1. Notícias Faltantes
  2. Globalismo
  3. Ciência
  4. Destaques

Maconha e legalização: antes de falar asneiras, se informe

23 de junho de 2017 - 16:12:58

Se você fumou maconha (ou queimou, cheirou, injetou), por favor, leia este texto.

Mas não pegue no volante, porque a erva está relacionada ao aumento do número de colisões fatais, com o dobro de chances de acontecerem. No estado do Colorado, EUA, onde a droga é liberada, os acidentes aumentaram 100% de 2007 a 2012, segundo um estudo feito pelo diretor do Instituto de Política de Drogas e professor-assistente no Departamento de Psiquiatria da Universidade da Flórida. Também em Washington, mais do que dobraram os acidentes de trânsito fatais provocados por maconheiros depois que a droga foi legalizada, saltando de 8% em 2013 para 17% em 2014. Não obstante, o limite máximo de Tetra-hidrocanabinol (THC) estabelecido para se dirigir com segurança é extremamente arbitrário e mais difícil de ser mensurado do que o definido para o álcool. Pelo menos é o que afirmam o British Medical Journal e a AAA Foundation for Traffic Safety.

O que é tetra-hidrocanabinol (THC)?
THC é o principal componente ativo da maconha que tem mecanismo semelhante ao de uma substância produzida no organismo, chamada Anandamida. Ambas ativam receptores canabinóides tipo 1 (CB1) no cérebro, gerando, entre outros processos, um aumento na liberação de dopamina em algumas regiões cerebrais. Contudo, ao contrário da Anandamida, o THC leva de 5 a 8 dias para ser expelido totalmente do sangue, sendo algumas vezes mais potente. O problema, então, é que níveis elevados de dopamina alteram a atividade cerebral, levando a alucinações, delírios, acessos de ira e pânico e à diminuição da percepção de tempo e espaço, alguns dos sintomas típicos da esquizofrenia e do transtorno afetivo bipolar.

Esquizofrênicos ouvem vozes que incitam o suicídio, ficam sem expressão afetiva, têm visões horripilantes. Pessoas com transtorno bipolar alternam entre períodos intensos de depressão e euforia. E a maconha aumenta exponencialmente o risco de se desenvolver ambos os transtornos na fase que vai da adolescência aos 35 anos, segundo estudo da American Medical Association, maior organização americana de médicos e de estudantes de medicina. O estudo chama-se Cannabis Use and Earlier Onset of Psychosis. E também há outro, da mesma associação, cujo título é Neuropsychological Permormance in a Long-term Cannabis Users.

O THC vicia?
Sim. Segundo alguns estudos, dentre eles o Adverse Health Effects of Marijuana Use, do New England Journal of Medicine, 9% das pessoas que experimentaram maconha apenas UMA VEZ tornaram-se dependentes, e de 25 a 50% das que fazem uso diário também.

E a maconha medicinal?
A maconha tem pelo menos 400 componentes químicos, embora a grande maioria deles ainda careça de explicação científica acerca de seus efeitos no organismo. Assim, as pesquisas sobre o tema concentram-se em apenas alguns destes compostos, como é o caso do THC, já tratado acima, e do Canabidiol, ou CBD. Alguns estudos sugerem que o CBD não desencadeia efeitos psicoativos e é válido para o tratamento de inúmeras doenças como a esclerose múltipla, dores neuropáticas, câncer, epilepsia e mal de Parkinson. O importante em relação ao assunto, portanto, é entender que a maconha tem diversos componentes, sendo alguns deles psicoativos e outros não. Os primeiros, como é o caso do THC, geram dependência e acarretam graves disfunções ao sistema neurológico. Os segundos, tal qual o CBD, vêm apresentando efeitos benéficos no tratamento de patologias. Logo, pagar um traficante em troca de maconha ou utilizar os componentes psicoativos da erva é completamente diferente de procurar um médico para que ele receite um medicamento com um componente isolado, não-psicoativo, que foi testado e aprovado por organizações médicas e agências de saúde no mundo inteiro.

A liberação das drogas acaba com o tráfico e com a violência?
É fácil supor que a descriminalização das drogas acabaria com a violência e com o tráfico, mas um traficante não está no ramo porque tem um apreço especial pelos entorpecentes. Traficante de verdade sequer fuma maconha. Ele planta, refina, distribui e comercializa porque isso rende lucros exorbitantes. Assim, um indivíduo que dedica sua vida a um crime hediondo – e a outros que precisa cometer para sobreviver – não deixaria de ser bandido porque recebeu autorização estatal para vender drogas. A escolha pelo tráfico é (i)moral antes de ser empreendedora e, por isso mesmo, nada garante que um traficante pediria aposentadoria da vida criminosa porque recebeu chancela do Estado.

No mais, a “droga legalizada” seria muito mais cara do que a “droga ilícita”, porque sobre ela incidiria todo o aparato legal de qualquer atividade econômica, aí incluídos direitos trabalhistas, processos, arrecadação tributária, etc. Então é óbvio que, para manter seus lucros, o traficante seguiria com sua atividade fora da burocracia que fatalmente seria criada com a legalização. Por outro lado, se o Estado monopolizasse para si o comércio, também nada faz supor que os traficantes iriam à falência, já que um bandido será sempre bandido e, portanto, escolherá outro ramo para investir na seleção quase infinita de crimes disponíveis no submundo.

Por isso é que a criminalidade também não diminuiria com a descriminalização. Pelo contrário. Aumentariam não só os crimes de outras modalidades cometidos pelos traficantes como aqueles derivados do vício das pessoas, tais quais agressões e furtos; sem contar a guerra entre os próprios traficantes, que seguiria intacta, como mostram os dados do Observatório Nacional Sobre Violência e Criminalidade do Ministério do Interior, do Uruguai: só no primeiro semestre, os assassinatos saltaram de 139, em 2013 (ano da liberação), para 154 em 2015, sendo 43% desse total oriundo do acerto de contas entre traficantes. No total para 2015, o país teve recorde histórico de homicídios, com 272 mortes

A liberação diminui o consumo?
Acreditar que a descriminalização levaria à redução do consumo é tão ingênuo e desonesto quanto supor que o número de estupros diminuiria se o estupro fosse liberado. É que esse argumento remete à (falsa) ideia de que a repressão leva os usuários a consumirem mais, muito embora a realidade venha exaustivamente demonstrando que a liberação das drogas ELEVA o consumo.

Por exemplo: em 2001, Portugal alterou a lei que criminalizava o uso de drogas, permitindo aos usuários portarem “a quantidade necessária para um consumo médio individual durante dez dias”, que seria algo próximo a 15g de cocaína ou 20g de maconha. Mas uma comparação entre os dados coletados no estudo Sinopse Estatística, do Serviço de Intervenção em Comportamentos de Vício e Dependências (SICAD) em 2001 e em 2014, demonstra o aumento substancial do consumo de drogas, especialmente de maconha e entre adultos de 24 a 35 anos, de 12,9% para 15,9%.

Também outra publicação, o Relatório Europeu Sobre Drogas, publicado pelo Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT), revela que o consumo de maconha entre estudantes de 15 a 16 anos subiu de 8% em 2001 para 16% em 2016. E ambos os estudos asseveram que o uso de drogas não só em Portugal, mas em toda a Europa, segue aumentando cada vez mais, inclusive com novos tipos de substâncias surgidas recentemente no mercado.

Mas nem só no Velho Continente o consumo de drogas têm aumentado após a legalização.

No Uruguai, que em 2013 flexibilizou as leis sobre o uso dando ao Estado o controle sobre a produção, consumo e distribuição de maconha, além de permitir o auto-cultivo, o consumo de maconha aumentou consideravelmente entre 2011 e 2015 nas três métricas utilizadas pela Junta Nacional de Drogas (JND), que publicou a VI Encuesta Nacional en Hogares sobre Consumo de Drogas. Entre pessoas de 15 a 65 anos, o consumo por toda a vida passou de 20 para 23%. Nos últimos 12 meses, de 8,3 para 9,3%. E nos últimos 30 dias, de 4,9 para 6,3%. Isso tudo sem contar com os dados do Instituto Técnico Forense, que recebe as drogas apreendidas pelas operações policias. Eles demonstram que a liberação da maconha aumentou o consumo de outras substâncias psicoativas, como o ecstasy e a cocaína, baseado na quantidade cada vez maior de apreensões dessas drogas. Em 2014, foram aprendidos apenas 40 gramas de ecstasy. Um ano depois, 17 kilos. Por fim, também o Ministério da Saúde uruguaio, em parceria com a JND, apresentou novos dados sobre a apreensão de drogas sintéticas no país, demonstrando que houve um aumento de 7 vezes em relação aos anos anteriores.

A quem interessa a liberação?
Para onde quer que se olhe, a questão das drogas nada tem a ver com garantias individuais ou com saúde pública. Na década de 50, Mao Tse-Tung já proibia o ópio em território nacional sob a alegação de não contaminar o próprio povo, embora tenha entupido os países vizinhos com a droga, isto é, fez dela um armamento químico de guerra. Sessenta anos mais tarde, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA divulga que, em 2015, morreram 52 MIL pessoas por overdose de drogas no país, uma cifra aterrorizante se considerarmos que em regiões de guerra, como a Faixa de Gaza, morrem cerca de 35 mil pessoas ao ano. Nos EUA, portanto, as drogas já são armamentos de destruição em massa, assim como eram na China maoísta, embora com uma singela diferença: a droga chinesa enfraquecia e matava os inimigos; a droga americana enfraquece e mata o próprio povo.

O lobby pela liberação das drogas é e sempre foi uma tentativa de usar a população como cobaia para projetos de engenharia social concebidos por intelectuais, burocratas e magnatas de esquerda, usando os entorpecentes como instrumentos de destruição e dominação física e psicológica. Tanto é assim que a própria Open Society Foundation, de George Soros, diz que a política de descriminalização das drogas em Portugal “é o segundo de uma série de relatórios do Programa Global de Políticas sobre Drogas” da fundação. E onde tem George Soros tem sacanagem.

Este é um artigo introdutório sobre o tema. Pretendo avançar na discussão tanto quanto seja possível.


Rafael C. Libardi é estudante do curso de medicina pela PUC-SP, pesquisador de temas relacionados a saúde, drogas, política e colaborador do site Estudos Nacionais, onde o presente artigo foi publicado originalmente.

