1. Brasil
  2. Cultura
  3. Movimento Revolucionário
  4. Indicados pelo Editor
  5. Destaques

Universidades brasileiras: incubadoras da nefasta ideologia de gênero

10 de julho de 2017 - 18:26:06

Beijaço gay de alunos integrantes da militância LGBT da UFMG ocorrido em abril: não há ativismo gayzista sem auto-vitimização e criminalização de qualquer opinião discordante, por moderada que seja.

 

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) sediou uma palestra da pesquisadora britânica Zowie Davy, no auditório do Centro de Ciências da Saúde (CCS) no último dia 26. O evento marca o início de uma parceria com a universidade no projeto chamado “Lesbian, Gay, Bisexual and Transgender (LGBT) Sex-Work Migration and Health Implications”,  junto com o movimento Epicenes: Núcleo de estudos em gênero da UFSC, coordenado pelo professor Rodrigo Moretti.

Eventos como esse têm sido realizados em todas as universidades do Brasil, desde a década de 1990, quando o movimento LGBT, financiado internacionalmente e apoiado pelas conferências da International Lesbianand Gay Association (ILGA). O ILGA abriga em sua estrutura, desde a década de 1980, o grupo em defesa dos direitos à pedofilia, o NAMBLA (North-American Boy-Lovers Association). Há décadas que as universidade do mundo todo fornecem um ambiente propício e amistoso para o desenvolvimento das agendas que têm como objetivo a diluição e finalmente destruição de conceitos jurídicos que possibilitam o entendimento da própria noção de liberdade e democracia, o que não pode prescindir da moldura enganosa da defesa de direitos. Entidades internacionais como a Open Society, de George Soros, investem milhões todos os anos para esta “nobre” causa.

Nas últimas semanas, as redes sociais viram imagens chocantes de uma aula de sexo oral sendo ministrada em uma sala da Universidade de Maringá (PR), diante de atenta plateia. Quem se escandaliza com aquelas imagens certamente não conhece do que é feito o meio universitário brasileiro, há décadas refém de uma miscelânea de delírios ideológicos que remete a comportamentos aparentemente insanos. De fato, a doença mental parece ter se apossado das consciências (se é que ainda existem) de estudantes e professores que mais parecem zumbis de algum filme de horror futurista. Mas quem está por trás dessa estrutura de poder e influência que domina as mentes e almas dos jovens no Brasil e no mundo? A verdade é que uma estratégia de longo prazo dificilmente se deixa perceber tão facilmente.

Na capital catarinense, o projeto Epicenes, que funciona na UFSC, é responsável por realizar, desde 2015, o evento Semana de Combate às Fobias de Gênero na Saúde, realizado em parcerias com grupos de ativistas da UFSC e o Centro de Ciências da Saúde, entre eles o Grupo Acontece (arte e política LGBT), espécie de QG de atividades culturais para a promoção do movimento LGBT. Todas essas iniciativas estão vinculadas ao ativismo gay e o seu afiliado, o ativismo pedófilo. E estes são apenas uma parcela muito pequena de movimentos dessa natureza abrigados na UFSC, assim como em muitas universidades brasileiras. Obviamente, o Brasil apenas repete comportamentos já bem crescidinhos no exterior. Universidades norte-americanas já oferecem bolsas para quem estudar o movimento LGBT e questões de gênero.

Breve histórico dos movimentos

De acordo com pesquisa de Alves Calixto:

Na década de 90, foram criadas ONGs voltadas para a causa LGBT com financiamentos de organismos internacionais, criação de parcerias do movimento com partidos políticos e o poder público. Em 1995 foi realizada a primeira parada do Orgulho LGBT no Brasil a partir da 17ª Conferência Internacional da International Lesbianand Gay Association (ILGA), no Rio de Janeiro. No mesmo ano, foi criada a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT, com 31 grupos fundadores. Atualmente, a ABGLT é uma rede nacional de 308 organizações afiliadas. Fortaleceu-se também a presença na mídia, a participação em movimentos de direitos humanos, a articulação com redes internacional de promoção de direitos humanos e proposituras perante parlamentares em nível federal, estadual e municipal. (SIMÕES E FACHINNI, 2009).

