FARC


O desastre Amorim

A Rodada Doha, em essência, foi inútil. Pois para o Itamaraty Vermelho a pendenga não é de caráter comercial, mas, sim, ideológica. E aí vale tudo, inclusive o uso da mentira revolucionária.
 
“Considero o ato do seu protegido como de alta traição”
(do general Ludwig, ministro da Educação e Cultura, para o chefe da Casa Civil do governo Figueiredo, general Golbery do “Colt” e Silva, antes de demitir Celso Amorim da Embrafilme)
 

Como escrevi em algum lugar, Celso Amorim, o antigo Celsinho da Embrafilme, é o diplomata de “carrière” que o Brasil teria obrigação de desterrar mas que nenhum país democrático do mundo desejaria receber. Amorim, como se sabe, é um desastre diplomático – por onde passa deixa a marca letal da incompetência, má-fé e arrogância. O seu (dele, lá) mentor intelectual – com o qual se envolveu como assistente de direção nos tempos do Cinema Novo – foi o cineasta comunista Leon Hirszchman, introdutor do leninesco “centralismo democrático” nas relações político-institucionais do cinema brasileiro.
 
Nomeado ministro das Relações Exteriores pelo aéreo Itamar Franco, Celsinho, digo, Amorim, viu-se às voltas em 1993 com a ação terrorista da FARC, que fez explodir 200 quilos de dinamite (pura) na embaixada do Brasil em Bogotá, num atentado no qual morreram 43 colombianos e saíram feridas cerca de 350 pessoas, entre oito funcionários e diplomatas lotados na nossa representação[*]. Mesmo assim, instado a responder em data recente se considerava a guerrilha colombiana uma organização terrorista, o vosso chanceler tergiversou do seguinte modo: “O Brasil não faz classificação de quais organizações são terroristas e, por isso, não iria discutir se as FARC entram ou não nesta categoria”.
 
A posteriori, durante o primeiro mandato do sindicalista Lula, sempre dando a entender aos Estados Unidos que laborava em favor da criação da Alca, a Área de Livre Comércio das Américas, segundo ele num “formato à la carte”, o ministro do Itamaraty Vermelho passou a sabotar as negociações que nos abriria mercado de mais de 800 milhões de pessoas. E para sepultar de vez a perspectiva de uma zona de livre comércio, depois de procrastinar o quanto possível acordo que nos levaria a participar de um PIB (Produto Interno Bruto) continental na ordem de US$ 12 trilhões, o chanceler de Lula, no seu antiamericanismo doentio, deixou que um funcionário do MRE associasse a Alca ao fulgor de uma “odalisca de cabaré barato”.
 
Agora, em Genebra, mais insolente do que nunca, o desastrado diplomata, no afã de sair-se como líder voluntarioso do emergente G-20, procurou detonar no âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio) a chamada Rodada Doha, que se arrasta há sete longos anos e que tem por objetivo estabelecer negociações multilaterais entre países ricos e pobres (cujos governos estão ficando mais ricos do que os dos países ricos), a partir da eliminação de subsídios e barreiras que dificultam o livre trânsito das commodities agrícolas, serviços e produtos industrializados.
 
Ligado o dispositivo totalitário, Amorim de saída acusou os países ricos de adotarem na Rodada uma estratégia nazista na condução das negociações, que incorporaria a máxima de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, segundo a qual “uma mentira muitas vezes repetida torna-se verdade”. A coisa pegou mal, na mesa em que a presença de vítimas do nazismo é bem nítida. Na ordem prática das coisas, no entanto, o chanceler de Lula diz que os países desenvolvidos protelam a redução dos seus subsídios agropecuários – o que impediria as nações emergentes de comercializarem seus produtos agrícolas.
 
Os países desenvolvidos, por sua vez, ao anunciarem cortes de subsídios na área da agricultura, acusam os países membros do G-20, dos quais Amorim é uma das lideranças, de não promoverem, em reciprocidade, a respectiva abertura nas áreas industriais e de serviços. Mesmo levando em consideração que a Rodada não é apenas sobre agricultura, Amorim atravanca as negociações “fincando o pé” na velha posição de que só cortando mais subsídio na área agrícola poderia aventar alguma coisa no terreno industrial – numa manobra onde o saldo de confiança é zero. Agora me digam: quem diabo topa, numa Rodada de hienas, fazer negócio assim?
 
Ao citar a máxima de Goebbels sobre a mentira, o ministro do Itamaraty Vermelho esqueceu de mencionar a recomendação do estrategista Lenin, segundo a qual, instalado o quadro de conflito, o comunista deve “acusar o outro do crime que ele mesmo comete ou pensa”. Com efeito, para aplicar o golpe sobre o Governo Provisório de Kerensky e dos ex-aliados mencheviques, na Rússia de 1917, o mentor da sangrenta revolução aconselhava aos súditos a adoção sem limites da mentira como arma, imputando aos adversários as tramas criminosas que praticava.
 
De fato, para chegar à vitória dos seus objetivos, Lenin era capaz de empreender qualquer tipo de trapaça, tais como calúnias, fraudes, delações, atentados, chantagens, aliciamentos e falsificação de documentos. Marxista de carteirinha, ele acreditava, como de resto todo comunista, que em nome do porvir revolucionário o militante pode cometer todos os crimes possíveis, tendo como álibi a mentirosa verdade (utópica) revolucionária.
 
Para estudiosos isentos da história moderna, não há mais dúvida: a única diferença entre os objetivos do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nazi) e dos diversos partidos comunistas é que o primeiro prega a implantação do socialismo nos limites nacionais e o segundo o quer estabelecido internacionalmente. Para dominar a propriedade privada e o controle dos meios de produção, os nazistas fizeram do judeu (na Alemanha) o bode expiatório, enquanto os comunistas apontam os “burgueses capitalistas” como alvo de suas inculpações. O próprio Hitler, quando entre pares, costumava revelar que aprenderá muito, para atingir o poder, lendo Marx e observando Lênin e Mussolini.
 
Quanto à Rodada Doha, decerto que ela, em essência, foi inútil. Pois para o Itamaraty Vermelho a pendenga não é de caráter comercial, mas, sim, ideológica. E aí vale tudo, inclusive o uso da mentira revolucionária.

Notas:

[*] A Farc, desde outubro de 1986 mantinha negócios com o Cartel de Medellin, de Pablo Escobar, intensificando a guarda do narcotráfico no primeiros anos da década de 1990. Os dados são do National Security Archive, do Pentágono.

Meias-verdades, mentiras e dezinformatsya: a quem interessa?

No Brasil o terrorismo colombiano nunca foi tratado pela mídia com a seriedade devida, e nas pautas dos jornais o tema FARC esgotou-se com a libertação dos 15 reféns, no último 2 de julho. Este tema, entretanto, está longe de acabar e não se resume apenas às FARC.

Escrevo este artigo no dia 20 de julho, data em que a Colômbia comemora sua Independência e que em todo o país ocorreram manifestações pedindo o fim dos seqüestros e dos atos terroristas. A França, que resolveu tomar para si uma vitória que não lhe pertence pois é genuinamente colombiana, também realizou uma manifestação tendo à frente a recém-libertada Ingrid Betancourt, acompanhada de sua intrigante e odiosa mãe Yolanda Pulecio, seus filhos e cantores populares.
 
Aqui no Brasil o terrorismo colombiano nunca foi tratado pela mídia com a seriedade devida, e nas pautas dos jornais o tema FARC esgotou-se com a libertação dos 15 reféns, no último 2 de julho, como se isto encerrasse o assunto de uma guerra que já ultrapassa quatro décadas. Este tema, entretanto, está longe de acabar e não se resume apenas às FARC. Diariamente encontro informes nos sites do Ministério da Defesa e do Comando das Forças Militares colombianas sobre baixas, capturas, deserções e desmobilizações voluntárias de guerrilheiros das FARC, ELN e bandos menores, além da desarticulação de bombas, minas anti-pessoa, apreensão de armamentos, material bélico e de comunicação, laboratórios de processamento de pasta base de coca e toneladas desta droga destruídos ou confiscados pelas Forças Militares, mais de 2.400 crianças libertadas das fileiras guerrilheiras. É um trabalho incessante, abnegado, silencioso.
 
Entre 2000 e 2007 o ELN seqüestrou 3.293 pessoas e mantém ainda em cativeiro 240. A maioria de suas vítimas são pequenos produtores cujo fim é essencialmente a extorsão pela cobrança de resgate. O presidente Uribe tem sido duro com relação a este bando e as Forças Militares têm agido com rigor em sua perseguição. No dia 15 pp., foi abatido em combate o segundo cabeça e chefe de finanças da frente “Heróis e Mártires de Anori”, condinome “Samir”, que era responsável pela cobrança do “imposto” aos produtores e pela comercialização da pasta base de coca. Essas notícias, entretanto, não saem nos nossos jornais. E ainda há quem alardeie que a nossa imprensa é vigilante e presta relevantes informações com o jornalismo investigativo…
 
Durante o período em que Ingrid Betancourt esteve refém das FARC iniciou-se uma campanha mundial pela sua libertação como se ela fosse um “ícone do martírio”, mas muito dessa história foi fabricada para pressionar Uribe e para desmerecer o Governo e a excelência do trabalho da Inteligência e Forças Armadas colombianas. Quando ocorreu o seqüestro, em fevereiro de 2002, esta senhora, então candidata à presidência da Colômbia por um partido “ecologista”, tinha míseros 2% de intenção de votos e seria apenas mais um número nas estatísticas macabras do narco-terrorismo não fossem os bons ofícios de Dominique de Villepin, então chanceler da França. Em julho de 2003 Villepin, que fora amante das irmãs Ingrid e Astrid na época em que estudaram na França, armou uma desastrosa operação de resgate que foi abortada quando o avião teve que aterrisar em Manaus e descobriu-se que não carregava remédios e médicos mas militares. Posteriormente, em 2005, um emissário francês reuniu-se cinco vezes com as FARC nas selvas da Colômbia sem informar ao governo colombiano, causando muito desconforto na diplomacia dos dois países.
 
Com todo este interesse da França pela libertação de Ingrid, as FARC perceberam que ela tornara-se “a jóia da coroa” e que daí poderiam extrair grandes lucros. Ao mesmo tempo, discretamente foi-se construindo o “mito Ingrid” e colaboradores dos terroristas, como Chávez e Piedad Córdoba – e posteriormente os outros membros do Foro de São Paulo do qual as FARC são membros -, uniram-se às pressões, não para que as FARC a libertassem sem condições, mas para que Uribe cedesse às chantagens de desmilitarizar os estados de Pradera e Florida.
 
Inteligentemente Uribe não cedeu nem deu trégua aos combates, até que em meados do ano passado o presidente Sarkozy, a pedido de Villepin, resolveu também participar da farsa. Pediu ao presidente Uribe que libertasse unilateralmente Rodrigo Granda (membro do Secretariado das FARC) como prova de boa-vontade no processo de paz da Colômbia. Em troca as FARC não libertaram nenhum refém, tampouco pararam com o terror. O policial John Frank Pinchao, que conseguiu fugir do cativeiro, informou as condições sub-humanas em que vivem os seqüestrados fazendo um relato comovente, inclusive citando o uso de correntes nos presos para que não fugissem, apresentando a sua própria.
 
