Denúncias


Urnas eletrônicas: TODAS foram violadas em teste na Defcon

“Todos os modelos testados, invariavelmente, foram facilmente invadidos em menos de duas horas.”   Vejo que alguns espíritos já se assanham com a disputa presidencial de 2018. Lula – o condenado – deu o mote ao espalhar a tese de que uma eleição sem sua candidatura seria uma eleição ilegítima. Repetida religiosamente por serviçais ideológicos, […]

Guerra do tráfico no Rio: PCC invade o RJ

“A ordem do Marcola é aproveitar a falência do estado, a desmotivação da tropa, a falta de recursos, de armementos e munição. O PCC quer tomar o máximo de comunidades das mãos do Comando Vermelho. Ele vai finaciar essa operação, juntamente com a arrecadação da Rocinha, onde vai chegar o armamento, o dinheiro e as munições.”

 

Os últimos 35 anos de governos esquerdistas no Rio de Janeiro causaram a falência total do Estado e a ocupação das favelas da cidade por organizações narcoterroristas, todas elas ligadas ao Foro de São Paulo. O caos está oficialmente instaurado.

É o Foro de São Paulo no poder através dos seus grupos de guerrilha urbana.

Juiz Odilon de Oliveira fala do PCC, das FARC e do Foro de São Paulo
Entrevista ao jornal CORREIO DO ESTADO, do Mato Grosso do Sul
(13.05.09 Aug 21st, 2009 11:33 pm)

1) CORREIO: O PCC ainda está em atividade no Brasil?

O crime no comando do poder político: a morte de Plínio Zalewski no RS

Vitor Vieira: O coordenador-geral da campanha do vice-prefeito candidato à prefeitura de Porto Alegre, o comunista Plínio Zalewski, de 53 anos, foi encontrado morto no banheiro da sede municipal do PMDB, na avenida João Pessoa, no bairro Cidade Baixa, na tarde desta segunda-feira (18). Ele era considerado desaparecido desde a noite passada, quando sua esposa registrou boletim de ocorrência. O corpo tinha ferimentos, mas as circunstâncias da morte ainda não se esclareceram. O local foi isolado para realização de perícia.

A guerra do Facebook contra a liberdade de expressão

A cada dia que passa fica mais óbvia a importância de uma iniciativa como o The RealTalk.

Semanas atrás o Facebook foi obrigado a voltar atrás ao ser flagrado permitindo publicações de posts anti-Israel, ao passo que censurava publicações equivalentes quando os posts eram anti-palestinos.

Uma experiência pessoal, a pedofilia no mundo árabe e o mito do Islã moderado

Uma experiência pessoal vivida há alguns poucos anos serve para demonstrar a inexistência de islamismo moderado. Quero reparti-la com vocês, leitores.

Isso não significa, e isto quero esclarecer logo de cara, que não existam muçulmanos moderadores. Existem. Não posso negar a realidade. Conhecemos por nome: Muhammed Zoabi em Israel, por exemplo. Wafa Sultan, a lutadora pelos direitos humanos das mulheres sob o Islã. Poucos. Cabem numa mão, talvez. Em um universo de 1,5 bi de pessoas. Frisando: SABEMOS SEUS NOMES. E isso é o grave. São tão poucos, que se tornam matematicamente irrelevantes, muitos deles, tendo abandonado sua fé inclusive, como o caso de Sultan.

Logo, um fenômeno organizado chamado “islamismo moderado” inexiste, não porque eu não queira, ou porque seja “radical” ou qualquer outra pecha que queiram me dar, mas simplesmente pelo mesmo motivo pelo qual disse que indivíduos existe. Macrossociologicamente falando, são irrelevantes. Não entrariam em uma margem de erro.