Datam da mesma década, o aparecimento da chamada “teoria queer“, já existente nos EUA desde a década de 1980, iniciada pela teórica feminista Judith Butler. O significado de queer bem serve para que se compreenda o objetivo dos movimentos dentro da revolução linguística com a qual pretendem desconstruir e, assim, desestruturar a sociedade. Ainda com base nas citações de Alves Calixto:

Queer pode ser traduzido por estranho, talvez ridículo, excêntrico, raro, extraordinário (…). A ideia dos teóricos foi a de positivar esta conhecida forma pejorativa de insultar os homossexuais. Segundo Butler, apontada como uma das precursoras de teoria queer, o termo tem operado uma prática linguística com o propósito de degradar os sujeitos aos quais se refere. “Queer adquire todo o seu poder precisamente através da invocação reiterada que o relaciona com acusações, patologias e insultos” […] Por isso, a proposta é dar um novo significado ao termo, passando a entender queer como uma prática de vida que se coloca contra as normas socialmente aceitas (COLLING, 2011, p. 3).

O ataque ao que se entende como “normas socialmente aceitas” confunde-se facilmente com um golpe não aos valores, mas às realidades das quais eles falam. A revolução linguística vem resolver o problema de Marx, para quem os valores capitalistas estariam lastreados pela moral familiar, religiosa e, consequentemente, pelas verdades admitidas sobre a biologia. A diferença é que Marx acreditava que o socialismo poderia destruir a família naturalmente, o que não ocorreu. A alternativa agora é destruir primeiro a família, já que esta se recusou a morrer nos países em que o socialismo se impôs. É a alternativa cultural do marxismo ortodoxo.

Por que é necessária a destruição da família e perversão das crianças?
Segundo a noção já consagrada pelo que podemos chamar de Ideologia de Gênero (ou teoria da identidade de gênero) mais em voga, “a sexualidade não é compreendida como uma questão pessoal, algo ‘dado pela natureza’, mas é social, política, histórica aprendida no decorrer da vida de todos os sujeitos sociais”. Esta noção questiona o poder da biologia (ou de fatores externos) na construção da identidade humana. Essa identidade poderia ser puramente “inventada”, com base não numa realidade, mas em desejos retirados da própria cultura. Se a normatividade familiar, referida por eles, é artificial (e má) por ser baseada em uma construção social, muito pior seria a teoria queer, que necessita de um aparato de construção social muito mais agressivo para contrariar a biologia. Mas o argumento de construção social é apenas uma fachada. As “normas socialmente aceitas” não são vistas como más por causa da sua suposta artificialidade, mas por representarem, segundo Marx e Engels, o lastro inicial de toda forma de exploração: a família.

Assim, o pai explora a esposa e, juntos, exploram os filhos. O motor de toda a exploração é sexo, como domínio físico do corpo, segundo as ideias feministas que foram sintetizadas nas teorias de Freud. É por este motivo que feministas como Shulamith Firestone defendem clara e expressamente a liberação sexual das crianças. A destruição não é a única condição para a nova sociedade da liberdade total. O anticoncepcional, a educação estatal para todos, assim como as escolas mistas, tiveram como inspiração as ideias de Firestone, que tinha como objetivo a liberação da mulher para que ela pudesse ser livre da dominação e exploração imposta pela instituição familiar.

Nenhum militante LGBT dirá jamais que deseja destruir a família, mas certamente defenderá que a família tenha o seu conceito ampliado e diversificado, modificado desde a sua base, até que as pessoas não sejam mais capazes de distinguir entre uma família e uma manifestação de pedófilos que grita em frente à Igreja, acusando padres de pedófilos, ao mesmo tempo em que pede a descriminalização da pedofilia. A contradição é a sua arma mais eficiente, pois desarma o inimigo, como disse Butler.

Assim, os ideólogos do gênero transformam a sexualidade em arma política, capaz de destruir seus opositores por dentro e já em tenra idade, privando-os da identidade humana. Sabe-se que a autêntica identidade e personalidade humana só pode se manifestar no masculino ou feminino, isto é, por meio da identificação entre biológico e social, como insiste o filósofo espanhol Julián Marías. A constante deturpação e desidentificação entre as duas realidades (biológica e social), quando fomentada na infância, produz, já sabidamente, resultados catastróficos, não apenas sexuais ou comportamentais, como temos visto, mas cognitivos.

