Grã-Bretanha


A farsa se repete: a “Rússia cristã”, de Stalin a Vladimir Putin

A “nova Rússia” está extremando seus artifícios para tentar cativar cristãos e conservadores no Ocidente.


O curioso é que essa artimanha não é nova. Já foi tentada pelos serviços secretos soviéticos em outras circunstâncias, notadamente nos tempos de Stalin, a quem Vladimir Putin se refere como seu modelo de governante.

Conselhos da Sharia e abuso sexual na Grã-Bretanha

O último escândalo no tocante à exploração sexual de muçulmanas por líderes religiosos islâmicos no Reino Unido é mais uma evidência da maneira com que a Grã-Bretanha faz vista grossa às execráveis práticas que estão acontecendo bem debaixo de seu nariz. Uma investigação conduzida pela BBC na “halala” − ritual que permite que uma muçulmana […]

Londonistão: 423 Novas Mesquitas, 500 Igrejas Fechadas

“Londres é mais islâmica do que muitos países muçulmanos juntos”, de acordo com Maulana Syed Raza Rizvi, um dos pregadores islâmicos que lideram o “Londonistão”, nome dado pela jornalista Melanie Phillips à capital inglesa. Não, Rizvi não é um extremista de direita. Wole Soyinka, Prêmio Nobel de Literatura, foi menos cortês, ele chamou o Reino Unido de “fossa dos islamistas”.

Sobre a defesa da beleza

O que eu sei é que muita gente por aí sente o que eu sinto. Eles concordam comigo que a beleza importa, que a profanação e o niilismo são crimes e que deveríamos encontrar um modo de exaltar nosso mundo e dotá-lo de uma significação mais do que mundana.

Para o bem e para o mal, eu sou identificado pelas elites britânicas como a pessoa com quem se pode contar para defender o indefensável e que se pode permitir defender o indefensável, mesmo em uma televisão estatal (quer dizer, a BBC), desde que a defesa seja suficientemente diluída por outros defendendo o óbvio. No código oficial, “indefensável” quer dizer “conservador”, enquanto que “óbvio” quer dizer “liberal-esquerdista”. Assim sendo, quando a BBC me pediu para participar de uma série de televisão sobre a beleza, esperava-se que eu sustentasse que uma tal coisa realmente existe, que não é só uma questão de gosto, que ela está ligada ao nobre, àquilo que se deve aspirar e ao que há de sagrado em nossos sentimentos, e que a cultura pós-moderna, que enfatiza a feiúra, o desalento e a profanação, é uma traição a um chamado divino. Então, foi isso o que eu disse, já que, afinal de contas, era para isto que eles estavam me pagando. Para alcançar o equilíbrio que a BBC é obrigada por seu regimento a apresentar, dois outros programas foram encomendados, reafirmando as ortodoxias. Eles afirmaram que a arte não tem a ver com a beleza, mas com a originalidade e a originalidade quer dizer você se exibir com a língua (ou algum outro órgão apropriado) para fora.

A nova exportação britânica: carnificina islamista

Quanto tempo ainda vai levar até que as autoridades britânicas compreendam que a sua política atual – tentar melhorar as condições materiais dos muçulmanos e ao mesmo tempo aplacar os islamistas – deixa escapar a questão fundamental da ideologia?

A maior e mais demorada investigação sobre terrorismo realizada na Grã-Bretanha terminou no mês passado com a condenação de três muçulmanos britânicos. A conspiração de 2006 envolvia explodir aviões de passageiros com rotas transatlânticas na esperança de matar até 10.000 pessoas. Essa quase catástrofe nos faz lembrar de forma dolorosa do perigo global apresentado pelo Islã radical baseado no Reino Unido.