  • Sebastião Tupi

    Tem uma certa dose de ou omissão ou inquinação nessa exposição. Conheço pessoalmente o responsável máximo que lidera a situação do uso de drogas em Portugal, mas como isso é apenas informação de algibeira que possa servir de garante e de pouco servirá então poder-se-á consultar aqui http://emcdda.europa.eu/…/publica…/4508/TD0116918ENN.pdf o último relatório do EMCDDA sobre a situação portuguesa e verificar os resultados expostos já em 2017, que, não reflectem o descrito nesse artigo da MSM. Ainda, é importante saber que, o uso de substâncias consideradas ilícitas em Portugal não foi legalizado nem liberizado e muito menos permitido continuando a ser um crime grave, a alteração fundamental é que o usuário deixou de ser considerado “criminoso” passando para ser tratado como “doente” sendo assim tratado como pessoa e não como estatística, i.e. a pessoa não é imediatamente presa até uma certa quantia mas independentemente dessa quantia fica obrigada a frequentar regularmente um serviço de acompanhamento rigoroso. Muito mais haveria a dizer para elucidar melhor quem publica essas matérias sem expor com clareza todos os dados de forma a que os leitores sejam capazes de efectuar uma leitura por sua própria razão, neste caso especificamente da situação em Portugal, um dos assuntos que poderia estar exposto será acerca do combate ao tráfego e circulação.

    Usando o mesmo título de sugestão populista escrito p’lo MSM: “antes de falar asneiras, se informe”, o que aqui se aplicará como ‘antes de publicar asneiras, se informe’.

    • Walquer Carneiro de Souza

      Mas essa é a característica do MSM, combater com sofismas as ideias e comportamentos aos quais não compactua.

      • José Silva

        Mas quais são os sofismas no artigo? Aponte-os e demonstre, com argumentos, os erros e falácias. Assim poderemos atribuir credibilidade e idoneidade à sua opinião. Até agora não passa disso.

        • marco

          • Tulio Stephanini

            Até Milton Friedman se engana, vá ler red cocaine de Joseph Douglas que você vai ver que não é a economia e sim a cultura.
            https://portalconservador.com/livros/Joseph-Douglass-Red-Cocaine-The-Drugging-of-America-and-the-West.pdf

          • marco

            Vc apresenta um livro como argumento, o Milton Friedman apresenta um caso real e notório como argumento; qual é melhor a realidade, ou uma ficção elaborada por algum autor…

          • marco

            A guerra contra as drogas, só tem beneficiado traficantes e usuários que recebem tratamento do papai Estado a custa do erário público; eu acredito que a mesma solução dada para o álcool deva ser adotada para as drogas, a legalização, usa quem quer, vende quem quer…

          • Steven Krutszys

            Cara, você quer mesmo refutar estudos científicos com OPINIÕES de Economistas?

          • José Silva

            Steven, para muita gente, a ciência econômica é que deve regular a vida das pessoas. O liberalismo econômico traz, de fato, muitas vantagens. Mas nem tanto ao céu e nem tanto à Terra.

          • Steven Krutszys

            São os merdas, que querem colocar a ordem econômica acima da ordem moral.

          • É o que um esquerdista faz, seja socialista ou liberal.

          • Steven Krutszys

            Exatamente. Me enganei muito tempos atrás, ao pensar que os “liberais” fossem de direita. Hoje sei que não são. Hoje sei que liberais são apenas um dos “navios quebra-gelo” do Globalismo, juntamente com os Socialistas Fabianos. Enquanto os Socialistas Fabianos querem submeter as corporações aos estado, enquanto defendem pautas morais globalistas, os “Liberais” defendem não só as pautas morais globalistas, como também a destruição das soberanias nacionais.

          • Steven Krutszys

            Exatamente. Me enganei muito tempos atrás, ao pensar que os “liberais” fossem de direita. Hoje sei que não são. Hoje sei que liberais são apenas um dos “navios quebra-gelo” do Globalismo, juntamente com os Socialistas Fabianos. Enquanto os Socialistas Fabianos querem submeter as corporações aos estado, enquanto defendem pautas morais globalistas, os “Liberais” defendem não só as pautas morais globalistas, como também a destruição das soberanias nacionais.

          • Steven Krutszys

            Me enganei muito tempos atrás, ao pensar que os “liberais” fossem de direita. Hoje sei que não são. Hoje sei que liberais são apenas um dos “navios quebra-gelo” do Globalismo, juntamente com os Socialistas Fabianos. Enquanto os Socialistas Fabianos querem submeter as corporações aos estado, enquanto defendem pautas morais globalistas, os “Liberais” defendem não só as pautas morais globalistas, como também a destruição das soberanias nacionais.

          • Dirige drogado quem quer…

            Se não conseguimos controlar uma droga lícita, imagine várias. Melhor, não precisa imaginar: basta ir à cracolândia, local onde as drogas estão liberadas.

          • Beth

            Marco,

            Vi o vídeo e Fredman não apresentou nenhum estudo e fonte científico, ao contrário do texto acima, que citou suas fontes:
            New England Journal of Medicine;
            Serviço de Intervenção em Comportamentos de Vício e Dependências (SICAD);
            Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT);
            Junta Nacional de Drogas (JND);
            Instituto Técnico Forense.

          • Friedman era economista e liberal (esquerdista), por isso a opinião dele não cobriria toda uma questão complexa como as drogas, que envolve Sociologia, Segurança Pública, vários ramos da Medicina etc..

          • Tulio Stephanini

            Como sabes se é ficção? Leste por acaso?

          • marco

            Eu vou te situar com uma realidade que vc e muitos conservadores se esquecem, um mundo não é um céu de chocolate, pintado pela moralismo cristão, as pessoas continuam a fazer putaria e assim continuaram mesmo contra a vontade cristã. O Islã que possui um controle social muito mais sofisticado que o Ocidente, não conseguiu controlar o consumo de bebida alcoólica em mais de 1000 anos, quanto mais nossa sociedade secular.

          • Tulio Stephanini

            E eu vou te trazer para a realidade, no mundo sempre existiu tudo isso que relataste, a moralidade cristã sempre se apresentou como alternativa a putaria e tudo de ruim que existe desde os tempos de Cristo. O islã não serve de referência pra nada, numa sociedade onde a pedofilia é aceita e incentivada, mohammed é o maior exemplo, qualquer coisa que venha dela não deve ser levada a sério, a não ser Averróis é claro.
            Veja ai um exemplo da seriedade do islã no Afeganistão.

          • Porque Friedman não era conservador, mas liberal. Por isso o seu erro, comum à esquerda em geral, de reduzir ou nivelar questões sociais a economicismo.

        • Walquer Carneiro de Souza

          O autor do artigo não apresenta uma referência séria de publicação de estudos parta embasar a retorica dele.

      • Steven Krutszys

        Vanos lá sabichão, refute o artigo então. Antes de continuar defendendo sua droguinha, refute todos os relatórios citados no artigo.

        • Walquer Carneiro de Souza

          por exemplo o chefão do MSM é um drogado, vive se entupindo de nicotina a ainda enche a cara de álcool…Tá a minha refutação. O artigo é pura hipocrisia. Eu não faço uso de nenhuma substância alucinógena. Eu não sou é hipócrita como a turma do Olavo de Carvalho

          • Seu argumento é criticar alguém e chamar os outros de “hipócrita”? Quer hipocrisia maior do que tomar conta da vida dos outros e se justificar com isso?

            Se não consegue fazer melhor do que isso, avise-me para que eu te bloqueie.

          • Steven Krutszys

            Primeiro: lava a tua boca e os teus dedos sujos antes de falar ou escrever qualquer asneira sobre professor Olavo de Carvalho. Segundo: não queira comparar o álcool e o cigarro com drogas pesadas como a maconha, cocaína, crack e afins. Seu filho da puta.
            Terceiro: você não tem moral de falar qualquer coisa contra ninguém. Nem aqui na internet, nem dm mugar algum, pois você é um merda e sabe disso. Sabe que é um merda. Você não tem moral alguma para se colocar acima de ninguém ao alegar que “não usa substâncias alucinógenas”. Como já dizia o finado Espanta: “É melhor fumar do que dar o cú”. Olavo fumando, no máximo mancha o pulmão dele (o que vários médicos de renome já comprovaram se algo relativo, que varia de pessoa para pessoa), já você, dando o cú, mancha a honra de sua família inteira. Seu fila da puta. Você é um verme.

          • Felipe Rocha

            Droga pesada é álcool cigarro e tarja preta seu viadinho paga pau do Bolsonaro psicopata você concerteza é mais um viciado em cocaína sua bicha paga pau do governo arrombado deve ser doido pra limpar arma do Bolsonaro kkkkkkkkkkkk sua bicha vai pesquisar sobre. Cannabis ao invés de falar merda ae sua bicha alcoólatra sou mais a erva do que ser uma bicha filha dá puta cheirador de pó igual a vc

          • Walquer Carneiro de Souza

            Vc é um verdadeiro servo do Orvalho de Cavalo…Vcs nunca aprenderão a ser pessoas respeitosas e equilibradas…Um cara que fuma e bebe feito um animal irracional não moral alguma pra falar sobre qualquer tipo de vícios seja ele qual for…

    • José Silva

      O link indicado não permite o acesso.

    • Tulio Stephanini

      O link não funciona.

    • Steven Krutszys

      Ok sabichão, então refute o artigo ponto por ponto. Antes de continuar defendendo sua droguinha, refute todos os relatórios citados no artigo. Não se combate verdades científicas com OPINIÕES.

  • Alemoon

    Se a maconha vícia quimicamente não sabemos. Mas que ela deixa o sujeito alienado não tenho dúvidas, não só ela como todas as outras drogas: é uma fuga da realidade. Assim dizem os loucos. Eu diria que usar droga é aprisionar a mente, mas os usuários acreditam que ela abre as portas da percepção. Pura ilusão.

    • Evandro Lougue

      Alienado é você que fica falando merda que não tem conhecimento algum, só repetindo as bobagens que leu em algum site antidrogas por aí. Ridículo.

      • Steven Krutszys

        Cara, refute o artigo então. Antes de continuar defendendo sua droguinha, refute todos os relatórios citados no artigo.

        • Fernando

          Não tem que refutar nada. Com esses caras tem que ser porrete na lomba mesmo. Esse aí é daqueles que defende a cracolândia, é mais um daqueles que vê um irmão naquela situação deplorável e acha bom, acha que o cara é livre, que ele tem o direito de estar na merda. Esse cara é um safado sem-vergonha, isso sim.