Federico Iadicicco, coordenador do Departamento Vida e Família do partido Fratelli d’Italia, afirma, em entrevista, que uma das razões por trás deste tipo de propaganda, o que Bento XVI chamou de “revolução antropológica”, contra a família e impulsionada por ambientes de poderosa influência financeira, está o poder de influência nas escolhas políticas de algumas das principais potências do mundo.

Definitivamente e de forma inequívoca, o financiamento substancial que grandes multinacionais e ONGs mundiais dão periodicamente a associações LGBT: Apple, Coca-Cola, a Open Society de George Soros, a Fundação MacArthur, a Fundação Ford, a Fundação Goldman, a Fundação Rockefeller, a Kodak, a American Airlines, a Pepsi, a Nike, a Motorola, só para citar alguns. Também é suspeita a atenção especial dos organismos supranacionais à promoção da ideologia de gênero nas escolhas legislativas nacionais. Basta considerar que a Organização Mundial da Saúde arruma tempo para ditar aos países as diretrizes de educação sexual para crianças em vez de lidar com os problemas reais da saúde no mundo.

Os resultados dessa ideologia já podem ser vistos em toda parte. Relatórios médicos e psiquiátricos já apontam a ideologia de gênero e a teoria queer como potenciais causadores de toda sorte de distúrbios e culpados de um crescente número de suicídios entre adolescentes e até crianças. A modificação dos corpos e das mentes destrói toda a capacidade de exercício do livre arbítrio humano, tornando-o um mero escravo de causas que ele não conhece.

Este é certamente um edifício dos horrores, do qual se pode compreender a bizarra motivação de verdadeiros monstros que se utilizam da fragilidade de crianças e adolescentes, em sua inocência, para transformá-los em ativistas zumbis. Os verdadeiros inimigos da humanidade, da família e de Deus, não são os militantes que lotam movimentos universitários, mas os teóricos e financiadores que transformam adolescentes em idiotas úteis a causas que apenas os destruirá por dentro e por fora.

 

Cristian Derosa é jornalista e autor do livro ‘A Transformação Social – Como a Mídia de Massa se Transformou numa Máquina de Propaganda‘.
http://estudosnacionais.com

 

 

  • Robson La Luna Di Cola

    Texto contraditório. Se grandes fundações geridas por milionários e grandes corporações globais estão financiado estes projetos, o que isto tem a ver com Marx e Engels? Nada! O que está destruindo nossa civilização é a cultura LIBERTÁRIA: livre-iniciativa, sexo, drogas e rock ‘n roll. Difundida por gente que quer criar um planeta de escravos do prazer. De gente movida pelo impulso, em busca do consumismo e hedonismo. Cadaumfaizuquiqué…A grande força de transformação social não é o comunismo. É o consumismo.

    • Tulio Stephanini

      Amigo lê o texto de novo e depois leia “eros e civilização” de herbert marcuse pra ver como a coisa é feia, quando terminar da uma lidinha em theodore dalrymple vai te ajudar muito.

      • Robson La Luna Di Cola

        Já lí a maioria dos livrecos que os Teóricos da Conspiração sugeriam. Tenho uma biblioteca gigantesca. Mas repentinamente, comecei a ver que estava começando a viver um mundo etéreo de idéias e conceitos, que pouco refletiam a REALIDADE DO MUNDO. Parei de ler estes livros. Prefiro dar uma volta no quarteirão. Aprendo muito mais.

    • Raimundo Lulo

      todo bilionário é socialista.. Engels era um milionário que financiou Marx… agora pergunta de novo o que fundações geridas por milionários tem a ver com marx e angels

      • Robson La Luna Di Cola

        Qual é sua definição de socialismo? A minha é: uma etapa onde aconteceria a estatização da economia, antecedendo o comunismo. O comunismo: uma utopia onde não haveria NEM ESTADO, nem classes sociais, nem propriedade privada. E todos teriam os bens terrenos à sua disposição, e usufruiriam dos ganhos totais de seu trabalho. Como bom Católico, não acredito do ressurgimento do Éden aqui na terra. Sou realista. Defendo,como minha Igreja, um CAPITALISMO ÉTICO.

