Europa


Repugnante: os “virtuosos” novos nazistas

Boicote aos produtos produzidos por judeus. Hoje e ontem.

Conheça os bandos dos novos nazistas, posando como defensores da Justiça e da Virtude, em busca de novas políticas de extermínio de Israel e, logo em seguida, dos judeus.

“Na Alemanha nazista”, conforme observa Brendan O’Neill no Wall Street Journal, “era a fúria total para tornar a cidade Judenfrei (sem nenhum judeu)”.

EUA: mídia blinda Obama e Hillary do fracasso na Líbia

Com um novo relatório do Parlamento britânico condenando a decisão do seu próprio país de ajudar a intervir na Líbia, a grande mídia começou a reescrever a história. O revisionismo da mídia visa reparar o legado danificado da política externa de Obama culpando outros países, especialmente França e Inglaterra, pela decisão de intervir na Líbia.

Um artigo da CNN escrito com tal propósito traz a manchete, “a intervenção na Líbia pela Grã-Bretanha levou a um crescimento do ISIS, constata investigação.” Angela Dewan escreve, “a intervenção militar da Grã-Bretanha na Líbia foi baseada em” inteligência imprecisa”e “suposições erradas”, conforme constatou reportagem divulgada quarta-feira, acusando o ex-primeiro-ministro David Cameron por não desenvolver uma estratégia inteligente para a Líbia. “No entanto, ela acrescenta,”os Estados Unidos se envolveram e desempenharam um papel fundamental. “

Corruptocratas da ONU: poupem-nos da falsa santidade dos refugiados!


Outra reunião de cúpula das Nações Unidas em New York. Outra extravagância pedante. Outra inútil “declaração histórica” (não vinculante, é claro) para salvar o mundo (realizando outra reunião de cúpula… em dois anos).

Europa: a substituição de uma população

Sai o velho, entra o novo… A Europa, conforme vai envelhecendo, já não renova suas gerações e em seu lugar saúda o ingresso de um enorme contingente de migrantes provenientes do Oriente Médio, África e Ásia que irão substituir os europeus nativos e que trarão culturas com valores radicalmente diferentes em relação a sexo, ciência, poder político, cultura, economia e a relação entre Deus e o homem.

Em uma geração a Europa ficará irreconhecível.

Mortes excedendo nascimentos podem parecer ficção científica, mas já são a realidade da Europa. Simplesmente aconteceu. No ano de 2015 houve 5,1 milhões de nascimentos na União Europeia, ao passo que 5,2 milhões de pessoas morreram, significando que a UE pela primeira vez na história moderna registrou um crescimento vegetativo negativo. Os dados foram divulgados pela Eurostat (departamento que cuida da estatística da União Europeia), responsável pelo recenseamento da população europeia desde 1961. Portanto é imbuída de caráter oficial.

Suécia: ataques sexuais fazem do verão um inferno

Cenas de um festival de música em Malmö no verão de 2015…
Esquerda: quatro jovens cercam e atacam sexualmente uma jovem. Direita: policiais prendem um suspeito enquanto vítimas de abuso sexual choram se lamentando em segundo plano. O fotógrafo relatou que meninas suecas foram atacadas sexualmente por grupos de jovens de “background estrangeiro”.

Na esteira dos ataques na Passagem do Ano Novo em Colônia na Alemanha, um furo de reportagem na Suécia denunciou a ocorrência de um enorme número de ataques sexuais contra mulheres e meninas no festival de música “Nós Somos Sthlm” (abreviação de Estocolmo) em 2014 e 2015, mas que tinha sido acobertado tanto pela polícia quanto pela mídia. O Comissário de Polícia Nacional Dan Eliasson imediatamente lançou uma investigação para constatar a extensão do problema.

Os interesses econômicos da Suíça e a falsa paz na Colômbia


Para a Suíça tem sentido econômico apaziguar um governo cada dia mais autocrático.
Porém, o faz ao custo da democracia e do Estado de Direito na Colômbia.

A tradição turca de assassinar cristãos


Andrea Santoro (esquerda), um padre católico romano de 61 anos, e o bispo Luigi Padovese, 63 anos, (direita), vigário apostólico de Anatólia:
sacerdotes cristãos assassinados na Turquia nos últimos anos.

Em 26 de julho, a cidade de Saint-Étienne-du-Rouvray localizada no norte da França presenciou um terrível ataque islamista: dois terroristas do Estado Islâmico (ISIS) assassinaram o padre Jacques Hamel de 85 anos, em sua igreja durante a missa. Duas freiras e dois fiéis foram tomados como reféns.

Analista russo: Putin infiltra, seduz e desvirtua reações conservadoras no Ocidente

“O líder do Kremlin entendeu que não pode enfrentar o Ocidente no plano econômico ou militar”, afirma o comentarista russo Andrey Malgin (foto). “Mas poderia fazê-lo e até vencê-lo usando técnicas cuja inspiração vem do judô, que Putin gosta e pratica. Estas consistem em redirecionar a força e o equilíbrio do oponente contra ele próprio”. A notícias é da agência Euromaidanpress.

Os líderes de Ocidente poderiam então cair, não pelo poder da Rússia, mas por movimentos que desencadearam dentro de seus próprios países infiltrados ou desviados por “inocentes úteis” seduzidos por Putin.

Tratar-se-ia de manipular esses movimentos, como faz o judoca com o adversário: controlá-lo, desequilibrá-lo e vencê-lo com o mínimo de esforço.

França: depois do terceiro ataque jihadista

O exército francês está no limite de sua capacidade de ação: ele já patrulha as ruas da França e está posicionado na África e no Oriente Médio. Foto: soldados franceses protegem uma escola judaica em Estrasburgo, fevereiro de 2015.
(Imagem: Claude Truong-Ngoc/Wikimedia Commons)

Nice, 14 de julho de 2016: Dia da Queda da Bastilha. As festividades da noite estavam chegando ao fim. Conforme a multidão assistia a queima de fogos de artifício começava a se dispersar, o motorista de um caminhão de 19 toneladas, dirigindo em zigue-zigue, atropelava todos que estavam em seu caminho. Dez minutos mais tarde, após ter assassinado 84 pessoas, ele foi baleado e morto. Dezenas ficaram feridas; muitos ficarão aleijados para o resto da vida. Sobreviventes atordoados vagavam pelas ruas da cidade durante horas.

Quanto da nossa cultura estamos cedendo ao Islã?

Após o massacre do staff da revista Charlie Hebdo, pouquíssimos veículos de imprensa republicaram as caricaturas de Maomé. Stéphane Charbonnier, editor da Charlie Hebdo, que foi assassinado em 7 de janeiro de 2015 juntamente com vários colegas, na foto acima, em frente da antiga redação da revista, logo após ela ter sido atacada com bombas incendiárias em novembro de 2011.