1. Destaques
  2. Foro de São Paulo
  3. Indicados pelo Editor
  4. Notícias Faltantes

Acabou-se o que era doce…

28 de junho de 2017 - 15:10:41

O presidente Donald Trump exibe a ordem executiva assinada em 16 de junho de 2017 que modifica a política dos Estados Unidos à Cuba, ladeado por cubano-americanos e cubanos da “velha guarda” exilados há décadas em seu país. (Foto: Lynne Sladky, AP.)

 

Desde que tornou-se presidente dos Estados Unidos em janeiro deste ano, Donald Trump dizia que iria desfazer os acordos que seu antecessor, Barack Obama, havia feito com os ditadores da ilha de Cuba. Fiquei ansiosa por ver se, finalmente, alguém teria a coragem de chamar as coisas por seus nomes reais e fazer algo por aqueles 11 milhões de escravos de uma ditadura sexagenária, sanguinária e que sempre foi protegida por países que gozam de liberdade e têm seus direitos respeitados.

Então vieram as ameaças do delinqüente da Coréia do Norte, as crises na Síria e Líbano e nada do magnata-presidente olhar para o outro lado. Em 16 de junho, entretanto, em um evento no teatro Manuel Artime em Miami, ladeado por ilustres cubanos e cubano-americanos, Trump falou para uma platéia repleta que iria cancelar todos os acordos feito por Obama. É necessário deixar claro que não houve um “rompimento”, uma vez que as relações diplomáticas e comerciais permanecem intactas.

Quando Obama anunciou em 14 de outubro de 2016 que Cuba e Estados Unidos refizeram suas relações diplomáticas e comerciais, lembro de ter escrito um artigo denunciando as manobras protecionistas que o muçulmano fazia à ditadura mais antiga do continente em detrimento do povo sofrido, espoliado, massacrado, pois os Estados Unidos cederam a todas as exigência feitas por Raúl Castro sem nenhuma contrapartida. Numa relação entre dois países é de se supor que qualquer acordo seja feito bilateralmente. Mas com Cuba não foi assim. Raúl Castro fez todas as exigências que quis e Obama apenas disse sim.

Para que se tenha idéia da nocividade que foi esse malfadado acordo, a repressão se intensificou de tal maneira que só em março deste ano foram presas mais de 3.000 dissidentes que tudo o que desejam – e cobravam – era liberdade, em todos os níveis.

A repressão cubana continua.
(Foto: Adalberto Roque AFP/Getty Images)

Mas Trump não agiu sozinho porque, provavelmente, não tinha conhecimento da realidade daquela ditadura. Ele contou com o apoio do senador Marco Rubio e dos deputados Mario Diaz-Balart e Ileana Ros Lehtinen, além de vários respeitados membros da comunidade cubano-americana. Segundo Diaz-Balart, Trump vinha tendo essas conversas desde o período de campanha, de modo que quando resolveu fazer o anúncio estava bem preparado.

Em seu discurso a primeira coisa que Trump disse foi que estava “cancelando” todos os acordos feitos por Obama e que negociaria um acordo “muito melhor”, para o povo cubano, não para a ditadura. Algumas de suas frases foram de grande impacto, tanto para a platéia que o aplaudia a cada anúncio, quanto para os ditadores e aqueles que apóiam a desgraça alheia.

Disse Trump: “Não levantaremos as sanções a Cuba até que todos os prisioneiros políticos sejam livres, todos os partidos políticos sejam legalizados, se programem eleições livres e supervisionadas internacionalmente e a entrega à Justiça americana de criminosos e fugitivos que encontraram refúgio na ilha”. Ele ainda desafiou Cuba a se sentar na mesa para negociar um novo acordo que seja do melhor interesse dos cubanos como dos americanos.

Trump foi enfático quando disse que qualquer mudança de sua postura em relação a Cuba dependerá dos avanços concretos que o ditador faça em direção aos objetivos propostos por ele. “Quando os cubanos derem passos concretos estaremos prontos, preparados e capazes de voltar à mesa para negociar esse acordo, que será muito melhor. Nossa embaixada permanece aberta com a esperança de que nossos países possam forjar um caminho muito melhor”. Disse ainda que restringirá muito robustamente o fluxo de dólares norte-americanos aos serviços militares, de segurança e inteligência da ilha e dará “passos concretos para se assegurar de que os investimentos de empresas americanas fluem diretamente para o povo. Implementaremos a proibição do turismo e implementaremos o embargo”.

