavam (e atuam) como braço armado do Partido Comunista Colombiano. De início, eram apenas um projeto esboçado durante os motins de “el Bogotazo”, em 1948, mas tornado trágica realidade dezessete anos depois sob o comando de Manuel Marulanda Velez, o “Tirofijo”, índio astucioso que entrevistei no final dos anos 1960 para documentário produzido pela TV alemã sobre as guerrilhas virulentas que, já então, tomavam conta do noticiário internacional.

O Nobel da Paz fajuto e o petróleo para a Noruega

Quando a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Kaci Kullmann Five (foto), anunciou, no passado 6 de outubro, a decisão de outorgar o Prêmio Nobel da Paz 2016 ao presidente colombiano Juan Manuel Santos, os observadores de todo o mundo ficaram estupefatos. O titular do diário italiano Corriere della Sera se perguntava se a eleição tinha sentido; o espanhol El Mundo o considerou inapropriado e The Wall Street Journal o rotulou de estranho. Depois de tudo, Santos obteve o prêmio por seu papel em um processo de paz de seis anos com o bando narco-terrorista FARC, cujo acordo foi rechaçado pelo povo colombiano. Só 17% dos possíveis votantes o respaldou. Kullmann Five alegou que o galardão foi concedido em reconhecimento ao trabalho realizado, com a Noruega como país fiador, e para alentar a busca da paz. Porém, o móvel real de tão extravagante decisão pode-se encontrar, como ocorre com muitos países que fazem parte do duvidoso processo de paz na Colômbia, em interesses econômicos, especificamente, petróleo.