Em dezembro as FARC liberaram imagens e fotos de uma Ingrid debilitada e a partir desta foto “construiu-se” a história de que ela padecia de Hepatite B, Leishmaniosis e que “poderia morrer” caso não fosse libertada com urgência. A segunda parte do plano elaborado pelas FARC, Chávez e apoiado pelos filhos de Ingrid e dona Pulecio, era destruir a imagem de Uribe rotulando-o de “desumano” por não ceder aos apelos “humanitários” das FARC. Entretanto, a foto que a tornou famosa por sua “resistência ao martírio” fora tirada em outubro de 2007; seu marido declarou estranhar as doenças que diziam padecer sua mulher uma vez que ela havia se vacinado em 2001 contra malária e outras enfermidades; as correntes eram postas apenas à noite e só passaram a ser usadas depois da tentativa de fuga de Ingrid, ou seja: não foram 6 anos ininterruptos acorrentada pelo pescoço como se dizia.
 
Com relação às “doenças”, segundo o cabo William Pérez que foi seu enfermeiro no cativeiro, Ingrid padecia de depressão. Diz ele: “Ela estava muito fraca e tive que lhe dar muito soro, alimentá-la com cuidado porque não podia comer nada; tudo que comia vomitava”. E acrescenta: “Nas provas de sobrevivência que vocês viram e que escandalizaram o mundo, ela já demonstrava sinais de melhora; imaginem como ela chegou a ficar!”. Quer dizer, quando se falava na iminência de morte ela já estava praticamente recuperada e 9 meses depois, quando foi libertada, é natural que tivesse recobrado a aparência que todos viram no dia do resgate! Quanto à Hepatite B, o hospital francês que fez o checkup negou a existência ou resquício de tal enfermidade, acrescentando que seu estado de saúde era bom.
 
Esta senhora, que sempre foi de esquerda, agora cospe no prato que comeu e dá as costas ao povo que de fato lutou por sua libertação, pois menos de 24 horas depois da “Operação Xeque” embarcava no avião presidencial de Sarkozy rumo à França, onde se encontra até hoje. Lá, não tem poupado agradecimentos ao governo e povo francês por sua libertação, o que tem causado imensa decepção nos colombianos e nos militares que se arriscaram para salvá-la. Se havia alguma pretensão de nova candidatura presidencial, Ingrid acaba de dar um tiro no próprio pé com suas críticas a Uribe, com sua condescendência para com seus verdugos e com esta traição a quem realmente fez tudo por sua libertação.
 
O ministro da Defesa, Juan Manuel Santos, disse em entrevista no início do mês que a idéia do terceiro mandato não é do presidente Uribe mas que ele não a refuta. O medo que paira entre seus colaboradores é que Uribe não concorrendo, seja eleito alguém que não continue este combate tão exitoso contra os bandos terroristas e se instale, como no resto do continente, um governo comunista. Nas pesquisas de opinião Uribe subiu de 87% para 92%, e 74% apóia o terceiro mandato porque o povo colombiano não quer FARC, não quer terrorismos e rechaça a idéia de apoiá-los “com palavras amorosas”. Segundo o ministro Santos, se as FARC não se renderem por bem, vão receber todo o peso da pressão militar. Se até 2010 Uribe conseguir destruir as FARC e o ELN, ótimo; mas se não, quem conseguirá?

Encruzilhada colombiana: revés guerrilheiro, “reconciliação” e desmobilização

O tema da “reconciliação” na Colômbia vai-se transferindo de uma forma mais ou menos explícita ao centro dos debates e acontecimentos dentro desse país e em torno dele.

Com a libertação inesperada e espetacular de 15 reféns das FARC, o povo colombiano e suas atuais autoridades ganharam o que até o momento constitui uma das mais importantes batalhas psicológicas, políticas e militares contra as narco-guerrilhas que assolam a Colômbia desde há quatro décadas. Não obstante, segundo destacam diversos observadores, a justificada alegria ante a possibilidade de aproximação da paz não deveria deixar perder de vista que ainda podem faltar outras etapas para que a Colômbia chegue a uma paz estável e duradoura, vencendo completamente a guerra.

A rápida mudança de opinião na linguagem da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, pouco depois de ser resgatada e posta em liberdade, serve de exemplo que ilustra a complexidade da psicologia humana e, ao mesmo tempo, serve de reflexão sobre eventuais mudanças análogas que possam se produzir não somente em nível individual como coletivo.

Deixando rapidamente para trás um primeiro momento de elogio às autoridades colombianas, e de justificação da arriscada ação de resgate, a Srª Betancourt passou a afirmar com ênfase que seu pensamento “sempre” será “de esquerda”, que é “necessária” uma negociação com as FARC e que as autoridades colombianas devem “abandonar a linguagem do ódio”; fez elogios a Chávez e chegou a justificar a existência das FARC com a velha tese de esquerda de que a causa da “violência” guerrilheira se encontraria na “injustiça social” e não nas próprias metas e métodos revolucionários, próprios de um sistema intrinsecamente perverso.

A ex-refém, que já é qualificada como “a Mandela colombiana”, como uma referência ao líder esquerdista sul-africano que, depois de sair da prisão chegou à presidência de seu país, foi mais longe ainda quando afirmou à BBC que “Uribe e não só Uribe, mas toda a Colômbia, devem corrigir algumas coisas”, no sentido do diálogo, da negociação e da reconciliação.

No contexto do pensamento da Srª Betancourt, essa “correção” que “toda a Colômbia” deveria realizar, nas atuais circunstâncias poderia redundar em uma perigosa desmobilização psicológica e ideológica de um país inteiro.

Neste momento, com relação à Colômbia, a palavra “reconciliação” está sendo pronunciada genericamente por diversas personalidades, desde setores diferentes, em nível nacional e internacional, embora sem que se especifique até o momento em que consistiria concretamente essa “reconciliação”. A ineludível interrogação que se coloca é: qual seria o significado que cada ator ou protagonista concede a essa palavra? Em seu sentido mais simples, “reconciliar-se” significa voltar a ser amigos aqueles que em algum momento, por alguma razão, deixaram de sê-lo.

Em que consistiria, concretamente, essa “reconciliação” em relação às FARC e a seus membros, conhecidos por sua crueldade e radicalização, os quais até o momento não deram nenhum sinal de arrependimento por seus crimes?

No plano religioso, Bento XVI, em suas primeiras palavras depois de ser informado da libertação dos 15 reféns, incluiu a meta da “reconciliação” na Colômbia, segundo transmitiu imediatamente à imprensa o Padre Lombardi, porta-voz da Santa Sé. O tema da “reconciliação” na Colômbia já havia sido abordado pelo Pontífice em diversas oportunidades, como por exemplo no Angelus de 3 de fevereiro pp., e também em mensagem aos bispos colombianos por ocasião do centenário da Conferência Episcopal desse país.

Por outro lado, em um plano que vai mais além do religioso e incursiona no sócio-político, os referidos bispos colombianos também têm insistido na reconciliação, e também no diálogo e na negociação. Pouco depois da libertação dos reféns, o até há pouco presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, monsenhor Luis Augusto Castro Quiroga, dirigiu-se às FARC manifestando-lhes que estudassem “com muita seriedade” a possibilidade de “dialogar” com o governo e acrescentou que no momento atual “a saída negociada é o melhor” para os guerrilheiros.

Também no plano político internacional a primeira atitude do presidente Lula, do Brasil, quando se produziu a libertação de Betancourt, foi a de emitir uma nota na qual chama à “reconciliação entre todos os colombianos”.

O tema da “reconciliação” na Colômbia vai-se transferindo dessa maneira, de uma forma mais ou menos explícita, ao centro dos debates e acontecimentos dentro desse país e em torno dele. É um tema sumamente delicado porque, como já se disse, se precisaria saber o quê é que cada um dos promotores da “reconciliação”, e os eventuais atores em jogo, entendem por “reconciliação”.

A preocupação provém do fato de que esta palavra, em si mesma tão notável, pode adquirir significados ambivalentes “talismânicos”, que contribuam para desmobilizar os colombianos no momento em que a guerrilha atravessa uma situação especialmente difícil, e a abertura de processos de reconciliação, negociações e diálogo poderia dar-lhe tempo para cicatrizar suas feridas psicológicas, políticas e militares.

Notas:

Tradução: Graça Salgueiro

Ofício proibido

A margem de tolerância para com o exercício do jornalismo diminuiu muito, mas só percebem isso os velhos profissionais que já sentiram o gosto da liberdade. As gerações mais novas não notam nada de anormal, pois nunca viram jornalismo de verdade.

No tempo da ditadura, quando os jornais estavam sob fiscalização cerrada e os rumos da política eram decididos em reuniões secretas, seja entre generais de quatro estrelas ou entre líderes de organizações terroristas, o noticiário político propriamente dito desapareceu da mídia nacional. Sobravam, é claro, os discursos parlamentares, mas todo mundo sabia que eram apenas um formalismo. A política propriamente dita, a política substantiva – quer dizer, a luta pelo poder e as finalidades com que ele se exerce – tinha se tornado assunto proibido.

Como os jornais têm de sair com um certo número de páginas haja notícias ou não, e como o artifício das receitas de bolo e trechos dos Lusíadas era de aplicabilidade limitada, o remédio foi dar destaque exagerado a dois tipos de matérias que antes ocupavam lugares modestos na hierarquia editorial: as notícias de economia e as denúncias de corrupção. Eram o que sobrava de mais apolítico à disposição de um ofício que é político por natureza. Para mim, redator de economia, a transição foi vantajosa. Meus relatos infinitamente tediosos sobre o preço dos pãezinhos e o índice de inflação, que normalmente vegetavam em obscuras páginas internas, vieram para a capa do jornal e às vezes até deram manchetes. Os repórteres políticos, coitados, tinham um orgasmo cada vez que descobriam algum desvio de verba numa prefeitura do interior, e orgasmos múltiplos quando o envolvido no caso era superior a chefe de gabinete.

A ditadura acabou em 1988, mas os critérios jornalísticos então adotados continuaram em plena vigência, ainda que com signo invertido. O que aparece como noticiário político é só a fachada oficial, complementada pelas análises econômicas e casos de corrupção. A luta ideológica, as estratégias de longo prazo, a distribuição real do poder – tudo isso permanece desaparecido como se houvesse um censor dentro de cada redação. Na eleição presidencial de 2002, nem um único jornal deu sinal de notar o fenômeno extraordinário da uniformidade ideológica entre os quatro candidatos, pelo menos três dos quais previamente atados pelo compromisso de fidelidade mútua no quadro do Foro de São Paulo. Exatamente como nos “anos de chumbo”, a missão do jornalismo não era mostrar os fatos, mas produzir uma reconfortante sensação de normalidade para encobri-los. A existência do eixo Lula-Castro-Chávez, hoje abundantemente comprovada, só vazou um pouquinho por pressão da mídia internacional, mas, para a tranqüilidade geral da nação, logo sumiu sob um bombardeio de chacotas forçadas. Quanto ao Foro de São Paulo e às conexões do PT com as Farc, só repetindo o Figaro de Mozart: Il resto non dico, già ogniuno lo sà.