Mas a pergunta que se impõe, é: esse acordo é melhor para quem? No mesmo dia o “Governo Revolucionário” emitiu uma nota [1] onde se coloca como uma super potência de quem os Estados Unidos dependem e cujo prejuízo com as novas exigências será dos americanos. Diz parte desse comunicado: “O Governo de Cuba reitera sua vontade de continuar o diálogo respeitoso e a cooperação em temas de interesse mútuo, assim como a negociação dos assuntos bilaterais pendentes com o Governos dos Estados Unidos. Nos dois últimos anos demonstrou-se que os dois países, como expressou reiteradamente o Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, General de Exército Raúl Castro Ruz, podem cooperar e conviver civilizadamente, respeitando as diferenças e promovendo tudo aquilo que beneficie ambas as nações e povos, porém não se deve esperar que para isso Cuba realize concessões inerentes à sua soberania e independência, nem aceite condicionamentos de nenhuma índole. Qualquer estratégia dirigida a mudar o sistema político, econômico e social em Cuba, quer seja a que pretenda consegui-lo através de pressões e imposições, ou empregando métodos mais sutis, estará condenada ao fracasso”.

Quer dizer, Castro II reitera que, ou é do jeito deles, ou não tem acordo. Porque a ditador nenhum interessa que seu povo viva bem e feliz, que tenha os mesmos direitos e liberdades que eles da Nomenklatura se outorgaram. Para disfarçar, a Assembléia Nacional do Poder Popular está anunciando eleições para 14 de julho próximo, mas isso não é novidade. Sempre houve eleições. O “inusitado” disso é que os candidatos não são escolhidos pelo povo, mas pelos “conselhos”. O povo é obrigado a ir ratificar a escolha – que ele não fez – para os candidatos do partido único, o Partido Comunista Cubano, cujo mandatário sempre teve 100% dos votos. Dessa vez Raúl Castro não vai concorrer pois há tempo anuncia sua resignação em fevereiro de 2018 quando termina seu mandato. Mas isso é assunto para outro artigo.

Trump disse que esse decreto entraria em vigor dentro de 30 dias mas que já seria posto em prática a partir de seu anúncio. Resta saber se ele vai se manter firme em sua palavra de não fazer concessões enquanto suas exigências não forem plenamente acatadas, ou se pelo caminho – ou por pressão de algum lado – mudará de idéia e afrouxará o torniquete. Deus permita que ele se mantenha firme e tenha êxito!

Nota:
[1] Ver documento completo aqui: http://www.granma.cu/cuba/2017-06-16/declaracion-del-gobierno-revolucionario-16-06-2017-19-06-41

Graça Salgueiro, escritora e jornalista, é autora do livro ‘O Foro de São Paulo – A Mais Perigosa Organização Revolucionária da América Latina‘, e apresenta o programa Observatório Latino, na Rádio Vox.

 

 

  • Alemoon

    Muito bom. Graça Salgueiro como sempre, bem informada sobre as notícias do principal foco comunista das Américas. A coisa está tão feia que, quando vejo alguém com camiseta ou boné ou bandeira vermelha sinto fortes náuseas.

  • Robson La Luna Di Cola

    Bobama, no longo prazo, poderia transformar Cuba em uma mini-China: um governo autoritário, com uma economia dinâmica. O sonho de todas as ditaduras!!!

    • Forkert

      ObaMarx!

      • Robson La Luna Di Cola

        Acho que não. A utopia marxista, o comunismo, previa uma SOCIEDADE SEM CLASSES – portanto sem Estado – e sem propriedade privada. Tudo é de todos, nada é de ninguém. Não é o que acontece na China. Um Estado autoritário, praticamente com partido único. E iniciativa privada. Propriedade privada. Acho que o modelo está mais para o nazi/fascismo. O casamento entre Hitler e a grife Hugo Boss, eheh

        • André Rodriguez Pereira

          Segundo um amigo entendido me disse, isso de o comunismo prever uma sociedade sem estado é uma ilusão, um erro comum. Na verdade, o que Marx defendia é que o estado crescesse tanto que se tornasse algo naturalíssimo. As pessoas imersas nesse meio de estado absoluto seriam como peixes n’água já.

          • Robson La Luna Di Cola

            Não li “O Capital”. Mas os livros de História da Filosofia que tenho, mostram que Marx defendia uma sociedade sem propriedade privada e sem Estado. Queria um retorno à humanidade pré-tribal. onde os indivíduos buscavam sua própria subsistência, se apropriando de todo o fruto de seu trabalho. Não haveriam operários, por exemplo.