      • Fernando Reis

        Maconheiro? Será?

      • Rivaldo Santana Jr.

        KKK Zé Droguinha Detectado apresentando sinais anti sociais e expressando várias palavras de baixo calão para defender sua erva..

      • Gleydson Gomes

        Refute o artigo, então.
        Refute também o National Center for Biotechnology Information. Refute o National Institutes of Health.
        O artigo acima foi baseado nestes que citei.

        • Varley Silva Rosa

          Do texto até aqui nos comentários seria necessário uma quantidade mínima de neurônios da área da memória trabalhando para que fosse possível se lembrar do que foi lido anteriormente nesse intervalo. O NCBI e o NIH além de outros bilhões de pessoas sabem que exigir isso de alguém que defende a liberação da maconha é de uma crueldade medonha.

      • Alemoon

        Nossa que bravinho Evandro! Alienado quer dizer: pessoa afastada ou desviada da realidade. No caso, fuma-se maconha para ter plena consciência do mundo? Pela sua reação dá pra perceber. (Esta foi uma pergunta retórica viu Evandro.)

      • Lucas Santos Amaral

        Amigo maconheiro… aproveite as últimas células nervosas que tem… vc vai sentir falta delas… te garanto… meu vizinho maconheiro agora baba no ombro e tem que ser amparado pela velhinha sua mãe todos os dias pra chegar até o PSM local… ele pensava igual a vc a uns cinco anos atrás…

    • Hugo Marcelo Barbosa

      Sugiro que leia o posicionamento da sociedade brasileira de psiquiatria: http://www.abp.org.br/manifesto/manifesto.pdf

    • ferolder

      Diga você mesmo. Fuga da realidade ? Kkkkkk tá de sacanagem né.
      Isso é o pior argumento que eu já li. Sua mente já está mais do que aprisionada.

      • Fabio R Moreira

        Você é mais um maconheiro tentando justificar que droga é bom. Tenho dó de pessoas como você, que por não saber debater impõe um discurso mediocre e sem lógica e saem de peito estufado se achando o máximo. Por outro lado eu entendo, dentro da sua cabeça não tem cérebro, tem fumaça. Parasita.

        • ferolder

          É, vc se descreveu. Parasita não pq vc não tem essa liberdade. Nem me conhece. Vc é o dono de toda a razão do mundo. Eu só tenho fumaça na mente.Eu roubo para sustentar meu vício. Recebo bolsa família. Faço tudo isso. Mais o que? Eu sou esquerdista? Zé droguinha? Mais o que? Repete aí os slogans da TV. Idiota, vai ler um livro, um conselho de um maconheiro, que é feito da mesma matéria que você. Por mais claro que eu seja, você nunca vai me entender.

          • EuNãoSouVocê

            Vixi, tá na depre. É o efeito pós uso. Oooooo coitado.

          • ferolder

            Acho que vc se confundiu maconha não dá depre, sinto muito te informar kkkk bizarro.
            Vai aí um trecho do filósofo contemporâneo Mr Catra:

            Cadê o Isqueiro?
            Mr. Catra

            Original Rádio
            Oh oh oh, oh oh cadê o isqueiro?
            Demorou forma o bonde dos maconheiro

            Que doidera me deu a louca
            Vou abrir a boca e falar do preconceito
            Dessa sociedade escrota
            Penso em tudo o que faço e do que faço me orgulho
            Confesso pra vocês eu gosto muito de fuma bagulho
            Se tu nao gosta tudo bem, é direito seu
            Agora não vem discrimina um direito de fumar que é meu
            Fumo, fumo mesmo assumo pra voce
            Existe há mil anos nunca fez ninguém morrer
            Como pode fazer mal? me deixa feliz
            Se eu experimentei foi porque eu sempre quis
            Se sou assim não depende disso
            Se eu sou assim é porque eu to de bem comigo
            Mas se tu nao tá
            Nao experimenta
            E não é com a planta que voce vai solucionar
            Os seus problemas e melhorar o seu astral
            Pense nisso amigo caia na real !

            Oh oh oh, oh oh cadê o isqueiro?
            Demorou forma o bonde dos maconheiro!

          • “Vai aí um trecho do filósofo contemporâneo Mr Catra”.

            Depois dessa, só tenho que te bloquear, pois não vou aprender nada com você.

          • ferolder

            Wow

  • Mattheus Saraiva

    Olá,MSM,gostei bastante da coluna,mas me relembrou de uma dúvida que carrego que é em relação entre a maconha a qual é ilegalizada e o tabaco que é legal,concordo com os estudos abordados sobre os efeitos da erva,outros estudos apontam que os efeitos do tabaco e álcool são mais prejudiciais ao indivíduo.
    Pois de acordo com a publicação Cannabis Policy, 32% dos que experimentaram tabaco tornam-se dependentes, contra 15% do álcool e 9% da maconha. Estive procurando alguma coluna sobre o álcool ou tabaco aqui e não encontrei.
    A questão é,porque o tabaco e o álcool são drogas legalizadas mesmo existindo estudos que comprovam serem mais prejudiciais ao indivíduo que a erva?
    Porque existe a liberdade do indivíduo em consumir as duas drogas e restringir a erva e outras?
    Deveria existir uma proibição total dessas drogas ou uma liberação igual a do tabaco,que no caso existem advertências levando o consumidor a rejeitá-las?
    Por fim,estou gostando bastante de suas colunas. Abraço!

    • Sandro Medeiros

      Olá, Matheus. O professor Olavo de Carvalho falou exatamente sobre esta questão, com muita propriedade: https://www.youtube.com/watch?v=Kfl6dDRUbVw

    • José Silva

      Essa é uma boa questão. Na minha opinião ( e é só opinião), creio que quando se deram conta do estrago, avaliaram ser melhor restringir, desestimular com campanhas sobre a nocividade, do que criminalizar. Se a criminalização fosse a opção, seria mais um “nicho de mercado” para os criminosos.

      • Romanorum

        Essa é a questão principal,se legalizar,istoé, permitir sua livre utilização e consequente difusão e vulgarização,será muito difícil uma proibição e até restrição posteriores.Depois de arrombada a porta fica difícil conter a invasão…

    • roque eugenio stangler oliveir

      Olavo ,pelo que entend,i disse que os traficantes ficariam mal se fosse legalizada a droga e falou do maior custo via legal,impostos etc,só que é o contrario, se a DROGA FOR LEGALIZADA E CUSTAR MAIS CARA , O TRAFICANTE VAI ESTAR NUMA BOA, COMO ACONTECE COM O CIGARRO SEM IMPOSTO VENDIDO NO PARALELO.
      De quebra o traficante vai falsificar até o selinho do governo…
      Sou meio contra o governo governar sobre o consumo de uma pessoa, quase inutil,como fazer?cadeias já lotadas,corrupção maior quanto maior forem as dificuldades causadas,pois venderão “facilidades” aos encrencados.
      SOLUÇÃO, SOMENTE UMA “MEGA CONSCIENTIZAÇÃO” PERMANENTE USANDO TODOS OS RECURSOS DE MIDIA DE MASSA, O CIGARRO FOI MARGINALIZADO,NOS LUGARES PÚBLICOS UM MILAGRE FOI CONSEGUIDO.
      É POR AÍ A COISA
      LEMBRE: FALEI EM MEGA AÇÃO DAS MIDIAS

  • Gustavo Costa de Oliveira

    como diz o Olavo, é pão e circo, só que sem o pão

    • Evandro Lougue

      E daí, cara? Mas tomar sua cervejinha com a galera tá beleza, né?

      • Romanorum

        Sua resposta completamente idiota demonstra sua estupidez… Comparar alcool com drogas como a maconha é completa falta de noção e raciciocínio…Não sei de você,mas eu bebo pelo prazer que a bebidame oferece e nãop para ficar bêbado… Como as que tomei há pouco,se pudesse eliminaria o efeito da embriaguez como efeito colateral indesejado,já quando emminha juventude dava meus tapas era para ficar chapado, única e exclisivamente…Não sei você e os outros iguais que vociferam aqui,se obtêm algum prazer estético além da alteração sensorial…

        • Leonardo Suett

          Kkkkkkkk caralho…. resposta mais inteligentemente burra que eu já li.

        • Evandro Lougue

          Ok, Romano, já entendemos que as coisas que VOCÊ não gosta devem ser proibidas porque você simplesmente quer assim. Agora vai lá tomar sua cervejinha, verme nojento.

          • Vinicius

            HAHAHAHAHAHAHAHA CARA, olha isso!!! NÃO DE BOLA pra esses caras, a gente não pode nem dar a atenção de responder eles, olha o que ele escreveu, é inacreditável alguém ainda pensar como ele… Esse Romanorum tá com a cabeça em marte pra escrever isso!!!

          • Vinicius

            Manda ele pesquisar sobre dopamina… KKKKKKKKKKKKK

          • Vinicius

            “Comparar alcool com drogas como a maconha é completa falta de noção e raciciocínio” Como alguém pode ter essa opinião sobre o canábis?? Me explica o que ele pensa? Será que sabe alguma coisa de biologia?? Será que alguma vez já estudou como funciona o nosso corpo? Meros ignorantes…

          • Vinicius

            Não só sobre a canábis, também com o álcool.

        • Sebastian M.

          Realmente, não se pode comparar maconha com o álcool, já que o álcool é praticamente um veneno que pode te deixar em um estado lastimável, muitas vezes sem conseguir ao menos ficar em pé. “se pudesse eliminaria o efeito da embriaguez como efeito colateral indesejado” … já ouviu falar em cerveja sem álcool meu amigo?

          • Romanorum

            Você já provou cerveja sem álcool? Pelo jeito não… Prefiro a “envenenada”,mais saborosa e não me derruba com frequência…Sei me controlar e decidir até que ponto parar e continuo muito vivo e bem de saúde,mental inclusive,já os “fumetinhas” que conheci e partilhei na juventude e não se livraram desse hábito(veja que não chamo de vício),se continuam vivo têm o cérebro lesionado e partiram para outras experiências( de drogas) mais pesadas e até mais nocivas(ainda que seja quase impossível)! Mas é tudo questão de escolha,não se consegue proibir,ou melhor impedir, quando se quer de fato, mas felizmente ainda não liberaram geral para incautos provarem e aderirem…

          • Sebastian M.

