América Latina


Simón Trinidad e a vingança das FARC

As FARC estão novamente reconstruídas graças a um falso “processo de paz”, e estão pressionando a justiça americana e ao próprio presidente dos Estados Unidos para que libertem Simón Trinidad (foto).

Os assaltantes trabalharam em segurança, sem correr riscos e aproveitando a escuridão da noite. A matança foi executada em poucos minutos, sob um fogo cerrado de fuzis de assalto. Duas famílias camponesas que estavam festejando o ano novo em suas humildes residências, foram baleadas de maneira miserável. Dezesseis pessoas ficaram sem vida e seis outras foram gravemente feridas. Entre os mortos havia quatro crianças e seis mulheres. “Não gritaram nada, não nos avisaram nada, simplesmente se limitaram a disparar contra minha casa, na qual estávamos pelo menos umas 15 pessoas”, pois havia ali uma festa familiar, contou Felipe Amaya, um dos sobreviventes, que perdeu um filho de oito anos. Entre os feridos havia três crianças e três adultos, quase todos com feridas de bala no tórax, em braços e pernas.

Ao comemorar 25 anos, o Mercosul mostra a quem serve

Rodolfo Nin Novoa e María Solange Díaz durante a apresentação do selo comemorativo dos 25 anos do Tratado de Assunção que criou o MERCOSUL. (Foto: Pablo Vignali)

No dia 25 de abril, a presidência pro tempore do MERCOSUL, na pessoa do chanceler uruguaio Rodolfo Nin Novoa, realizou um evento no prédio da instituição para comemorar os 25 anos do Tratado de Assunção que estruturaria a criação do bloco inicialmente formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Estiveram presentes os chanceleres e vice-chanceleres dos países membros, além dos deputados que compõem o Parlasul – Parlamento do MERCOSUL -, incluindo a Venezuela que foi adicionada ao bloco ilegalmente, quando da suspensão do Paraguai em 2012.

Bye, bye, Dilma…

É relevante que os povos da região se rebelem contra o Foro de São Paulo. Porém, nada mudará na América Latina até que os Castro deixem o poder em Cuba. Por enquanto, bye bye, Dilma…

Em um fato político sem precedentes na região sul-americana, mais de dois terços da Câmara de um total de 513 deputados votaram a favor da destituição de Dilma Rousseff como presidente do Brasil. A derrota de Dilma foi, sem dúvida, o golpe mais duro ao que Hugo Chávez chamou de “Socialismo do Século XXI”, do qual são expoentes todos os governantes da região na atualidade, inclusive Juan Manuel Santos Stalin Kerenski que conseguiu o impossível: destronar Maduro em impopularidade.

Curiosa reunião semi-secreta em Bogotá


Esperam que uma “comissão da verdade” diga que as FARC sempre foram os bons do processo.

Os assistentes ao seminário adotaram a linha de Havana: o que há no Brasil é uma “tentativa de golpe de Estado da direita reacionária” e deve-se reeleger Lula.

Como a Venezuela não enviou delegados ao seminário, ninguém pôde perguntar pela militarização desse país com ajuda da Rússia. Idêntica frente à compra recente de armas pesadas da Nicarágua a Putin.

Forças desarmadas, poder de matar, cartéis e Anatel: duas notas

Dias atrás eu tive o desprazer de ver gente que confia cega e desesperadamente em nossas Forças Desarmadas comentando que o que há de mais mortal e de melhor relação custo/benefício na aviação, que são os caças Sukhoi (na foto, SU-30MK2), não seriam páreo para nossa FAB e suas sucatas voadoras.

Panama Papers e a corrupção internacional

Há mais perguntas do que respostas, pelo menos até agora, sobre o vazamento de fragmentos do que se diz ser 11,5 milhões de documentos de, mais uma vez, supostamente, uma empresa de advocacia panamenha incrivelmente corrupta.