  • Phillip Garrard

    Obama um canalha islamico e comunista, tentou criar mais um problema para os USA e Latino America ao enviar dinheiro para Cuba. Cabe agora ao brasil parar de enviar o salario dos medicos para os assassinos CastroS!

  • A.Savaget.From.Portugal

    Que notícia maravilhosa ! Avante em rumo da queda do comunismo !

  • Forkert
    • João Sena

      Faltou aí o papa 🙁

      • Danilo Dalla Vecchia

        Faltou muita gente , incluindo-se o neo-fascista luladrão e quadrilha .

    • Rafael

      É sério isso?Saiam dessa bolha ideológica.

      • Thiago

        Será que não é você que está na bolha?

  • Forkert
    • Tulio Stephanini

      Parecem dois velhos amigos se encontrando!

      • Forkert

        Dom Bergoglione com um de seus beleguins assassinos isso sim. Velhos amigos? Eu acho que não.

    • Robson La Luna Di Cola

      Não aguento esse papo de que “essepapaécumunista!” Quando ele visitou países socialistas, foi para se encontrar com as autoridades da Igreja Católica nestes países. Como ele é TAMBÉM chefe de Estado – o Vaticano – ele precisa se encontrar com os presidentes destes países. Mera burocracia. O sorriso também. Mera burocracia.

      • Vanderson Vitor

        Mera burocracia? Compare nas fotos e vídeos a feição do Papa quando encontrou com o ditador Castro e com o presidente Trump e verá que ele fez questão de demonstrar o quanto estava à vontade, feliz (como quem chancela a sua administração) com o cubano e contrariado de estar com o americano.

        • Robson La Luna Di Cola

          Esse papa é Politicamente Correto. Ficou incomodado com a política de fronteiras fechadas do Trump. Para o Papa Francisco, todos merecem respeito. Inclusive um muçulmano com um colete cheio de explosivos, pronto para esmigalhar um monte de gente em uma estação de metrô.

          • Vanderson Vitor

            E pro papa os milhares de presos políticos e cidadãos assassinados pelo regime não merecem respeito? Se o que disse fosse verdade ele nem se reuniria com os Castros.

          • Robson La Luna Di Cola

            Seja o Temer, a Merkel, o Trump, ou o Papa,se forem para Cuba precisam falar com o ditad… desculpe, com o Presidente.

      • Forkert

        Precisa mesmo? Mesmo que esses presidentes sejam tiranos e assassinos de seus próprios povos?

        • Robson La Luna Di Cola

          PRECISA! Mesmo que seja para ganhar um crucifixo com o foice e o martelo. Fato que ocorreu. Não quer falar com estes bandidos, mande um bispo para representá-lo. E tratar dos assuntos da Igreja neste país. Um membro mais baixo da hierarquia, não precisará se encontrar com o ditador.

  • Forkert

    Tá parabenizando o Raul Castro? Veja a o body language do Assassino Raul Castro. Don Bergoglione “Il Capo” e seu pistoleiro. Não é não?

  • Breno

    Uma das coisas mais ridículas já vistas é a maneira com que uma maioria de políticos, informadores e opinadores trata essa situação de ditaduras comunistas. Falam como se fosse algo bonito e ousado em busca de um futuro igualitário e próspero e ao mesmo tempo condenam os regimes nazista e fascista com todas as forças. Aplaudem esses regimes comunistas que fizeram as mesmíssimas coisas que esses outros dois regimes, inclusive com o mesmo nível de maldade e abuso.

  • Iason Souto

    Trump lá e Bolsonaro aqui!

    • leandro conche

      Com certeza #Bolsonaro2018

      • Thiago

        #Bolsonaro2018, 2022 e Bolsofilho #2026

  • Gustavo Costa de Oliveira

    agora pressione o Brasil a parar de financia-los

  • Danilo Dalla Vecchia

    Certamente a maior ‘ilha-campo de concentração ‘ de farrapos humanos , continuará sendo comandada pelos castrista e casta , por mais um bom tempo pois Cuba ainda recebe apoio financeiro externo , e o tráfico de drogas pela região compensa em muito , ajudando a manter esse sistema totalitário narco-comunista. Minha esperança é que o Brasil , não embarque nesse mesmo modelo , já que aqui os narcotraficantes são muito bem organizados e armados e ‘ora pois !’ associados a políticos .

  • Lucas Santos Amaral

    Cuba tinha que ser riscada do mapa… simples assim…