            Se esses que vc conheceu tem o cérebro lesionado é justamente por terem partido pra drogas de fato nocivas, vc tenta dizer que a maconha é “super nociva” ao dizer que “é quase impossível haver drogas mais pesadas e nocivas que a maconha”, sendo que até hj o único malefício comprovado é devido a fumaça, e vc já deveria saber que o álcool é considerado a pior droga de todas… e pare de comparar usuários de crack/cocaína com usuários de maconha, eu fumo cannabis e fui o primeiro da minha família a cursar o ensino superior, e em “testes de QI” minha média está acima de 140.. sinto muito em ser sincero cara, mas alguém que consome álcool criticar a maconha é de uma hipocrisia imensurável.

          • Romanorum

            Voce é sincero mas descuidado…Antes de tudoé você que confude “fumeta”com casqueiro e cheirador,eu sei bem o que é oprimeiropois fuiumpor algumtempo(se longoou curto tempo é difícilde definir após tanto tempo,pois lá se vão40 anos)…E dizer que o único malefício da erva é a fumaça…Uau! E não é essa a essência da diabólica? E mais,álcool é considerado a pior droga por quem? Pelos fumetas,com certeza! Não considero álcool mera droga paralelamente a estupifacientes,pois como disse,não têma finalidade de alterar a consciência ou percepção,mas produz esse efeito colateralapesar de alcoólicos viciados talvez visaremtais efeitoou a mera embriaguez,eu não,nunca! E de onde tiraram a conclusão de que sou adepto inveterado de ácool? Bebo cerveja sempre comoacompanhamento de refeições ou senão em doses minúsculas.Prefiro destilados,mas só consumo em tempos frios,como pré-refeição e pequenas doses geralmente,e raramente me embriago,pois odeio a sensação…E pra terminar,NÃO SOU DEFENSOR DOÁLCOOL,SÓ PREFIRO MIL VEZEZ,INFINITAMENTE A DROGAS ESTUPIFACIENTES COM ÚNICO PROPÓSITO DE DEIXAR-ME ESTUPIDIFICADO COMO OS DEFENSORESDA ERVA DO DIABO,A MRIJUANA,A VULGAR MACONHA,PONTO FINAL!

          • Sebastian M.

            Primeiro, quando eu disse que vc compara usuários de maconha com usuários de crack/cocaína eu me referi ao fato de que vc parte do pressuposto de que foi a maconha que os matou ou “lesionou” o cérebro ao dizer “se continuam vivo têm o cérebro lesionado” e também parte do pressuposto de que a maconha foi a causa de eles terem partido pra drogas “mais nocivas”, essa é a “Falácia do Declive Escorregadio”.. o simples fato de que há muitas usuários de maconha bem sucedidos e que não usam drogas nocivas já invalida essa “argumentação” falha. —- “dizer que o único malefício da erva é a fumaça…Uau! E não é essa a essência da diabólica? —- Não.. NÃO é, a maconha pode ser consumida por vaporização, chá, ou até mesmo como tempero, qualquer um desses métodos elimina os efeitos nocivos da fumaça. —- “álcool é considerado a pior droga por quem? Pelos fumetas,com certeza!” —- O álcool está em quarto lugar dentre as causas de morte que poderiam ser evitadas, é a droga mais nociva à sociedade atualmente e claro, provoca dependência, e quem diz isso não são os “fumetinhas”, quem diz isso é a própria ONU (Organização das Nações Unidas), através da OMS (Organização Mundial de Saúde), que é a instituição governamental mais respeitada e com maior poder do mundo… nem deveria ser necessário te trazer fontes para que vc constatasse esse fato, já q é óbvio e de conhecimento comum.. —- “Não considero álcool mera droga paralelamente a estupifacientes,pois como disse,não tem a finalidade de alterar a consciência ou percepção,mas produz esse efeito colateral” —- NADA do que vc disse nesse trecho condiz com a realidade! O álcool É um entorpecente, ele É uma DROGA ESTUPEFACIENTE! e tem como sua PRINCIPAL finalidade alterar a consciência e a percepção… Veja o dicionário:

            Entorpecente

            adjetivo de dois gêneros e substantivo masculino

            que ou o que entorpece; entorpecedor.

            Que ou o que age no sistema nervoso central, provocando estado de entorpecimento, de embriaguez, e que, mesmo tolerável em doses altas pelo organismo, freq. causa dependência e progressivos danos físicos e/ou psíquicos (diz-se de droga, medicamento ou outra substância); estupefaciente.

            Os adjetivos ‘entorpecente” e “estupefacientes” descrevem o álcool PERFEITAMENTE..

            “Bebo cerveja sempre como acompanhamento de refeições,ou em poucas quantidades … geralmente como pré-refeição em pequenas doses e raramente me embriago” —- resumindo, vc bebe todos os dias, inclusive durante as refeições como se fosse um suco de frutas e de vez em quando exagera e fica andando em “zigue e zague” por ai.

            E no seu ultimo trecho em letras maiúsculas vc continua afirmando que a cannabis “lesiona” o cérebro, o que eu já desmenti através de uma argumentação tão clara que até uma criança é capaz de entender… e continua agindo com hipocrisia ao criticar “drogas estupefacientes” sendo que vc é consumidor de álcool que também é uma “droga estupefaciente”, ou seja, é um bebum..

            Fontes das minhas afirmações:

            NIAAA, instituto governamental vinculado à OMS e à ONU: https://www.niaaa.nih.gov/alcohol-health/overview-alcohol-consumption/alcohol-facts-and-statistics

            G1: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/01/brasil-e-o-5-em-mortes-por-alcool-entre-paises-da-america-diz-pesquisa.html

      • Raimundo Lulo

        se o cara nao bebe, esse babaca alienado não tem nem o que responder… argumento baseado totalmente no preconceito humano

  • Sandro Medeiros

    A chamada do artigo não contribui em nada para a discussão de um assunto complexo como a descriminalização do uso da maconha. Apesar de ter argumentos consistentes, o autor lamentavelmente não incluiu os links dos dados apresentados para checagem da veracidade e metodologia das pesquisas citadas. Reduzir o contraditório a um simples “falar asneira” mostra clara incapacidade de diálogo e tira credibilidade do texto. O Nobel de economia Milton Friedman colocou alguns argumentos bastantes contundentes a favor da legalização da maconha que também devem ser considerados e refletidos antes “de se falar asneiras”… (ver: https://www.youtube.com/watch?v=-shwabBMEXQ

    • Beth

      Sandro, por acaso no vídeo que você apresentou estão os links dos dados apresentados por Friedman?
      Não peça algo que você mesmo não é capaz de cumprir.
      O artigo da MSM não postou os links, ok, mas indicou as fontes.

    • Steven Krutszys

      Entendi, os dados só possuem validade se servirem para corroborar a defesa do uso da maconha, não é? Ah, vai tomar no cú zé droguinha…

      • Evandro Lougue

        Steven, vai se masturbar olhando foto do Bolsonaro, vai. “Volta regime militar, adoro ver macho fardado na rua mandando em mim, mimimi”.

        • Steven Krutszys

          Não preciso me masturbar olhando foto do Bolsonaro, pois tua mãe masturba o meu pau, enquanto teu pai fica olhando. E outra: já que você provocou, agora aguenta. Não adianta vir com “falar da mãe não vale”. Sua falta de argumentos abre precedentes para que eu te insulte. Aliás, você é um verme.

    • Um economista liberal (esquerdista) falando de algo tão complexo só poderiam sair disparates como esses.

      Não vi resposta nesse vídeo para a cracolândia, por exemplo.

  • Marcos Lorite Lopes

    Não podemos liberar nenhuma droga, eu vejo principalmente a maconha como porta de entrada para inúmeros adolescentes, que chegam em sala de aula chapados, e a distribuição é latente, sem instrução ou conhecimento das drogas inseridas pelos termos THC ou CBD, vejo muitos índices, sim, claro, se tornam estatísticas para o bem ou para o mal, mas são crianças que irão desenvolver síndromes, violências e transtornos. Não vejo nada de bom.

    • Evandro Lougue

      Isso aí, continue colocando a educação e a moral das crianças na mão do Estado.

      Tá certíssimo, bolsominion.

  • José Amaro

    O site sugerido pelo Pá penoso apresenta vários programas com nomes bem sugestivos tais como Way out, Quit the shit, A Treatment Programme For Chronic Cannabis Users, Family Motivational Intervention (FMI) e outros, e apontam exatamente para o olho do furação que o futuro médico Rafael C. Libardi introduziu e pretende avançar sobre o tema.

  • Daniel Robert

    Ou seja o Governo deve legislar sobre saúde agora, foda-se a sua autonomia, cigarro faz mal também, pois proíba a venda.
    O governo ao invés de proibir maconheiros de dirigirem carros, proíbe o uso da maconha.
    O governo deveria fazer o seguinte, não impedir um retardado de comprar um AR-15, mas proibir a venda dos AR-15, ou também, se as pessoas abusam de suas propriedades privadas ele deveria proibir a propriedade de acordo com sua lógica abstracionista, digna de um libertário.
    Parabéns, você é o cara Sr. Rafael Libardi.

  • tabajara_music

    Maconha é nada mais que um “cigarro power”. Quanto ao uso que se faz dela, são outros.

    • Vinicius

      Exato. Porém, JAMAIS esqueça de mencionar que a nicotina imita a acetilcolina e o THC imita a anandamida. E isso é extremamente importante em milhares de aspectos, inclusive no vício e abstinência. Se alguém quiser saber porque, basta pesquisar como atuam esses dois neurotransmissores no cérebro.