        • Socialismo= Etapa onde os burocratas roubam o empresariado através de impostos e taxações cada vez mais altas e compram a mídia, os militares e a justiça além de claro imbecilizar os jovens com drogas e cultura de gênero.

          Comunismo= Etapa onde os burocratas se tornam a nova elite juntamente com os militares e funcionários públicos,desaparecendo assim a classe média que se transforma em uma massa de zumbis famintos e sem direitos. Nessa fase já se pode até mandar fuzilar os gays e os drogados pois já não serão mais úteis.

        • Newton (ArkAngel)

          Mas a igualdade de oportunidades não significa igualdade de resultados. Dê $100.000,00 para dez pessoas e volte depois de um ano para ver o que aconteceu.

          • Robson La Luna Di Cola

            Quem acredita em igualdade de oportunidades? Dê 100 mil Reais para um favelado honesto e trabalhador. Meia hora depois poderá estar morto, baleado por um assaltante da favela. Entregue 100 mil Reais para um mauricinho filho de pai milionário. Que conhece os bastidores secretos das Bolsas de Valores. Em poucas semanas terá duplicado esta quantia… Esta é a mão invisível do mercado, certo, Adam Smith? Para uns, segura um revólver pronto para atirar. Para outros, entrega informações sigilosas sobre as operações da Bolsa de Valores.

          • Newton (ArkAngel)

            Ué, quem estava se lamentando, dizendo que os ricos têm sucesso porque tiveram oportunidades era você mesmo.
            Steve Jobs começou na garagem da casa, nem era rico para os padrões americanos. Por outro lado, tem sujeito que ganha na mega sena e em 5 anos está na miséria de novo.
            Obviamente que maiores oportunidades de estudo e formação facilitam a vida de quem quer estudar e progredir, mas, repito, DE QUEM QUER estudar. Se o cara é um vagabundo, sinto muito, quando o papai rico morrer, se não tiver uma pensãozinha pra ajudar, a miséria é certa.

          • Robson La Luna Di Cola

            Se o filhinho de papai for preguiçoso, basta contratar por um salário gigantesco um CEO para gerenciar suas corporações. E uma empresa de auditoria para impedir que seus administradores o roubem. E ir para as ilhas gregas.

          • Newton (ArkAngel)

            Hehehe, quanta ingenuidade, as coisas não são tão simples assim.
            Já ouviu aquele ditado “O porco só engorda sob a vista do dono” ? É mais ou menos por aí, vai dando mole e confiando em qualquer um, quanto menos se espera, já dilapidaram todo o patrimônio da empresa. Confiar em CEO? Kkkkk, santa inocência, e muito menos em empresa de auditoria. Quando tem dinheiro na jogada, irmão desconhece irmão, rapaz!

          • Robson La Luna Di Cola

            CEO’s não ganham comissão proporcional à margem de lucro? E se fizerem bobagem – roubo ou incompetência – estão liquidados no mercado. Empresas de auditoria, idem. Dá para ir, sim, para as Ilhas Gregas!

          • Newton (ArkAngel)

            Tudo o que você disse é verdade…menos aqui no Brasil.

    • Raimundo Lulo

      consumismo… isso nem é problema, bicho!!

      acho que alguém aqui consome muita propaganda e estuda muito pouco

    • Raimundo Lulo

      tá com a mentalidade certinha pra dizer amém ao eurasianismo e beijar a piroca do sr. Dugin.. a conversa é a mesma que a dele..

      pq nao leia o debate entre o Olavo e o Dugin no livro “Os EUA e a nova ordem mundial” ?

      • Robson La Luna Di Cola

        Quando o Putin desembarcar nos EUA para invadir o país, vai morrer de rir: vai encontrar soldados drogados – como a maioria da população já é – vai ver soldados tetraplégicos devido á necessidade de quotas para os “fisicamente desprovidos”. Então, vai dar um tiro para o ar, e os soldados afeminados gritarão UI! e sairão correndo. Este é o mundo Ocidental…

        • Putin invadir um país onde cada casa tem um fuzil dentro?

          Comunistas são covardes. Só invade países desarmados e famintos.

          • Robson La Luna Di Cola

            Meia dúzia de soldados do exército russo detona TODOS os jecas balofos armados nos EUA. Cerca de 50% da população americana é constituída de obesos.