Mas nem tudo no jornalismo atual é igual àqueles tempos. Em primeiro lugar, o número e a relevância das notícias sonegadas ao público – praticamente todos os acontecimentos decivos para o destino de um continente inteiro – não se comparam às miudezas, de importância meramente local e tática, que então foram suprimidas. Em segundo, a maioria da classe era contra aquele antijornalismo imposto. Hoje ela o pratica por vontade própria, alegremente, mal suportando que o critiquem. Em terceiro, os generais nunca acharam que denunciar corruptos ou noticiar fracassos econômicos fosse conspiração, subversão, extremismo de esquerda. Não só permitiam que falássemos dessas coisas livremente, mas até nos agradeciam, por julgar que com isso contribuíamos para a boa administração do Estado. Hoje, mesmo os jornais que mais servilmente se adaptaram às circunstâncias são abertamente acusados de subversivos, de golpistas, de extremistas de direita, cada vez que pegam um alto funcionário levando propina ou anunciam a volta da inflação. A margem de tolerância para com o exercício do jornalismo diminuiu muito, mas só percebem isso os velhos profissionais que já sentiram o gosto da liberdade. As gerações mais novas não notam nada de anormal, pois nunca viram jornalismo de verdade.

Notas:

Publicado pelo Jornal do Brasil em 17/07/2008

Lula e as FARC

Os comunistas, como sempre, transformam as derrotas mais acachapantes em vitórias retumbantes.

Depois de comparecer em Brasília à posse presidencial de Fernando Collor, em 15/03/90, com todas as mordomias de praxe, Fidel Castro rumou para São Paulo e entrevistou-se com Lula da Silva. Seu objetivo – no auge da desintegração da URSS, quando Cuba perdeu a mesada anual de US$ 6 bilhões prodigalizada pelos russos – era articular com o Partido dos Trabalhadores o ressurgimento de uma nova OLAS – a malograda Organización Latinoamericana de Solidaridad proposta por Salvador Allende logo após a Conferência Tricontinental de Havana, realizada em 1966, cujo objetivo seria “estender a luta revolucionária a todos os países da América Latina e cotejar a OEA” – a Organização dos Estados Americanos, que conta com a presença efetiva dos Estados Unidos.

Quatro meses depois, sob os auspícios do Partido Comunista de Cuba (PCC) e do PT de Lula se instalava na capital paulista o Foro de São de Paulo, reunindo 48 partidos e organizações comunistas procedentes de 20 países da região. Entre eles, o Movimento de Izquierda Revolucionaria (MIR, responsável pelo seqüestro do empresário Abílio Diniz), a Frente Sandinista de Liberación Nacional (FSLN, patrocinada pelo estuprador Daniel Ortega) e, como membros fundadores da entidade, o Ejército de Liberación Nacional (ELN) e as Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia (FARC), cujo objetivo era desestabilizar a frágil democracia colombiana.

Em abril de 1993 as Farc, de livre trânsito no Foro, explodiu 200 quilos de dinamite na Embaixada do Brasil em Bogotá, no mesmo dia em que o governo (Itamar Franco) recebia em Brasília a visita oficial do chanceler da Colômbia. No atentado, morreram 43 colombianos, ficando feridas cerca de 350 pessoas, entre funcionários e diplomatas lotados na embaixada brasileira.

Mas o ato de terrorismo contra o nosso serviço diplomático não inibiu o relacionamento do PT com os companheiros da guerrilha colombiana. Pelo contrário. Pouco depois, para firmar aliança estratégica com as FARC, a liderança do PT de Ribeirão Preto – ligada diretamente ao prefeito Antonio Palocci – fundou o Comitê de Solidariedade aos Movimentos de Libertação Nacional da Colômbia, tendo à frente, entre outras personalidades, o falso padre Oliverio Medina, tido como embaixador das FARC no Brasil.

Há suspeita concreta de que a solidariedade petista pelas FARC não se deu apenas no plano ideológico: Oliverio Medina (um dos três codinomes de Francisco Antonio Cadena Colazzos) foi o portador – segundo declarações por ele feitas numa festa da chácara “Coração Vermelho”, nos arredores de Brasília – de doação de US$ 5 milhões à campanha presidencial do PT de Lula, em 2002, conforme relatório da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), de Nº 0097/3100.

Sensível ao labor da guerrilha, Lula da Silva, em novembro de 2002, já eleito presidente da República, assinou com todas as letras manifesto em defesa das FARC, ao tempo em que acusava o governo colombiano de praticar “terrorismo de Estado”.

(Aqui, convém ressaltar: mesmo condenado por homicídio e terrorismo na Colômbia, o falso padre Medina, arquivado processo de extradição, saiu da cadeia por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), em março de 2007, gozando hoje, em Brasília, status de ativo “refugiado político”. Em boa parte – segundo informações contidas no computador de Raúl Reyes, o líder n° 2 das FARC morto no Equador -, pela gestão diplomática de Celso Amorim, o chanceler do Itamaraty Vermelho. De quebra, o integrante das FARC ainda teve a mulher, Angela Maria Slongo, contemplada pelo governo com cargo comissionado na Secretaria Nacional da Pesca).

O fato é que desde 1990, quando da instalação do Foro de São Paulo, as FARC sempre estiveram presentes aos encontros periódicos da entidade subversiva, debatendo teses e acatando resoluções, visto pertencerem ao núcleo de dirigentes instalados na cúpula do “Grupo de Trabalho”. Ainda recentemente, em maio último, no encerramento do XIV Encontro do Foro realizado em Montevidéu, os membros da representação petista ovacionaram de pé as palavras de louvação prestadas por Daniel Ortega ao falecido Manuel Marulanda Vélez, o “Tirofijo”, criador das FARC.

O próprio Lula, em discurso presidencial pronunciado durante a celebração dos 15 anos de existência do Foro de São Paulo, em julho de 2005, procurando dissimular as relações desta entidade com a organização guerrilheira movida pelo narcotráfico, assassinatos e seqüestros, confessou, desprezando a Constituição do País, que utilizava “a relação construída no Foro para que pudéssemos (ele e, entre outros, os companheiros das FARC) conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política (do governo)”.

No mês passado, antes do exército colombiano resgatar sem gota de sangue a ex-senadora Ingrid Betancourt (típica representante da “esquerda festiva” francesa) e outros 14 reféns das mãos criminosas das FARC, Celso Amorim, porta-voz do governo, disse solenemente que “O Brasil não faz classificação de quais organizações são terroristas e, por isso, não iria discutir se as FARC entram ou não nesta categoria”. As palavras de Amorim advinham, até certo ponto, do fato de se ver lançada por terra a pretensão (secreta) do Governo Lula de negociar com a guerrilha o resgate dos reféns.

Por isso Lula, antes considerando as FARC uma “organização insurgente”, deu marcha-ré e, diante da vitória memorável do presidente Uribe, considerou “abominável” o ato de seqüestro industrializado pela guerrilha. Ele disse: “Eu espero que as FARC tenham sensibilidade de participar do jogo democrático e liberar todos os reféns que ainda existem em suas mãos”. 

Voltarei ao assunto, mas só para concluir: os comunistas, como sempre, transformam as derrotas mais acachapantes em vitórias retumbantes. Passados os instantes de perplexidade, o Foro agora rearticula o seu Plano B, inspirada na “grande estratégia unificada” que consiste na “inserção dos guerrilheiros e seus simpatizantes na vida pública” colombiana, para se desalojar Uribe do poder. A propósito: Ingrid, provável candidata à presidência, está aí para isso mesmo.

Entrevista com Heitor De Paola

Uma entrevista com o colunista do MSM.

1- Lula é um semi-analfabeto, ignorante, presunçoso e que se gaba de ser iletrado. Na sua opinião, qual é o maior legado que Lula deixará ao Brasil, (um país de tolos), na hipótese de deixar o poder? (Luiz Inácio, símbolo do Brasil)

Heitor De Paola –> Apesar de semi-analfabeto e tudo o mais, Lula tem uma característica extraordinária: é de uma sagacidade ímpar e de uma capacidade de apreender o significado de coisas complexas e sintetizá-las, raramente encontradas num homem público. Só é comparável a Adolf Hitler, outro homem de pouca instrução. Esta característica permite a Lula uma comunicação instantânea com as massas. Não é à toa que se gaba de ser iletrado, de ter criado os bordões “nunca antes neste país”, “nunca, nos últimos 500 anos….” e de interpretar corretamente qual é o caminho da felicidade do PT, inchando a máquina estatal e cooptando o apoio dos grandes empresários e banqueiros: “vamos deixar de lado as ideologias; a China tem partido único e imprensa controlada e ninguém reclama porque estão ganhando muito dinheiro”, o que inclui uma ameaça óbvia: “seu eu fizer o mesmo aqui os empresários e banqueiros vão adorar!”. Não creio que Lula deixe o poder tão cedo, pode até trocar de endereço físico – se não for re-eleito – mas continuará mandando, seja através de um candidato petista ou de um tucano, dá no mesmo. Seu legado será de uma unanimidade burra a duradoura.

2- Na sua opinião, qual o paralelo existente entre o crime do aborto e a possibilidade de geração de melhores condições de vida ao ser humano, através da manipulação de células embrionárias?
(Quando começa a vida?)

Heitor De Paola –> Quando saiu a decisão do STF sobre as células-tronco embrionárias houve uma imensa comemoração: “vitória da ciência sobre o obscurantismo religioso!”. O que venceu foi o pior obscurantismo de todos, o dogmatismo pseudocientífico, baseado num falso entendimento de ciência. Qualquer pessoa familiarizada com os procedimentos científicos sabe que os cientistas não formulam verdades absolutas, mas conjecturas que permanecerão sempre abertas às refutações e que, portanto, é impossível enunciar julgamentos morais ou éticos com base nelas. Os cientistas abrem caminhos; não encerram diálogos! Cada vez que se faz isto, milhões morrem. É o que vai acontecer com os seres humanos em fase embrionária. Não foi lapso, é assim mesmo: embriões são seres humanos tanto quanto as crianças, os adultos, os idosos. O limite da ciência, neste particular, é dizer que os embriões já são humanos, pois possuem 46 cromossomos, exclusivo da espécie humana, e se sobreviverem não há a menor possibilidade de se tornarem jacarés ou rinocerontes ou árvores. Não cabe à ciência determinar quando os seres humanos adquirem o status de pessoa e se e quando devem ser eliminadas. Isto é da área da ética, da religião, da moral, da política. E enquanto nenhuma pesquisa séria aponta os tais benefícios, outras mostram a grande evolução havida com as células-tronco adultas. Por que então matar embriões? Obviamente, aberta a exceção estará livre o caminho para aprovação do aborto legal.

3- Recentemente veio à baila que a mulher de Olivério Medina, “embaixador” das FARCs no Brasil, trabalhava à custa do erário brasileiro. E com o aval do governo petista, esse é só mais um exemplo da intimidade do atual poder executivo com terroristas de ontem e de hoje, que dele fazem parte. Temos alguma chance ou já está “tudo dominado”?

Heitor De Paola –> Está tudo dominado e tenho sérias dúvidas se esta situação poderá ser revertida por via democrática, pois o povão está comprado pelas diversas “bolsas” e programas “sociais” e o empresariado e os banqueiros pelas fortunas que “nunca antes neste país” ganharam em tal enxurrada. Estão todos, como dizia Lenin, comprando a corda com que serão enforcados. Cada um recebe a anestesia correta e só uns poucos conseguem enxergar o conjunto das ameaças. E estes estão sendo calados: recentemente o Jornal do Brasil desconvidou todos os articulistas que escreviam discordando da linha oficial, com a exceção de Olavo de Carvalho (até quando?) e o Estadão acabou de fazer o mesmo com um dos seus articulistas. Na área política não existe oposição. O PSDB é governo, embora finja ser oposição, o DEM sei lá para quê existe, sobram quais? Muita gente exultou quando FHC estrilou e chamou Lula de nazista. Ora, não passou de briga de quadrilhas, Lula deve ter ultrapassado os limites da área da outra “famiglia”, como nos velhos tempos de Chicago. Como o Lula jamais perseguiu judeus e não consta que tenha alguma simpatia por idéias anti-semitas, a denúncia é absolutamente vazia! Se fosse para valer tê-lo-ia chamado do que ele é: comunista!