  • Luiz M Vasconcelos

    Matéria proibicionista, nada haver. Essa guerra é uma falácia inútil

    • Alexandre Galiotto

      É verdade. A informação deste texto pode ser apresentada de modo que o leitor pense na liberalização como algo inescrupuloso, ao mesmo tempo em cada pessoas interpreta de maneira diferente o conteúdo de acordo com suas experiências. Alias, o uso ou não, de dada substancia, é de caráter pessoal e intransferível. Por outro lado, no momento em que o governo se torna o monopolista do produto, ai sim, isto pode ser um problema. Ou seja, se a liberação existir, mas forem as empresas que se beneficiarão com a concorrência e com o mercado, o problema do consumo se torna essencialmente pessoal, tirando do governo a responsabilidade pelas pessoas, a não ser quando o aumento do uso se torne um problema econômico ligado a saúde pública, o que acredito ser a intenção do redator; onde as pessoas deixariam de oferta mão-de-obra para fumar maconha, por exemplo, ao invés de trabalhar para comprar a maconha, ou qualquer outro produto. Outro ponto não mencionado no artigo é o aumento populacional neste período, ai não sei se eles consideram este indicador dentre dos indicies desenvolvidos pelos institutos de pesquisa. Nada é tão certeiro hoje em dia quanto a imoralidade dos governos em relação a arrecadação de tributos, tornando qualquer produto comercializável para financiar os custos totais do Estado, onde existe uma despreocupação perante as pessoas. Mas o tráfico de drogas sempre vai existir, assim como existiu os DVDs piratas, e se isso é o desejo das pessoas, continuar proibindo vai deixar . Pode ser que, o produto maconha, livre de impostos, seja mais barato, então, consequentemente, com a sonegação dos ditos impostos o trafico se sustentará, talvez menos que hoje. O que deve-se seguir é a moral de cada pessoa, e não tornar um assunto de moral como pressuposto para opiniões políticas ditatoriais. O aumento da criminalidade pode ser explicado por vários outros fatores, como a má distribuição de renda e continua concentração da renda, baixo nível de ensino e até mesmo o desinteresse dos jovens em trabalhar. Tudo isto, juntamente com a liberalização da maconha pode potencializar a criminalidade, pode até ser. Mas pelo que vejo, na minha cidade, o número de crimes esta aumentando mais devido a migração de pessoas de centros maiores, mesmo com as drogas sendo proibidas. Agora, se haver a liberalização, só sendo aprovada tal lei para verificar a reação da sociedade. Ai retorno a importância da moral e da fortaleza da família, onde que, se a pessoas for criada de maneira descente, não interessa se haverá a descriminalização ou não do produto.

    • Romanorum

      Matéria proibicionista não,alertante e ilustrativa,se quer usarou continuar usando,não obrigue a sociedade como um todo aceitar seu hábito,e nem digo vício. Não quero que meus filhos usem e sendo liberada fica muito difícil,ou mesmo impossível impedi-los de usarem…Com qual argumento eu os convenceria se muitos,se não a maioria, fariam uso dela? O testemunho de minha experiência,que seria arma de dois gumes,tipo,”se você usou ,porquê não eu?”? E explique que guerra é falácia inútil?

  • GrowKnow.How

    Caro autor do texto. respeitando sua posição e seu estudo, não posso deixar passar que há exageros e distorções nas interpretações das suas fontes, que explicitam um viés pessoal e uma intenção de disseminar uma informação distorcida para favorecer seus próprios “argumentos”. Um exemplo, do seu texto:

    “O THC vicia?
    Sim. Segundo alguns estudos, dentre eles o Adverse Health Effects of Marijuana Use, do New England Journal of Medicine, 9% das pessoas que experimentaram maconha apenas UMA VEZ tornaram-se dependentes, e de 25 a 50% das que fazem uso diário também.”

    Aqui é destacado em maiúsculas o “UMA VEZ” (As maiúsculas indicando tentativa de persuasão ou inserção de uma idéia específica através do destaque do tamanho da letra, e não da razão), dizendo que o potencial aditivo acontece no primeiro uso. Como, apesar de meu estudo profundo, racional e científico no tema, nunca havia me deparado com este tipo de afirmação, resolvi buscar a sua fonte para acrescentar ao meu conhecimento. Busquei no google “adverse health effects of marijuana use new england journal of medicine” pra chegar na referência. Chego no artigo científico que é fechado só para assinantes, mas que possui uma amostra justo da página que fala sobre vício e ali está o seguinte texto (em inglês):

    “Risk of addiction
    Despite some contentious discussion regarding addictiveness of marijuana, the evidence clearly indicates that long-term marijuana use can lead to addiction. Indeed, aproximately 9% of those who experiment with marijuana will become addicted (according to the criteria for dependance in the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders).”

    Pra quem não entende bem o inglês, o que está descrito é que a cannabis tem potencial aditivo em uso de longo termo (ou seja, uso regular por anos, e não na primeira vez) e que 9% dos que experimentam cannabis se tornarão dependentes, querendo dizer que esses 9% serão os que usarão em longo termo até se tornarem dependentes, mas não quer dizer que já se tornam dependentes na primeira vez, como o seu texto tenta nos fazer acreditar. Também é feita uma refrência sobre o conceito de dependência que foi considerado, que é o do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, o que precisa ser estudado antes para entender qual o grau de depend6encia que é considerado e quão grave ele é.

    A distorção na informação original invalida completamente a referência, e o fato de seu “argumento”, neste caso, estar fundamentado em uma referência com informações distorcidas para seu benefício, o torna igualmente inválido e aí fica difícil dar credibilidade ao seu texto inteiro, já que é bem provável que outras distorções do tipo tenham sido usadas para “fortalecer” seus “argumentos”, que infelizmente só se esfacelam com essa atitude.

    Um outro pequeno exemplo de mal uso da informação para disseminar uma idéia distorcida está aqui, extraído do seu texto:

    “No estado do Colorado, EUA, onde a droga é liberada, os acidentes aumentaram 100% de 2007 a 2012, segundo um estudo feito pelo diretor do Instituto de Política de Drogas e professor-assistente no Departamento de Psiquiatria da Universidade da Flórida.”

    Acontece que a cannabis recreacional (aquela que pode ser consumida por qualquer maior de idade, sem necessidade de comprovação de condição médica) só foi regulamentada em Novembro de 2012, e com certeza só chegou ao mercado efetivamente e em número considerável alguns meses depois, já em 2013. Sendo assim, não pode ter sido a legalização da cannabis a causa de tal aumento nos acidentes de trânsito no período de 2007 a 2012.

    Novamente, a informação do aumento dos acidentes pode ser verídica, mas a forma como essa informação é usada para validar os “argumentos” apresentados é absolutamente inválida, primeiro pela óbvia discrepância no período da pesquisa e o período efetivo pós legalização, além de ser falacioso fazer a correlação direta de tais números ao consumo de cannabis, mesmo que forssem no mesmo período, já que há inúmeros outros fatores que podem estar contribuindo com o aumento nessa taxa de acidentes.

    Posso continuar desmistificando, demonstrando as falácias e exageros sensacionalistas de outros argumentos, mas acho que não é necessário, pois acredito que, como profissional sério que o autor procura se demonstrar, ele próprio retratará esses exageros e distorções das informações retiradas das fontes citadas, removerá os apelos propagandísticos tendenciosos e falaciosos, e deixará o essencial, informativo, elucidativo, esclarecedor, que é, efetivamente útil à todo leitor que tiver acesso a esse texto.

  • Dommi Muiño

    Deixem a maconha de lado. Entupam-se com Gardenais, Haldois, Fluoxetinas, Ritalinas, antitussígenos, Fenazepans, Rufinamidas, Acetis Fentanis, Alpha -PVPs e coisinhas do tipo. Afinal, os laboratórios precisam lucrar.

    • Daniel Zye

      Falou tudo e digo mais: a maconha só vai ser legalizada no Brasil quando vier pelas grandes farmacêuticas, como aconteceu na Califórnia durante 40 anos até a legalização do uso recreativo.
      Enquanto isso, o Estado irá continuar prendendo os que plantam e gozam do auto sustento.

    • Steven Krutszys

      Bela falácia: querer esconder o erro que é o uso da maconha apontando outro erro menor que é o uso indiscriminado de medicamentos. A grande diferença da maconha para os medicamentos citados é simples: a maconha destrói os neurônios e os medicamentos citados não.

      • Dommi Muiño

        Falácia? Rapaz, volta para as aulinhas de química laboratorial e depois venha cá discutir ou debater comigo, ok?
        Sem mais para o momento.

        • Steven Krutszys

          Ah, vai te fuder seu merda. Garanto e enho mais conhecimentos de Química que você e toda sua família juntos.

          • Felipe Rocha

            Você deve ter é conhecimento em rola sua bicha do caralho kkkkk

          • Dommi Muiño

            Interessante como sempre que se questiona sobre os conhecimentos de um imbecil como vc, mais do que imediatamente aparece um “profiçionau” da área. O poder de transmutação de uma interrogação sobre o hipocampo de alguns falastrões pernósticos é fantástico.
            Ah, antes que eu me esqueça, vá vc, dar meia horinha de bunda e enfia sua fanfarronice boquirrota no meio daquele seu recôndito onde o sol não bate.

  • Felipe Rocha

    Quem escreveu esse artigo não sabe de merda nenhuma,, deve ser um hipócrita viciado em remédios ou um alcoólatra FDP…

    • Steven Krutszys

      Tem certeza? O rapaz é estudante de medicina. Com toda certeza depois de formado ele poderia te examinar, pois muitos dos efeitos da maconha citados no artigo se mostram evidentes em sua atitude, exemplo: delírios.

      • Felipe Rocha

        A mesma medicina que indica tarja preta pras pessoas? Hipocrisia e preconceito estúpido uma erva natural não prejudica ninguém nunca ouvi um caso de morte…Por causa de idiotas hipocritas iguais a você que pessoas ainda morrem no Brasil por não poder usar a cannabis como medicina

        Em 25/06/2017 12:55, “Disqus” escreveu:

        • Cleiton Henrique

          Ele não negou o uso medicinal de substancias isoladas da maconha, se vc parasse de encher o rabo de maconha talvez sua capacidade de compreender o que lê seria melhor 😀

          • Felipe Rocha

            Melhor encher com maconha pq vc deve encher é com pinto seu viado FDP

          • Cleiton Henrique

            kkkk vÀ tomar no cu

          • Felipe Rocha

            Viu como advinhei kkk vc deve gostar de tomar seu viado

          • Felipe Rocha

            Não existe essa de substâncias isoladas seu merda a cannabis em si é medicinal seu asno arrombado

        • Steven Krutszys

          Ah, coitadinhos dos maconheiros que morrem devido à crises de abstinência ou que são mortos por traficantes, e que depois alguns filhos da puta como você consideram que morreram porque não puderam se tratar com a mesma droga que destruiu a vida deles. Ôh, seu filho da puta, maconheiro do caralho. Vá falar para mães e famílias inteiras de viciados em crack, mesclado (mistura de maconha e crack, vendida de modo a parecer maconha, mas que engana o maconheiro, fazendo-o ficar mais viciado, devido ao poder altamente viciante que possui) e outras merdas ilícitas, que drogas são algo bom, pra tu ver o que irá acontecer. Aqui na minha região, tu no mínimo seria degolado por querer obrigar fazer criancinhas pensarem que usar drogas é algo bom. Seu filho da puta!!!