          • Metade da população civil americana possui armas de melhor qualidade do que as tropas regulares russas.

            Coitado dos paraquedistas russos que chegassem ao solo em uma cidade americana. Estariam fudidos.

          • Robson La Luna Di Cola

            Lá do alto, próximo do solo, vão dispara suas AK-47 contra os jecas tentando sair das suas caminhonetes SUV, com o barrigão preso na direção.

          • Rodrigo Ribeiro

            Osvaldo: tenho a impressão que tu estás a alimentar uma besta-fera da internet mais conhecida por troll.

            Boa sorte e cuidado para não perder a mão.

          • Robson La Luna Di Cola

            Eu é que me enganei. Pensei que este fosse um site Cristão/Conservador. Mas estou vendo que não passa de mais uma página de zumbis que dividem e etiquetam a humanidade em dois tipos de pessoas: uz liberal i uz cumunista…Deve ter Cristão aqui querendo inserir na Bíblia o Evangelho Segundo Adam Smith. E transferir a Sede da Igreja Católica do Vaticano para Wall Street. Não são Conservadores. São uns burguesotes, e eu sou Monarquista. Tchau..

          • Newton (ArkAngel)

            Hahaha, aqueles caipiras sulistas americanos são doidos pra atirar em alguém. E atiram mesmo.

        • Raimundo Lulo

          a Rússia é mil vezes mais corrompida, brutal, desumana e covarde que o ocidente

          a idolatria da força, ou dito de um jeito mais pomposo, a “vontade de poder”, é típica dos mais fracos.. os valores mais altos muitas vezes são até mesmo minoritários, como atesta a própria história de Nosso Senhor Jesus Cristo

          não é difícil perceber nas falas do prof. Dugin que apesar de ele se declarar cristão e que a Rússia vá reacender a fé do mundo, na verdade o cristianismo dele é satanismo.. Olavo o provoca e faz ele se expor, confessando intenções até antagônicas ao cristianismo

          podes ter certeza que quando o “Putin” desembarcar na América não vai ser isso que ocorrerá

          leia minha sugestão que nao vai se arrepender

      • Robson La Luna Di Cola

        A Nova Ordem Mundial já existe. É a ditadura do empresariado. Este mundo globalizado, com grandes corporações dominando grande parcela das atividades econômicas do planeta. E controlando através de propinas quase todo o poder governamental dos países. Veja os escândalos de corrupção quase diários que são revelados no mundo inteiro. Mas este império está começando a ruir: a gigantesca concentração de renda, devido às fusões/aquisições, e o desemprego gigantesco gerado pela automação/informatização e pela globalização, está gerando revoltas constantes pelo planeta. E o surgimento de partidos nacionalistas. Vem coisa por aí…

        • O que você acabou de descrever não é ditadura do empresariado mas sim fascismo.

          Hitler fez a mesma coisa na Alemanha. A diferença é que lá nada era investigado e portanto ninguém era preso exceto se começa-se a agir contra o partido.

          • Robson La Luna Di Cola

            No nazismo, os empresários mandavam no mercado, mas Hitler mandava nos empresários. O que vemos hoje, mesmo nas grandes democracias, é o Big Business controlando a Política, através do dinheiro. Comprando benesses, como isenções de impostos, o fim de normas de controle operacional, e qualidade de produtos, conseguindo empréstimos de bancos estatais à juros subsidiados, etc. Na minha opinião, era natural que isso acontecesse. A partir da Revolução Industrial, com o crescimento exponencial do uso da TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO, houve a desestruturação do mundo agrícola, que atuava em bases quase artesanais. Deslocando milhões de esfomeados para as grandes cidades, em busca de trabalho nas gigantescas fábricas que começavam a aparecer. Depois, o fordismo, e a produção em massa. Depois as tecnologias elétricas, eletrônicas e digitais. Provocando o ‘empoderamento” (desculpe o termo, eheh) do mundo empresarial. E aí estão. Quem tem dinheiro, manda…

          • Se Hitler mandava nos empresários como é possível que os empresários mandassem no mercado? Decida-se.

            Outra coisa, quem tem dinheiro não manda em nada. Quem manda é quem possui o poder de matar, ou seja o poder das armas.