Vacina contra o HPV: o que você precisa saber e o governo omite

undefined

A moda pega

O deputado Jean Wyllys não é o único freguês de Trolls & Cia. O Centro de Mídia Independente, que só é independente das leis, da moral e da verdade, está exibindo, com o meu nome, um besteirol anti-semítico que só pode ter emergido do ducto excretório por onde seus editores se comunicam consigo mesmos, imaginando que falam ao mundo.

Enviei ao site a seguinte mensagem:


Ref.:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2005/04/313087.shtml

Prezados senhores,

Qualquer leitor com QI superior a 12,5 percebe que essa porcaria não foi escrita por mim. Não a escrevi nem a enviei. Foram vocês que, sem a minha autorização, a produziram e colocaram o meu nome em cima dela. Retirem-na do ar imediatamente e coloquem no lugar dela um pedido de desculpas.

Olavo de Carvalho

Até agora, quarta-feira, 13h30 PM, não foi publicada. O editor-chefe daquela coisa deve estar ocupadíssimo no banheiro, catando no vaso os frutos da sua atividade intelectual.

Mais um moralista sem consciência moral

Em épocas de confusão e loucura, o lixo sobe do fundo da sociedade para os altos postos. Isso ocorre não só na política como também na educação, na vida intelectual e na religião.

Ao sustentar com pelo menos duas mentiras grossas a sua opinião de que Julio Severo é “um lobo em pele de cordeiro”, o colunista Thiago Lima Barros, do site Genizah, cometeu, com toda a evidência, os crimes de difamação e calúnia.

Difamação, porque atribuiu a Severo condutas vexaminosas que teriam sido testemunhadas coletivamente pelos fiéis de uma igreja… onde Severo nunca esteve nem por uma fração de segundo.

Montanhas ao mar

“Não é razoável. Nada disso pode ser verdade. Um cardeal católico não poderia dirigir tal louvação a uma ditadura que tanto perseguia a Igreja e que já durava 30 anos”. Pois é tudo exato e veraz, letra por letra, meu caro.

Os comunistas brasileiros são renitentes. Foram os últimos a chorar quando Stalin morreu. O facínora russo estava paradinho dentro do caixão havia vários dias, “entre archotes e com algodão nas narinas”, como descreveria Nelson Rodrigues, e os comunistas brasileiros ainda não acreditavam que as notícias de sua morte expressassem um fato real. Menos ainda, uma realidade espiritual. Para eles, Stalin era um símbolo, uma instituição, uma entidade, espécie de messias, filho de um sapateiro e de uma lavadeira, nascido em Gori numa noite em que o luminoso céu da Geórgia fora riscado por uma estrela vermelha. Em 1989, quando caiu o Muro, alguns renitentes me acusaram de acreditar em boatos por ter comentado sobre as estátuas de Lênin que estavam sendo derrubadas no Leste Europeu, coisa que a revista Manchete estampara em fotos de meia página. Jogar ao chão estátuas do líder da Revolução de 1917 era mais do que um sacrilégio. Era uma impossibilidade material, tipo arremessar montanhas ao mar.

O fim do Cristianismo no Oriente Médio?

O bombardeio brutal de uma igreja em Bagdá pode ser a gota d’água para sua comunidade
minoritária de dois mil anos.

Gritando “Matar, matar, matar,” homens-bomba do Estado Islâmico do Iraque, uma organização militante ligada à Al Qaeda no Iraque, invadiram uma igreja caldeia em Bagdá, no domingo. Um porta-voz do grupo alegou posteriormente que eles o fizeram para “acender o pavio de uma campanha contra os cristãos iraquianos.” A queixa mais premente dos invasores parece relacionada a uma exigência de que duas muçulmanas, supostamente mantidas contra sua vontade em monastérios coptas egípcios, fossem liberadas. Quando forças do governo iraquiano tentaram libertar aproximadamente 130 paroquianos que tinham sido feitos reféns, os terroristas – que já tinham matado a tiros alguns dos fiéis – detonaram seus cinturões e granadas, massacrando pelo menos metade da congregação.