Hungria


Brasil, Trump, guerra civil na Europa e a heróica resistência anti-globalista da Polônia

“O crime não é um problema social.” Destacando importantes aspectos políticos, econômicos e históricos dos problemas brasileiros, Heitor De Paola comenta, em seu programa O Outro Lado da Notícia, na Rádio Vox, desde a farsa das privatizações do governo FHC até à influência globalista no atual quadro de violência generalizada no Rio de Janeiro. Também […]

UE aprofunda sua crise com ataques a Hungria e Polônia

O Parlamento Europeu condenou a Hungria por questões de direitos humanos e a ruptura do Estado de direito. Bruxelas está agora ameaçando uma guerra financeira total contra a Hungria e a Polônia, entre outros, por alegados abusos dos direitos humanos e políticas e acções anti-democráticas. Mas com os governos conservadores insistindo no seu direito soberano […]

Soros financia novas ações de Fake News no Facebook

Mais Fake News financiadas por George Soros: no Facebook, o projeto Correctiv Der Spiegel O escritório do “serviço de utilidade pública” Correctiv quer apontar notícias falsas na internet. O trabalho será financiado por instituição do bilionário George Soros. A exata data de início do projeto, ainda não foi indicada, mas o dinheiro já está lá. […]

A reabilitação dos Habsburgos na Hungria

Em setembro de 1944, um verdadeiro rolo compressor soviético submerge a Hungria, esta monarquia sem rei dirigida desde 1º de março de 1920 pelo almirante Miklós Horthy de Nagybánya. Sufocado entre seus aliados nazistas e as tropas de Stalin, Horthy vê seu regime autoritário e nacionalista vacilar sob os golpes da foice e do martelo. No dia 13 de fevereiro de 1945 Budapeste cai depois de um mês de cerco. Os comunistas ocupam o país, votam pela queda dos Habsburgos e proclamam em seguida a república. 27 anos depois da queda do muro de Berlim a Hungria se reconcilia com seu passado e reabilita sua dinastia real. Um Habsburgo hoje poderia novamente cingir a coroa de Saint-Etienne?

Ressurge o antissemitismo ostensivo na Hungria

Ataques a rabinos e cemitérios judaicos tornam-se cada vez mais comuns, embora a resposta do governo húngaro seja dura. Vários já foram condenados.

Desde que recebi notícias de uma organização húngara chamada Pax Hungarica Mozgalon (PHM) e publiquei em meu blog passei a investigar mais detalhes e descobri que o que já cheirava mal é muito pior. O título deste artigo se refere ao ressurgimento do antissemitismo ostensivo, não um renascimento, pois o antissemitismo nunca morreu, mas desde o Holocausto há certa vergonha em promovê-lo ostensivamente. Não mais! Os dados não são abundantes, já que tais organizações mantêm grande parte de sua estrutura ‘invisível’.

Viva a Hungria!

Os tempos correrão na direção que decidamos imprimir-lhes. Nenhuma lei histórica condena as sociedades a ‘progredir’ indefinidamente para a anomia e a dissolução de vínculos”

O Parlamento de Budapest aprovou em 18 de abril passado a nova Constituição da Hungria. O texto apresenta uma série de traços de máximo interesse, embora insólitos na Europa atual. A nova Constituição é tão politicamente incorreta que parece um milagre (não é de se estranhar que a imprensa “progressista” ande rasgando as roupas por causa disso).

A Constituição reconhece explicitamente a importância do passado cristão na forja da identidade húngara. Quer dizer, adota uma postura diametralmente oposta à que caracterizou a abortada Constituição européia (que omitiu qualquer menção ao Cristianismo, embora citasse a Grécia, Roma e o Iluminismo). A Hungria não participa, pois, da patológica atitude de auto-negação histórico-cultural que caracteriza muitos países ocidentais. Reconhecer as raízes cristãs não é mais do que um ato de justiça histórica: é uma profissão de fé (de fato, a Hungria é hoje em dia um dos países mais descristianizados).