        • Steven Krutszys

          Ah, coitadinhos dos maconheiros que morrem devido à crises de abstinência ou que são mortos por traficantes, e que depois alguns filhos da puta como você consideram que morreram porque não puderam se tratar com a mesma droga que destruiu a vida deles. Ôh, seu filho da puta, maconheiro do caralho. Vá falar para mães e famílias inteiras de viciados em crack, mesclado (mistura de maconha e crack, vendida de modo a parecer maconha, mas que engana o maconheiro, fazendo-o ficar mais viciado, devido ao poder altamente viciante que possui) e outras merdas ilícitas, que drogas são algo bom, pra tu ver o que irá acontecer. Aqui na minha região, tu no mínimo seria degolado por querer obrigar fazer criancinhas pensarem que usar drogas é algo bom.

        • Steven Krutszys

          Ah, coitadinhos dos maconheiros que morrem devido à crises de abstinência ou que são mortos por traficantes, e que depois alguns filhos da puta como você consideram que morreram porque não puderam se tratar com a mesma droga que destruiu a vida deles. Ôh, seu filho da puta, maconheiro do caralho. Vá falar para mães e famílias inteiras de viciados em crack, mesclado (mistura de maconha e crack, vendida de modo a parecer maconha, mas que engana o maconheiro, fazendo-o ficar mais viciado, devido ao poder altamente viciante que possui) e outras merdas ilícitas, que drogas são algo bom, pra tu ver o que irá acontecer. Aqui na minha região, tu no mínimo seria degolado por querer obrigar fazer criancinhas pensarem que usar drogas é algo bom.

          • Felipe Rocha

            Degolado merda nenhuma porque na sua área só deve ter viado igual á você seu boiola deve encher a bunda de álcool e depois sair beijando homem seu viado… A cannabis não é porta de entrada pra porra nenhuma porque cada um faz oq quer na vida igual você que escolheu ser um viado hipócrita que deve se acabar com tarjas preta seu bosta uma erva natural não faz mal a ninguém seu arrombado de merda vai pesquisar sobre a cannabis em vez de ir por pensamentos preconceituosos sua bicha filha dá puta cheirador de pó do caralho

    • Matheus Aguiar

      Refute Plz

    • Gleydson Gomes

      Não lê o artigo inteiro aí fica falando asneira. É um típico jagunço de esquerda mesmo.

      • Nem perco tempo com esses tipos. Se tem xingamento, já bloqueio.

      • Felipe Rocha

        Jagunço é sua mãe seu arrombado…. Vai encher a cara com alguma droga ilícita e deixa a cannabis em paz seu merda

    • Carlos

      “Discutir com esquerdista é que nem jogar xadrez com um pombo: ele sai derrubando as peças, caga no tabuleiro e sai de peito estufado achando que venceu” (Lobão)

  • Sávio Luiz Martins

    Brother, pra tu ter ideia, na China, maconha nem é tida como droga. Apenas pelo que é, uma planta. Texto bem raso, falou bastante asneira, se contradizendo, hahah. Mas a vida é isso, erro e tentativa.

    • Beth

      Não inventa Sávio!
      Na China a maconha é considerado como droga sim Senhor!
      Veja a reportagem da BBC:
      http://www.bbc.com/news/world-asia-china-28876366

      • Evandro Lougue

        Beth, tenho pena da sua limitação mental. É realmente triste de se ver comentários como o seu…
        Se você não gosta de algo, então ninguém mais pode usar, né? Bando de vermes mesmo…

        • Romanorum

          Se você ler o que escrevi acima,vai entender que a escolhaésua e quem está obrigando é você a que a sociedade aceite sua vontade, bando devermes mesmo são esses alucinados mimados…

          • Evandro Lougue

            Não, jumento, não vou colocar um cigarro de maconha na boca de alguém e obrigar a fumar. Mas, conservadores são tão limitados que não entendem isso. A “filosofia” de vocês é: “O QUE EU NÃO GOSTO DEVE SER PROIBIDO PRA TODO MUNDO E PONTO FINAL”.
            É por isso que você é um verme nojento.

          • Matheus Aguiar

            É que os conservadores n tem drogas como pauta seus jumentos, conservadores conservam os bons costumes familiares e defendem um estado pequeno e eficiente… Bolsonaro vem ai, concerta essa porra de país bagunçado, pois n vai ter q fazer e nem vai querer fazer parceria com Uma cambada de canalha e depois q essa merda tiver arrumada, Dai a gente elege um liberal de direita… Porque filho, entenda, a esquerda DEFENDE O ESTADO MAXIMO

          • Matheus Aguiar

            Liberal não é PSDB e jão doria ta? To falando de liberais q realmente estão crescendo como partido novo e livres.

          • Romanorum

            TODO JUMENTO E BOÇAL VÈ NOS OUTROS O QUE É, ESPECIALMENTE SE ESTIVER “CHAPADÃO”! VOCE É UM ESCROTO QUE NEM MERECE RÉPLICA…VAI FUMAR SEU BASEADO,COMPRADO A PESO DE OURO PORQUE NÃO VÃO LIBERAR SÓ PRA SUA SATISFAÇÃO DE BABACA,E VÁ DAR A BUNDA QUE TODO MALUCO QUE CONHECI E PERSISTIU NO VÍCIO,ACABOU VIRANDO VEADO,E ANTES DE RELINCHAR OUTRA MERDA TENTE ENTENDER QUE NÃO ESTOU PROIBINDO DE SER UM,SÓ NÃO QUEIRA QUE BATA PALMAS PRA SUA VEADICE…

  • Rob

    Lembrando que a China imperial sofreu horrores com ópio, não é surpresa que seja tão repressiva com drogas, assim como outros países asiáticos. Liberem tudo! O resultado, depois de algum tempo, será uma proibição ainda mais severa.

  • Rob

    Para quem pensa em ir para a China com maconha, pode seguir os conselhos do “Brother” mas pode tambem buscar uma referência mais apropriada para aconselhamentos como este site do governo australiano voltado aos seus cidadãos: http://smartraveller.gov.au/Countries/asia/north/Pages/china.aspx#laws
    Não apenas posse de drogas “leves” tem punições severas, chegando à pena de morte, como adolescentes de 14 anos para cima são tratados como adultos. Entretanto quem sou eu para desaconselhar um maconheiro a ir para a China com maconha, quando a viagem pode ser apenas de ida.

  • Tulio Stephanini

    Os viciados ficam loucos quando alguém se levanta contra o uso da “erva”, deve ser a mesma galera do “craco resiste” https://uploads.disquscdn.com/images/bd934fd5bfb3f29809b14ed2372971ba6f2f34b5983026b4bb920cec6bd841e3.jpg

    • Evandro Lougue

      É que, querendo você ou não, é doença mental querer proibir os outros de fazer coisas que você não gosta. É coisa de gente asquerosa, nojenta…

      • Romanorum

        Asaqueroso e nojento é quere impor um comportamento sem fundamento racional e lógico apenas por interesse pessoal alegando direito de escolha… Se você escolheu esse comportamento, assuma seus riscos enão obrigue a sociedade como um todo aceitar e correr os riscos que acompanham a prática…

        • Evandro Lougue

          Ninguém vai obrigar toda a sociedade a fumar maconha. A sua
          cervejinha do final de semana é liberada, e nem por isso todo mundo é
          alcoólatra.

          É tão retardado, mas tão retardado,
          que acha uma ideia melhor seguir com essa guerra perdida contra o
          tráfico que mata policiais, bandidos, crianças, mulheres, idosos… só
          porque você quer que o Estado proíba o que você não gosta. Você é um dos
          culpados pela situação atual do país, seu pedaço de LIXO.

  • Evandro Lougue

    O criador dessa matéria aí é muito asqueroso. E é estudante de medicina?

    Que desserviço… quanta desinformação vergonhosa e sensacionalista vindo de alguém que era pra ser esclarecido. Que fiasco…

    Isso que dá quando os chupadores de Bolsonaro e afins colocam ideologia escrota acima de tudo, inclusive da lógica. Lamentável.

    • Não sei com o quê você estraga seu cérebro (maconha, cocaína, socialismo, liberalismo…) e nem é de meu interesse descobrir.

      Por isso não perca seu tempo comigo pois está bloqueado.

      • Evandro Lougue

        “Partido Militar”… mais um que se masturba vendo foto de milico. Nem merece atenção.

        • Vinicius

          Mano to chorando de rir, teus comentários são muitos bons!! Kkkkkkkkkkkkkkk

          • Sebastian M.

            A resposta do Pedro Rocha foi mais ou menos o seguinte: “Vc tem o cérebro estragado pela maconha, não vou justificar o meu pensamento e não adianta me responder pq não vou te ouvir la la la la la la la la la la não estou te ouvindo la la la la la la la la la la la la “, digno de uma criança msm.

          • Se ele tivesse argumentado alguma coisa, teria como responder, mas vocês defensores de drogas só ficam trollando.
            Agora me vem você com uma “falácia de espantalho”. Bloqueado e o choro é livre.

          • Vinicius

            Leia minha resposta. Acho que te respondi, agora…

          • Sebastian M.

            Primeiramente, “Falácia do Espantalho” onde?? Segundo, “vocês defensores de drogas só ficam trollando”, EU não estou trollando ninguém cara, e vc deveria saber que remédios são “drogas”, café é “droga”, etc.. e até agr vc sempre terminou seus comentários exatamente como eu disse, usando gírias adolescentes, fazendo pressuposições infundadas e bloqueando, ou seja, fala merda e depois fecha os ouvidos.

          • Nada mais patético do que um troll apoiando outro. Calma que tem block para você também.
            Por sinal esse texto está ótimo para detectar trolls. Assim a gente perde tempo apenas uma vez.

          • Vinicius

            Tchê… Acho que tu eres um cara inteligente. Teus ideais aparentam ser de alguém com propriedades para escrever. A questão é que tua foto é extremista demais, e todos sabemos o que passa com ideais de alguém que odeia opiniões contrárias… A flor da canábis está longe de ser uma droga ilícita, isso é fato. Suas propriedades medicinais são benéficas para inúmeros problemas relacionados a saúde. Além do seu uso recreativo, que é infinitamente mais nocivo quando comparado com cigarro, álcool e certas medicações.