            Qualquer pé de chinelo esfomeado que esteja armado com um .38 manda para o cemitério qualquer mega-empresário quando ele bem entender.

            Se dúvida é só ler os noticiários de jornal.

          • Robson La Luna Di Cola

            Hitler, ao contrário do que muitos bocós pensam, não estatizou a economia. O nazismo não era um regime socialista. A intervenção de Hitler na economia foi no sentido de se aproveitar da alta tecnologia que elas dispunham para construir o exército mais poderoso da terra. Vejam o blitzkrieg. Se não fosse o Canal da Mancha, teriam invadido o Reino Unido e a Irlanda em meia hora. E dali, para os EUA.
            O dinheiro compra segurança, também. Carros blindados, e um esquadrão de seguranças com armas pesadas. Hoje em dia, até EXÉRCITOS DE MERCENÁRIOS estão à disposição, para lutarem POR QUEM PAGA MAIS. Dez vezes no cartão de crédito, eheh. Outro exemplo: as milicias nos morros do RJ: PM’s nos horários de folga, sendo PAGOS pelos barões do narco-tráfico, para protegerem seus territórios contra a invasão de quadrilhas rivais. GRANA!!!!

          • Rodrigo Ribeiro

            O nazismo não era um regime socialista. A intervenção de Hitler na economia foi no sentido de se aproveitar da alta tecnologia que elas dispunham para construir o exército mais poderoso da terra.

            Se contradiz na mesma frase. Não existe socialismo sem intervenção estatal, seja ela qual for. Interviu na sociedade, é socialismo.

          • Robson La Luna Di Cola

            Uma vez, fiz uma pergunta para o Rodrigo Bostantino no seu site, que ele nunca respondeu: ‘me mostre um país no mundo onde não exista UM MÍNIMO de ação do :Estado, no sentido de criar e garantir direitos trabalhistas mínimos, normas de segurança no trabalho, regras para proteção ambiental, direitos dos consumidores, fiscalização de bens comercializados, principalmente alimentos e remédios, etc. “. Dentro de sua definição de socialismo, TODOS OS PAÍSES DO MUNDO SÃO SOCIALISTAS. Aprenda: socialismo = economia estatizada. Tirando Cuba e Coréia do Norte, onde existe isso?

          • Rodrigo Ribeiro

            Afff… lá vamos nós…

            “Aprenda: socialismo = economia estatizada. Tirando Cuba e Coréia do Norte, onde existe isso?”

            Me diz meu filho: tu acreditas piamente que socialismo é somente economia estatizada? Se nada do que eu disser farás tu mudares essa visão, então entendo que é inútil continuar essa discussão.

          • Newton (ArkAngel)

            Hitler decidia o que, em que quantidades e quanto os empresários iriam receber.
            Se isso não for estatização…

        • Raimundo Lulo

          não.. “a ditadura do empresariado” não é a Nova Ordem Mundial, apenas uma das iniciativas de dominação…

          repito: a tua versão é exatamente a mesma do prof. Alexander Dugin com o eurasianismo: o ocidente está doente, corrompido, consumista, sem espiritualidade, bla blabla bla.. o oriente é mais puro, solidário, “holista” no vocabulário do Dugin, preservou o cristianismo primitivo

          ele mete esse blablabla todo pra justifcar uma 3º guerra mundial com todos contra o ocidente

          e vc mete esse blablabla porque é trouxa mesmo

          faz o seguinte: como eu li o livro e estou dizendo que sua ideia é igual a do Dugin, como o Olavo já iluminou pra nós as opiniões do Dugin, desmontando todas elas, porque vc não faz o que sugeri e leia Os EUA e a Nova Ordem Mundial.. depois vc rebate os argumentos do Olavo, não os meus?

          • Robson La Luna Di Cola

            Você é um Teórico da Conspiração? Que enxerga agentes do serviço secreto russo até na pastelaria da esquina? O Dugin e o Putin estão propondo SOLUÇÕES, eu estou falando dos PROBLEMAS. Que são reais. Se eu estou vendo e apontando o colapso de nossa Civilização como eles estão também vendo, não significa que eu concordo com o salvacionismo Duginiano e Putinesco. NÓS temos que resgatar nossa civilização. Mesma coisa a questão ambiental. Se eu enxergo que o planeta está sendo destroçado, não significa que concordo com a alternativa de um poder global para deter este processo destrutivo. E o fato de eu rejeitar um poder centralizado, não significa que eu deva negar a existência do processo de degradação ambiental. Pura lógica. A solução equivocada não significa que o problema é um equívoco.