4- Nos corredores palacianos comenta-se que o grande facilitador da tramitação do Projeto de Lei que resultou na Lei de Mobilização Nacional foi José Dirceu. Você acha que o advento desse dispositivo legal (Lei 11631/07) capacita o governo do PT a articular qualquer “golpe de mão” na rés publica (coisa pública) e na rés privatae (coisa particular), sob falso pretexto de mobilizar a nação para o enfrentamento a um possível avanço colombiano em solo amazônico, sob orientação norte-americana? (Big Brother is Watching You)

Heitor De Paola –> Sim, mas não creio que venha a ser esta a razão da mobilização, se houver. Não é do interesse do atual governo tomar nenhuma atitude contra os EUA, ao menos enquanto não terminar o governo Bush, já que as relações correm em mar de almirante com a crença idiota da Casa Branca e do Departamento de Estado de que Lula serve para apaziguar Chávez et caterva – sem perceber que Lula é o chefe da caterva. Creio que o SINAMOB (Sistema Nacional de Mobilização) foi criado mais como uma estratégia preventiva de reações das Forças Armadas ou de setores civis contra o avanço cada vez maior nas nossas liberdades – e no nosso bolso. Note-se que a Lei prevê no artigo 3º, a tomada de ações estratégicas “desde uma situação de normalidade”, isto é, qualquer coisa pode ser interpretada como uma ameaça. É uma prévia do Estado Policial que se avizinha e já conta com algumas estruturas bem montadas, como a Recei ta Federal.

5- Desde 2003 ( Lendas e mistérios da Amazônia) você alerta para os problemas de fronteira da Amazônia e a política indigenista (na aparência caótica), e finaliza seu último artigo sobre o tema com uma série de questões: “Quando as fronteiras estão assim arrasadas e quando Governadores, Parlamentares e empresários brasileiros acorrem à Clarence House para de forma abjeta e degradante consultar o Príncipe Charles sobre o quê fazer com a Amazônia (ver notícia), cabe a pergunta: a soberania brasileira está reduzida a quê? Ou melhor, ainda somos um país soberano? Será que ainda cabe perguntar se é possível salvar nossas fronteiras, ou se deve ser substituída por: será que ainda há tempo de retomá-las, expulsando todas as ONG’s e fazendo cumprir o Artigo 142 da Constituição do Brasil?” Você poderia nos dar o caminho para as respostas a algumas dessas perguntas aqui postas por você? (Amazônia: doação anunciada)

Heitor De Paola –> A soberania brasileira está reduzida a nada, não somos um país soberano há muito e não há fronteiras a salvar e sim a retomar, à força se necessário. Mas isto dependerá da disposição das Forças Armadas em tomar as medidas cabíveis para fazer cumprir o artigo 142 (sua destinação para a defesa da Pátria, da garantia dos poderes constitucionais e da lei e da ordem). A soberania não está restrita às fronteiras físicas da Nação. De nada adianta mantê-las se a Nação não tiver o poder de, livremente e sem ingerências externas, tomar as decisões que julgar mais adequadas. E isto o Brasil já perdeu desde que se submeteu a todas as determinações oriundas da ONU e outros organismos internacionais e a qualquer ONG financiada por multibilionárias fundações internacionais que se arvore a ditar ordens. O governo brasileiro não é mais o defensor do poder nacional, mas apenas um sátrapa que executa as ordens do Foro de São Paulo, do Diálogo Interamericano, da Comissão Trilateral e até do Príncipe Charles que reina mais aqui do que na sua terra onde não pode nem escolher a própria mulher! A abdicação começou com Collor: na palhaçada de tampar o buraco da Serra do Cachimbo, com a assinatura do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, culminando na realização da ECO 92 onde aceitamos todas as idiotices ambientalistas coordenadas pela Fundação Gorbachov para inviabilizar a economia Ocidental. Itamar tentou resistir, mas FHC enterrou de vez, na medida em que se comportou menos como Presidente do que como Governador da Capitania do Brasil em nome do Diálogo Interamericano. Os organismos eletivos viraram nada mais do que fantasmas que pairam em Brasília e apenas sua corrupção é real, nada fantasmagórica. Finalmente, alguma coisa eles têm que fazer!

6- Como você compreende a recente lei de repatriação de imigrantes ilegais aprovada pela União Européia, à luz dos objetivos de instalação do governo mundial onde a ONU é a fachada das mãos invisíveis do corpo de elite não eletivo formado pelo Council on Foreign Relations, A Trilateral Commission, Bildeberg Club entre outras organizações internacionais, o Komintern (Internacional Comunista) e o Islam (A “Comunidade Internacional”)? Como a Nova Ordem Mundial (socialista, da maneira que se apresenta) trataria a imigração (a legal e a ilegal, que são situações bem distintas)? Os distintos “blocos” que já se formam na configuração da nova ordem mundial construiriam “novos muros de Berlim”?

Heitor De Paola –> A formação destes blocos estanques é bem provável, como o futuro previsto por George Orwell: Oceania (Inglaterra e Américas), Eurásia (Europa, União Soviética com suas repúblicas federadas) e Lestásia (China, Japão, Sudeste Asiático) – a África seria um eterno campo de batalha. Mas tudo é especulação, o futuro só é previsível para os “iluminados” marxistas e não podemos incorrer no mesmo erro e nos igualarmos a eles, como Francis Fukuyama (O Fim da História). A Trilateral Comission, uma evolução do atlanticismo (América do Norte e Europa) para incluir o Japão, ignora o resto do mundo como áreas de conflito permanente. Até então o problemas das imigrações era o mercado de trabalho que poderia ser dividido nas áreas menos nobres desde que não criassem problemas na camada mais rica. No entanto, o rápido crescimento do Islã no final do século passado e o advento da moderna Jihad, não previstos por estes movimentos puramente ocidentais, criam uma zona cinzenta que dificulta a avaliação dos futuros previsíveis. Inclusive, e principalmente, a questão da imigração. Jamais houve uma onda migratória que ameace tanto os países hospedeiros como a invasão islâmica. As antigas ondas migratórias européias para as Américas contribuíram e muito para o desenvolvimento dos países receptores porque eram constituídas por migrantes – legais ou ilegais, não importa – com a mesma tradição cultural. O Islam tende e romper com as tradições e impor a shari’a, suprema lei corânica, para todos.

7- No seu artigo “A Fragmentação do Brasil”(Publicado no Jornal Inconfidência, Ano XIV, Nº. 127, Junho/2008), você alerta para o fato de que a “legitimação” em oposição à legalidade tem sido um dos principais fatores para a manutenção da proto-ditadura comunista que ora vivemos no país. No momento em que o poder legislativo já se encontra praticamente anulado como tal diante do abuso das medidas provisórias (e outros tantos “instrumentos”), no seu ponto de vista, que razões levam o poder Judiciário a se ajoelhar diante de tanta legislação infra-legal?

Heitor De Paola –> Um misto de ideologia, demagogia e intimidação. Alguns juízes são ideologicamente identificados com os “movimentos sociais”, são realmente comunistas, já formados dentro da ideologia do direito alternativo; outros votam demagogicamente, como bem o disse o próprio Presidente do STF a respeito da publicação da lista dos políticos submetidos a processos, uma medida obviamente inconstitucional e que viola as melhores tradições do direito – a de que só as pessoas com sentença transitada em julgado podem ser consideradas culpadas -; os demais se deixam intimidar pelas pressões de três origens: populares, ONG’s e do próprio Executivo. Isto ocorreu, por exemplo, no caso das células-tronco embrionárias: nenhum dos quatro que não votaram a favor teve a hombridade de se pronunciar claramente contra, mas levaram horas justificando votos ambíguos. Com o apr ofundamento do processo revolucionário os últimos tendem a desaparecer primeiro e depois os demagógicos, até que sobrem apenas os ideológicos. É como dizia Churchill: “um pacifista é um sujeito que alimenta o jacaré na esperança de ser comido por último”. A revolução não tem pressa e as aposentadorias nos órgãos de cúpula da Magistratura estão à vista. Alguns dirão: e a corrupção, não existe? Sim, como em qualquer grupo humano devem existir juízes corruptos, só que sempre existiram e estamos falando aqui de uma situação revolucionária.

8- Na série de artigos “O Suicídio da águia – (I-II-III-IV)” você diz que “A dissolução dos Parlamentos nacionais e até mesmo dos governos é uma questão de tempo, pois se tornarão completamente desnecessários.” (…) “Mas, para se obter sucesso pleno, a caminhada rumo a esse objetivo deve eliminar a soberania de um país em particular: os EUA.” Como (e em que proporção) a eventual vitória de Barack Hussein Obama concorre com esse suicídio?

Heitor De Paola –> Obama é uma incógnita, mas suas raízes comunistas e islâmicas certamente concorrem para aumentar as chances deste suicídio. No entanto, ainda é muito cedo para um julgamento. Note-se que as posições dos dois candidatos estão mudando a toda hora: Obama já não vai retirar as tropas do Iraque em 18 meses; McCain mudou de idéia quanto à liberação do aborto “em certos casos”. É melhor aguardar.

9- Como você compreende a contradição(?) do apoio dos financiadores judeus ao partido democrata norte-americano e em especial a Barack Hussein Obama, que demonstra uma predileção pela causa palestina e sinaliza para uma relação no mínimo amistosa com Ahmadinejad?

Heitor De Paola –> (Para responder contei com a ajuda de amigos judeus que conhecem a história da comunidade judaica americana). Por terem sofrido discriminação e preconceito dos gentios, os judeus europeus seculares e mais ou menos seculares se filiaram a partidos de esquerda e criaram o primeiro partido comunista-judeu (é contraditório mas é um fato), o Bund, essencialmente anti-sionista, defendia uma cultura judaica européia com o yiddish como a lingua-mãe e não o hebraico. Os judeus sefaraditas ou mizrahim nao existiam para eles. Os partidos de esquerda eram os únicos que combatiam a discriminação e preconceitos, prometendo igualdade social, econômica, etc. Com a chegada dos pogroms promovida pelos czares houve uma emigração desses judeus e sua utopia para os mais diversos paises, inclusive os EUA. Assim como o partido comunista nunca foi muito forte nos EUA, a maior identificação ocorreu com o partido Democrata e não com o Republicano que arregimentava os magnatas, conservadores e anti-semitas (não que não houvesse anti-semitismo no PD). E essa tradição da maioria dos judeus se filiarem ao PD perdura, independentemente do candidato. Obviamente hoje em dia não há lógica nisso, mas persiste uma forte desconfiança histórica quanto aos republicanos. Para alguns caiu a ficha, como para o senador Joe Liberman. O Obama é muito esperto: ele tem um discurso ambíguo. Apóia Israel incondicionalmente, mas não apoiaria a política do Likud. Na realidade hoje em dia muitos eleitores judeus que tradicionalmente votam nos democratas estão perplexos. Os financiadores judeus existem, mas são os de esquerda, e o principal deles, é o anti-sionista George Soros, que vive financiando causas Anti-Israel, e promove grupos que constantemente têm sido os mais ferrenhos e preconceituosos críticos das relações entre os Estados Unidos e Israel.