          • Vinicius

            Cara, resolvi fazer um resuminho… A anandamida, que é copiada pelo THC, tem funções muito diferentes dos neurotransmissores copiados pelo etanol (álcool) e nicotina (tabaco). Acetilcolina, por exemplo, desempenha funções muito importantes no nosso organismo. O tabaco altera a quantidade transmitida, uma vez que o seu componente ativo se liga nos receptores para acetilcolina. Meu irmão, aí que a história fica interessante. Quando tu altera isso, muitas funções mudam, e isso gera um bem-estar, e muitas sensações diferentes, o que também gera uma maior liberação de dopamina, gerando o vício… Foda, né?? O álcool também, etanol é um demônio para nosso cérebro… Ele se liga nos receptores gaba, que são os receptores para inibidores do snc… (sistema nervoso central, tchê, extremamente perigoso). Para tu ter uma noção, se altas quantidades de inibidores gaba estiverem no organismo, causam sedação completa no indivíduo… Agora o senhor THC age totalmente diferente, e se ligará nos receptores canabinoides (cb1), e as funções alteradas podem ser, se não me engano: metabolismo, dor, ansiedade, crescimento ósseo e função imunitária… Outra coisa: nosso organismo tem uma quantidade específica de receptores cb1, depois de eles serem preenchidos, o indivíduo chegou no limite… O que se pode fazer é prolongar o efeito, no máximo. Tem MUITA diferença aí!! Desde vício a efeitos colaterais pelo uso prolongado!! Então, por favor, ao escrever sobre isso, não chame mais maconha de droga e deixar de lado outras muito mais importantes e relevantes, e que deveriam ser prioridades agora!! Abraços…

  • Daniel Zye

    Maconha não se cheira ou injeta, só isso já demostra a tamanha ignorância do autor.

    E sobre o “vício”, recomendo ao autor buscar informações sobre dependência FÍSICA e PSICOLÓGICA. Várias drogas legais causam vício sério, como o tabaco, a cafeína etc. O “vício” em maconha não existe. Qualquer maconheiro pode ficar dias sem fumar sem problema algum.

    Muita desonestidade do autor no final do texto. Começa falando sobre maconha e termina falando sobre ópio na China e mortes por overdose nos EUA para confundir o leitor. Apesar da maconha ser considerada uma droga ainda, ela NUNCA causou overdose, não há um registro sequer. Claro que na forma fumada, se a pessoa tiver pressão baixa vai sentir um leve desconforto, mas nada demais.
    Aliás, recomendo ao autor que pesquise sobre as origens do proibicionismo à maconha (que é um caso totalmente diferente das outras drogas e sintéticos). O argumento de que os EUA estão legalizando agora para matar o próprio povo não condiz nada com a realidade.

    PS. O argumento da maconha aumentar os acidentes de trânsito soa quase cômico, quando temos milhões de mortes por motoristas alcoolizados ao redor do mundo todos os anos.

    • José Amaro

      Quem não lembra do “You are everything” música cantada por Dione Warwick e Marvin Gaye, que fazia “rolar” muita “mela cueca” nos bailes de outrora. Marvin Gaye, usuário pesado de maconha e depois cocaína, tentou três vezes o suicídio, e foi tragicamente assassinado pelo seu pai.
      Contra toda a esperança, esse apelo é para você, Evandro Lougue, Daniel Zye e todos aqueles que espernearam sobre o conteúdo do artigo.
      A letra de uma música que cantada pela Dionne Warwick a faz mais bela e se chama “é para isso que servem os amigos (That’s What Friends Are For):
      Bem, você veio me amando
      E agora há tanta coisa que eu vejo
      E então, por sinal, eu te agradeço
      E então nos tempos em que estamos separados
      Bem, então feche seus olhos e saiba
      Essas palavras estão vindo do meu coração
      E aí então se você puder lembrar
      Continue sorrindo, continue brilhando
      Sabendo que você sempre pode contar comigo, com certeza
      É para isso que servem os amigos
      Nos tempos bons e ruins
      Eu estarei ao seu lado, pra todo o sempre
      É para isso que servem os amigos…

      Isso é o que estamos fazendo aqui, não? Existe uma grande preocupação com o próximo ou não? Essa preocupação é uma droga? Um vídeo de uma organização estilo “Imagine” de John Lenon – aliás, brevemente teremos uma análise e estudo sério sobre o que significou e significa a influência dessa letra e idéia no mundo, aguardem! – traz, a irrealidade da “civilização sem insanidade, sem criminosos e sem guerra, onde a capacidade pode prosperar e os seres honestos podem ter direitos, e o onde o homem é livre para se elevar a maiores alturas”. Dados interessantes para os leigos aqui e que independentemente do “chavão” ideológico do patrocinador apresenta dados no assunto,
      Se quiseram procurem “Truth About Drugs Documentary: Marijuana”.
      O fato é que a escravidão a que estamos submetidos, como usuários de drogas, é incontestável. Então, se puderem suportar vejam o vídeo abaixo sem esperneios: https://www.youtube.com/watch?v=GN05wQGTNZY

      • Vinicius

        kkkkkkkkkkkkkkkkk que piada esse comentário / tentanto confundir crack com maconha

        • Vinicius

          Essa baboseira de drogas que levam pra outras drogas através de querer efeitos mais fortes, é ridícula! Aquele que procura isso é porque tem problemas psicológicos!!! E seu problema vai muito além de vício.

          • Vinicius

            Esse estudante de medicina escreveu coisas certas, porém mal colocadas, e juntas de outras também desnecessárias e não condizentes com o uso do canábis e seus efeitos. Ele é odiador do verde, e pensa nele como um demônio… Mal sabe ele, o demônio tá na cabeça dele mesmo. Open your mind, expand your knowledge.

    • Analisando apenas o “P.S.”: se o álcool já causa tantos problemas de trânsito, qual o motivo de se legalizar mais uma droga psicotrópica?

      • Daniel Zye

        O impacto do uso de cannabis nos acidentes de trânsito é completamente irrisório comparado ao uso do álcool.

        • Se legalizarem pode ser que as estatísticas fiquem similares.
          Não uso nenhum tipo de droga (e já estou começando a cortar o refrigerante, rsrsrs) e creio que mesmo as lícitas devem ser constrangidas, como o combate bem-sucedido ao tabaco.

          • Daniel Zye

            Similares? Tá de brincadeira né. Você acha o efeito da maconha similar ao estrago do álcool ou nunca usou mesmo?

          • Nunca usei nem uma nem outra, mas já li sobre os estragos que cada uma dessas drogas causam ao corpo.

          • Daniel Zye

            Entendi. Dê um “doiszinho” enquanto ouve sua música favorita e depois compre uma lasanha bem grande. Tenho certeza que você vai mudar de opinião quanto a esses estragos todos que você acha que a maconha causa hehe. Abraços!

          • ferolder

            Boa! Eles falam que “quem fumou uma vez passou a fumar sempre”
            Claro, igual se vc comer qualquer coisa e gostar, vai comer de novo, mas isso não quer dizer que é vício. Quantas pessoas falam que já fumaram e pararam simplesmente porque nao gostaram da brisa. Fazer o que né. Gosto não se discute. Agora falar besteira é opcional. (Comer Lasanha chapado é muuuito bom hahahah )

      • Daniel Zye

        Inclusive eu mesmo já dirigi chapado várias vezes. Não se perde a sensibilidade e a noção de espaço, só faz as reações ficarem mais lentas.

        Já o álcool meu amigo… tem gente que nem se aguenta em pé e entra na porra do carro para tirar vidas.

  • Robson La Luna Di Cola

    Normalmente, quem defende a liberação da maconha, é chegado na “mardita”. Mais um ingrediente dessa Zorra Total em que se transformou o Ocidente. Que fornece argumentos para os salvadores da pátria, como o Islã, e a propalada teocracia ortodoxa da Rússia de Putin. Não paramos de fornecer munição para nossos inimigos. Estamos nos auto-destruindo. Enquanto isso, os ingênuos colocam a culpa nos outros: “túducúpaduzcumunista!”. Ou da tal da Nova Ordem Mundial… Acordem!

  • Daniel

    Texto carregado de ideologias, só mostrou um lado da história, mas se anunciou como uma fonte devesclarecimento. Prrdi meu tempo.

  • Wagner

    Primeiro maconha não cheira ou injeta e mais nunca vi alguem bater o carro pq estava chapado e sim muito loco de álcool.O grande problema esta no crack onde a criatura vira um zumbi e a guerra contra a maconha é uma guerra perdida..

  • Juliano Smart

    Parabéns, ,mais uma brilhantes analise.

  • Andre Bohn

    Deve ser proibido toda substância que como consequência, prejudique o ser humano, e onere o sistema de saúde público. Álcool e cigarro devem ser criminalizados e as que já são devem continuar. Não quero pagar imposto, para que uma parcela de infelizes busquem a felicidade em coisas que causem uma aparente felicidade. A felicidade deve ser buscada na verdade, e para isso a pessoa deve se esforçar e alimentar muito sua alma e inteligência. As pessoas atualmente querem felicidade relâmpago, sendo que a vida é um caminho de altos e baixos, tudo para nos fazer amadurecer. O grande problema é o hedonismo moderno.

    Hedonismo: O prazer acima de tudo?

    Das diversas correntes de pensamento mais comuns na pós-modernidade, uma delas é o hedonismo. Embora sua origem remonte a cerca de 435 anos antes de Cristo, poucas filosofias são tão perigosamente atraentes por se relacionarem diretamente àquilo que se tornou o objetivo de vida de tantas pessoas: o prazer.

    Para o hedonista, só se deve buscar aquilo que dá prazer , enquanto qualquer fonte de dissabores tem que ser imediatamente eliminada em prol de uma vida voltada exclusivamente para satisfazer a própria vontade.

    Origem

    O fundador da filosofia hedonista seria o grego Aristipo de Cirene, um dos vários filósofos que surgiram na época de Sócrates. Para Aristipo, a alma humana tinha dois estados, sendo a dor e o prazer. O prazer seria o “movimento suave do amor” e, assim, é o único caminho para a felicidade. Além disso, entendia que a importância do prazer corpóreo era tão grande que não importava sua origem, ou seja, vale tudo: estupro, pedofilia, bestialidade, incesto, homossexualidade e todo tipo de bizarrice.