        • Raimundo Lulo

          incrível como todas essas ideias sao as ideias de base do Eurasianismo, até atua visão da globalização/automatização é a mesma..

          só não sei se isso fruto do Eurasianismo mesmo.. ou se isso e o Eurasianismo são frutos da mesma árvore

          segue minha sugestão de leitura, cara.. vão sair escamas dos teus olhos

  • Temos assistido a um aumento impressionante no número de homosexuais de alguns anos pra cá, principalmente de lesbianismo.

    Não creio que esse aumento assombroso de homosexuais seja o resultado deles simplesmente terem “saído do armário” mas sim porque essa juventude está sendo vítima de uma subcultura que ao invés de tentar combater um mal, o incentiva e o dissemina através de propaganda.

    Pessoas jovens e principalmente mulheres jovens são mais vulneráveis a isso exatamente pelo fato do sexo feminino ser o mais passivo e receptivo culturalmente do que o sexo masculino.

    Isso reforça a minha tese de que o homosexualismo não somente é um desvio psíquico como também é um comportamento contagioso e uma grande arma de destruição civilizacional onde se apertando certos botões na engenharia social pode-se espalhar para vários outros indivíduos que antes não eram homosexuais.

    Teríamos então o homosexualismo de nascença e o homosexualismo adquirido que é fruto de pura engenharia social.

    • Jose Cicero Honorato

      Muito bom o seu texto

      • Obrigado e aproveito para postar meu comentário que postei em um outro artigo aqui no site chamado “Como o “casamento gay” nos agride? Aqui está.” mas que foi deletado por ser considerado um spam.

        ***********************
        Ser contra o casamento gay não é apenas uma questão religiosa e moral, mas também uma questão lógica e até mesmo científica.

        A instituição casamento não foi feita para se obter sexo,ou para se ter alguém ao seu lado na velhice e nem mesmo para a consolidação de um amor juvenil ou obter a felicidade. Tudo isso pode ser alcançado com ou sem o casamento pois para se ter sexo basta possuir uma amizade colorida ou se relacionar com prostitutas, para ter alguém ao seu lado na velhice basta contratar uma cuidadora ou uma acompanhante particular e para se ter amor e felicidade basta ter amigos verdadeiros por perto e arrumar alguns animais de estimação. Tudo isso sai infinitamente mais barato que qualquer casamento.

        O casamento assim sendo, não foi constituído para se obter nada disso, mas sim para alcançar uma procriação legítima e para proteger e preparar essa prole tanto moralmente como espiritualmente para os desafios da vida. Ou seja, não existe outro motivo lógico e racional para a existência do casamento.

        Portanto, a partir do momento que você abre espaço jurídico e reconhece duas pessoas do mesmo sexo como sendo um casal ou uma família do mesmo patamar que um casal heterosexual, você obrigatoriamente e até para não cometer um ato de hipocrisia e injustiça, deverá reconhecer também vários outros tipos de “relações amorosas” igualmente bizarras como por exemplo os poliamoristas, os incestuosos e os pederastas como também sendo grupos dignos de reconhecimento social e legal. Imaginem o impacto legal,cultural e na própria previdência de um país que isso poderia causar.

        Se para constituir um casamento é necessário apenas o amor e a busca da felicidade, então tudo, absolutamente tudo deve ser considerado uma família, bastando para isso a vontade das pessoas envolvidas e por que não até mesmo de animais, plantas ou objetos?

        Por que um sujeito não poderia se casar com sua cadela de estimação já que o parâmetro utilizado para se constituir uma família e um casal é apenas o amor e a busca da feicidade? Nesse caso, tanto o dono ama o seu cão como o cão ama seu dono. Sendo o dono o proprietário do cão, ele tem autorização para fazer o que bem entender com o animal (exceto matá-lo), inclusive se casar com ele se assim for sua vontade já que a desculpa para a existência de um casamento se resume ao amor e felicidade.