10- Como viabilizar a reversão da grande escalada das “mentiras convenientes” como a do terrorismo ecológico e desmascarar para o grande público a “conexão de Al Gore e seus cúmplices atuais, Nancy Pelosi na política, idiotinhas deslumbrados como Leonardo Di Caprio e o Príncipe Charles, com a antiga gang comunista de Gore Sr. e Hammer”?
(A Comunidade Internacional II – Final)

Heitor De Paola –> Não será fácil, nem sei se será possível. As campanhas de esclarecimento pela internet têm demonstrado uma força inesperada, como no caso do desarmamento. Jornais eletrônicos, sites e blogs como Mídia Sem Máscara, Farol da Democracia Representativa (onde, clicando em Temas e escolhendo Falácias sobre Aquecimento Global existem vários artigos sobre o tema), e o de vocês, atingem uma camada grande da população, mesmo quem não tem internet através da transmissão boca-a-boca. Articulistas que têm acesso à grande mídia (não cito nomes para não deixar ninguém de fora injustamente) têm feito seu papel. Ultimamente vem surgindo também uma imprensa “nanica” e jornais de bairro que apresentam uma visão bem mais clara da situação. Cito o Ilha Capital, de Florianópolis que conheci recentemente. É muito pouco porque há interesses poderosos por trás da mídia chapa branca que bloqueia até cartas de leitores. Nos EUA existe o potente instrumento de difusão das informações: o rádio. Apesar de todos os progressos o rádio é ainda um maior formador de opinião do que a TV. E aqui, pelo famigerado sistema de concessões, o que se pode fazer se a qualquer momento o governo pode cassá-las?

11- O gradualismo gramscista é bem exemplificado pela entrevista de Garcia (MAG) ao Le Monde onde afirma que “as eleições democráticas são uma farsa, unicamente um passo para a tomada do poder de uma nação”. Uma vez que “uma parte essencial do gradualismo gramscista é o controle cada vez maior das comunicações”, como você entende que se poderia concretizar um bem sucedido ataque anti-comunista contra tais amarras paralisantes “antes que seja impossível vencer as avalanches catastróficas da maldade comunista”? (A colheita I – O Eixo do Mal Latino-Americano)

Heitor De Paola –> A resposta é igual à anterior. É necessário ressaltar que a tomada do poder a que se refere o MAG não é mais, necessariamente, aquela revolução violenta em que os comunistas se apossam do poder e fuzilam todos os opositores. Basta ter o Governo nas mãos e permitir que as ONG’s e os organismos internacionais tomem o verdadeiro controle das decisões. E esta fase já está completada. Toda a imprensa depende de dinheiro público e/ou está em regime de concessão e é diariamente vigiada pelos órgãos policiais e de inteligência, exatamente o que acusavam a “ditadura” de fazer. Mas naqueles tempos havia alguma censura específica sobre determinados temas, hoje é muito mais abrangente. Com os atuais meios de comunicação não é mai s necessária a presença física dos censores. As grandes empresas privadas dependem de contratos do governo e/ou financiamento do BNDES. Pode-se contra-argumentar que a mídia tem denunciado o Foro de São Paulo e algumas revistas vêm criticando duramente o MST e até suas ligações com as FARC. Bem, o Foro já está instalado plenamente no poder central e pode ser falado. Quem deu a autorização foi o próprio Lula quando abriu o jogo. Nenhum dos articulistas e repórteres que antes negavam veementemente sua existência veio a público pedir desculpas por sua cumplicidade ou inépcia. Quanto ao MST também já precisa mais de propaganda do que sigilo e, por outro lado, o PT pode controlar melhor sua arrogância e radicalização, tomando aqui e ali medidas que parecem repressivas.

12- O Eixo do mal latino-americano conta com um considerável aparato de apoio a seus objetivos sub-reptícios como o Foro de São Paulo (criado por Fidel e Lula e que além de abrigar terroristas já elegeu Lugo no Paraguai, seu 12º presidente) e também “outras entidades interessadas que se aliaram a ele”, como “O Diálogo Interamericano” (do qual FHC é “membro nato”), o Pacto entre eles e que foi acertado em Princeton entre Lula e FHC em 1993, bem como as conexões extra-continentais. Você poderia expor um pouco mais sobre essas conexões extra- continentais? ( A colheita I, A colheita II – O Eixo do Mal Latino-Americano e A colheita final: URSAL em marcha)

Heitor De Paola –> A rede é vastíssima e nem sempre os interesses são idênticos. De maneira geral todas as entidades interessadas no aprofundamento do governo mundial estão representadas. Em meu livro cito, além da ONU e suas Agências – que a meu ver já são verdadeiros Ministérios Mundiais – as grandes fundações, Ford, Rockfeller, Carnegie Edowment for International Peace, Woodrow Wilson International Center for Scholars. Organizações como o COUNCIL ON FOREIGN RELATIONS, a TRILATERAL COMMISSION, ASSOCIATION OF WORLD FEDERALISTs, Bilderberg Group (BG), o Committee for Economic Development (CED). As religiosas, como National Council of Churches, World Council of Churches, United Religions Initiative (recomendo a leitura do livro False Dawn de Lee Penn para ver a enorme extensão desta última). Posso citar ainda aquelas ligadas ao Príncipe Charles e seu pai, dois ilustres desocupados: Prince’s Foundation for the Built Environment, Prince’s Regeneration Trust e a Cambridge University. Guerrilheiras “camponesas” como a Via Campesina, Friends of MST, National Farm Workers Service Center Inc. As ligadas à liberação das drogas, como Open Society Institute e Marijuana Policy Project.

13- Ainda em seu artigo A colheita final: URSAL em marcha, você diz que a “contra cúpula” dos povos expressou sua imensa satisfação com o trabalho de Chávez como sucessor de Fidel. Alardearam especificamente Chávez ter controlado e dominado facilmente a “classe política” venezuelana o que lhe credencia para controlar a classe política de toda a América Latina, iniciando um processo irreversível de integração latino-americana, do qual a integração comercial em acordos “neo-liberais” é apenas o início mais aceitável para a “comunidade internacional”. Não seriam essas futuras fronteiras artificiais advindas da instalação da URSAL um dado passível de ser explorado pelos anti-comunistas uma vez que parece ter sido sub-dimensionado por seus “idealizadores”?

Heitor De Paola –> Não creio. Já criaram a UNASUL, uma antecessora da URSAL como eu previra, e ninguém chiou, a não ser os mesmos de sempre. Já está em franco processo a união das Forças Armadas da América do Sul, já existe Banco, TV, tudo e quem fala algo sobre isto? A única esperança é que as Forças Armadas se recusem ao desarmamento, sucateamento e transformação em meras milícias regionais. E voltarem às suas funções primordiais de defesa do território nacional. A UNASUL segue os planos do Diálogo Interamericano de levar a estes resultados. Quanto à sucessão de Fidel, observe-se a reciprocidade entre Chávez e Raúl e o fato de que o primeiro se declarou, há alguns dias, “filho de Fidel”, entrando assim para a família. Ninguém, nem Fidel nem Raul, o desdisse.

14- Você concorda com a suposição de que a UNASUL é o incremento de legalidade à fundação da URSAL, mediante a continentalização do MERCOSUL, criação de um banco central sul-americano, criação de um conselho de defesa, moeda única, tudo aos moldes da União Européia? E que a permanência da Colômbia à margem do processo poderá ser um entrave providencial para esse passo inicial? (A colheita final: URSAL em marcha)

Heitor De Paola –> Não só a Colombia, mas também o Peru; e o Uruguai poderá, nas próximas eleições, eleger um Presidente liberal, se os tradicionais Partidos Blanco e Colorado se unirem. Também o Chile, com o crescente descontentamento popular, poderá ter um resultado não previsto. Aqui parece que vai ocorrer o oposto da Europa: lá, os países que submeteram a adesão ao referendo popular se deram mal, veja-se a Holanda e agora a Irlanda. Por isto a EU está implementando a união através de mecanismos não eleitorais. Aqui, a resistência só ocorrerá enquanto Alan Garcia e Uribe estiverem no poder (e se se confirmarem as possibilidades acima do Uruguai e do Chile). Se for a referendo a propaganda do Chávez é fortíssima, através das cartilhas bolivarianas distribuídas por empresas interessadas em contratos lá. Pode ser wishful thinking, mas acho que aqui no Brasil, indo a referendo, não passa, então provavelmente vão aproveitar os desvãos da “Constituição Cidadã” para aprovar no Congresso mesmo. Quando eu estava respondendo a esta entrevista deu-se a libertação de Ingrid Bettancourt e outros reféns das FARC mediante, ao que transpareceu nos primeiros momentos, uma espetacular ação do Exército colombiano. O fortalecimento de Uribe se incrementou. A reação de Chávez: calou-se! De Correa: pena que não tenha havido negociação de paz, mas um resgate. E a de Lula: mandou o Amorin, menino de recados do MAG, dizer que não tivera tempo para telefonar a Uribe! O golpe foi tão grande que eles vão ter que reunir extraordinariamente o Foro de SP para ver o que fazer; ou dizer! Entretanto é preciso observar bem os futuros desdobramentos. Ingrid é de esquerda e poderá se lançar contra Uribe, pois comunista não tem palavra de honra, só palavra de ordem!

15- As previsões feitas em 2002 por Constantine Menges (falecido em 2004) que alertava para a constituição de um “eixo do mal” latino-americano com a participação d a Venezuela , Cuba e Brasil, onde o Irã seria parceiro desse eixo, são um fato consumado que deve ser complementado pelo surgimento de um “eixo auxiliar de governantes de esquerda que assumem o papel de “moderados úteis”, para adormecer as sãs reações e pavimentar o terreno ao “eixo do mal” (e onde Lula desponta como um dos principais expoentes continentais). Você concorda que a partir dos acordos firmados entre Chávez e Ahmadinejad “a América Latina poderá se transformar, em curto ou médio prazo, em um novo campo de batalha político, financeiro e, quem sabe, militar, dos conflitos do Oriente Médio”, além dos conflitos que se desenham contra a Colômbia, por exemplo? ( Aliança Chávez-Ahmadinejad: “eixo do mal” e “eixo auxiliar”)

Heitor De Paola –> Não creio. Os conflitos do Oriente Médio têm raízes milenares, Bíblicas. Não se reduzem a meros esquemas economicistas, como o controle do petróleo, explicação preferida pelos esquerdopatas, nem territoriais, como preferem os defensores dos “palestinos”. É o tipo do caso para o qual a expressão popular “o buraco é mais em baixo” se aplica. Ou melhor, mais em cima: é a questão da Terra Santa para as três religiões monoteístas, tendo como centro Jerusalém. É um conflito interminável a meu ver, a não ser que os países islâmicos se desarmem, o que não correrá. Como bem o disse Binyamin Netanyahu, se os árabes se desarmarem acaba a guerra; se Israel se desarmar, acaba Israel. O eixo Venezuela-Irã é parte de uma luta global para destruir os EUA, mas nunca terão a radicalização religiosa que existe lá. O eixo latino-americano não tem conotações anti-semitas. Isto não implica que não exista preconceito e até algum grau de discriminação, mas nenhum dos governantes da área sustenta uma política consistentemente anti-semita por princípio.