    Mesmo naquela época, o hedonismo “cru” era considerado uma prática reprovável, a ponto de ser alterada por outros pensadores, como Epicuro de Samos, fundador do Epicurismo, que reafirmava a importância do prazer, desde que ele viesse da eliminação de elementos que causam a dor, inclusive aos outros. Em outras palavras, os epicureus tentaram redirecionar a busca do prazer sem parâmetro dos hedonistas para algo que não fosse apenas sexual ou sensorial, mas um pouco mais construtivo, como boas atitudes para com o próximo e socorro aos necessitados. O epicurismo também não é materialista e entende que adquirir bens não
    necessariamente leva a um estado de prazer. Mesmo assim, o epicurismo é uma maquiagem, pois o cerne do conceito hedonista ainda está lá: o prazer é o fim, o motivo de existência do homem na face da terra.

    O que importa é ser feliz?

    Os atuais hedonistas não assumem exatamente a visão de Aristipo (pelo menos não de forma aberta), mas tentam minimizar suas práticas. Segundo demonstram, o prazer deve ser achado em tudo: trabalho, alimentação, família, estudos, vida amorosa. Tudo na vida do hedonista precisa trazer uma experiência sensorial prazerosa. E aquilo que não tem esse efeito deve ser removido em detrimento de algo que alcance essas expectativas.

    Não é muito difícil notar o quanto essa filosofia está engendrada na sociedade atual. Casamentos duradouros são cada vez mais raros, pois, afinal, há muitos dissabores e contrariedades no caminho de uma relação longa e estável. Se manter casto até o casamento é uma opção que chega a ser digna de dó. Não se valer de práticas corruptas para se beneficiar é bobagem, pois, afinal, todo mundo faz isso. “Se quer fazer alguma coisa, faça, não importa o que seja”, afinal, “nesta vida o que não pode é passar vontade”. Tudo isso nos leva ao mote maior desta filosofia de vida, que se escuta na boca de qualquer um e em qualquer lugar: “O importante é ser feliz”.
    Curiosamente, o conceito de felicidade de cada um tem que ser inviolável e inquestionável. E se você se sente infeliz é porque não está aproveitando a vida 100%. Se tornou politicamente incorreto ser infeliz no mundo atual.

    Uma pesquisa do psicólogo Martin Seligman, professor da Universidade da Pensilvânia/EUA, constatou que aquilo que as pessoas entendem como “felicidade” é baseado em 3 pilares: Prazer, Engajamento e Significado. A constatação de Seligman é justamente que a sociedade ocidental consumista vem buscando a felicidade justamente no mais fraco dos pilares, o prazer. É importante sentir prazer, mas tornar isso o objetivo de vida leva as pessoas justamente a se afastarem dos demais pilares. A busca do prazer a todo custo torna as pessoas egoístas, centradas em si mesmas, com uma visão deformada a respeito do próximo, além de consumistas ao extremo. Curiosamente, a pesquisa de Seligman aponta que Engajamento e Significado são a melhor maneira de se alcançar a felicidade. Engajamento diz respeito a seu trabalho, sua família e até sua igreja, onde você pode se envolver, produzir algo, usar seu talento e imaginação para criar, se desafiar a novas metas. Já o Significado diz respeito a fazer parte de algo maior, a Fé, a crença, ou seja, servir a Deus e se submeter à sua vontade nos traz felicidade.

    Como vemos, não precisaríamos estar discutindo sobre descriminalização de drogas, se as pessoas fizessem de suas vidas, uma busca constante pela verdade, fugindo das coisas efêmeras.

  • Samoto Nakatoshi

    Se você pudesse comer, fumar, cheirar ou injetar as suas próprias palavras sua alma seria nutrida ou envenenada?

  • Luiz Otavio Almeida

    Ai, ai… Esquerdopatas parasitando o MSM. Que bom saber que estamos incomodando!

  • Augusto Tontini Triana

    A maconha ajudou e ajuda muitos dependentes químicos a deixarem de usar psicoativos muito mais pesados e assim fazendo-os levar vidas relativamente normais e de qualidade. Este texto que usa de dados para justificar coisas que podem não estar diretamente ligadas ao consumo de maconha é apenas mais um alerta para a ignorância. Este texto só consegue comprovar que quem o escreveu não entende nada sobre maconha.

  • Vavá

    Ótimo artigo! Parabéns! Muita informação atual mostrando exemplos de países que liberaram essa merda recentemente e estão se lascando.
    Bom, a luta mesmo é voltar a CRIMINALIZAR O CONSUMO. Pegar todos esses merdas que financiam o tráfico nacional e internacional e fazer curar sua crise de abstinência no xilindró, enquanto servem de mulherzinha pra detentos mais periculosos. Bom, com certeza vão ter aqueles que irão reincidir só por causa disso…

  • Andre Araújo

    Caraca, li primeiro os comentários e depois o artigo para ter primeiro as opiniões divergentes e tentar achar o limiar que ilustra a verdade no que o artigo tivesse escrito, mas acabei encontrando algo bem menos parcial do que eu pensei. Bom artigo.

  • Samir Carlotto

    Olha, eu parei de ler em “No estado do Colorado, EUA, onde a droga é liberada, os acidentes aumentaram 100% de 2007 a 2012” . (E fui pesquisar): A maconha foi liberada para uso recreativo lá, em 2014. Logo, isso põe em cheque qualquer dado posterior. Aí fica difícil.

  • Fernando

    Tem que liberar a maconha para implantar um plano diabólico-político. Sem liberar a maconha, como será liberado a cocaína? E como liberar ainda depois o crack? Pensem, liberar drogas é a estratégia para a consolidação do Globalismo do demo. Se hoje a garotada se prostitui em troca de droga, o que ela não faria pelo Estado totalitário em troca de algumas pedrinhas? O Estado escravizará a sociedade que irá trabalhar duro e o salário será pago em pedras de crack, sem descanso. Projeto perfeito para renovação da Terra. Parabéns à todos que apoiam este projeto, que Deus tenha piedade de vossas almas.

  • Lucas Santos Amaral

    Uma coisa eu sei, e não preciso ser da área médica, pois falo por experiência própria… o número de SUICÍDIOS irão quintuplicar… a maconha é extremamente DEPRESSIVA e usada juntamente com o álcool é potencialmente um fator de depressão que fatalmente leva ao suicídio de jovens principalmente… em alguns meses no meu mister fui buscar corpos de várias pessoas jovens que se mataram… a maioria fazia uso de maconha e álcool… não me surpreendeu… a sociedade brasileira irá pagar pra ver o resultado ???…

  • ferolder

    A maconha foi proibida por motivos econômicos, a industria farmacêutica patrocinou. Nunca liberaram estudos para ver benefícios da maconha. Só para tentar associá la ao câncer (nunca conseguiram). Vocês que afirmam com toda a certeza do mundo que “deixa alienado” e outras besteiras, mas nunca fumaram, e associam maconha ao crime porque já aprenderam a fazer isso com a TV.
    Não quero dizer que a maconha é a melhor coisa, mas o que vcs fazem é estereotipar a maconha e quem a fuma. A maconha é a droga ilícita mais usada no mundo, é materia prima pra inúmeros produtos e pode ser usada para vários fins. Desde os primórdios sempre foi usada. Aí vem uma pá de ‘intelequitual’ proibindo-a alegando problemas de saúde (como se preocupassem com isso). Se fosse assim o açúcar teria sido proibido há muito tempo. Mas como a maconha substitui remédios pesados e caríssimos, pode ser plantada em qualquer lugar (nao tem como monopolizar) e seus princípios ativos funcionam em conjunto, portanto não pode ser patenteada, ela é abominada repetidamente por pessoas que nem sabem do que estão falando, e acreditam em tudo que está de acordo com seus pensamentos discriminatórios (maconheiro ladrão, alienado, entre outros). E, no meu caso, foi fumando maconha que eu passei a me interessar pelos estudos e pela vida. Como diz o Froid: “o que seria da farmácia se a gente fumasse a cura das doenças?”

  • Jorge Dal Salve Moro

    A galera do Woodstok pediu leberação do sexo… deu no que deu.

  • Thalita

    Argumento fraco.
    1. É engraçado e hipócrita ver vocês falarem de aumento de acidentes. Quer dizer que são a favor da proibição do álcool e da redução dos limites de velocidade nas marginais também? Se sim, aí sim acho plausível. No entanto, mesmo assim acho que partem da premissa errada: usar entorpecentes é do direito de cada um. Tomar um lexotan e dirigir pode ser tão ou mais perigoso, mas a solução não é impedir as pessoas de se medicarem. É mais fácil proibi-las de fazê-lo e dirigir ao mesmo tempo, Simples.
    2. Uma coisa não deveria ser proibida só porque faz mal. também acho alienado o argumento de que maconha é linda e só traz benefícios, mas açucar refinado, alcool e medicamentos tarja preta fazem igualmente mal a saúde e ninguém ta proibindo nada (e nem deveria). Isso só mostra que a proibição da droga é baseada em moralismo vazio.
    3. Supor que a legalização não diminuiria a violência é só um chute. Essas medidas devem ser tomadas, o tempo esperado e só então teríamos certeza. A questão é que muita gente preferiria sim comprar mais caro em estabelecimentos legais. A maioria das pessoas não se sente confortável se envolvendo com o mundo criminoso das drogas. Pra além disso, muitas plantariam a própria droga. É no mínimo ridículo ter uma planta proibida de entrar na sua horta. E outra, uma quantidade imensa de produtos continuam sendo contrabandeados e traficados, mesmo que legais. Armas, cigarros, remédios e até coisas inofensivas como as que vem da China ou do Paraguai. Isso não significa que devam ser proibidas. No mais, muitos jovens no mundo do crime teriam a chance de entrar no mundo legal. Acredite, muita gente é bandido porque vê isso a vida toda. Talvez isso significasse uma chance de vida melhor pra muitos deles.
    4. Tá de brincadeira usar a medida tomada por um ditador como exemplo. O que a gente menos precisa é do Estado achando que é pai de alguém.
    5. Acho engraçado a defesa da proibição e liberação seletiva das coisas. Esse site tem muitos textos interessantes, mas defender a proibição da maconha e do casamento gay (legal e não religioso. Religião não se discute mesmo) e querer que a sociedade libere o porte de armas e manifestação religiosa dentro da política é moralismo puro (tão moralismo quanto de quem prega o contrário).