Igreja Católica


Livros revelam bastidores da omissão do Vaticano II sobre o comunismo

O vaticanista Andrea Tornielli, (“Paolo VI. L’audacia di un Papa”) trouxe nova luz sobre a omissão da condenação explícita do comunismo pelo Concilio Vaticano II, segundo o escritor Antonio Socci no diário “Libero”. Tornielli publicou carta inédita do cardeal Tisserant, de 22.8.1962, confirmando o acordo entre representantes do Vaticano e da Rússia soviética para impedir […]

Nota sobre minha condenação por danos morais no STJ

Notícia falsa publicada pelo jornal O Popular.

Nosso Bispo Diocesano, Dom João Wilk, estando com a saúde fragilizada, pediu-me que emitisse uma nota à imprensa acerca da minha condenação por danos morais que sofri pela 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, por ter impetrado um habeas corpus em favor de Geovana Gomes Leneu, uma criança deficiente, portadora da síndrome de “body stalk”, condenada ao aborto por uma sentença de um juiz da 1ª vara criminal de Goiânia.

Venezuela: Acordo para o resgate da democracia

CONSIDERANDO

Que não há democracia sem a vigência efetiva de um texto constitucional que ordene de acordo com a justiça, o exercício dos poderes públicos, assim como as relações do poder público com os cidadãos,

CONSIDERANDO

Que não há democracia sem respeito dos direitos humanos, que o exercício dos direitos humanos é irrenunciável e que os órgãos do Poder Público estão obrigados a velar por sua efetiva vigência,

As duas globalizações

Esse processo político é, na verdade, a maior ameaça que paira sobre a humanidade desde a origem, uma vez que tal entidade política mundial não poderia ser outra coisa que não uma ditadura.

Ostpolitik: o capitulacionismo vaticano ante o comunismo aos olhos de um historiador


Observadores do Patriarcado de Moscou, na verdade agentes da KGB disfarçados, chegam para vigiar
que o Vaticano II cumpra a promessa de não condenar o comunismo.


A política de aproximação do Vaticano com o comunismo, ou Ostpolitik, iniciada na década de 1960 sob o bafejo de João XXIII e Paulo VI, não só não deu os resultados esperados, mas se revelou desastrosa para os católicos sob a tirania marxista, escreveu George Weigel, pesquisador do Centro de Ética e Política Pública, de Washington. Seu artigo foi reproduzido no site da insuspeita Unisinos.

Os católicos idiotas úteis de George Soros

Uma série de documentos notáveis foram vazados pela Wikileaks recentemente. A “sociedade aberta” de George Soros (Open Society Policy Center), ao que parece, fez doações de 650 mil dólares a duas organizações religiosas ou “baseadas na fé”. Inicialmente, isso pode se assemelhar a uma conversão religiosa de Soros. Mas não é. Indo mais fundo, essa motivação filatrópica possui um motivo bem mais banal: a política.

No entanto, havia uma dimensão bastante interessante para as doações a esses dois grupos – “PICO” e “Fé na Vida Pública” (Faith in public life, FPL) – que, além de serem “baseadas na fé”, gerenciam redes de ativistas “grass roots” (grass roots em inglês significa “pessoas separadas da elite” ou “gente comum”). Soros estava contribuindo para recrutar 10 mil voluntários, enquanto treinava outros 3.500 para uma mobilização, a fim de influenciar a Igreja Católica em 2015 durante a visita do Papa Francisco aos Estados Unidos.

China: cardeal ataca a falsa “pax” sino-vaticana; Xi Jinping sugere mais repressão a opositores

Se por acaso for afirmado um acordo entre a China comunista e a Santa Sé, ele virá com “a aprovação do Papa”. Mas nem mesmo nesse caso os fiéis estarão obrigados a levá-lo em consideração, se julgarem “em consciência” que é “contrário à fé”, instruiu o Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, noticiou o site “Vatican insider”.

O Cardeal lidera a resistência católica à falsa “pax sino-vaticana” que parece estar tomando forma durante encontros silenciosos de funcionários comunistas chineses com representantes do Vaticano com o aval do Papa Francisco.

O alto prelado salesiano exortou os católicos chineses a adotar uma atitude de resistência diante de acordos e praxes pastorais combinados entre Pequim e o Vaticano, ainda que aprovados pelo pontífice romano.

Holodomor, o genocídio de milhões de ucranianos: ainda um modelo para as esquerdas?

Nas milhares de aldeias ucranianas, desertas e em ruínas, perto de grandes cidades como Kharkiv, Kiev e Odesa, ainda parece se ouvir os uivos da fome, escreveu o jornalista Jeffrey D. Stephaniuk, da agência Euromaidanpress, de quem extraímos as citações deste artigo.

O Papa e a Guerra Santa

Papa Francisco (direita), disse recentemente: “eu não estou falando de uma guerra de religiões. As religiões não querem guerra”, e “eu acredito que não é justo igualar o Islã com a violência. Não é justo e não é verdade”.
Hassan al-Banna (esquerda), fundador da Irmandade Muçulmana, escreveu que “o Nobre Alcorão nomeou os muçulmanos como guardiões da humanidade, que ainda não atingiu sua maioridade, e lhes concede os direitos de suserania e domínio sobre o mundo a fim de realizar esta sublime tarefa.”

Na manhã de 26 de julho, o Padre Jacques Hamel de 85 anos de idade foi assassinado no altar a facadas, enquanto celebrava a missa, por um dos dois devotos do Estado Islâmico que haviam invadido a igreja. O assassino cortou sua garganta e poderia muito bem tê-lo decapitado, como é o costume de muitos carrascos jihadistas. Os seguidores de uma fé que glorifica os assassinos como mártires (shuhada’) criaram um mártir de fé completamente diferente.

“Missa negra” em Oklahoma revolta e mobiliza cristãos ao redor do mundo

Sob o pretexto de uma falsa “liberdade religiosa”, os adoradores de Satanás estão ganhando até espaço público para realizar as suas cerimônias macabras. Como fomos capazes, enquanto sociedade, de chegar a esse ponto?

Os cristãos do estado norte-americano de Oklahoma estão revoltados.