16- “A sucessão de Fidel por Chávez, mesmo que numa Federação co-presidida por Raúl Castro, teria o objetivo de impedir qualquer ação americana após a morte do primeiro já que Cuba não seria um país acéfalo e sim, no gozo de sua plena soberania, além de que Chávez colocaria novo vigor na repressão interna em Cuba.” Como a ascensão da esquerda norte-americana, representada pelos democratas, modificaria essa configuração? (A colheita final: URSAL em marcha)

Heitor De Paola –> Em princípio reforçaria. Obama já se declarou disposto a “dialogar” com Raúl e, como todo Democrata, manda sinais de paz para os inimigos. Se Obama for da estirpe de Carter e Clinton, estamos fritos! Lembrem que tais sinais de conciliação por parte de Carter ensejaram dois desastres: a queda do Xá do Irã e do Somoza. Ambos foram substituídos por regimes antiamericanos infinitamente mais cruéis. Mas mantenho o que eu disse acima: Obama ainda é uma incógnita.

17- Você adverte para o fato de que apesar de muitos movimentos anti-nacionais estarem baseados nos EUA, não se pode dar vazão “às interpretações delirantes dos ultranacionalistas e das esquerdas – que não deliram, sabem muito bem da verdade mas não lhes convém difundir – de que os EUA estão preparados para invadir o Brasil, principalmente a Amazônia”. Uma vez que esta é uma “interpretação simplista e mesmo simplória que vê os EUA como um todo homogêneo”, e que “É impossível haver consenso de Washington se não existe consenso em Washington.”, como se deve tratar esse assunto para que a população em geral se livre da cultura anti-americana ? (A colheita II – O Eixo do Mal Latino-Americano)

Heitor De Paola –> Rezando! Só por milagre isto acontecerá. O Brasil é o país mais antiamericano do mundo, ganha até da França!, embora, como lá também, todo mundo adore viajar para Disneyworld, hambúrguer do McDonald’s, carrões, lojas com nome em Inglês e calças jeans.

18- Você cita Sun Tzu quanto ao desequilíbrio da balança entre quem defende e quem ataca. A postura do Exército adotada de 1979 para cá, que visa unicamente defender-se e buscar uma parceria com a esquerda revolucionária e vingativa, não seria uma demonstração cabal de que o EB (ativa) na verdade serve ao atual governo e é cúmplice da total tomada do poder pelo Foro de São Paulo, numa frontal traição ao estado brasileiro, o que fere inclusive suas atribuições constitucionais? ( As raízes históricas do Eixo do Mal Latino-Americano – Parte V)

Heitor De Paola –> O Exército está intimidado e na defensiva, a meu ver sem nenhum motivo já que continua sendo a instituição mais confiável para a população, segundo pesquisas do próprio governo. Por isto, sempre que Exército se manifesta e encontra eco na população, como no caso da Amazônia, surgem novamente os processos contra os Coronéis Ustra e Lício e são preparadas armadilhas como a dos sargentos gays (ao menos um deles era desertor) e do Morro da Providência. A gana que estes caras têm do Exército é incomensurável! Notem bem: isto não é, como comumente se diz, revanchismo. Não mesmo, é um plano muito bem urdido para liquidar com a única força que pode deter a revolução comunista, como já fez em 35, 64 e 68/73. Sem anular o Exército nada feito. No entanto, não é o Exército como um todo que “serve ao atual governo e é cúmplice da total tomada do poder pelo Foro de São Paulo, numa frontal traição ao estado brasileiro”. Por mais que se mantenha coeso nota-se certas fraturas cada vez mais acentuadas. Se eles se renderem de todo só nos restará duas saídas: Galeão e Guarulhos!

19- “(…) Bom Senso morreu depois de seus pais, Verdade e Confiança; de sua mulher, Discrição; de suas filhas, Responsabilidade e Razão. Sobreviveram a ele seus irmãos adotivos: Eu Conheço Meus Direitos, Eu Quero Já, O Outro é o Culpado e Eu Sou Uma Vítima.
Poucos compareceram ao seu enterro porque só uma minoria percebeu que ele havia morrido. Se você ainda se lembra dele, re-envie esta notícia. Caso contrário junte-se à maioria e nada faça.” Você considera que somente o re-envio da notícia da morte do Bom Senso consegue mudar a postura apática da maioria das pessoas? (Obituário do Sr. Bom Senso – © London Times -Tradução: Heitor De Paola)

Heitor De Paola –> Claro que não, aquilo faz parte do texto original do Times, não é de minha autoria. É preciso levar em conta que a revolução gramscista tem como um dos seus principais componentes a modificação do senso comum. (Traduzi commom sense por bom senso porque se aplica melhor à linguagem comum. Já quando se trata de uma linguagem técnica a tradução deve ser literal).

20- No dia 30 de Junho p.p., a É Realizações lançou o livro de sua autoria “O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial”, onde Alejandro Peña Esclusa o apresenta como “um acurado estudo sobre o neocomunismo, partindo do período do pós-guerra até o Foro de São Paulo, organização que já conta entre seus membros com doze presidentes latino-americanos.” E Olavo de Carvalho no prefácio menciona o fato de que você se viu “diante do caso clínico mais dramático e desesperador que já passou pelo divã de um discípulo (não muito fiel) do Dr. Freud: um continente neurotizado por um intenso tiroteio cruzado de ações camufladas e mentiras ostensivas que ultrapassa imensuravelmente a capacidade de compreensão da inteligência popular e a engolfa num abismo de esperanças ilusórias, terrores sem objeto e ódios sem sentido.”
(Prefácio de Olavo de Carvalho aqui). O que mais você poderia nos adiantar sobre o seu livro?

Heitor De Paola –> Na Introdução faço um resumo da minha história nas esquerdas brasileiras e as razões pelas quais revi minhas posições. Nos demais capítulos faço um levantamento histórico das raízes que levaram nosso Continente a ser comandado pelo Foro de São Paulo e o Eixo Havana-Caracas-Brasília.

21- Você concorda com Olavo de Carvalho, que no artigo “Quem nos governa, afinal?” afirma que “que não há nenhum exagero em dizer que a Nova Ordem globalista-socialista é um fato consumado, irreversível”? Por quê?

Heitor De Paola –> Certamente! Quem dá as cartas na economia mundial? O FMI e o Banco Mundial. Quem supervisiona a educação mundial? A UNESCO. Quem determina as leis trabalhistas? A OIT. Quem dá as diretrizes da saúde? A OMS. Quem faz e desfaz nas leis sobre a infância? A UNICEF. FAO na agricultura, AIEA determina quem pode ou não desenvolver o potencial nuclear. E por aí vai! São verdadeiros Ministérios mundiais, só falta mudar o nome, o que nunca vai acontecer para não despertar grandes resistências e rechaço. Os ministérios nacionais existem para implementar as ordens que vêm de fora; os legislativos, para sacramentar as leis impostas pela Nova Ordem. E quem comanda a ONU são as ONG’s globalistas e as grande fundações multibilionárias. É irreversível, a não ser que seja substituída por outra: a Ordem Islâmica. O Cristianismo acovardou-se ou está infiltrado e já não consegue resistir mais, nem aos ataques materialistas e pagãos da Nova Ordem Ocidental, nem aos da Ordem Islâmica. Estas duas vão se enfrentar para herdar o que restar dos escombros da civilização judaico-cristã, pois Israel sozinho não conseguirá resistir.

22- No mesmo artigo ( “Quem nos governa, afinal?”), Olavo de Carvalho desnuda o papel desempenhado pelas ONGs e afirma que “muito do poder de decisão do parlamento é transferido aos órgãos burocráticos, que, agindo já não como braços do eleitorado, mas como agentes a serviço de parcerias controladas pelo triunvirato de ONG’s, corporações e organismos internacionais, passa então a introduzir na sociedade mutações radicais que, no sistema de governo representativo, jamais seriam aprovadas nem pela população, nem pelo parlamento”. Na sua avaliação, é viável a hipótese de se impedir a existência dessas ONGs no país como um caminho para a reversão do processo de instalação da “Nova Ordem globalista-socialista”?

Heitor De Paola –> Muito difícil, talvez impossível. Falando do Brasil a única possibilidade é que as Forças Armadas compreendam a situação e tomem uma atitude como a de 64. Mas sem o amplo apoio civil como houve naquele ano elas não se mobilizarão.

23- De que maneira seria possível (pelo menos teoricamente) superar os fatos que promovem “a “descentralização” dos governos nacionais, simulando em escala local uma vitória do liberal-capitalismo sobre as tendências centralizadoras e socialistas” a qual foi “posta a serviço da construção do Leviatã supranacional que, inacessível e quase invisível, controla dezenas de Estados reduzidos à condição de entrepostos da administração global”? (“Quem nos governa, afinal?” de Olavo de Carvalho)

Heitor De Paola –> Quem nos governa já foi respondida na resposta 22. Teoricamente: se os EUA tomassem vergonha na cara, saíssem da ONU e parassem de financiar o seu maior inimigo e a expulsasse do East River. Chances de isso acontecer: uma em cem milhões! Se tanto! Pois os EUA também não são mais um País autônomo. No dia em que estou respondendo esta pergunta (4 de julho) os americanos estão comemorando o Independence Day. Para quem tem uma visão de conjunto como a que estou expondo aqui é deprimente que eles não percebam que a grande conquista de mais de 200 anos já não passa de uma ficção!

24- Ante o enfraquecimento das Forças Armadas, citado no Capítulo XII de seu livro “O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial” , qual sua opinião pessoal sobre o emprego do Exército em uma obra de cunho eleitoreiro (cimento social), vindo a confrontar de maneira criminosa os efetivos daquela força com os efetivos do tráfico carioca?

Heitor De Paola –> A mesma opinião técnica do Comando Militar do Leste que foi contra tal emprego.

25- Qual sua opinião sobre a participação das Forças Armadas brasileiras num país como o Haiti, incrustado numa área estratégica como o Golfo do México e culturalmente desvinculado de nosso país e de nosso povo?

Heitor De Paola –> Um absurdo! Não pelo problema cultural, que não tem importância, mas porque aceitar fazer parte das tropas da ONU, usar aquele famigerado capacete azul ao invés do nosso verde oliva, é sinal de rendição da soberania nacional. Tropas brasileiras em país estrangeiro só em caso de guerra declarada soberanamente pelo Brasil!

26- Ainda no Capítulo XII do mesmo livro, você se refere à oposição brasileira como “grupo de poltrões que esganiçam como velhotas de aldeia, mas nada fazem se ganharem carguinhos mesmo chinfrins e algumas regalias…”. No prolongamento da idéia, o PSDB é citado por ser “interessado direto, nada diga…”. Essa sua afirmação seria a mesma coisa que dizer da irmandade ideológica entre o PSDB e o P T?

Heitor De Paola –> Claro, é um casal muito feliz que briga de vez em quando por coisas menores e que jamais se separarão. E quem afirmou isto foi o FHC.

27- Em relação à análise constante no Capítulo XIII do seu livro “O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial”, sobre a consolidação da URSAL, ao analisar-se que a UNASUL já foi institucionalizada, que abertamente já se planeja o conselho de defesa sul-americano, que há uma tendência de distensão do MERCOSUL, que a TELESUR já é uma realidade, que a moeda única já está engatinhando em acordos alfandegários entre Brasil e Argentina, qual será o mote de criação da URSAL, que necessariamente deverá aglutinar a América Central e o Caribe?