        Não podemos desprezar também a questão científica se quisermos realmente discutir o assunto a sério. Muitos já sabem que o homosexualismo foi considerado transtorno mental até 1973 pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O fato de ter saído da lista de doenças psiquiátricas dessa organização, não foi fruto de estudos sérios e consenso da classe cientifica, mas sim por puro lobby gay e pressão de grupos e organizações revolucionárias. É uma decisão que não deve ser levada a sério.

        Se ninguém consegue provar que o homosexualismo é de fato uma doença, também ninguém até hoje conseguiu provar o contrário. Portando é uma discussão que está em aberto e esse é um dos únicos pontos que discordo do professor Olavo de Carvalho que diz que o homosexualismo não é uma doença, coisa que eu discordo mas respeito até pela grandeza do professor.

        Claro que não deveríamos em hipótese alguma obrigar homosexuais a se tratar pois isso seria fascismo, mas também jamais devemos cometer o grave erro de considerá-los pessoas tão normais como os heterosexuais dignas assim de obterem o direito a instituição casamento ou a adoção de crianças já que se permitirmos que crianças sejam adotadas por homosexuais, estamos privando essas crianças do cristianismo já que para se tornar um cristão essa criança deverá não mais reconhecer seus país gays como legítimos, coisa que dificilmente acontecerá devido ao convívio acumulado entre eles. Ou seja, a cada criança adotada por gays é quase certo que é um cristão a menos no mundo.

        O casamento gay nada mais é portanto do que a tentativa de preparar o terreno para a legalização de todas as demais bizarrices humanas que se possa imaginar e assim sepultar de uma vez por todas a moral judaico-cristã e o direito romano, abrindo espaço para a implantação de uma sociedade de loucos histéricos controlada por ditadores psicopatas vorazes disfarçados de grandes democratas e estadistas.

  • Newton (ArkAngel)

    Uma coisa contraditória: se o sexo biológico não têm importância, mas sim, a construção de um gênero durante a vida, chego à conclusão que as operações para mudança de sexo tão almejadas pelos transexuais não encontra respaldo nas próprias teorias de gênero. Tais teorias invalidam totalmente as operações de mudança de sexo.
    Mas na verdade, sou totalmente a favor dessas porcarias: creio eu que seja uma estratégia de seleção natural, ainda mais que homossexuais não se reproduzem. Deixem Darwin trabalhar.

    • Zé Mundico

      Não se reproduzem mas podem adotar crianças para disseminar livremente sua orientação.

      • Newton (ArkAngel)

        Se não me engano, crianças precisam de um casal hétero para nascerem; ou então, serem fruto de inseminação artificial, mas aí as feminazis protestariam pelo fato do homem ser necessário à reprodução da espécie. É uma bizarrice empilhada em cima de outra.

  • Phillip Garrard

    PEDOFILOS. SImplesmente isso. PEDOFILOS! Os globalistas sao os pais da pedofilia e da libertinagem esquerdista sobre a falsa liberdade de “genero”

  • Victor Hugo

    Que paranoia com esse assunto. Tanto desses sites tendenciosos quanto desses ativistas que não sabem militar sem fazer propaganda partidária.

  • Thiago

    O Robson La Luna Di Cola é um espião da KGB disfarçado com a missão de destruir o MSM! Atentem!

    • Robson La Luna Di Cola

      Você não deveria ter revelado este segredo! Agora, terei que eliminá-lo através de um projétil microscópico radioativo, que vai destruir a sua saúde lentamente…

  • Wilson Perignori

    Como o professor já disse: “Ser branco e hétero, é terrorismo”. Maldito povo que não raciocina, que caga de medo diante de uma diretiva social! Horror!

  • Zé Mundico

    Acrescentando que isso acontece quase totalmente nas universidades públicas, refúgio de todo tipo de delinquentes sociais, invertidos morais e pervertidos sexuais que disseminam sua doença entre jovens. Para isso, criaram cotas para manter um público cativo e dependente.
    Tudo isso é conduzido com muita droga ilegal e todo tipo de doutrinação marxista, incentivado por setores da imprensa e políticos de extrema-esquerda que se utilizam desses jovens como militantes avulsos.