As primeiras compilações dos “papéis” já derrubaram o primeiro-ministro da Islândia, pego ostensivamente em um conflito de interesses com os bancos do país, o que ajudou a trazer a crise financeira de 2007-08 em todo o mundo. Até agora, mais de setenta atuais ou antigos chefes de Estado e de governo foram envolvidos na coisa toda.

Segundo as conclusões parcialmente publicadas pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, uma aliança em si um tanto misteriosa de jornais de esquerda em todo o mundo, os registros incluem três dúzia de entidades colocadas em lista negra pelos EUA. Por que esse grupo se recusou a liberar todos os documentos? Eles aparentemente incluem tudo e todos, desde mexicanos traficantes de drogas a grupos terroristas para países sob sanção, como Coreia do Norte e Irã.

Como (não) tentar justificar o socialismo

Quase não há resposta à pergunta sobre quais são os argumentos a favor do socialismo, porque a maior parte dos argumentos dos socialistas não é em favor do socialismo, mas contra o capitalismo. Mais do que falhas econômicas, atribuem ao capitalismo supostos defeitos morais. Só que, nos últimos cem anos, os socialistas tiveram de ir mudando seus argumentos contra o capitalismo à medida que tais argumentos iam caindo. Vejamos:

1. Exploração
No século 19, Marx e Engels acusaram as empresas capitalistas de explorar seus trabalhadores mediante a suposta “mais-valia” que lhes era “extraída” (como uma chupada de sangue do Drácula). Porém, acontece que na Europa e Estados Unidos, os empregados e operários da Standard Oil, Shell, Ford, General Motors, General Eletric, e muitas outras empresas, não se tornaram cada vez mais pobres, como antecipava a profecia de Marx, pelo contrário, saíram da pobreza, e muitos prosperaram, dentro de poucos anos. Esse argumento contra o capitalismo caiu.

A reunião Kerry-Farc em Cuba

O encontro do Secretário de Estado John Kerry em Cuba com os cabeças das FARC, articula conotações geopolíticas internacionais do interesse dos Estado Unidos sobre o Caribe, a linha política pacifista exterior de Barack Obama frente a países de tendência anti-ianque, e as conveniências partidaristas democratas no tenso período pré-eleitoral que se vive nos Estados Unidos. Isso foi o que pontuei em entrevista de análise política com o jornalista Carlos Montero, do programa Café CNN, que se transmite desde Atlanta, Geórgia, para as pessoas de fala hispânica do mundo.

As FARC insistem em ser um partido armado


Não houve assinatura “da paz” em 23 de março. Nesse dia houve, ao contrário, fato raríssimo, uma pacífica manifestação de jovens intrépidos em frente à embaixada dos Estados Unidos em Bogotá, com cartazes em inglês e espanhol. Protestaram pela linha de concessões extremas às FARC que o Secretário de Estado John Kerry respalda e pela recente reunião dele, a portas fechadas, em Havana, com os chefes narco-terroristas.

Colômbia: Santos e as FARC contra a democracia


Santos cumprimenta “Timochenko”, líder das FARC, com o “beneplácito” de Raul Castro.

As FARC exigem a demolição de toda a oposição liberal, conservadora e centrista contra os planos pactuados em segredo com Santos em Havana.
As FARC exigem essa destruição.

1. As manobras desesperadas de Juan Manuel Santos em curso contra o ex-presidente Álvaro Uribe (a captura injustificada de seu irmão Santiago, a tentativa de deter arbitrariamente os dois filhos do ex-presidente e senador, e as intimidações contra o ex-ministro Oscar Iván Zuluaga, presidente do partido Centro Democrático – CD), não é um capricho de Santos, nem o resultado de trâmites legais dentro do Ministério Público. É o resultado de compromissos secretos que Santos pactuou com as FARC no marco do processo de paz. Há uma relação direta entre esse mal-chamado “processo de paz” e ofensiva bestial de Santos contra o senador Uribe, sua família e o maior movimento político de oposição do país, o CD.