Heitor De Paola –> A necessidade de integração de toda a América Latina para enfrentar o “império” e liquidar o “injusto” sistema capitalista.

28- Você gostaria de acrescentar alguma coisa que considere importante e que não foi aqui perguntado, já que temos consciência de que o assunto não se esgota e também de que muitas outras entrevistas seriam necessárias?

Heitor De Paola –> Nada. Para uma entrevista geral está muito bem montada. Outros assuntos específicos poderão ser abordados em outras oportunidades, como o ambientalismo, a invasão gramscista nas ciências e na psicanálise, etc.

Notas:

Publicado pelo blog Direto do Abismo

Libertação dos seqüestrados: vitória da mente sobre a espada

Chávez e Correa ficam sem a jóia da coroa e por mais que “mediem de boa vontade” para a libertação dos demais seqüestrados, não poderão desfazer-se do rótulo de mandatários que apóiam o terrorismo.

Desde as primeiras guerras da humanidade os bandos em contenda utilizaram fraudes e ardis que, de metódicos êxitos táticos, redundaram em transcendentais golpes estratégicos que mudaram o rumo das guerras. Em síntese: vitórias da mente sobre a espada. Operações especiais de comandos terrestres com elevadas doses de ação psicológica, orientadas para anular a capacidade de luta do adversário e ganhar o apoio irrestrito da população civil.

Nem mais nem menos, é a cinematográfica libertação de 15 seqüestrados em poder das FARC, dentre eles Ingrid Betancourt – a jóia da coroa – que os conspiradores contra a Colômbia, Hugo Chávez, Rafael Correa, Piedad Córdoba, Daniel Ortega e o tortuoso governo francês de Sarkozy tinham como um ás dentro da manga.

É evidente que desde há vários dias os pró-terroristas governantes do Equador e da Venezuela, que estavam empenhados em tecer um arranjo imoral que os livrasse da grave responsabilidade encontrada nos computadores de Reyes, ridicularizassem o governo colombiano com a libertação dos seqüestrados graças a suas “gestões bonachonas” e imediatamente dessem luz verde para conceder o status de beligerância às FARC, com embaixadas e consulados incluídos em seus países.

A trama corria paralela com o exibicionismo politiqueiro da Corte que procurava desqualificar a legitimidade do mais popular de todos os governantes colombianos, depois do Libertador Simón Bolívar. Não obstante, a justiça tarda mas chega.

Como tem sido constante, desde a batalha de Boyacá até nossos dias, mais uma vez o Exército salvou a república que ele mesmo construiu. Sem protagonismo, sem espetaculosidades publicitárias, sem pedir nada em troca, os soldados da Colômbia executaram o golpe mais demolidor que as FARC receberam durante a última década.

A contundente operação reúne todos os elementos da perfeição e se coloca no nível do célebre cavalo de Tróia, o resgate de Mussolini no Sasso, Chavin de Huantar no Peru, o resgate de Entebe em 1976, a morte do almirante Yamamoto durante a Segunda Guerra Mundial, etc.

Nela se conjugam todos os ingredientes de um minucioso e disciplinado trabalho de inteligência militar, técnica e humana: emprego de sofisticados equipamentos técnicos para rastrear comunicações, aerofotografias, leituras por satélites, foto-interpretação, etc. Também inclui infiltração especializada sobre o núcleo do objetivo, seguimentos de pegadas, colocação de agentes em locais-chaves e direção sincronizada do esforço de busca da informação, apreciação permanente da situação, conhecimento do curso de mais provável adoção do adversário e oportunidade dos dados processados.

No nível operacional, o contundente golpe militar demonstra profissionalismo e treinamento tecnificado dos executores, maturidade para atuar no momento decisivo, ímpeto dos soldados enviados à histórica ação, coordenação milimétrica com as demais unidades comprometidas nos fechamentos e apoios imediatos, e decisão precisa, a partir de um sistemático trabalho de Estado Maior. A isto soma-se a experiência acumulada nos golpes contra Simón Trinidad, Sonia, Raúl Reyes, Acacio, Lozada, Martín Caballero, Jota Jota, a deserção de Karina e a tentadora oferta que conduziu um bandido a assassinar Iván Ríos.

Na ordem logística se evidencia precisão, coordenação, previsão total dos elementos requeridos para conduzir a operação até o final, sem que faltasse nenhum detalhe por catalogar.

E no aspecto psicológico, o intangível que define todas as guerras, a vitória é total para o Estado. A surpresa, produto do engano aos mestres do engano, demonstra que “os médicos também morrem” e que a capacidade operacional do Exército colombiano o coloca como o melhor, o mais capaz, o mais experimentado e o mais recursivo de todo o hemisfério latino-americano. Ao mesmo tempo, é uma tácita mensagem a Chávez para que medite e se dê conta de quem é a quem pretende agredir.

Os resultados desta exitosa operação marcam uma tendência de favorabilidade aberta ao programa de governo do presidente Uribe, corroboram sua estatura como líder e estadista, e definem os mais prováveis cursos de ação do panorama estratégico da guerra na Colômbia:

Chávez e Correa ficam sem a jóia da coroa e por mais que “mediem de boa vontade” para a libertação dos demais seqüestrados, não poderão desfazer-se do rótulo de mandatários que apóiam o terrorismo. A informação dos computadores revive com inusitada força. Os demais mandatários da América Latina vão se alinhar com o ganhador que é Uribe e os dois bocudos presidentes vizinhos vão encarar mais problemas com a oposição interna, agora que Evo Morales – outro de seus aliados – segue em franca queda livre.

O Secretariado das FARC tentará pressionar a troca humanitária com o resto dos seqüestrados, porém já não terá a conotação internacional que lhes iam dar seus cumpinchas na América Latina e o oportunista governo francês. Imediatamente lançarão ofensivas terroristas contra a infra-estrutura econômica, e tentarão atentar contra altos funcionários do Estado para aliviar a pressão.

O presidente Uribe terá o caminho livre para postular seu nome para um terceiro mandato de governo, orientado para a consolidação e o desenvolvimento sócio-econômico das zonas afetadas pela violência comunista.

Os republicanos terão marcado outro gol nos Estados Unidos, pois não é gratuito que depois da visita de McCain à Colômbia sejam libertados os três contratados seqüestrados. Isto, somado à extradição dos chefes da AUC, vai incidir no eleitorado do gigante do norte e na aprovação do TLC, pois ninguém que seja sensato entenderá como o congresso sinuoso e oportunista de maioria democrata dê as costas a seu melhor aliado. Ganham os republicanos e ganha a Colômbia.

Terroristas capturados como Martín Sombra e os três que tinham as provas de sobrevivência, que estavam na lista de espera, com certeza serão enviados com Cesar e seu comparsa para que respondam ante uma Corte Federal pelo seqüestro dos três contratados norte-americanos.

A França terá que assumir um papel mais sério e menos exibicionista. Dinamarca, Suécia e Noruega deverão perseguir os terroristas que abrigam em seus territórios. E muito mais. Entretanto, na Colômbia deve continuar com força o processo da FARC-política; não pode ficar só no papel.

Por outro lado, a mãe de Ingrid Betancourt terá de engolir as frases ofensivas com as quais desqualificava o presidente Uribe, ou ter o gesto de galhardia de oferecer desculpas públicas por sua conduta errônea. Igual atitude deve assumir o linguarudo senador Luis Eladio Pérez [1]. Ele está obrigado a reconhecer que seu falatório não era, nem mais nem menos, que por ordem das FARC.

Por razões de espaço não estendo mais o comentário. Porém, também há outros elementos dignos de resgatar e pôr em primeiro plano como elementos formativos das novas gerações: 1. A lealdade do Exército à Pátria; 2. A perseverança do presidente Uribe para acompanhar as instituições armadas, em que até antes de seu governo foi uma luta sem respaldo político dos governantes de turno.

Em síntese: a guerra se ganha com a mente e com a espada, porém sempre é a mente quem conduz os soldados à vitória. A Operação Xeque passará para a história universal como o dia em que a Colômbia deu a punhalada final à derrota militar, política e psicológica do projeto revolucionário armado do partido comunista colombiano.

Notas:

Fonte: www.cgfm.mil.co

Nota da Tradutora: O senador Luis Eladio Pérez, depois do sucesso das Forças Militares no resgate dos seqüestrados sem qualquer participação dos oportunistas Chávez, Correa e Piedad Córdoba, deu uma entrevista dizendo-se “perseguido” e “ameaçado de morte” pelas FARC e que por isto iria embora da Colômbia. Seu irmão confirmou que já havia partido sem dizer para onde, mas comenta-se que buscou refúgio na Venezuela de Chávez.

Tradução: Graça Salgueiro

Cavalheiros do outro mundo

O apoio da esquerda, em especial do PT, aos narcoterroristas das FARC é ocasional e isolado? Não, é uma atitude permanente.

Lendo sobre a operação de resgate de Ingrid Bettancourt lembrei-me de algo com que me havia deparado na internet, há poucas semanas. Fui atrás da matéria e lá estava ela, ainda disponível, publicada em bem conhecido site de esquerda, no dia seguinte à morte do narco-guerrilheiro Raúl Reyes, na famosa operação do exército colombiano. O referido texto sustentava, pura e simplesmente, que aquela ação militar não se destinara a matar Reyes, mas fora concebida para eliminar Ingrid Bettancourt e evitar sua iminente libertação. Por quê? Porque a ex-senadora, em liberdade, poderia atrapalhar os projetos de Álvaro Uribe para se manter no poder, ora. A gente precisa ser muito idiota para não perceber uma coisa tão evidente assim, não é mesmo?

Como se vê, a criatividade da esquerda não-democrática é inesgotável. A matéria, aliás, ainda acrescenta este vaticínio: “Nas próximas semanas, assim que as comunicações do lado popular tornarem a se ajustar, é quase certo que a notícia seja divulgada, no que Uribe tentará acusar as FARC de a terem matado como represália, o que seria ridículo, bem se sabe”.

Bem se sabe. Bem se sabe que não há limite para a insensatez dessa gente. Assim como não tem uma palavra de verdade, o longo arrazoado não tem uma palavra sobre narcotráfico nem sobre o delírio totalitário representado pela luta de guerrilha num país sob normalidade constitucional e bem definida periodicidade eleitoral. Nenhuma palavra sobre a violência representada pela prática do terrorismo e do seqüestro. Silêncio absoluto sobre a insanidade de uma guerrilha mantida que já dura quatro décadas. Nada. Toda a criatividade concentrada em conceber uma hipótese e a partir dela extrair conclusões venenosas que justifiquem a conduta delinqüente dos companheiros. E sempre atribuindo aos adversários a própria malícia.

Caso isolado? Não, atitude permanente. Em janeiro de 2001, aqui em Porto Alegre, foi realizada a primeira edição do Fórum Social Mundial. Dezenas de milhares de companheiros do mundo inteiro se concentraram na capital gaúcha para conviver e aplaudir as grandes figuras da esquerda mundial. Todos defensores de “um outro mundo possível”, amantes da paz, do amor e da democracia. Quais foram os principais ícones do beatífico evento? Quais as personalidades mais reverenciadas e aplaudidas por aquelas figuras turbinadas por tão elevados valores humanos? Ninguém mais nem menos do que os democráticos, fraternos e solidários Ricardo Alarcón (presidente da Assembléia Nacional de Cuba) e Javier Cifuentes, que dirigia a representação das FARC. Lugares para estar próximos a esses cavalheiros eram disputados a cotovelaços.

Lula candidato fez das FARC parceiras importantes do seu Foro de São Paulo. Lula presidente se recusou a declarar que elas são uma organização terrorista. Até hoje não ouvi qualquer voz petista reconhecer e condenar o narcotráfico controlado pela guerrilha. Há bem poucos dias, a morte de Manuel Marulanda, o maior líder dessa organização criminosa suscitou homenagem póstuma na reunião do Foro de São Paulo, em Montevidéu, e a memória do bandido foi saudada com vibrantes aplausos por uma platéia que se pôs em pé para não deixar dúvidas quanto à sua reverência. Em outras palavras: como são incorrigivelmente elevados os ideais desses cavalheiros do outro mundo!

Tá com medinho, “seu” Chávez? Então pede pra sair!

Chávez está com medo mas, como todos os líderes totalitários não se importa muito em perder coisas materiais, desde que não perca o poder.

“Os mitos desmoronam por si mesmos mas só podem ser totalmente
banidos pela verdade”.
Dmitri Volkogonov

O presidente Hugo Chávez está entrando em seu inferno astral mas conta com bons estrategistas que o ajudam a mudar o rumo da prosa quando a luz vermelha se acende. É característico de seu comportamento obsessivo-compulsivo falar o que pensa sem medir as palavras e de tomar atitudes, as mais absurdas e criminosas, sem prever as conseqüências que podem advir desses rompantes.

Dentre estes fatos os mais notórios dos últimos tempos são: a modificação de 69 artigos da Constituição, na qual foi derrotado no Referendum de 2 de dezembro de 2007; os destemperados rótulos e xingamentos ao presidente Álvaro Uribe, da Colômbia, que considera um “cachorro do Império”; a solicitação ao mundo para acolher as FARC como um “agrupamento político beligerante”; o anúncio na Assembléia Nacional de que mastigava folhas de coca diariamente, ofertadas pelo cocalero Evo Morales, presidente da Bolívia; o minuto de silêncio em cadeia nacional pela morte de Raúl Reyes, e, finalmente, a criação da Lei do Sistema Nacional de Inteligência e Contra-Inteligência.

Esta Lei estabelece que todo cidadão fica obrigado a cooperar ilimitadamente com os novos órgãos de Inteligência, com os Conselhos Comunais chavistas e demais associações da militância e, em caso de negar-se a fazê-lo, será punido com uma condenação de dois a quatro anos de cárcere e se for funcionário público a pena é de quatro a seis anos de prisão. No Art. 19, a nova Lei autoriza o “emprego de qualquer meio especial ou técnico para a obtenção e processamento de informação”(Gaceta Oficial Nº 38.940 de 28 de maio de 2008), o que significa que os novos agentes secretos de Chávez podem interceptar correspondência, grampear ligações telefônicas, torturar para obter informação, seqüestrar, drogar, violentar, ameaçar, humilhar em público e até assassinar, tudo em nome da “Segurança Nacional”.

Quando esta Lei foi divulgada começaram as pressões, inclusive dentro das Forças Armadas, para anular esta aberração que Chávez criou utilizando-se das prerrogativas da Lei Habilitante. Uma semana depois, no programa dominical “Alô, Presidente”do dia 8 de junho, aparece um novo Chávez, conciliador, fazendo um mea culpa pelos “exageros” cometidos na tal Lei, alegando em sua defesa ter-se lembrado da tentativa de golpe liderado por ele em 1992 e que não fora, nem aceitaria, ser coagido para delatar quem quer que fosse porque isto era uma violação aos direitos humanos. Em vista deste “reconhecimento”, suspendeu a tal Lei até que fossem revistos alguns artigos.

Ainda no mesmo programa pediu que as FARC se desmobilizem e entreguem todos os reféns, porque a “guerra de guerrilhas é história” e “não se justifica derrocar um governo democraticamente eleito”. Dias depois foi a vez de Rafael Correa, o boneco de ventríloquo de Chávez, repetir o mesmo discurso cínico dizendo: “Por favor, já basta, deixem as armas, vamos ao diálogo político e diplomático para encontrar a paz. Dissemos isso 500 vezes”. (…) “Que futuro tem uma guerrilha que combate um governo democrático, ao menos em aparência, e que não tem nenhum apoio popular no século XXI?”.

Bem, esta solicitação de Chávez teve boa acolhida no governo colombiano e o presidente Uribe agradeceu o gesto de seu par venezuelano [1], passando por cima de todas as agressões e ofensas. Por outro lado, a Corte Suprema de Justiça da Colômbia solicitou à Scotland Yard que revisasse os computadores de Raúl Reyes para corroborar o informe da INTERPOL de que o material ali encontrado era autêntico e não fora violado, alterado ou suprimido.

O que se depreende de todas estas informações? Em primeiro lugar, Chávez pode ter iludido o mundo inteiro com estas declarações, parecendo ter recobrado a sensatez, mas não aos venezuelanos que o conhecem muito bem. Sua popularidade de dezembro até os dias de hoje despencou para risíveis 28% e este é um ano de eleições importantes, para prefeitos e governadores. Ele ainda aguarda o aval do Brasil para ingressar no MERCOSUL e ser defensor das FARC nesse momento depõe contra. Chávez sabe que as FARC estão em franco declínio – em decorrência do excelente trabalho realizado pelos orgãos de Segurança colombianos -, que contam com não mais que míseros 3% de apoio popular e que a Venezuela também é vítima deste bando terrorista por seqüestros, assassinatos e pelo tráfico de drogas e armas.

A Venezuela tem um dos índices de seqüestros mais elevados do mundo – muitos deles pelas mãos das FARC, que Chávez não reclama porque não rendem dividendos políticos – e os crimes por encomenda cresceram tanto, que já são uma das principais causas de morte no país. Por outro lado, os venezuelanos já foram vítimas da espionagem chavista – extra-oficialmente – através das famigeradas listas “Tascón” e “Maisanta” e continuam sendo perseguidos, ameaçados e encarcerados injustamente [2]. Chávez sabe, portanto, que está encurralado, que os venezuelanos o conhecem muito bem e já estão fartos de suas mentiras, de suas truculências e de vê-lo dizer uma coisa hoje para desmentir amanhã, se assim lhe for conveniente politicamente.

Por outro lado, já se sabe das ligações do PT e de funcionários do alto escalão do governo brasileiro com as FARC mas o presidente Lula, malgrado as substanciais provas de envolvimento através dos Encontros do Foro de São Paulo, será poupado, ou melhor, blindado, como vem sendo desde que assumiu o primeiro mandato em 2003.

A política, já disse alguém, é a “arte do possível”. Por isso Uribe fecha os olhos e poupa Lula de uma denúncia formal de envolvimento com as FARC, agradece a Chávez pelo seu pronunciamento e reata relações diplomáticas com o Equador. Por isso também, Rafael Correa mudou seu discurso porque sabe, tanto quanto Chávez, que corre o risco de entrar para a classificação de “países amigos de terroristas” dado pelos Estados Unidos e União Européia. Dependendo comercialmente dos Estados Unidos eles cedem, numa relação de amor e ódio, uma relação tão patológica quanto suas formas de governar.

Chávez está com medo mas, como todos os líderes totalit&aacut e;rios não se importa muito em perder coisas materiais, desde que não perca o poder. Por isso muda o discurso, torna-se compassivo, chora, apela, finge-se de amigo mas sobretudo mente; mente muito e vai continuar mentindo. E é por isto mesmo que este reconhecimento não pode ser simplesmente aceito e a página virada. Não! Se ele não pede para sair, tem que ser julgado e posto na cadeia pelos seus crimes, pois ele é parte dos problemas causados pelas FARC, não só na Colômbia mas em toda a América Latina.

Notas:

[1] Ouça o áudio do agradecimento em http://www.elpais.com/audios/internacional/Uribe/Quiero/reiterar/agradecimientos/Hugo/Chavez/csrcsrpor/20080615csrcsrint_1/Aes/

[2] http://www.payolibre.com/articulos/articulos2.php?id=1433

Escrito originalmente para o Jornal Inconfidência de Belo Horizonte

Por que marcha o MST?

Por que marcha o MST? Por tudo, menos pela Reforma Agrária.

Não é pela reforma agrária que marchou sobre Brasília o MST. Ela, a reforma agrária, está em curso, a despeito da sua inutilidade e do desperdício de recursos escassos em que incorre. Também não é porque os seus militantes não estejam no governo. Seus membros são “o” governo, vez que o PT é a sua expressão política e tem a Presidência da República e o órgão que cuida do assunto, o INCRA, foi integralmente aparelhado pelo movimento, pondo-se a seu serviço.

Então, por quê? Por muitos motivos e aqui posso listar alguns; 1- pelo ativismo político inerente à sua dinâmica; 2- pelo palanque para a suas lideranças, que assim podem aparecer na mídia e também para o seu público interno; 3- porque essa é a sua profissão, o ativismo político. Muitos dos que marcham nunca viram uma roça de perto e até são remunerados como “marchadores”, a se crer no relato da imprensa; 4- porque acreditam na revolução socialista nos termos feitos na China (maoismo); 5- porque o espetáculo fanfarrão faz parte do processo político do movimento, que se alimenta de bravatas contra ordem estabelecida; 6- porque a organização da marcha tem muito de empreitada militar e o movimento nunca descartou o recurso à força para alcançar seus objetivos, daí seus contatos e apoios com guerrilheiros da Colômbia (FARC) e a manifesta simpatia por Cuba e Fidel Castro.

Então o que se vê é uma desordem pública “organizada”, que sob o império da lei não deveria acontecer. Do mesmo modo que organizam a marcha insensata, organizam invasões às propriedades privadas, rasgando a Constituição. Não podemos esquecer que se organizar em grupo para violar a lei é crime. Mais uma vez a omissão das autoridades é gritante, chegando ao inverso de governos bancarem com apoio logísticos e recursos de toda ordem a marcha da insensatez. Vemos o maior, o Poder Público, reclinar-se diante do menor, um grupo que outra coisa não pleiteia que não a destruição da ordem estabelecida.

O MST é como uma corda esticada sobre um abismo, qual o funâmbulo de Nietzsche. A qualquer momento poderá acontecer o acidente fatal, se Satã quiser repetir a peça que pregou ao filósofo amalucado: saltar sobre os marchadores, tirando-lhe o equilíbrio e precipitando a todos, e não apenas os marchadores, mas todo o País, no abismo. O Cão sempre atenta, diz o antigo brocardo.

É preocupante ver os aderentes de toda sorte, como aqueles ligados à ala esquerda da Igreja, políticos dos partidos esquerdistas de um modo geral, os bem pensantes esquerdistas de salão, que acham que assim podem acalmar a sua má consciência, tornando-se agentes da revolução, marchando alguns metros como se machassem em busca de um destino glorioso. Todos na corda bamba sobre o precipício, feitos palhaços de circo do interior, só que não há aqui salvaguardas nem rede protetora: um desequilíbrio que seja e será o fim da linha. É tudo que a comunalha deseja; é tudo que as pessoas de bem receiam e rezam para não acontecer.